NOSSAS REDES

Acreanidades

Extrativistas acreanos participam de intercâmbio em comunidades rurais do MT

Assessoria, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os extrativistas e membros da Associação Wilson Pinheiro, do Seringal Porvir, Reserva Extrativista Chico Mendes (Epitaciolândia, AC) participaram de intercâmbio com agricultores e indígenas do interior do Mato Grosso, na região de Juruena (MT), distante 900 quilômetros de Cuiabá.

A programação incluiu visita à fábrica de beneficiamento de castanha-do-brasil (ou castanha-do-pará) da Cooperativa dos Agricultores do Vale do Amanhecer (Coopavam) áreas de Sistemas Agroflorestais, hortas agroecológicas e às instalações da Associação de Mulheres Cantinho da Amazônia e Associação Marias da Terra. Durante o evento, dentre os dias 22 a 24 de abril, foi realizado ainda o IV Encontro de Mulheres Rurais e Indígenas do Noroeste de Mato Grosso e Acre.

“Uma coisa muito importante que nós vimos lá foi que os agricultores estão realizando o sonho de cooperativismo com a Coopavan. O que mais me chamou a atenção foi a união dos produtores rurais. Eles vem lutando, com tropeços, mas estão conseguindo e é por isso que nós viemos visitar e tentar levar alguma coisa daqui para nossa comunidade”, afirma o vice-presidente da Associação Wilson Pinheiro, Jurandi Moura.

A Coopavan trabalha com a produção e beneficiamento de castanha-do-brasil. Em 2019, irá processar 200 toneladas de castanhas e produzir castanha, óleo, farinha e barra de cereais de castanha, todos com certificação orgânica. Instalada no assentamento Vale do Amanhecer, um dos poucos do Mato Grosso que possui Reserva Legal Comunitária, com uma área de 7.200 hectares de floresta amazônica. Para atender a demanda do mercado, a Coopavan tem parceria com comunidades indígenas, de onde vem cerca de 80% da castanha beneficiada na fábrica.

“Não foi fácil quando começamos, há 11 anos. Não tínhamos mercado, aí começamos a trabalhar com o Programa de Aquisição de Alimentos, do Governo Federal e depois conseguimos vender para a iniciativa privada, como a Natura. Mas foi um processo lento e que exigiu muito engajamento da comunidade”, conta Luzenira Lustosa, presidente da Coopavam.

Encontro de Mulheres

Ao todo, participaram 48 mulheres agricultoras e extrativistas do Noroeste de Mato Grosso e do Acre além de representantes dos povos indígenas Apiaká, Cayabi, Cinta-Larga e Munduruku. Elas puderam conhecer experiências como a da Coopavam, da Associação de Mulheres Cantinho da Amazônia – Amca e da Associação Marias da Terra.

“A Anca é uma associação em que a cada três mulheres, um homem pode se associar. Nós produzimos castanha, biscoitos, paçocas e macarrão de castanha. Todos trabalham juntos, mas a diretoria é sempre composta pelas mulheres. Nós montamos essa organização para as mulheres terem uma alternativa de renda”, conta a tesoureira Leonilda Graci Bus.

A Associação Marias da Terra (Amater) estruturou uma cozinha para processar a farinha de banana e a farinha de babaçu. A principal atividade da comunidade Treze de maio, onde está instalada a Amater, é a produção de leite e as mulheres começaram a agregar outras produções com quintas agroflorestais para produzir banana, mandioca e hortaliças .

“Conseguimos instalar a cozinha, por meio do projeto no Programa de Pequenos Projetos Ecossociais e não tínhamos dinheiro para comprar os ingredientes, fizemos uma rifa de potes de cozinha e começamos a trabalhar e depois conseguimos vender a farinha de banana e a de babaçu para o PAA” conta a presidente Sidneia Souza.

Segundo a extrativista Rosiane Alves, do Seringal Porvir, essas experiências mostraram a importância de se organizar para conseguir avanços na comunidade. “Eu estou com expectativa tão grande de colocar todas as ideias que tive durante esse encontro em prática lá no Acre”, disse.

Indígenas

A participação das indígenas Cayabi, Munduruku, Apiaká e Cinta Larga foi um dos pontos fortes do evento. Elas são fornecedoras de castanha para a Coopavan e com a renda obtida têm conseguido melhorais para o dia-a-dia das famílias e da comunidade, com respeito à floresta em pé em um contexto de extração madeireira. Um desses avanços foi a criação, há dois meses, da Associação de Mulheres Cinta Larga.

“A principal lição que nós tiramos desse encontro para o nosso grupo de mulheres Cinta Larga, é que organizadas nós somos mais fortes. A mulher, quando ela se une em uma voz só, nós não abrimos só janelas, nós abrimos portas, e foi isso que a gente vivenciou aqui em Juruena”, conta Adriana Camargo, da Associação de Mulheres Cinta Larga.

O evento foi promovido pelo projeto Poço de Carbono Juruena, desenvolvido pela Associação de Desenvolvimento Rural de Juruena (Adejur), com patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Socioambiental, e pelo projeto Bem Diverso, uma parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF).

ACRE

Sicoob Acre realiza desinfecção do Posto de Atendimento em Rio Branco

Assessoria, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Como parte das diversas ações integrantes do plano elaborado no combate ao novo coronavírus (Covid-19), a Cooperativa de Créditos e Investimentos do Acre (Sicoob Acre) realizou no fim de semana a segunda desinfecção do Posto de Atendimento em Rio Branco. Mesmo com o sistema de controle de pessoas, o espaço localizado ao lado do Comando-Geral da Polícia Militar (PM-AC), no Centro, recebe cooperados ligados à instituição e realiza atendimentos diversos.
Apesar da adoção de todas as medidas de segurança recomendadas pelas autoridades de saúde, como a entrada de um cliente por vez, não podendo estar acompanhado de familiar, o fornecimento de álcool em gel para todos e a obrigatoriedade da utilização de máscara, uma higienização geral do espaço é feita semanalmente para evitar uma possível presença e consequente circulação do vírus no local. Presidente do Sicoob Acre, José Generoso destaca que esta é uma forma de aumentar a segurança contra a doença e proteger a saúde tanto dos funcionários como dos clientes.
“Desde o início da pandemia tomamos várias medidas de contenção para proteger os nossos colaboradores, cooperados e a comunidade em geral que frequentam nossa cooperativa. Dentre as medidas adotadas estão: duas limpezas semanais de desinfeção, home office, redução de carga horária, rodízio de colaborador, férias antecipadas, obrigação do uso de máscaras para todos no interior da cooperativa, álcool gel para todos na entrada da cooperativa e outras”, disse Generoso.
De acordo com o presidente da Cooperativa de Créditos e Investimentos do Acre, a partir da próxima semana todos os demais pontos de atendimento da instituição em Acrelândia, Brasileia e Cruzeiro do Sul também passarão por duas desinfecções semanais. As demais medidas citadas por ele já estão em vigor no interior do estado. A empresa contratada para executar o serviço é especializada em assepsia de ambientes com grande circulação de pessoas e também residências.

Continue lendo

ACRE

Em Rio Branco-AC, procura por imóveis é maior que a oferta

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A cidade de Rio Branco, que é a capital do Acre, localiza-se na Região Norte do Brasil e corresponde ao principal centro econômico, industrial e mercantil do estado. Abrigando uma população de 407.319 habitantes, o município é o sexto com o maior volume populacional da Região Norte e tem a denominação de “Capital da Natureza”, tamanha a presença de recursos naturais e áreas verdes que contemplam a cidade.

 Em relação à sua economia, a cidade de Rio Branco possui o PIB (Produto Interno Bruto) de R$ 8.192.366 mil e o PIB per capita (Renda por pessoa) alcançando os R$ 22.510,95, cenário financeiro este que influencia efetivamente na perspectiva estadual, designado especialmente a movimentar positivamente a economia do estado do Acre. Fundamentada essencialmente pela exploração da borracha, atualmente os meios de viabilização de renda em Rio Branco estão mais associados à exportação da madeira, além da castanha-do-pará, fruto do açaí e óleo da copaíba.

 Toda esta situação discorrida evidencia que, embora seja uma cidade com boa qualidade de vida, Rio Branco ainda passa por um processo de verticalização que, gradualmente, vai se intensificando e expandindo-se à todas as extensões da cidade. O viés industrial no município não é deixado de lado. Pelo contrário. Os segmentos alimentícios, madeireiros, têxteis, mobiliário e de cerâmica exercem expressivo papel no panorama financeiro do município.

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da cidade, por sua vez, contempla o indicador de 0,727, considerado alto para os padrões nacionais e, sobretudo, ratificando o quão benéfico é, para aqueles que prezam por um estilo de vida mais retraído, reservado e em contato com recursos naturais, residir em Rio Branco. No que se refere à infraestrutura, o município vem implementando mecanismos que, em longo prazo, elevarão a cidade à credencial de uma grande metrópole.

Entretanto, levando-se em conta os dias atuais, a cidade de Rio Branco ainda carece de maior injeção de verba na busca por estruturação. Mesmo assim, o panorama social que compreende a capital acreana detém potencialidades que, para os adeptos à passeios repletos de riqueza natural e cultural, sem dúvidas cativarão este perfil de cidadão.

O fomento do turismo no município

 Os pontos turísticos que disseminam-se pelo município são inúmeros e mobilizam fluxos de pessoas de todo o país, especialmente em períodos sazonais, que envolvem as férias. A Gameleira, árvore histórica que serviu de acampamento para o desbravador Neutel Maia, costuma compor as rotas turísticas das pessoas. Assim como O Casarão, uma ampla residência que pertenceu ao ex-governador Abdon Massari, e hoje é utilizada para fins culturais e artísticos. Também podemos mencionar o Obelisco do Acre, um monumento edificado pelo governo estadual com a finalidade de rememorar as figuras que protagonizaram a Revolução Acreana. Agora, de maior notoriedade e extremamente convidativo, o Parque da Maternidade é, talvez, a atração turística de maior destaque, constituindo-se por quadras de esportes, pistas de skates, restaurantes, quiosques e ciclovias, recebendo anualmente uma grande demanda de turistas amantes de esportes.

As festas típicas de Rio Branco, caracterizadas pela exposição da cultura local, também são válvulas propulsoras do turismo na capital acreana. Seja a Festa Boca de Mulher, o Expo Acre ou o Festival do Açaí de Feijó, todos estes eventos recepcionam visitantes de todo o país que, estimulados a conhecerem novas culturas, frequentam as festividades e desfrutam do entretenimento que elas oferecem.

Rio Branco e sua infraestrutura

No tocante à infraestrutura da cidade em sua plenitude e suas vertentes, dissertamos acerca do transporte de Rio Branco, que tem se desenvolvido após a intensificação de investimentos no setor por parte da iniciativa pública. Interligando a maioria dos bairros da cidade, os ônibus efetuam, diariamente, os deslocamentos mais expressivos pela extensão de Rio Branco, comportando a demanda do cidadão acreano e oferecendo-lhe condições minimamente aceitáveis de conforto e acomodação. As casas em Rio Branco foram impactadas por esta virtude, valorizando-as.

O tráfego aéreo é facilmente viabilizado através da presença do Aeroporto Internacional de Rio Branco, que abrange o fluxo de pessoas de todas as localidades e é considerado como um dos mais modernos e tecnológicos do Brasil.

Em referência à educação, a cidade compreende 211 escolas de ensino fundamental, além de 51 escolas de ensino e 70 de pré-escola, certificando a pluralidade de alternativas para a criança e o adolescente rio branquense que residirem, inclusive, nas áreas mais afastadas da capital acreana.

A geração de empregos na capital acreana

O desemprego no estado, que por anos afetou o cidadão e inviabilizou sua ascensão profissional e financeira, finalmente recuou em 2019 e, norteados por este índice, a retomada de confiança mediante o mercado foi identificado no morador do Acre.

Registrando uma queda de 64 mil para 48 mil desempregados, o cenário econômico foi impactado por este nova postura do empreendedor acreano que, credenciado a efetuar novos investimentos a fim de expandir seu negócios, observaram a necessidade por uma nova oferta de mão de obra no estado, estimulando a empregabilidade e trabalhando em prol do impulsionamento da economia.

Diante desta perspectiva, a cidade Rio Branco, que detém a maior influência sobre a economia acreana, foi de encontro à direção abordada e, desta maneira, passou a intensificar seu consumo, promovendo outros segmentos que também privilegiaram-se com a aceleração econômica. O mercado de imóveis, no entanto, esteve aquém desta contingência, sinalizando uma oferta inferior a demanda.

A intensificação da procura por imóveis na cidade

Com o aquecimento financeiro e o iminente aumento do poderio aquisitivo do cidadão rio branquense, as novas possibilidades econômicas das pessoas promoveram o interesse em investimentos destinados nos imóveis à venda em Rio Branco.

Todavia, embora o segmento tenha apontado uma alta de 32% nas aquisições, em relação ao ano de 2018, as construtoras não tem comportado a atual exigência da demanda que, extremamente propensa a procurar moradia na cidade, superou as projeções do mercado e reforçou a necessidade de, fundamentalmente, alavancar os investimentos em imóveis, oferecendo uma variedade de empreendimentos para aqueles que inclinam-se às vendas e, principalmente, atendendo este nicho que compreende uma expansão e fortifica o cenário econômico da cidade.

Portanto, a criação de mecanismos para suprir a necessidade do cliente é inadiável se, ainda sim, a cidade de Rio Branco ambiciona, em curto prazo, desenvolver-se através dessa tendência de mercado reconhecida nos dias de hoje.

Gostou deste artigo sobre  Rio Branco- AC, procura por imóveis é maior que a oferta? Não perca tempo e compartilhe-o em suas redes sociais!

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias