NOSSAS REDES

Economia e Negócios

Câmara conclui votação da venda de distribuidoras da Eletrobras; Distribuidora do Acre será privatizada

PUBLICADO

em

Texto ainda tem de passar pelo Senado e por sanção presidencial.

A Câmara dos Deputados concluiu nesta terça-feira (10) a votação do projeto que permite a venda de seis distribuidoras da Eletrobras no Norte e Nordeste.

O objetivo do governo é privatizar as distribuidoras controladas pela estatal no Acre, Alagoas, Amazonas, Piauí, Rondônia e Roraima. A operação abre caminho para futura venda da Eletrobras ao setor privado.



O texto ainda tem que passar pelo Senado e por sanção presidencial.

Para que seja votado antes da data para a qual está marcado o leilão das distribuidoras, o texto teria de ser aprovado ainda nesta semana pelo Senado, já que na próxima se inicia o recesso parlamentar.

O certame está marcado para o dia 26 de julho, mas a Eletrobras admite que pode adiá-lo.

O projeto equaciona pendências judiciais e débitos das distribuidoras. Na prática, o texto transfere dívidas bilionárias à conta de luz do consumidor. A medida é considerada essencial para atrair investidores para a compra dessas empresas. Sem a privatização, o governo afirma que elas podem ser liquidadas.

A liquidação é considerada uma medida extrema, porque geraria dúvidas sobre a continuidade da prestação do serviço e traria a possibilidade de uma demissão em massa de funcionários e uma grande transferência de passivos à Eletrobras.

O texto-base do projeto tinha sido aprovado na quarta-feira (4), mas ainda faltam os destaques ao texto.

A recente decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski que barrou a venda de controle acionário de empresas estatais e subsidiárias sem autorização prévia no Congresso é mais um fator de indefinição para esse processo. Por Angela Boldrini.

Este slideshow necessita de JavaScript.

DINHEIRO

Que oportunidades a entrada do U.S. Bancorp no Brasil apresentará para os investidores brasileiros?

PUBLICADO

em

O U.S. Bancorp tem atuado na Ásia desde a década de 1990, com a ascensão das economias asiáticas, e estabeleceu uma sede regional em Hong Kong para cobrir os mercados emergentes de Taiwan, Coreia, Japão e Singapura. Ao trabalhar em estreita colaboração com bancos locais, corretoras e grupos de gerenciamento de ativos, o banco obteve um sucesso notável na Ásia.

No entanto, com a mudança da situação em Hong Kong e o surto de COVID-19 em 2019, o ambiente de negócios para empresas estrangeiras na China mudou significativamente. Diante desse cenário, cada vez mais empresas multinacionais estão optando por transferir suas sedes para fora de Hong Kong. O U.S. Bancorp também está considerando mudar sua sede asiática para outro lugar. Inicialmente, a rota era Singapura; no entanto, por insistência do Sr. Bailey Neymar, foi tomada a decisão de transferi-la para seu país natal, o Brasil. Essa decisão foi baseada não apenas na força econômica do Brasil, mas também nas fortes relações políticas e civis entre o Brasil e os Estados Unidos.



Nascido em 1969 em Salvador, Brasil, o Sr. Bailey Neymar estudou nos Estados Unidos e obteve um mestrado na Universidade de Princeton e um doutorado em finanças na Universidade de Sydney. Ele ingressou no U.S. Bancorp em 2003 e atuou como o segundo Diretor Executivo em Hong Kong, onde promoveu ativamente a mudança da sede regional para o Brasil.

Desde janeiro de 2023, o Departamento de Gestão de Investimentos da sede regional do U.S. Bancorp na região Ásia-Pacífico tem mantido uma comunicação próxima com o Conselho Monetário Nacional, interagido frequentemente com A bolsa do Brasil e estabelecido relações estreitas com diversas corporações, incluindo o Banco Bradesco, a Ambev e o XP Investimentos, o que tem gerado resultados significativos.

Com o objetivo de abrir rapidamente o mercado brasileiro e atrair mais investidores institucionais e individuais, o Sr. Bailey Neymar lançou o programa “Wealth Express”, que será realizado duas vezes por ano a partir de 2023. O programa é destinado a investidores individuais no mercado de ações e é operado em parceria com a sólida experiência e os recursos do U.S. Bancorp.

Em agosto de 2023, a equipe do Sr. Bailey Neymar organizou com sucesso a primeira edição do “Wealth Express”, que permitiu que os investidores individuais ganhassem mais de 150%. O grande sucesso desse projeto recebeu as calorosas boas-vindas da maioria dos investidores, e estamos ansiosos pelo lançamento da segunda fase.

Sabemos que a equipe do Sr. Bailey Neymar está trabalhando arduamente para se preparar para a segunda fase do Wealth Express em março de 2024, que deverá gerar retornos na faixa de 100% a 300%.

Saudamos calorosamente a expansão do U.S. Bancorp no mercado brasileiro, trazendo benefícios tangíveis aos investidores brasileiros, e esperamos ver o Wealth Express do Sr. Bailey Neymar continuar a levar os investidores brasileiros a um futuro mais rico! Além disso, o United Bank planeja oferecer aos investidores em ações brasileiros oportunidades internas de ações essenciais destinadas a aumentar sua visibilidade e influência no Brasil, que estarão disponíveis a eles simplesmente por se tornarem membros do banco.

Continue lendo

DINHEIRO

Por que iniciar um e-commerce hoje no Brasil? Descubra já!

PUBLICADO

em

7 razões pelas quais você deve considerar lançar seu próprio negócio online

Os negócios online nunca estiveram tão em alta. Hoje, tudo que você quiser ou precisar tem online, você pode encontrar médicos via vídeo-consulta, comprar em lojas como Amazon ou Magazine Luiza sem sair de casa e até mesmo jogar em plataformas como o 777bet no conforto do seu lar.

Durante a pandemia do COVID-19 houve um “BOOM” na área do e-commerce devido à necessidade das pessoas de reinventarem o método pelo qual elas fariam negócio e teriam as suas rendas. Um levantamento da SmartHint mostrou que o faturamento dos e-commerces, em 2022, teve um aumento de 785% em comparação com antes da pandemia. Isso só mostra como esse é um mercado em alta. Segundo o NuvemShop, pequenos e médios negócios digitais conseguiram faturar no primeiro trimestre de 2023, R$ 703 milhões, um crescimento de 23% quando comparado ao mesmo período do ano anterior. 

Existem dezenas de razões pelas quais vale a pena abrir o seu próprio negócio online e começar a trabalhar com isso, sendo o seu próprio chefe. Hoje, para ajudá-lo a tomar uma boa decisão quanto a abertura do próprio e-commerce, vamos mostrar as 7 principais razões pelas quais você deveria iniciar um negócio online.



1. Investimento inicial que cabe no bolso

Em geral, abrir negócios custa caro. Você precisa alugar ou comprar um espaço, mobiliar o local, gerar um estoque, contratar funcionários e fazer campanhas massivas de marketing. Somente com o local do comércio, estúdio, escritório ou salão você já deve gastar uma boa parte do dinheiro que juntou para investimento inicial. Se quiser atingir um público maior ainda, se alocando em bairros nobres ou movimentados, isso sairá ainda mais caro. Em um e-commerce não é preciso nada disso. Basta adquirir um domínio, construir um site e pronto.

2. Flexibilidade na gestão e horários

Ser seu próprio chefe pode parecer assustador a princípio, mas isso gera muito mais flexibilidade, algo necessário para que um negócio prospere. Assim, você consegue organizar os horários do site para ficar em funcionamento, podendo definir qual o melhor momento para abrir quando não vale a pena ficar com o site e redes movimentados. Todas as decisões passam por você, permitindo que pratique uma gestão bem detalhada.

3. Menor burocracia no processo

Apenas com um MEI já é possível fazer o seu próprio e-commerce sem dificuldades. Assim, não precisa de um contador para a empresa e paga uma taxa fixa mensal. Claro que, para poder utilizar o MEI é preciso estar com renda dentro do limite permitido, que é até 81 mil reais. Agora, se você vai prestar serviços ou exercer uma atividade intelectual, o caminho é se formalizar como EI (Empresário Individual), ME (Microempresa), EIRELI (Empresa Individual de Responsabilidade Limitada) ou EPP (Empresa de Pequeno Porte), cada uma com sua própria função e características.

4. Atinge um público muito abrangente

No Brasil, segundo a pesquisa Digital 2022 Brazil, mais de 77% da população tem acesso à internet em computadores. O número de acessos mobile, no país, chega a 224 milhões de conexões. Isso mostra como o alcance online é grande, você pode chegar até pessoas de todo o mundo sem precisar sair de casa. As divulgações online também podem ser mais clean econômicas, enquanto que alugar espaços físicos para isso tem uma lto custo e não atinge tantas pessoas assim. Online você pode filtrar por site, ambiente, rede social e demais características que te levarão até o seu público alvo.

5. Enorme variedade de nichos

São centenas de áreas para seguir. Claro que, em espaços físicos, você também pode abranger diversas áreas, mas o e-commerce possui a vantagem de não impor limites, você pode oferecer trabalhos digitais ou físicos, pode vender produtos, serviços ou tempo. É possível usar da criatividade e desenvolver métodos e projetos totalmente novos para o seu nicho de atuação.

6. Pode trabalhar sob demanda e sem estoques

É uma escolha que você terá no seu próprio e-commerce. Trabalhar sob demanda ou com estoque são as duas opções que surgem e cada uma delas possui as suas vantagens e desvantagens. Trabalhar com produtos em estoque gera entregas mais rápidas e é bom para clientes com senso de urgência, mas, em troca, você terá um grande gasto antes mesmo de ter feito alguma venda apenas para repor o estoque. Por sua vez, trabalhos sob demanda acabam demorando mais, mas eles não geram gastos, uma vez que você só vai adquirir ou produzir o material após o pagamento e confirmação, além disso, gera um sentimento de exclusividade no cliente, que vai se sentir especial por ter um produto feito ou adquirido especialmente para ele.

7. Atendimento contínuo ao usuário

O negócio online só fecha se você quiser. É possível aplicar estratégias que te ajudem a deixar o e-commerce funcionando 24/7, gerando melhores resultados e nunca deixando de atender os seus usuários. Para isso, você pode utilizar chatbots para melhorar o atendimento ao usuário ou até mesmo ter uma equipe de atendimento sempre a postos para atender as necessidades dos clientes quando elas surgirem.

Foto de capa [reprodução internet]

Continue lendo

BRASIL

Como os proprietários de negócios podem se proteger contra fraudes corporativas?

PUBLICADO

em

Em todo o mundo, juntamente com a difusão da cultura corporativa, o número de crimes internos está a aumentar. Cada vez mais funcionários se atrevem a roubar dos seus chefes. Tais violações são difíceis de detectar sem violar a mesma ética corporativa. E tornaram-se agora uma ameaça fundamental para os negócios – tanto financeira como de reputação. Geralmente, o serviço de segurança detecta crimes corporativos nas últimas etapas, quando o funcionário culpado já pode estar em outro país. Tais maquinações de vigaristas ocorrem tanto em pequenas empresas quanto em empresas gigantes.

Neste artigo, consideraremos quais tipos de crimes corporativos internos existem usando o exemplo de cinco casos e daremos conselhos sobre como identificar esses vigaristas e como resistir a eles.



Tipos de fraude

Fraude corporativa é as maquinações de funcionários que causam perdas financeiras à empresa. De acordo com uma pesquisa da Deloitte Forensic, 55% das empresas já enfrentaram fraude corporativa. Ao mesmo tempo, os autores da pesquisa têm certeza de que há ainda mais casos desse tipo, mas apenas fatos comprovados foram incluídos nessas estatísticas.

Os tipos mais comuns de fraude corporativa são:

  • Falsificação de documentos

Os funcionários podem fornecer informações falsas sobre os indicadores de desempenho da empresa. Ou trata-se de documentos financeiros ou de emprego fictício de funcionários. Dessa forma, os vigaristas ganham dinheiro e é bastante difícil para os diretores da empresa detectar tais violações.

  • Divulgação de informações confidenciais

O funcionário pode deixar divulgar-se a base de clientes, documentos comerciais ou tecnologias da empresa. Isso levará as informações críticas a serem conhecidas por terceiros ou concorrentes por culpa do funcionário.

  • Abertura de empresas afiliadas

Os funcionários podem registrar-se ou registrar os seus familiares como pessoa jurídica e celebrar acordos não com a empresa principal, mas com a sua própria.

  • Chantagem

O vigarista pode exigir dinheiro da empresa para não divulgar informações importantes. Os subordinados costumam recorrer a esses métodos durante a demissão.

  • Roubo de valores materiais

Esse tipo de fraude corporativa é comum entre o pessoal que trabalha com o produto. Os funcionários podem roubar o produto ou retirá-lo sob o pretexto de defeito.

Exemplos de fraude corporativa

Consideremos 5 casos em que funcionários roubaram fundos da sua própria empresa.

  • Especialista TI de Wildberries estava engajado na “promoção cinza”

A empresa Wildberries descobriu perdas de aproximadamente US$ 6 milhões. A maioria das perdas são promoções fraudulentas no mercado. Acontece que o administrador do site criou um bot especial do Telegram, por meio do qual os vendedores compravam publicidade não oficialmente de graça, mas na verdade pagavam a ele.

  • O chefe do departamento de vendas manipulou tarifas e recebeu luvas

Algum Dmytró Rukin trabalhou como chefe do departamento de vendas do sistema de pagamentos internacionais 4Bill. De acordo com o resultado da auditoria interna da empresa, está estabelecido que os funcionários Dmytró Rukin, Nazar Yanko, Serhii Hanin e Kateryna Horobets desviaram capital de giro, em alguns casos em conluio com gestores mercantis, manipularam a superestimação e subestimação de tarifas e receberam luvas. Na verdade, os atacantes invadiram a filial regional enganando os funcionários locais do escritório espanhol. Quando foi aberto um processo criminal na Ucrânia, onde a empresa está registrada, Rukin e os seus cúmplices abriram diversas empresas em seus nomes e ainda trabalham em países latino-americanos por meio do sistema de pagamento online BetterBro e a marca LaFinteca.

  • Um funcionário da Apple aceitou subornos e inflou o preço das mercadorias

Dhirendra Prasad trabalhou na empresa em 2008-2018, foi responsável pela compra de peças e alguns serviços da Apple. A sua participação em fraude começou em 2011: recebeu subornos para celebrar acordos e inflou faturas. O homem desenvolveu o esquema criminoso junto com dois cúmplices. Todos os três reconheceram a sua culpa.

  • Um funcionário do armazém da Amazon roubou componentes

De acordo com os dados dos investigadores, Douglas Wright Jr., gerente de operações de um armazém da Amazon em Charlotte, Carolina do Norte, lhe robou ao seu empregador entre junho de 2020 e setembro de 2021. Para obter componentes como discos rígidos e processadores, o homem usaba autorização interna, enviaba os produtos roubados para sua casa e depois os revendia para grossistas na Califórnia. As perdas da empresa são cerca de US$ 250 000. Ele corre o risco de ser preso para até 20 anos.

  • Testador da Microsoft roubou moeda digital

Volodymyr Kvashchuk, de 25 anos, estava testando uma plataforma online para vendas no varejo. A plataforma oferece a oportunidade de receber cartões-presente com moeda digital, que podem ser trocados por produtos Microsoft. Kvashchuk revendeu parcialmente na Internet os produtos adquiridos desta forma. Mas a maior parte da moeda digital – no valor de US$ 10 milhões – vendeu a terceiros com desconto. Em junho de 2018, o esquema foi descoberto e Kvashchuk foi demitido.

Prevenção de fraude

Especialistas identificam diversos meios de combate às maquinações dentro da empresa.

  • Fortalecer o controle

Os documentos e transações mais importantes devem passar por diversos especialistas. Assim, se for detectada fraude, o círculo de suspeitos será reduzido.

  • Restringir o acesso às informações

É lógico que cada funcionário da empresa tenha as informações de que necessita para o seu trabalho. Restrinja o acesso a documentos confidenciais, base de clientes e informações tecnológicas.

  • Automatizar processos

A utilização de um sistema CRM permite registrar todas as operações e torná-las transparentes. Você precisa definir claramente quem pode editar ou excluir dados.

  • Estabelecer proibições

Você pode proibir o envio de documentos pela Internet, o uso de dispositivos USB, o envio de documentos, e bloquear capturas de tela.

 

 

 

Imagem de capa: DINO / DINO 

Continue lendo

MAIS LIDAS