NOSSAS REDES

ACRE

Detenta degolada dentro de presídio do AC jogou café no rosto de companheira de cela, diz polícia

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

As duas companheiras de cela de Jamilly Ferreira Barbosa, de 39 anos, achada morta dentro da Unidade de Regime Fechado Feminina, no domingo (22), foram levadas para a Delegacia de Flagrantes de Rio Branco (Defla) e ouvidas pelo delegado plantonista após o crime. Em depoimento, as presas afirmaram que mataram Jamilly após ela jogar café quente no rosto de uma delas.

Esse teria sido o motivo para o crime. Além disso, as suspeitas alegaram que eram ameaçadas de morte por Jamilly e temiam ser mortas por ela enquanto dormiam. A informação foi confirmada pelo delegado que ouviu as presas, Adriano de Morais.

“Elas confessaram. Disseram que a Jamilly tinha sinais de perturbação mental e de abstinência de drogas. Tinha comportamento anormal como pegar em fezes e querer jogar nelas, colocar objetos na vagina e ameaçá-las de morte. Inclusive, querer jogar água no ventilador para pegar fogo. Ontem [domingo, 22], a Jamilly, depois de receber o café da manhã, jogou café quente no rosto de uma delas”, contou o delegado.

Jamilly foi achada morta com um corte no pescoço e nos pulsos na manhã de domingo. O Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen) confirmou que a detenta tinha problemas mentais e não deixava as companheiras dormirem. Ainda conforme o instituto, a unidade penitenciária feminina não tem ala de saúde mental, mas que Jamilly era acompanhada por uma equipe de saúde mental.

O Iapen-AC afirmou que vai se posicionar sobre as alegações das presas em depoimentos ainda nesta segunda-feira (23).

Pedidos de mudança

Após ter o rosto queimado pelo café, a suspeita jogou Jamilly em cima da cama e a degolou com uma lâmina do aparelho de barbear. A outra detenta, então, de posse da lâmina, cortou os pulsos da vítima.

“As duas são companheiras, um casal. Uma está presa por homicídio e a outra por latrocínio. Elas foram para audiência de custódia e devem ter voltado para o hospital. Devem ser indiciadas por homicídio, já que as duas participaram do ato”, complementou o delegado.

Ainda segundo a polícia, as suspeitas alegaram que já tinham solicitado transferência da cela à direção da unidade. O G1 recebeu uma denúncia, nesta segunda (23), afirmando que, na verdade, Jamilly que tinha pedido para mudar de cela.

De acordo com a denúncia, o pedido foi atendido, levaram Jamilly para outra cela, mas, após um período, colocaram ela novamente com as duas detentas suspeitas.

“Alegaram [suspeitas] que pediram várias vezes para que trocassem ela cela, mas ninguém nunca atendeu esse pedido. Disseram que não podiam dormir à noite com medo da Jamilly matá-las”, frisou Morais.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat