NOSSAS REDES

ACRE

Em 19 dias, mais de 320 inquéritos de violência contra a mulher são instaurados em Rio Branco

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A capital acreana, Rio Branco, registrou nos primeiros 19 dias na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) 321 inquéritos de violência doméstica, um aumento de 33% se relacionado ao mesmo período do ano passado, quando 241 casos foram registrados.

A capital acreana é a que mais registra casos de violência contra mulher no estado. Em todo o ano de 2018, a delegacia registrou 1.878 casos. A delegada responsável pela delegacia, Juliana d’Angelis, acredita que o aumento dos registro está ligado ao fato de as mulheres estarem denunciando mais.

“Infelizmente, a violência doméstica existe e muitos casos não são notificados, então, o apelo que a gente faz é que a pessoa registre a ocorrência, procure a delegacia ou os canais de denúncia para que a gente possa ter conhecimento que essa mulher está sendo violentada e procurar auxiliá-la para poder romper o ciclo da violência e o agressor ser punido pelo crime que cometeu”, explica.

A delegada enfatiza ainda que no primeiro sinal de violência é preciso que a mulher procure ajuda. Rio Branco tem delegacia especializada e nos municípios as delegacias de cada cidade dão os encaminhamentos legais a esses casos. Sem falar no 181 e no disque 100.

“A violência se inicia em graus leves, então, vem a violência psicológica, que muitas vezes a mulher nem sente que está sendo violentada, mas está com uma baixa autoestima, sofre ofensa e até ameaça. E vai aumentando a gravidade da violência até culminar com a violência física ou até mesmo o mais grave, que é o crime contra a vida”, destaca a delegada.

Por isso, é importante que a mulher consiga pedir ajuda no primeiro indício de violência.

Rede de atendimento

Em Rio Branco, a mulher ainda conta com uma rede de apoio e a Casa Rosa Mulher faz parte dele. É uma referência no acolhimento onde as mulheres têm acesso a cursos, atendimento psicológico, assistência jurídica e social.

“Quando a gente recebe as mulheres encaminhadas dessa rede de atendimento de enfrentamento à violência, como também fazemos o encaminhamento ou para o Cras [Centro de Referência de Assistência Social], para que ela possa ter um atendimento mais especial com relação à questão social ou aqui mesmo um encaminhamento interno para a área jurídica ou psicológica”, explica a coordenadora da Casa Rosa Mulher, Nádia França.

Ela vai além e destaca que essa rede de atendimento é importante para que a mulher que já denunciou o seu agressor siga e também se fortaleça nas histórias de outras vítimas que buscam ajuda.

“A pesquisa mostra que 44% dessas mulheres são, muitas vezes, o chefe da família, mas o que acontece é que essa mulher sofre uma dependência emocional desse companheiro, então, são anos e anos de abuso psicológico, onde ela tem sua autoestima diminuída”, pontua Nádia.

O convívio com outras vítimas é um incentivo para que as mulheres não repitam e não sejam levadas mais uma vez para um ambiente de violência doméstica.

“Aqui vão ter atendimento individualizado e também podem participar dos grupos terapêuticos, onde vão socializar com outras mulheres, saber que esse problema não é sofrido somente por ela. Isso, às vezes, dá um alento. Elas se sentem melhor e, muitas vezes acabam, saindo desse ciclo”, finaliza.

Info bom dia Amazônia

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat