NOSSAS REDES

Assis Brasil

CORREIOS: Trabalhadores decidem por greve contra a retirada de direitos

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Matéria Especial – Por Freud Antunes.

Trabalhadores dos Correios entram em greve contra a retirada de direitos na segunda (12)

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telégrafos do Acre (Sintect-AC), Edson Pinheiro, confirmou para segunda-feira (12/03) a greve por tempo indeterminado de todos os servidores da empresa. A mobilização está sendo realizada devido a retirada de direitos trabalhistas, incluindo a redução de salários, o corte de férias e a continuidade nas demissões programadas.

Segundo Edson Pinheiro, a empresa já anunciou a extinção do cargo de operador de triagem e transbordo (OTT), ignorando o usuário final que é prejudicado com a demora no recebimento das encomendas.

A direção dos Correios já anunciou a extinção do OTT, uma função importante para realizar a separação das correspondências e encomendas, serviço que agilizava as entregas. Agora, eles querem que o carteiro realize a separação dos objetos, mas ele já está sobrecarregado por ter que atender até três vezes mais áreas. Por ter que trabalhar por três, o serviço de entrega que já é demorado passará a ser ainda mais prejudicado”, protestou o sindicalista.

Pelo segundo ano, a estatal ainda vem cortando as férias da categoria, além de realizar a redução em salários dos cargos administrativos, corte que vem prejudicando as pessoas que possuem dívidas e precisam pagar as contas em dia.

Já é difícil viver com essa carga de impostos e uma crise financeira, e, agora, a direção dos Correios decide humilhar os empregados, cortando salários e férias. O carteiro, por exemplo, enfrenta o sol e a chuva, percorre longas distâncias de bicicleta, se submetendo a vários perigos, então, os diretores, que ganham altos salários, preferem cortar a pouca remuneração repassada para o empregado. As férias de 2017 já foram cortadas e, em 2018, a direção dos Correios volta a cortar. Isso é uma humilhação”, explicou o representante dos trabalhadores.

O presidente do Sintect ainda informou que a empresa vem descumprindo a cláusula 28, deixando de custear o plano de saúde do empregado e obrigando que ele pague as mensalidades.

A empresa entrou na Justiça para forçar os trabalhadores a pagarem mensalidades abusivas no plano de saúde, o que não é compatível com a renda dos trabalhadores. Esse pacote de maldade é a escravização do funcionário que sofre com doenças associadas ao trabalho, como o câncer de pele. Agora, não basta mais o prejuízo da saúde, porque a pessoa terá que deixar de comer para pagar o plano de saúde com o objetivo de realizar um tratamento”, informou o sindicalista.

Edson Pinheiro afirmou que entre as dificuldades enfrentadas pelo trabalhador está a falta de segurança nas agências, aumentando ainda mais o risco de morte para trabalhadores e usuários.

Nessa política de sucatear os Correios, a direção da estatal, que fica em Brasília, parece não estar preocupada com a segurança dos funcionários, dos clientes e das encomendas. Esse problema vem se agravando em virtude de uma administração que não tem competência para atuar, pessoas colocadas por indicação política. Mais de 2,5 mil agências podem fechar demitindo mais trabalhadores, prejudicando a população que deixou de ter o serviço mais próximo de sua casa”, reclamou o presidente do Sindicato.

O representante do Sintect afirmou que todas as ações buscam apenas a privatização da empresa, resultando no encarecimento dos serviços e em prejuízos para a população de cidades menores que poderão perder as únicas agências.

A greve foi deliberada em assembleia geral no dia 1º de março e segue o calendário nacional que contará com a paralisação de todas as unidades da estatal.

Sabemos que uma greve causa transtorno para a população, mas pedimos paciência, porque a mobilização tem o objetivo de buscar a melhora do serviço”, finalizou.

Por Assessoria

Assis Brasil

Polícia Militar prende grupo criminoso em Assis Brasil

Luanna, Colaboradora do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Na manhã desta quarta-feira (25), militares da 10º Batalhão – 3ª CIA PMAC em conjunto com a Polícia Civil, e através de denúncias anônimas, lograram êxito em prender cinco indivíduos armados em uma residência.

Durante as buscas foram localizadas um revólver calibre .22 com cinco munições intactas, uma espingarda calibre .28 com 2 cartuchos intactos e um rifle calibre .22.

Os autores foram conduzidos à delegacia de polícia para realização dos procedimentos cabíveis.

Assessoria de Comunicação PMAC

Continue lendo

Assis Brasil

Cerca de 60 produtores de borracha devem receber R$ 1,4 por quilo produzido no interior do Acre

G1AC, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Cerca de 60 produtores de borracha licenciados da cidade de Assis Brasil, no interior do Acre, vão receber R$ 1,4 por quilo produzido. A lei que dispõe sobre a contribuição econômica para os trabalhadores foi publicada na edição desta segunda-feira (17) do Diário Oficial do Estado (DOE).

Conforme a publicação, o benefício tem o objetivo de incentivar a comercialização da produção local. A lei determina ainda que a prefeitura tem um prazo de 30 dias para decidir as condições operacionais para o pagamento e controle da subvenção.

O G1 entrou em contato com o prefeito da cidade, Antônio Barbosa de Sousa, para saber o impacto financeiro do benefício ao município, mas não obteve sucesso.

O presidente da Associação dos Moradores e Produtores da Reserva Extrativista Chico Mendes em Assis Brasil (Amopreab), José de Araújo, disse que a lei que beneficia os produtores já existia desde 2009, porém destinava o recurso apenas a quem produzia folha defumada líquida.

“Na verdade, essa lei está sendo publicada agora, mas existe desde 2009, em que foi aprovado o pagamento de R$ 0,70 a cada quilo, em 2012 tivemos alteração no valor para R$ 1,4, só que ela era específica para produção de folha defumada líquida, que era um outro produto que a gente trabalhava. Agora, a lei vai beneficiar a produção de quilo de borracha produzida, seja em forma de folha, de bola defumada ou prancha. Em qualquer forma agora vai ser pago”, explicou o presidente da associação.

Araújo afirmou ainda que, mesmo já havendo a lei, os produtores estão sem receber o benefício desde 2014. “O que deixa a gente triste é que é uma lei que existe desde 2009, mas temos pendência da prefeitura de 2014 até ontem”, concluiu.

Continue lendo

Super Promoções

WhatsApp chat