NOSSAS REDES

ACRE

Facções em guerra apavoram comunidade ribeirinha, no centro da capital, em meio a tiroteios de uma margem a outra do Rio Acre

Acjornal, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Na manhã desta segunda-feira (22), a reportagem do AC Jornal foi até à margens do Rio Acre, no centro da cidade, e confirmou o que vem sendo denunciado há tempos: a população ribeirinha de alguns bairros está na linha de tiro de duas facções rivais. Mesmo sem poder fazer muitos registros, colhemos depoimentos e constatamos que casas foram alvejadas, serviços como a travessia do rio (catraias) foram abandonados, além da visível demarcação de territórios imposta pelo poder paralelo. Nossos repórteres ouviram tiros durante a conversa com moradores.

No Primeiro Distrito, entramos na Rua Rio Grande do Sul e fomos recebidos em uma casa habitada somente por mulheres, todas evangélicas. “Meu filho, aqui tem noite que a gente não dorme”, disse uma delas, bastante nervosa (olhando de um lado para outro). “Teve uma batida do Bope e morreu uma moça aqui na Floriano Peixoto”, complementou a moradora. Ali mesmo estava o motivo de tanta apreensão: nos muros de algumas casas próximas ao Cristo Redentor viam-se grafadas as letras CV, iniciais da facção carioca Comando Vermelho. “Todo o centro, incluindo os bairros da Base, Papoco e Preventório, estão sob o domínio do medo.

“Vou vender esta casa e me mandar”, disse um morador que possui um pequeno comércio em frente à sua residência. Do outro lado do rio Entramos pela Rua Cunha Matos e, assim que fizemos a conversão e acessamos a Rua Uirapuru, deparamo-nos com outro muro e um ostensivo aviso em forma de oito letras e dois algarismos, Bonde dos 13, facção criminosa genuinamente acreana e aliada do PCC paulista. “A gente que mora aqui, na Rua Beira Rio, escuta muitos tiros que vêm do Preventório. Já caiu uma bala dentro de uma igreja. Convivemos com esse perigo há anos e já virou rotina”, diz um jovem que trabalha com vendas. “Eu vou vender essa casa, meu barco e me mandar daqui”, repetiu disse um morador antigo, o senhor Oscar Marreiro de Fontes, 78 anos, um dos muitos catraieiros que perdeu a profissão por causa da violência.

“Como vocês estão vendo, nem escadas existem mais. Roubam celulares, cordões e dinheiro neste caminho que nem iluminação tem”, relatou o trabalhador. Na Rua Triunfo, nas proximidades da antiga Rodoviária, tem mais uma pichação com uma recomendação inusitada: proibido roubar na quebrada. “É para que os viciados não roubem na região e, dessa forma, não atraiam a polícia e outros transtornos para o negócio, que é, exclusivamente, a venda de drogas”, decifrou um policial civil das antigas. “Depois da morte do narcotraficante Jorge Rafaat, a rota internacional da cocaína passa agora pelo nosso estado”.

Polícia Militar não dá trégua.
Na esquina das ruas Floriano Peixoto com a Rio Grande do Sul fica localizado o 1°Batalhão de Polícia Militar. Responsável pela região do centro e dos bairros adjacentes, o comando não dá trégua na repressão ao tráfico de drogas e à violência de forma geral. A major Jokebed de Lima Taveira, que responde pela guarnição há um ano, disse que intervém constantemente . “Sempre que temos informações, damos a resposta”, disse, confirmando que os disparos saem das duas margens do rio. “Aqui do nosso lado, uma vez que o Segundo Distrito é de responsabilidade de outro comando policial, fazemos a nossa parte”, assegurou a oficial. Os atiradores, ainda segundo ela, escondem-se na densa vegetação, o que dificulta a visualização. A área é bastante acidentada e cheia de lixo e entulho. “Já encontramos marcas de tiros em uma casa abandonada, mas o difícil acesso dificulta as capturas”, declarou a comandante, para quem os “faccionados” estão usando o rio como “terra de ninguém”.

Comentários

Comente aqui

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat