NOSSAS REDES

ACRE

PM é acusado de agredir homem a chutes e socos em abordagem no AC: ‘tratado como bandido’

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O autônomo Saulo Chaves afirma ter sido foi agredido a chutes e socos por um policial, além de ser algemado na noite desta quinta-feira (12). A situação ocorreu durante uma abordagem no bairro Adalberto Sena, em Rio Branco, e o autônomo foi levado para a Delegacia de Flagrantes (Defla). Ele fraturou o nariz, teve um dente quebrado e escoriações na cabeça.

O G1 tentou ouvir a Corregedoria da Polícia Militar do Acre (PM-AC), mas o corregedor preferiu se posicionar por meio de nota. A assessoria informou que o caso chegou ao conhecimento da Corregedoria e um procedimento será aberto para apurar os fatos.

A confusão começou quando Chaves parou o carro antes de passar em uma blitz montada na Rodovia AC-10. Como o documento do veículo estava atrasado, Chaves diz que ligou para um sobrinho buscá-lo de motocicleta para que o carro não fosse apreendido.

O carro, conforme ele, ficou no local e os dois seguiram de moto por outra rua. Mais a frente, uma equipe da polícia abordou tio e sobrinho e, segundo Chaves, começaram os desentendimentos.

Moto com restrição de roubo

O autônomo explica que teve a moto dele furtada em fevereiro deste ano, mas foi devolvida após alguns dias. Porém, como ele não foi ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran) retirar ocorrência de furto da placa do veículo, a restrição de roubo continuava constando no sistema.

“A moto está no meu nome, pela moto estar no meu nome, automaticamente a delegacia liberou a moto e disse que eu procurasse o Detran, mas não tive tempo de procurar o Detran ainda. Então, questão judiciária, penal, a moto não tem, a não ser questão administrativa em relação ao Detran”, esclarece.

Agressões e equívoco

Chaves diz que tentou desfazer o equívoco e explicar a situação aos policiais, mas não teve chance de se defender.

“Pediram a documentação, nos escoraram na parede, disseram para não olhar pra trás. Tirei o documento pra explicar que essa moto havia sido furtada entre os dias 16 para 17 (fevereiro), e automaticamente não me ouviu, não ouviu meu álibi, só olhou pra placa da moto, pediu auxílio ao Detran”, relembrou.

Mesmo explicando que a moto era dele, Chaves contou que foi agredido a socos e chutes e algemado pelos militares. O sobrinho não sofreu agressões físicas, mas também foi algemado e levado para a delegacia.

“Não tinha como reagir. Nem com palavras, nem com gestos, só tirei a mão da cabeça e disse que ia tirar o documento para esclarecer o equívoco que estava acontecendo, porque a moto de fato foi furtada, mas não por mim, estou sendo pela segunda vez a vítima”, lamentou.

Além das agressões, o autônomo explicou que os militares revistaram o carro dele, e insinuaram que havia droga escondida no veículo. Segundo ele, o que havia no carro era um pacote de guaraná em pó que tinha ganhado.

“Fomos algemados e levados à delegacia, onde ficamos por duas horas e meia mais ou menos. Fomos ouvidos pelo delegado, viram que tinha o boletim de ocorrência na data que falei, apurado o caso lá, e realmente viram que tinha um certo equívoco, tanto que a moto foi liberada, inclusive, estou circulando com ela”, frisou.

Em busca de justiça

Com o rosto machucado e sangrando, Chaves diz que foi orientado na delegacia e lavar o sangue, mas ele se recusou. Nesta sexta-feira (12), ele registrou um boletim de ocorrência pela agressão na Delegacia da 5ª Regional e também procurou a corregedoria da PM-AC para denunciar o caso.

“Quero que os Direitos Humanos me acompanhe nisso, porque, enquanto cidadão, que trabalho, sou autônomo, mas também tenho minha conduta ilibada, não tenho passagem em polícia, quero que seja apurado ao rigor da lei”, pede.

Abalado, Chaves chamou a abordagem da PM-AC de truculenta e deseja que o Ministério Público do Acre (MP-AC) também apure os fatos.

“Foi demais pra mim, a questão emocional está abatida porque você briga por justiça, vê injustiça. Eu como pagador de imposto, sou tratado como bandido na cidade em que nasci. Quero que ele seja responsabilizado e isso sirva de lição para outros que querem fazer essa atividade”, concluiu.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat