NOSSAS REDES

CIDADES

Moradores reclamam de falta d’água em bairros de Rio Branco

PUBLICADO

em

Reclamações foram feitas à Rede Amazônica Acre e exibidas no Jornal do Acre 1ª Edição desta terça (22). Depasa diz que problemas são pontuais e resolvidos.

Moradores de diversos bairros de Rio Branco afirmam que não recebem água há vários dias. As denúncias foram enviadas à Rede Amazônica Acre e exibidas no Jornal do Acre 2ª Edição desta terça-feira (22).

As reclamações vieram dos bairros Novo Calafate, Bela Vista, Taquari, Rosalinda e Conjunto Habitacional Cidade do Povo, no Segundo Distrito da capital acreana. Em alguns lugares, a população afirma que não cai água há uma semana.

O secretário de Infraestrutura e Desenvolvimento Urbano do Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento do Acre (Depasa), Thiago Caetano, afirmou que constantemente acontecem problemas no abastecimento de água, seja por problema em alguma bomba ou rompimento de tubulação, mas que todas as situações são pontuais e resolvidas pelas equipes.

“Quando quebra uma bomba a gente faz a retirada, leva em uma autopeças para voltar. Às vezes isso leva de dois a três dias. Mas, esse tipo de falta de água é comum, porém, o máximo que o sistema pode ficar é de dois a três dias com problema em algum bairro e depois retorma”, complementou Caetano.

O Residencial Rosalinda é um dos lugares que estava há uma semana sem receber água. Para garantir o abastecimento só na bomba. Tem que gastar o uso de energia para não ficar sem água.

O autônomo Francisco Junqueira não tem bomba, então, fica sem água da rede pública. Todos os reservatórios da casa dele estavam secos. Para não ficar sem água, o morador recorreu a um vizinho que tem poço.

“A gente fica a todo tempo atrás de água. Está tudo seco, a caixa de cima está seca também. A gente precisa cozinhar, lava roupa e falta água aqui no Rosalinda. Está difícil”, lamentou.

O caminhoneiro Manoel Aguinaldo Oliveira é a esperança de alguns vizinhos próximos. Com um poço no quintal de casa, Oliveira fornece água aos demais moradores. “Os vizinhos de perto pegam água no meu poço, que tem água graças a Deus”, afirmou.

Moradores da Cidade do Povo, nas quadras de 1 a 6, também alegam estarem sem água. Na Rua Baguari, no bairro Taquari, os moradores afirmam que não cai água há cinco dias. Um dos moradores ainda questiona o porquê a população não tem água potável se o rio está cheio. No bairro Bela Vista, Vila ivonete e Novo Calafate também não cai água alguns dias.

O autônomo Cleiverson Queiroz, que mora na Travessa Buriti, no bairro Novo Calafate, afirma que os moradores não recebem água desde o sábado (19).

“Causa um transtorno geral porque você não tem como tomar banho, fazer as coisas de casa. Então, aqui em casa só quem tomou banho hoje foi minha esposa porque vai trabalhar. Vamos na caminhonete pegar água em um balde grande na casa de uma pessoa que tem poço. Na cozinha está tudo sujo. Fica inviável você, difícil você cumprir com as obrigações mínimas sem água”, afirmou.

Problemas

Ainda segundo o Depasa, não é comum a população fica mais de três dias sem abastecimento. Nesses casos, o secretário Thiago Caetano recomendou que os moradores procurem o Depasa, ou algum dos canais de comunicação do órgão, para informar sobre o problema.

“Todo e qualquer situação que ultrapasse três a quatro dias normalmente é problema na entrada de turbulação, que está entupida, um rompimento que impeça chegar água nessa casa. Orientamos que as pessoas procuremo Depasa. Havia um 0800, mas está com problemas, problemas vamos tentar retornar com outros meios de comunição, até mesmo com número de WhatsApp para a pessoa poder bater foto da situação, com a localização e mandar.

O secretário confirmou que semana passada a região do Segundo Distrito de Rio Branco ficou quatro dias sem abastecimento devido um problema na turbulação. “Quando ia retornar houve um rompimento de um cabo de energia, que foi consertado depois. Quando acontece esses casos o sistema ainda demora um pouco pra poder regularizar o ciclo de água”, destacou.

Abastecimento reduzido

Os bairros da Baixada da Sobral e próximos ao Horto Florestal também enfrentam problemas de água. Segundo Caetano, o abastecimento foi reduzido de 200 litros de água por segundo devido um problema mecânico nas bombas das esstações de Tratamento de Água de Rio Branco (ETA I e II).

“O ciclo mudou, algumas horas vai ficar abastecendo um bairro e em outra abastecendo outro. Não houve uma interrupção total, houve mudança. As vezes o que acontece também é quando há essa mudança de ciclo de abastecimento, muitas pessoas ficam sem água porque não estão preparadas”, complementou.

Área do Leitor

Receba as publicações diárias por e-mail

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS