NOSSAS REDES

Cruzeiro do Sul

Com quase 22 mil casos de malária, cidades do Vale do Juruá devem receber 35 mil mosquiteiros

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Secretaria diz que Ministério da Saúde confirmou entrega, mas ainda não divulgou a data e nem quantos mosquiteiros vão para cada cidade. Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima que devem receber.

Foto: Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima que devem receber mosquiteiros para ajudar no combate à malária — Foto: Adelcimar Carvalho/G1.

Com quase 22 mil casos confirmados de malária de janeiro a outubro deste ano, três cidades do Vale do Juruá devem receber do Ministério da Saúde 35 mil mosquiteiros para ajudar no combate à doença. A informação foi confirmada, nesta sexta-feira (9), pela Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre). Não foi divulgada a data da entrega e nem quantos mosquiteiros vão para cada cidade.

Entre as cidades acreanas que vão receber os mosquiteiros impregnados com inseticidas de longa duração estão Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves. Segundo a Saúde, a medida deve beneficiar mais de 45 mil pessoas nesses municípios que são considerados prioritários no enfrentamento da doença.

Conforme dados do boletim epidemiológico, no mês de outubro Cruzeiro do Sul registrou 902 casos da doença. Um aumento de 8% em relação ao mês anterior, quando foram registrados 836 casos de malária. De janeiro a outubro deste ano, a cidade diagnosticou 11.177 casos da doença.

Já a cidade de Rodrigues Alves teve 258 casos de malária em outubro deste ano. O 6,5% menor que em setembro, quando foram diagnosticados 276 casos. Ao todo, nos primeiros dez meses do ano, a cidade registrou 3.556 casos de malária.

Em Mâncio Lima houve uma redução de 17,5% em um mês nos casos de malária. De acordo com os dados, no mês de outubro foram registrados 372 casos da doença e em setembro 451. De janeiro a outubro foram registrados 6,6 mil casos. Iryá Rodrigues. G1Ac.

ACRE

Políticos adotam atitudes eleitoreiras durante a Covid-19 e matam a economia

Bakunin Acriano, o Eremita, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Eremita

Eis que saio de minha caverna e descubro que a população precisa seguir meu exemplo e realizar um longo isolamento. O motivo é a pandemia por coronavírus, diferente dos meus motivos que incluem a falta de paciência com político incompetente contando lorota.

Incompetência I

Falando em política incompetente, a prefeita Socorro Neri deu um tiro no próprio pé ao ter decretado rodízio. Críticas silenciosas choveram e a população que realmente move a economia de Rio Branco odiou. Agora, os eleitores precisam lembrar desse abuso de autoridade durante o pleito.

Incompetência II

Por falar em rodízio, você, meu único leitor, notou que houve uma explosão de casos notificados pela Covid-19 durante essa limitação determinada por numeração das placas dos veículos? Será que os casos aumentaram graças as aglomerações em terminais e coletivos?

“Pra-lamentar” I

Vereadores criticaram o presidente da Fecomércio, Leandro Domingos, por cobrar das “excelências” mais atitudes. Os caras engravatados ficaram de mimimi, mostrando que eles são amadores e incompetentes. Eles, durante esta crise, não fizeram nada mesmo, nem reduziram os próprios gastos e nem cortaram os próprios salários para ajudar na contenção de despesas. Isso é “pra-lamentar”.

“Pra-lamentar” II

O desaforo também vai para os deputados que também não apitam nada. Apenas jogam para o público ideias mirabolantes, principalmente o comunista Edvaldo Magalhães, que na farra defendeu a suspensão do pagamento de empréstimos consignados por servidores. É preciso lembrar que o servidor não teve suspensão e não teve a redução dos salários. O resultado é que ele empurrou uma bomba para o povo, porque a legislação permite que os bancos cobrem juros e multas pela falta do pagamento. É muita atitude eleitoreira e incompetente.

Governador “Magrim”

Nosso governador Gladson Cameli, “o magrim”, está precisando de um bom caldo de feijão, está abatido, mas continua com atitudes eleitoreiras. Ele precisa lembrar que a eleição será realizada apenas em 2022. Assim não pode, magrim.

Reabertura

Essa reabertura dos comércios é necessária e urgente. Pena que falta articulação por parte do governo em garantir a retomada da economia. É sabido que para a retomada da economia é preciso ter vagas nos hospitais, mas a promessa de um hospital de campanha vem desde fevereiro.

Estou voltando a datilografar. Aguarde novos textos e notas semanais para apimentar nossa comuna.

Conheça Bakunin Acreano.

E-mail: bakunin.acreano@protonmail.ch

Continue lendo

Cruzeiro do Sul

Paciente com doença pulmonar consegue na Justiça fornecimento de medicamentos

Gecom TJAC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O deferimento foi baseado na comprovação de hipossuficiência e laudos médicos atestando a necessidade dos fármacos.

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Acre decidiu, à unanimidade, negar provimento ao recurso apresentado pelo ente público estadual. Desta forma, não foi aceito os argumentos interpostos contra a obrigação de ofertar medicamento, que não está disponível no SUS, para paciente de Cruzeiro do Sul.

Na decisão, foi acolhida a demanda contida em Ação Civil Pública para que a mulher diagnosticada com tromboembolia pulmonar possa ter acesso aos remédios prescritos para seu tratamento. Foi estabelecido ainda o prazo de 15 dias para o fornecimento, sob pena de multa diária no valor de R$ 500.

Essa patologia é causada por coágulos de sangue, assim o tratamento tem o objetivo de romper esse coágulo existente para reduzir o risco de morte do paciente. Uma vez que o mesmo pode ser responsável por uma emergência cardiovascular e morte súbita.

A desembargadora Eva Evangelista, relatora do processo, defendeu que a pretensão originária está fundada nos postulados constitucionais do direito à vida, à saúde e à dignidade da pessoa humana. “O fato de um medicamento não ser disponibilizado pelo SUS não exclui a obrigação do Estado de entregar, em casos excepcionais, pois tais medicamentos podem ser fornecidos pelo Poder Público desde que presentes os requisitos cumulativos para tanto”, concluiu.

A decisão foi publicada na edição n° 6.592 do Diário da Justiça Eletrônico (fl. 15), do último dia 13.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias