NOSSAS REDES

ACRE

Acre tem mais de 10% da população em insegurança alimentar grave

PUBLICADO

em

Após um período de redução, a insegurança alimentar voltou a afetar mais de 10% da população do Acre. Entre 2009 e 2013, fase em que a fome atingia menos de 10% dos acreanos, centenas de famílias saíram do Mapa da Fome mas desde 2018 o Estado apresenta crescimento de pessoas em insegurança alimentar grave.

“As desigualdades regionais, historicamente conhecidas e insuficientemente combatidas, estão presentes nas restrições à capacidade de acesso das famílias aos alimentos, acentuadas pela maior prevalência da IA grave nos domicílios rurais onde também ocorrem, com maior frequência, a baixa renda, baixa escolaridade, maior insegurança hídrica e o menor acesso às políticas públicas”, diz o estudo Insegurança Alimentar e Covid-19 no Brasil, produzido pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN).

Segundo o estudo, do total de 211,7 milhões de brasileiros(as), 116,8 milhões conviviam com algum grau de Insegurança Alimentar e, destes, 43,4 milhões não tinham alimentos em quantidade suficiente e 19 milhões de brasileiros(as) enfrentavam a fome.

A pesquisa leva em consideração uma amostra de 1.662 domicílios urbanos e 518 rurais e acontece a a cada quatro anos.

Nas regiões mais pobres do Norte e Nordeste, a fome (insegurança grave) chega a afetar 18% e 14% dos domicílios, respectivamente, ante média nacional de 9%.

No Centro-Oeste, conhecido como “celeiro do Brasil”, mais de um terço das famílias sofre com grau leve de insegurança alimentar.

Os governos tem tentado reduzir os impactos da Covid-19 na insegurança alimentar concedendo auxílios emergenciais financeiros e distribuindo cestas básicas. O estudo sugere que essas ações tem sido insuficientes.

Com informações de Ac24horas

Área do Leitor

Receba as publicações diárias por e-mail

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS