NOSSAS REDES

ACRE

Adolescente que teria sido tirada de casa à força por grupo é achada perto de delegacia no AC

PUBLICADO

em

A adolescente que teria sido sequestrada por um grupo criminoso em Feijó, interior do Acre, foi encontrada na manhã desta quarta-feira (25). Ela foi achada pelas polícias Civil e Militar no bairro Geni Nunes, próximo à delegacia da cidade.

A menina teria sido levada à força na noite desta segunda (23), após ter a casa invadida por cerca de dez pessoas. A família procurou a polícia e registrou um boletim de desaparecimento.

O G1 tentou contato novamente com a família, mas não obteve retorno.

Em depoimento, a adolescente disse que não reconhece as pessoas que a levaram e nem o lugar onde ficou. A jovem está na cidade há cerca de um mês. Antes morava no município do Envira, no Amazonas.

A polícia falou que a menina foi achada sem ferimentos. Ela foi ouvida em depoimento, mas não revelou onde estava, quem são as pessoas e nem se foi machucada. A polícia acredita que a adolescente não passou mais detalhes do caso por medo.

“Ela foi levada à força, mas não reconhece ninguém e acredita que foi uma brincadeira de mau gosto. Disse que não reconheceu ninguém, não sabe o porquê, o pessoal estava encapuzado e não sabe o motivo que libertaram ela”, disse ao G1 o policial civil Elissandro.

A polícia falou ainda que, antes de achar a adolescente, conduziu algumas pessoas para a delegacia. Entre essas pessoas estava o ex-namorado da menina. Após depoimentos, as pessoas foram liberadas.

“Ouvimos e, aparentemente, não tem nada a ver. Outras pessoas que estavam em uma casa onde ela morava antes também foram levadas. Pessoal tem medo de falar. Ela não informou se é de facção, é bem reservada”, contou.

O policial acrescentou também que a adolescente foi deixada em um lugar seguro após o depoimento, mas não informou para não atrapalhar as investigações. A polícia continua apurando o caso para tentar identificar as pessoas que levaram a menina.

“Vai ficar em segurança até a gente descobrir o que ocorreu nesta situação. Geralmente, aqui no estado, invadem a casa e matam logo. Mas, no caso dela é estranho porque não fizeram. Algum motivo maior, alheio a eles, não fizeram nada”, concluiu.

Área do Leitor

Receba as publicações diárias por e-mail

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS

WhatsApp chat