NOSSAS REDES

Guerra

Em vídeo, mulher integrante de facção criminosa ameaça facção rival; veja

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Um vídeo que circulou esta semana nas redes sociais causou medo à população do município de Quinari, interior do Acre. No vídeo, uma jovem aparece rasgando sua blusa simbolizando sua saída da facção B13, e entrando para a facção comando vermelho.

Em um trecho do vídeo, a jovem fala “vou sai dessa facção imunda de oprimidores, e vamos à casa de vocês, se prepararem vamos chegar (…), estou entrando numa facção de verdade, comando vermelho (…), Quinari é tudo nosso”. Assista: 

ACRE

Mulher é morta com tiro na cabeça e se torna 80ª vítima da guerra de facções no Acre em 2019

Ac24horas, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

As estatísticas da guerra de facções entre o Bonde dos 13 e o Comando Vermelho não param de ser atualizadas. Mais um homicídio foi registrado na tarde desta quinta-feira, 28, em Rio Branco. Dessa vez, a detenta monitorada por tornozeleira Dayane Brito da Silva, 26 anos, foi executada a tiros na rua Floriano Peixoto, em frente o colégio São José, no Centro. Com o óbito de Dayane, o Acre já registra 80 mortes violentas em quase três meses deste ano.
De acordo com informações da polícia, Dayane e uma amiga caminhavam na calçada quando dois homens não identificados em uma motocicleta se aproximaram e o garupa de posse de uma arma de fogo desceu da moto e efetuou vários tiros.

Dayane foi ferida com 2 tiros na cabeça. Sua amiga correu e caiu no barranco nas margens do Rio Acre e conseguiu fugir dos criminosos. Os autores do crime se evadiram do local tomando rumo ignorado.
A ambulância do suporte avançado do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada, mas ao chegar no local nada pode fazer por Dayane que já se encontrava morta.
Policiais Militares do 1°Batalhão isolaram a área até a chegada da perícia técnica do Instituto de Criminalística da Polícia Civil, e em seguida colheram informações, fizeram rondas na região em busca de prender os acusados, mas ninguém foi encontrado.
O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para os devidos procedimentos procedimentos. Agentes da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) iniciaram as investigações.

Continue lendo

CRISE

Reportagem completa: Regime Maduro impede entrada de ajuda e distúrbios deixam mortos e feridos; veja vídeo

Folha de São Paulo, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Cúcuta (Colômbia) , Pacaraima (Roraima) e Brasília.
Foto de capa: Pessoas retiram suprimentos de caminhão incendiado na ponte Santander, entre Colômbia e Venezuela.

Em uma demonstração de força, o regime do ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, impediu neste sábado (23) a entrada de toneladas de alimentos, remédios e itens de primeira necessidade enviados pelos EUA pelas fronteiras de Brasil e Colômbia. 

Confrontos ocorreram nas fronteiras com os dois países, quando caminhões e manifestantes tentaram romper os bloqueios militares para fazer entrar a ajuda humanitária. Segundo Bogotá, os distúrbios deixaram 285 feridos, sendo 255 venezuelanos e 30 colombianos. 

À noite, Brasil e Colômbia retornaram os caminhões para seus respectivos territórios.

Em Santa Elena, cidade fronteiriça, três morreram neste sábado (23) no hospital da cidade, segundo funcionários de saúde venezuelanos. Outros quatro baleados cruzaram a fronteira e foram enviados a Boa Vista.

Na sexta, uma mulher venezuelana já havia morrido em confronto com militares. Já são 13 manifestantes transferidos para o Brasil para atendimento médico.

No final do dia, opositores que se concentravam do lado brasileiro entraram em confronto com militares venezuelanos na divisa. 

A confusão começou após manifestantes colocarem fogo em um prédio que estava sendo usado como base pelas forças de Maduro.

Os militares reagiram jogando gás lacrimogêneo, enquanto os manifestantes lançaram coquetel molotov. Um manifestante foi socorrido.

Dois caminhões colombianos foram queimados em pontes ligando Cúcuta, na Colômbia, a Ureña, na Venezuela. Eles estavam em uma caravana de quatro veículos, de um total de 14, que tentaram seguir viagem depois que os manifestantes romperam uma barreira da Guarda Nacional Venezuelana. 

Veja fotos:

Uma multidão tentou retirar as caixas dos caminhões enquanto o fogo destruía os carregamentos. 

Na ponte Simón Bolívar, o principal ponto de acesso dos venezuelanos a Colômbia, os confrontos duraram algumas horas. 

Os opositores de Maduro atacaram com paus e pedras, e os militares reagiram disparando balas de borracha, bombas de gás lacrimogêneo e tiros para o alto. Paramilitares conhecidos como “colectivos” abriram fogo contra os manifestantes. 

“Com pedras será impossível”, contava um jovem com o rosto coberto que tentava atacar as tropas venezuelanas por baixo da ponte.

“O regime usurpador se vale dos atos mais vis e tenta queimar um caminhão com ajuda humanitária que se encontra em Ureña. Nossos valentes voluntários estão fazendo uma corrente para proteger a comida e os remédios”, escreveu em uma rede social o líder oposicionista Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por cerca de 50 países. O vídeo abaixo mostra os veículos em chamas.

Veja o vídeo:

Apesar de algumas deserções de soldados e oficiais de baixa patente —60, segundo a agência migratória colombiana—, as Forças Armadas da Venezuela se mantiveram coesas e agiram com força.

Do lado brasileiro, a chegada de duas camionetes foi acompanhada pelo chanceler Ernesto Araújo e pelo encarregado de negócios dos EUA no Brasil, Willian Popp.

Em entrevista na Polícia Federal em Pacaraima, Araújo disse que não há uma “linha vermelha” que possa interromper a continuidade da operação. “Só se o caminhão quebrar.”

“Vamos continuar com o plano original de que os caminhões entrem na Venezuela para que a distribuição seja feita do lado de lá. É uma questão de tempo.”

A representante de Guaidó no Brasil, María Teresa Melandria, culpou Maduro por ter conseguido reunir apenas duas camionetes. “Os caminhoneiros foram ameaçados de perder a licença e os caminhões e levá-los presos”, disse.

O fracasso da operação é uma dura derrota para Guaidó, que contava com fazer com que os militares desobedecessem a Maduro e deixassem a ajuda passar.

No dia anterior, deputados venezuelanos exilados afirmavam que um “tsunami” de pessoas iria abrir caminho para o comboio humanitário.

“Nós vamos atravessar, acredite, haverá tanta gente, tanto povo, que os soldados não impedirão nossa passagem”, dizia a deputada Gaby Arellano.

Veja o vídeo:

Relações diplomáticas

Em discurso diante de uma multidão em Caracas, o ditador Nicolás Maduro anunciou neste sábado (23) o rompimento de relações diplomáticas com a Colômbia e deu às representações do país vizinho o prazo de saída de 24 horas. 

Sob a presidência de Iván Duque, a Colômbia foi país que atuou de forma mais consistente para pressionar o regime venezuelano com a entrega dos mantimentos.

Sobre Duque, Maduro disse: “Parece que ele tem cachinhos mas, eu diria ‘você é o diabo’. E você vai se arrepender de se meter com a Venezuela”.

“Maduro não pode romper relações diplomáticas que a Colômbia não tem com ele”, afirmou a vice colombiana, Marta Lucía Rodríguez.

Veja o vídeo:

“Nosso governo não indica embaixador para lá nem reconhecemos o embaixador de Maduro, pois seu mandato terminou no dia 9 de janeiro. É um simples ditador que ocupa por força o Miraflores.”

Maduro também fez referências ao Brasil. “Mandei uma mensagem. Estamos dispostos, a comprar todo arroz, todo leite em pó, toda a carne. Mas pagando. Não somos mau pagadores. Nem mendigos.”

Em nota, a Presidência da República afirmou que “a participação do governo brasileiro foi exitosa em reunir e transportar as doações até o destino de distribuição.”

AFP e Reuters

Continue lendo

VOTE NA ENQUETE

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

Fale Conosco