NOSSAS REDES

ACRE

Acre tem redução dos índices de homicídios acima da média nacional

G1, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Um levantamento divulgado nesta quinta-feira, 18, pelo site de notícias on-line G1, mostra que o Brasil teve uma queda de 25% na média do número de homicídios nos dois primeiros meses deste ano, se comparado ao mesmo período do ano passado. O Acre entra nessa estatística como o segundo estado da região norte que mais preservou vidas e com a média acima da divulgada a nível nacional, com 29,11%, de acordo com o relatório de inteligência da Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

O levantamento que rotulam de “Monitor da Violência”, foi realizado pelo próprio site de notícias em parceria com o Núcleo de Estudos da Violência na USP e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Segundo os dados, no Brasil, o estado do Ceará foi o que mais apresentou redução de mortes violentas com queda de 58%. Na região norte, o estado que mais preservou vidas foi o Amapá com 35,8%, seguido do Acre com 29,11% e Pará com 26,8%. Ainda na região norte, os dois estados do país que apresentaram um aumento no número de crimes foram Amazonas e Rondônia.

Especialistas em Segurança Pública entrevistados pelo site, preveem a continuidade da queda dos números para os próximos meses do ano. Através de análises do cenário a nível nacional, concluem que a razão para o declínio dos números se dá por diversos motivos, entre eles a mudança na própria dinâmica das organizações criminosas, a criação do Ministério da Segurança Pública na gestão passada. Aplicação de dinheiro em políticas públicas e investimento em tecnologia e ações de enfrentamento praticadas pelos próprios governantes de Estado para o controle da criminalidade pressionados pelos índices.

No Acre, a Segurança Pública investiu através da entrega de equipamentos e veículos, investiu em tecnologia para coibir crimes de roubo e furto, deflagrou operações com reforço de policiamento nas ruas diariamente em todo o estado, promoveu o endurecimento da rotina nos presídios com revistas periódicas. Além de reuniões semanais com os gestores das instituições que compõem o sistema integrado para debater os resultados e gerar novas estratégias de enfrentamento ao crime

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

PAPO DE ACADEMIA

Assessoria, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Mesmo considerando as academias como serviço essencial, “não é o momento de reabri-las” diz empresários de Feijó e Tarauacá. (mais…)

Continue lendo

ACRE

Mantida condenação de consumidor por litigância de má-fé

Gecom TJAC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Para os membros do órgão colegiado, ficou evidenciado que o consumidor alterou a verdade dos fatos no desígnio de receber indenização.

A Segunda Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Acre negou provimento ao recurso de apelação, interposto por um consumidor, em desfavor da empresa de telefonia do qual ele tinha contrato de serviço e teve o nome no cadastro de inadimplentes por falta de pagamento.

Para os membros do órgão colegiado, ficou evidenciado que o consumidor alterou a verdade dos fatos no desígnio de receber indenização e mantiveram a condenação por litigância de má-fé.

O autor do processo interpôs recurso de apelação contra sentença de primeiro grau por ter negado indenização por danos morais a ele em um ação declaratória de inexistência de débito.

Nos autos, o consumidor alegou não ter sido informado da mudança da conta pré-paga para a modalidade pós-pago. Mesmo com algumas faturas pagas, o consumidor esclareceu que jamais pagou fatura da conta e que desconhece quem tenha efetuado o pagamento. Ele relatou ainda que a inscrição do seu nome, por outras contas sem pagamento, em cadastro de inadimplentes, se mostra ilegal e indevida.

Por outro lado, a empresa apresentou que o contrato foi efetivamente celebrado em de março de 2016 e resultou da migração do usuário de um plano para outro, que houve pagamento de algumas faturas e que as contratações ocorrem por meio virtual, tendo o recorrente fornecido todos os seus dados.

Ao decidir pela manutenção da sentença de primeiro grau, a relatora do processo, desembargadora Regina Ferrari, entendeu que os conteúdos de telas de sistema interno da operadora servem como indicativo de que o contrato foi efetivamente celebrado entre as partes e que o relatório pormenorizado de chamadas originadas da linha telefônica é elemento de prova.

“A ausência de impugnação específica na réplica – sobre os fatos impeditivos apresentados e provados pela parte ré autoriza a conclusão de que o negócio realmente foi celebrado entre as partes, cuja falta de pagamento de algumas contas mensais justifica a existência da dívida e a inserção do nome do devedor no cadastro de inadimplentes”, diz trecho do voto.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias