NOSSAS REDES

POLÍCIA

Presos de Cruzeiro do Sul vão fazer farinha na ExpoAcre Juruá

PUBLICADO

em

Detentos do Presídio Manoel Neri, de Cruzeiro do Sul, vão mostrar ao público da ExpoJuruá, o processo de torragem da farinha de mandioca. A casa de farinha será montada na Av. Mâncio Lima, onde a ExpoJuruá será realizada de 31 de agosto a 1° de setembro.
O diretor do Presídio, Missael Lima, destaca que “os presos, que são exemplo de ressocialização estarão devidamente escoltados no evento”.

A meta da direção do presídio, é a produção e comercialização de 200 quilos de farinha nas quatro noites do evento. O público poderá degustar gratuitamente, os subprodutos da farinha, como biju e a tapioca.
Os móveis e o artesanato, além das verduras e legumes produzidos pelos presos, também estarão na Feira cruzeirense.
A ideia, segundo o diretor do presídio, Missael Lima, é mostrar à sociedade a importância do trabalho dos presos para a ressocialização. De acordo com o diretor, entre os presos que trabalham, o índice de retorno para a penitenciária é de cerca de 5%
Na ExpoAcre 2019 em Rio Branco, a farinha do presídio de Cruzeiro do Sul foi distribuída gratuitamente . Foram entregues ao público, 600 amostras de 150 gramas.

Uma tonelada de farinha por mês

Os presos fazem uma tonelada de farinha. Além de fazer a farinha com a mandioca do presídio, também fazem o produto com macaxeira de produtores locais, por meio de parceria.
O trabalho garante farinha para o consumo interno e a venda no mercado local. A renda média mensal para o presídio é de R$ 2.600. Dinheiro, que segundo o diretor, Missael Melo, serve para a compra de itens como remédios (os não fornecidos pela rede pública), roupas e artigos de expediente pro presidio. Caso a família do preso necessite, também pode acessar uma parte dos recursos
Missael Melo, cita que os presos desenvolvem várias outras atividades como a lavagem de veículos, corte de cabelo, limpeza e manutenção do presídio e que todas reduzem a pena, por meio da remissão. “O clima dentro do presídio melhorou muito com a maior inclusão de presos nas atividades”, explica, citando que pretende implantar no local a piscicultura e serviços como de borracharia e serralheria

Área do Leitor

Receba as publicações diárias por e-mail

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS

WhatsApp chat