NOSSAS REDES

ACRE

Depois de mais de um mês, cidades isoladas no AC são reabastecidas com combustível

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Duas embarcações com 41 mil litros de combustível deixaram o porto de Cruzeiro do Sul, neste sábado (13), com destino as cidades de Porto Walter e Marechal Thaumaturgo, que estavam desabastecidas desde que um barco explodiu com 5 mil litros de gasolina, no dia 7 de junho.
A primeira embarcação com 30 mil litros de óleo diesel e gasolina deve chegar a Marechal Thaumaturgo nesta terça-feira (16). A segunda, com 11 mil litros de combustível, já chegou a Porto Walter nesta segunda-feira (15).
O prefeito de Porto Walter, Zezinho Barbary, diz que, como a maioria dos serviços do município estavam parados, o combustível que chegou ainda não é suficiente para retomar as ações normais da prefeitura.
“Recebemos um pouco que, com a falta que estava aqui, é praticamente a mesma coisa que não ter vindo quase nada”, alega o prefeito, que disse que estava com as aulas nas escolas da zona rural paradas, os serviços de limpeza pública suspensos, ações dos agentes de saúde interrompidas e sem condições de manter os trabalhos de recuperação de ramais.
As operações de carregamento de combustível para embarcações e o transporte para as duas cidades tinham sido interrompidos pelos órgãos de controle depois que um barco explodiu com 5 mil litros de gasolina e matou seis pessoas deixando mais 12 feridos.
Em uma audiência pública na última quarta-feira (10), um acordo entre a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), a Agência Nacional de Petróleo (Anp), a Marinha, Corpo de Bombeiros, Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac), as operações foram liberadas, mas até o momento apenas o carregamento foi feito e o transbordo foi interrompido novamente.
A empresa que cedeu o porto para o abastecimento das embarcações não acatou as exigências da licença do Imac, expedida na tarde da última sexta-feira (12), que responsabilizaria o proprietário da área porque qualquer incidente que pudesse acorrer.
Nesta terça-feira (16), o gerente do Imac, Levi Bezerra, afirmou que a licença está em validade, mas que serão feitas alterações para atender as solicitações da empresa que cedeu o porto.
“A empresa está se negando a receber a licença, mas estamos fazendo a retificação para atender naquilo que é pertinente. Como é uma licença emergencial, o Imac vai fazer as adequações para que desobstrua essa situação. A responsabilidade vai ficar por parte de quem está abastecendo e de quem está sendo abastecido”, garantiu o gerente.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat