NOSSAS REDES

ACRE

PMs suspeitos de sumir com auxiliar de pedreiro no AC há 5 anos seguem em liberdade

G1AC, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os 14 policiais militares suspeitos de participação no desaparecimento do pedreiro Gildemar da Silva Lima, o “Aladim”, respondem ao processo em liberdade e continuam trabalhando. A informação foi confirmada, nesta quinta-feira (9), pelo advogado dos réus, Wellington Silva.
Lima desapareceu em julho de 2013, após ser levado de casa, no loteamento Praia do Amapá, em Rio Branco, por policiais militares. Os PMs chegaram a ser presos temporariamente em novembro de 2013, mas, após 30 dias, foram soltos. O corpo da vítima nunca foi encontrado.
Ao G1, o advogado afirmou que ao longo dos mais de cinco anos de processo, foram cerca de cinco audiências e a última foi na quinta-feira (2), onde foi encerrada a produção das provas.
“Todos foram ouvidos, o interrogatório dos réus aconteceu na última audiência. O juiz concedeu um prazo de 20 dias para que o Ministério Público apresente alegações finais, onde ele pode pedir a absolvição, arquivamento, condenação ou que sejam encaminhados para júri. Após apresentação por parte do MP, a defesa apresentará também em igual prazo”, disse o advogado.

Ossada encontrada

Conforme o advogado, o processo acabou se estendendo por mais tempo por conta de uma ossada achada há mais de um ano.
“Essa ossada humana foi entregue ao IML para que fosse feito o estudo do material genético, para identificar se era da vítima. Mas, o resultado do laudo deu inconclusivo. Não há nenhuma prova nos autos que ele realmente tenha ido a óbito”, afirmou.
A defesa acredita que os réus não devem ser condenados. “Na verdade, a prova é totalmente favorável à defesa, os indícios de materialidade são insuficientes para uma condenação ou para que o processo continue. Esse é o entendimento da defesa”, concluiu.

Estado condenado em R$ 100 mil

Em setembro de 2015, a Justiça do Acre decidiu condenar o estado ao pagamento de R$ 100 mil à família do auxiliar de pedreiro. Mas, o Estado recorreu e até esta quinta-feira (9), o valor não foi pago aos familiares.
Na decisão, o juiz substituto Flávio Mundim considerou que incide no caso a responsabilidade civil estatal e o consequente dever de indenizar, “em razão da demonstração clara da culpa em sentido amplo dos policiais militares em relação à prática do crime de homicídio”.
O juiz condenou o estado ao pagamento de R$ 100 mil por danos morais, sendo R$ 50 mil para cada uma das filhas. Além disso, ele determinou o pagamento de uma pensão vitalícia no valor de meio salário mínimo – sempre atualizado – para cada uma até que completem 25 anos.

Caso Aladim

Gildemar da Silva Lima desapareceu no dia 9 de agosto de 2013 após ser levado de sua casa no loteamento Praia do Amapá, em Rio Branco, capital do Acre. A família relatou as autoridades policiais que os homens estavam armados e se identificaram como policiais.
No dia 15 de setembro daquele ano, o delegado responsável pelo caso, Robert Alencar, confirmou a possibilidade de policiais estarem envolvidos no desaparecimento do auxiliar de pedreiro.
Em novembro do mesmo ano, a PM-AC prendeu, por meio da “Operação Gênio”, 11 policiais militares do 2º Batalhão, suspeitos de envolvimento no desaparecimento do auxiliar de pedreiro. Na época, de acordo com o delegado Roberth Alencar, Gildemar foi executado e o cadáver ocultado, possivelmente, no ramal do Pica-Pau, em Rio Branco.
O crime teria sido motivado por vingança, uma vez que os policiais envolvidos já haviam prendido Lima em outras duas ocasiões (uma pelo crime de assalto a uma loja no Segundo Distrito e outra pelo roubo de uma moto), mas como não houve flagrante, o homem foi liberado.
Em dezembro de 2013, o segundo tenente da PM, acusado pelo crime de prevaricação, teve o pedido de liberdade aceito pela Justiça.

ACRE

Grupo de mulheres cria bar itinerante em van que leva ‘balada’ aos bairros de Rio Branco

Contilnet, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Um grupo de mulheres, motivadas para abrir o próprio negócio, assumindo os desafios de empreender no Brasil atual, criaram a Van das Minas – um bar itinerante que passa por vários bairros da capital acreana.

O sucesso que iniciou oficialmente no dia 14 de maio é uma iniciativa da empresária Anna Luísa, com o apoio das amigas Roberta Marisa, Andrea Oliveira e Laila Chamchaum.

As empresárias acreanas envolvidas no projeto

Com a hashtag #VemComAgenteNoRolê, a idealizadora disse que a proposta surgiu como “um protótipo de um negócio”, mas que ao longo do tempo, virou uma marca.

“A experiência iniciou a partir de um encontro em um evento em que as quatro participaram. Não imaginamos que sairia de um protótipo para uma marca”.

Van das Minas

As aventureiras iniciaram a primeira agenda em um Sarau na Universidade Federal do Acre (Ufac), e o primeiro produto, que conquistou os participantes, foi a Caipiroska de Jambu.
“As pessoas ficaram encantadas com a caipiroska e quiseram conhecer mais os demais produtos da van”, destacou.

Caipiroska de Jambu

Além das bebidas, o ponto também dispõe de uma playlist musical personalizada e conforto.
“Pensamos, primeiramente, em oferecer qualidade, conforto e boa música”, acrescentou.

As outras edições do Van das Minas estão sendo programadas para os próximos dias. Os interessados podem acompanhar as atualizações pelo @VanDasMinas, no Instagram.

Continue lendo

ACRE

PM DE FEIJÓ PRENDE CONDUTOR DE QUADRICICLO APÓS ATROPELAR MULHER E SE EVADIR DO LOCAL

Acrenoticias.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O acidente ocorreu por volta 08h00min de hoje na Av. Assis Vasconcelos (Próximo ao Magueiras Club). Lucas Lopes Souza (22 anos) conduzia um Quadriciclo em alta velocidade e perdendo o controle do veículo atropelou violentamente a senhora Maria da Liberdade Pessoa da Silva (46 anos) e em seguida se evadiu do local. A vítima conduzia sua bicicleta pela margem da Via.

Após a PM solicitar apoio do Corpo de Bombeiros para prestar socorro a vítima (tendo em vista não ter SAMU disponível), tomamos conhecimento que Lucas Lopes morava no ramal da Divisa e que teria fugido para sua residência. A guarnição da PM deslocou-se ao endereço do acusado e realizou a prisão do mesmo por volta de 12h00min. Lucas Passos nao é habilitado e pilotava o Quadriciclo do seu padrasto (veículo conduzido ao CIRETRAN).

Até o presente momento, equipe do Hospital informou que o estado de saúde da vítima é gravíssimo e que não foi possível encaminha-la à cidade de Rio Branco. A Polícia Militar trabalha para preservar a vida, oremos por esta vítima da inconsequência deste cidadão.

PMAC FEIJO

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

Fale Conosco