NOSSAS REDES

ACRE

Paciente agoniza há três meses no Pronto Socorro, à espera de exame neurológico no Acre

Contilnet, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

 

A cabeleireira Cleia Silva, vem fazendo um apelo na internet para ajudar a irmã Vanderlandia Furtunato da Silva, que ha três meses agoniza no leito de uma cama sofrendo de convulsões constantes, aguardando uma simples exame neurológico que não vem sendo oferecido pela rede estadual de saúde pelo Sistema Único (SUS), nem no Pronto Socorro de Rio Branco (Huerb) e muitos menos na Fundação Hospitalar do Acre (Fundac).

_“Eu tô aqui pedindo um apelo pra quem pode ajudar minha irmã , ser atendida pelo neurologista na fundação . Porque ela já tá com 3 meses nessa situação! Não aguento mais ver ela sofrendo assim sem o poio de ninguém… levo ela no Pronto Socorro daqui de Rio branco os médicos não querem atender ela. Eles falam que ela tem que agendar uma consulta com o neurologista na fundação, e eu fui agendar essa consulta e na fundação não agendaram. Eles alegam que não pode agendar porque ela é do interior ! Quero ajuda de vocês que possam compartilhar . Pra ver se tem alguém que possa ajudar … Nos estamos precisando de ajuda com dinheiro pra comprar os remédios dela ! São caro e não temos condições de comprar os remédios dela e alimentação”_ apela a irmã de Vanderlandia na internet.

Cleia postou ainda um vídeo no Facebook, onde mostra o sofrimento da irmã que precisa urgentemente de ajuda.

OUTRO LADO

Procurado pela reportagem do ContilNet, a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), disse que já fizeram contato com os parentes da paciente e fizeram o agendamento para os exames na próxima segunda feira.
-Quem puder ajudar, basta ligar pelos números: WhatsApp 999841416 número pra contato 984129201

ACRE

Professores e alunos do Ceja entram em pânico após homens em motos fazerem ameaças

Contilnet, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Centro de referência na educação de jovens e adultos acreanos que por alguma razão estão buscando recuperar o tempo perdido, o Ceja, instalado no centro nervoso de Rio Branco, a capital do Acre, tinha tudo para se transformar no palco de uma carnificina. Informações obtidas pela Polícia Militar davam conta de que, num dia qualquer e sem hora marcada, pistoleiros a serviço de facções iriam invadir o local e executar professores e alunos.

O tal dia parecia ter chegado na noite desta terça-feira (23). Alunos que haviam deixado as salas de aulas, muitos para fumar sobre o ar livre (afinal, os alunos que ali estudam em sua maioria são adultos), perceberam que um grupo de rapazes, pilotando motos ( eram pelo menos quatro pessoas, em duas motos), pararam em frente à escola e, por acenos, diziam que pessoas iriam morrer. Os acenos eram de que cabeças seriam cortadas, com gestos em relação ao pescoço.

O pânico foi geral. Mesmo com o portão de acesso à escola fechado, professores e alunos, alarmados, procuraram se refugiar. Ali estudam pelo menos 200 pessoas e lecionam mais de 20 professores.

A Polícia foi avisada e os ameaçadores fugiram. O Centro de Educação de Jovens e Adultos, o Ceja, está localizado no centro de Rio Branco, na Rua Epaminondas Jácome, ao lado do prédio da Maçonaria e a poucos metros do prédio da Polícia Rodoviária Federal ( PRF). O problema é que estas instituições, embora localizadas no centro de Rio Branco, estão instaladas no bairro da Base, território livre e em disputa pelas facções rivais que atuam na Capital.

Continue lendo

ACRE

Diarista é preso suspeito de estupro após menina de 9 anos gritar por socorro no interior do AC

G1AC, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Um diarista foi preso suspeito de estuprar uma criança de 9 anos em Brasileia, interior do Acre. O homem estava bebendo na casa do pai da menina no domingo (21), quando houve o crime.

O suspeito foi preso após a criança gritar por socorro. Familiares chamaram a Polícia Militar do Acre (PM-AC), que foi até o local e fez a prisão do homem.

O delegado responsável pelo caso, Luiz Tonini, falou que, em depoimento, o suspeito alegou que passou a mão apenas no corpo da vítima.

“Foi para casa dos parentes da menina, que estava com o pai. Em determinado momento, o pai foi comprar cerveja e ele aproveitou que a menina estava na cozinha”, afirmou.

A criança rebateu a versão do suspeito e contou para a polícia que ele tentou beijá-la e ainda passou a mão nas partes íntimas dela.

“Se trata de uma criança, ele foi enquadrado no crime de estupro de vulnerável. Ele disse que foi abraçar, passou a mão nela sem interesse, mas a menina começou a gritar”, frisou.

Continue lendo

VOTE NA ENQUETE

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

Fale Conosco