NOSSAS REDES

GOVERNO BOLSONARO

38% reprovam e 29% aprovam o governo de Jair Bolsonaro, diz Datafolha

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (2) pelo jornal “Folha de S.Paulo” mostra os seguintes percentuais de avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL):

Ótimo/bom: 29%

Regular: 30%

Ruim/péssimo: 38%

Não sabe/não respondeu: 2%

A pesquisa foi realizada nos dias 29 e 30 de agosto com 2.878 pessoas com mais de 16 anos, em 175 cidades brasileiras. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro.

Em julho e em abril, quando foram realizadas as pesquisas anteriores, os índices foram:

Ótimo/bom: 33%, em julho; 32%, em abril

Regular: 31%, em julho; 33%, em abril

Ruim/péssimo: 33%, em julho; 30%, em abril

Não sabe/não respondeu: 2%, em julho; 4%, em abril

Em relação à expectativa com o futuro do governo, 45% esperam que Bolsonaro faça uma gestão ótima ou boa. Em julho, eram 51%, e em abril, 59%. Outros 32% acreditam que o presidente fará uma administração ruim ou péssima, contra 24% em julho, e 23% em abril.

O Datafolha também perguntou se Bolsonaro fez mais, menos ou o que deveria pelo país. Os resultados foram os seguintes:

Fez pelo país mais do que esperava: 11% (eram 12% em julho, e 13% em abril)

Fez pelo país o que esperava que ele fizesse: 21% (eram 22% em julho, 22% em abril)

Fez pelo país menos do que esperava: 62% (eram 61% em julho, e 61% em abril)

E levantou, ainda, se os entrevistados acreditam que o presidente age ou não como deveria. Veja os percentuais:

Age como presidente deveria: 15% (eram 22% em julho, e 27% em abril)

Na maioria das ocasiões age como deveria: 27% (eram 28% em julho, e 27% em abril)

Em algumas ocasiões age como deveria: 23% (eram 21% em julho, e 20% em abril)

Em nenhuma ocasião age como deveria: 32% (eram 25% em julho e 23% em abril)

Outros presidentes

O presidente Jair Bolsonaro durante reunião com executivos de empresas no Palácio do Planalto nesta quinta-feira (22) — Foto: Marcos Corrêa/PR

Aos 8 meses de mandato, os percentuais de ruim e péssimo de outros presidentes foram os seguintes:

FHC (1995): 15%

Lula (2003): 10%

Dilma (2011): 11%

Bolsonaro (2019): 38%

GLOBO.COM

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Atacado por Bolsonaro, Cacique Raoni contra-ataca anunciando aliança com movimento extrativista do Acre e outros

Folha de São Paulo, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Líderes indígenas dizem temer genocídio e apoiam cacique Raoni, atacado por Bolsonaro.

Manifesto lido ao fim de encontro em Mato Grosso condena políticas do governo e rechaça projeto de lei que permite mineração em terras protegidas.

Foto de capa: O líder indígena Raoni durante manifestações de estudantes pelo clima, em Bruxelas, na Bélgica.

Rubens ValenteBruno Santos
TERRA INDÍGENA CAPOTO-JARINA (MT)

Rodeado por caciques caiapós, Raoni estica a borduna na “casa dos guerreiros”, uma construção de madeira com telhado de palha e chão batido na aldeia Piaraçu, na Terra Indígena Capoto-Jarina, em Mato Grosso.

Ele discursa ao microfone: “Homem que se chama Bolsonaro, aproveita seu mandato porque minha luta é de uma vida inteira”.

Nesta semana, o cacique reuniu por cinco dias cerca de 600 indígenas de 45 etnias diferentes na aldeia caiapó, perto do rio Xingu, para defender a união do movimento indígena contra as políticas de Bolsonaro.

Indígenas participam nesta sexta (17) do último dia de encontro com lideranças na aldeia de Piraçu, às margens do rio Xingu, em Mato Grosso
Indígenas participam nesta sexta (17) do último dia de encontro com lideranças na aldeia de Piraçu, às margens do rio Xingu, em Mato Grosso – Bruno Santos/Folhapress.
.

Em manifesto lido nesta sexta-feira (17) ao final do evento, os indígenas afirmaram que está em curso “um projeto político do governo brasileiro de genocídio, etnocídio e ecocídio” e rechaçaram projeto de lei formatado pelo governo para permitir mineração e outros empreendimentos mesmo sem a aprovação dos indígenas —o texto ainda será enviado ao Congresso Nacional.

Bolsonaro conversa com índios Makuxi da reserva Raposa Serra do Sol (RR), ao sair do Palácio da Alvorada. Presidente defende a exploração de terras indígenas e tem interesse no terreno em RR, especialmente pelo seu potencial mineral. Pesquisa Datafolha, no entanto, mostra que a maioria absoluta dos brasileiros é contrária a essa política

Bolsonaro conversa com índios Makuxi da reserva Raposa Serra do Sol (RR), ao sair do Palácio da Alvorada. Presidente defende a exploração de terras indígenas e tem interesse no terreno em RR, especialmente pelo seu potencial mineral. Pesquisa Datafolha, no entanto, mostra que a maioria absoluta dos brasileiros é contrária a essa política

.

“Nós não aceitamos garimpo, mineração e arrendamento em nossas terras, não aceitamos madeireiros, pescadores ilegais, hidrelétricas, somos contra tudo aquilo que destrói nossas florestas e nossos rios. Escrevemos esse documento como um grito, para que nós povos indígenas possamos ser escutados pelos três Poderes da República, pela sociedade e pela comunidade internacional”, diz o manifesto lido no evento.

O encontro também foi uma demonstração de força de Raoni, várias vezes citado por lideranças jovens e idosas como o mais importante representante dos indígenas do país.

Bolsonaro afirmou que Raoni não representa os índios do país e passou a inflar outros nomes sem histórico no movimento indígena.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ao mesmo tempo, o governo esvazia, segundo os índios, a saúde indígena e a Funai (Fundação Nacional do Índio).

Na aldeia Piaraçu, as lideranças indígenas reunidas por Raoni – incluindo Sônia Guajajara, Célia Xakriabá e Alessandra Munduruku– discutiram uma reação à política bolsonarista.

Coube ao sobrinho de Raoni, Megaron Txucarramãe, dar o tom dos próximos passos dos caiapós.

“Nós temos que reforçar, temos que impedir esse projeto [da mineração]. […] Preparar flecha, vamos preparar porque ele [Bolsonaro] vai querer botar Força Nacional, vai querer botar Polícia Federal, vai botar polícia para jogar pimenta na nossa cara. Mas temos que ir preparados.”

O enáuenê-nauê Kawaili Koll exortou a plateia: “Vamos nos preparar, vamos fazer flechas, bordunas. Ele, Bolsonaro, acha que índio é criança”.

Em uma entrevista coletiva, contudo, Raoni procurou abrandar o discurso.

“Esse encontro não é para planejar uma guerra, um conflito. Estamos aqui para defender nosso povo, nossa causa, nossa terra. Eu quero pedir mais uma vez que o ‘homem branco’ nos deixe viver em paz, sem conflito, sem problema. Eu nunca faria um encontro para atacar alguém. Estamos nos reunidos aqui para nos defender”, disse o caiapó, em tradução de Megaron.

“Vamos pedir para Bolsonaro respeitar nossos direitos. Se não respeitar, vamos pedir para os países da Europa e outros países para nos ajudar. É isso que temos que fazer”, disse Megaron.

Na quarta-feira (15), durante o encontro, Raoni anunciou uma aliança com o movimento extrativista do Acre, posando para imagens ao lado de uma das filhas do líder ambientalista Chico Mendes, assassinado em 1989, Ângela Mendes, e de Sônia Guajajara, da coordenação da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib).

O cacique Raoni (de cocar amarelo), a líder indígena Sonia Guajajara (de cocar azul) e Ângela Mendes (de branco), filha de Chico Mendes, posam para foto durante encontro nas margens do rio Xingu, em Mato Grosso – Bruno SantosFolhapress.

 

Em oposição a Raoni, a presidência da Funai, ocupada hoje por um delegado da Polícia Federal, decidiu desprezar o evento, ao não enviar nenhum representante e depois dizer, numa rede social, que o encontro era uma iniciativa “totalmente privada”, sem esclarecer que o governo comparece a vários fóruns de agropecuaristas, empresários e industriais.

À Folha Raoni disse que procurou pessoalmente, em Brasília, o órgão responsável pela política indigenista: “Eu tentei falar com o presidente da Funai e, como era período de recesso, então eu não consegui e fui ter contato com o assessor substituto dele para que comparecesse aqui nesse evento. Mas até agora não tive resposta e não tive presença dele nesse evento”.

Continue lendo

ACRE

Retrospectiva: Guerra de narrativas domina noticiário em 2019

Folha de São Paulo, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Das queimadas na Amazônia às ruas de Hong Kong, fatos foram interpretados a partir de versões antagônicas.

Para ver fotos e ler a reportagem completa, CLIQUE AQUI.

O que aconteceu na Bolívia foi reação a uma fraude eleitoral ou golpe de Estado?

Os manifestantes de Hong Kong são paladinos da democracia ou agentes do imperialismo?

Os incêndios na floresta amazônica são uma emergência ambiental ou ataques à soberania nacional?

Em vez dos fatos, foram as discussões em torno das diferentes narrativas sobre o que está acontecendo no mundo que dominaram as páginas do noticiário internacional.

É como a síndrome do vestido de duas cores: assim como naquele meme em que uns veem um vestido branco e dourado e outros só enxergam as cores preta e azul, os eventos do mundo contemporâneo são contados a partir de versões distintas e, muitas vezes, inconciliáveis.

“As narrativas são cruciais para entender a política internacional: elas nos oferecem sentido, orientação e uma noção de pertencimento”, diz Markus Fraundorfer, professor de governança global na Universidade de Leeds, no Reino Unido.

Não se trata de um fenômeno novo, mas os embates de narrativas são amplificados nos dias de hoje graças às redes sociais, em que as audiências buscam, mais do que informação, validação para as suas visões de mundo.

“Histórias contadas a partir de falsidades costumam alcançar maior sucesso em tempos de crise econômica, política e social”, afirma Fraundorfer.

“Atualmente, vemos movimentos com tendências autoritárias usarem plataformas digitais para promover narrativas baseadas no medo, no isolamento e no ódio.”

A Folha explica as narrativas por trás de acontecimentos importantes no mundo em 2019.

O presidente dos EUA, Donald Trump, durante evento na Casa BrancaO presidente dos EUA, Donald Trump, durante evento na Casa Branca – Brendan Smialowski – 19.dez.19/AFP.

IMPEACHMENT DE TRUMP

Donald Trump se tornou alvo de um processo de impeachment no Congresso depois de um delator anônimo revelar que o presidente americano havia pressionado a Ucrânia a investigar seu rival Joe 
Biden e o filho dele, Hunter

O impeachment foi aprovado na Câmara, controlada pelos democratas, mas Trump deverá ser absolvido no Senado, de maioria republicana.

A história contada pelos opositores de Trump é a de um presidente que abusou das prerrogativas do cargo ao solicitar a interferência de autoridades estrangeiras na eleição do ano que vem e ao tentar obstruir os trabalhos de investigação do Congresso

O jornal New York Times, de orientação liberal, defendeu em editorial que aprovar o impeachment é a “única decisão responsável” a tomar, e que um presidente democrata em posição parecida deveria passar pelo mesmo julgamento.

Já a versão apresentada por Trump e seus apoiadores sobre o impeachment é a de uma perseguição injusta contra um homem inocente.

O jornal conservador The Wall Street Journal afirmou em editorial que, embora não concordasse com as atitudes de Trump em relação à Ucrânia, não haveria provas de crime de responsabilidade, e que a oposição democrata estaria transformando o impeachment em “instrumento de batalha partidária”.

Estudante com luzes de telefones celulares durante protestos pró-democracia em Hong Kong
Estudante com luzes de telefones celulares durante protestos pró-democracia em Hong Kong – Philip Fong – 13.dez.19/AFP.

PROTESTOS EM HONG KONG

Manifestantes ocupam as ruas de Hong Kong desde junho para protestar contra a intervenção crescente de Pequim no território semi-autônomo.

Há registros de abusos policiais e episódios de vandalismo por parte de manifestantes nesta que é a pior crise desde que a cidade deixou de ser uma colônia britânica.

Para as forças pró-democracia, os protestos são uma batalha épica para preservar as liberdades individuais que ainda existem em Hong Kong. 

O jornal honconguês South China Morning Post defende que as demandas dos manifestantes são legítimas, desde que eles não recorram à violência. A publicação também critica a chefe-executiva local, Carrie Lam, por fracassar em encontrar uma saída política para o impasse e pela leniência com abusos da polícia.

Já as forças pró-governo enxergam na revolta popular uma ameaça à autoridade da China, provocada por grupos radicalizados que estariam a serviço dos interesses dos EUA. 

O jornal China Daily, porta-voz do regime de Pequim, enfoca episódios de violência provocados pelos manifestantes e sugere que os jovens nas ruas são ingênuos, deixando-se manipular pela cobertura “enviesada” da imprensa estrangeira.

Ademais, o jornal reitera o apoio às medidas da administração local e busca justificar o uso da força pela polícia.

Ativistas fazem procissão em Guwahati contra lei de cidadania do governo indiano
Ativistas fazem procissão em Guwahati contra lei de cidadania do governo indiano – Biju Boro – 9.dez.19/AFP.

MUÇULMANOS NA ÍNDIA

Meses após conquistar a maioria das cadeiras no Parlamento nas eleições gerais da Índia, o premiê Narendra Modi revogou a autonomia constitucional da Caxemira, a única região de maioria muçulmana no país e alvo de disputas territoriais com o vizinho Paquistão. 

A decisão, anunciada em agosto, foi acompanhada do envio de tropas e da interrupção das comunicações na área.

As forças seculares da Índia viram a decisão como afronta aos direitos dos muçulmanos e outras minorias na democracia mais populosa do mundo. 

No Paquistão, a publicação Dawn chamou a ofensiva do governo indiano sobre a Caxemira de “anexação” e tachou as restrições impostas à população local de “desumanas”.

O jornal também saudou os esforços do premiê do país, Imran Khan, de denunciar as violações cometidas pelo governo de Nova Déli perante a ONU. 

Já os partidários de Modi viram na mudança do status da Caxemira um passo importante para a consolidação de seu projeto nacionalista hindu.

O jornal Times of India justificou a decisão sob o pretexto de combater grupos terroristas apoiados pelo Paquistão. 

A publicação rechaçou as tentativas de pressão internacional dizendo que a Caxemira é um “assunto doméstico” da Índia, mas depois passou a considerar desnecessárias as medidas restritivas na região. 

AMAZÔNIA EM CHAMAS

O aumento dos focos de incêndio na Amazônia se transformou na maior crise externa do primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro.

O episódio gerou críticas por parte do presidente francês, Emmanuel Macron, e outras autoridades estrangeiras, que afirmam temer que a destruição da floresta tenha impactos negativos sobre o equilíbrio ambiental no mundo todo.

Em vários países, o fogo na mata foi narrado como uma consequência desastrosa das políticas ambientais do governo brasileiro.

A revista britânica The Economist, uma das mais prestigiadas do mundo, publicou em agosto uma extensa reportagem de capa intitulada “Velório para a Amazônia”, pondo em evidência o avanço do desmatamento na região. 

A publicação criticou Bolsonaro por dar sinal verde a grileiros e descreveu o líder brasileiro como “um dos chefes de Estado mais ambientalmente perigosos no mundo”.

Os apoiadores do presidente saíram em sua defesa e consideraram as críticas estrangeiras um ataque à soberania nacional.

Nas redes sociais, canal prioritário de comunicação do governo, havia uma enxurrada de teorias da conspiração em que a a culpa pelo fogo na Amazônia era de ONGs ambientalistas.

Sobrou até para o ator americano Leonardo DiCaprio, que não tinha nada a ver com a história.

Por Daniel Avelar. Folha SP. 

Para ver fotos e ler a reportagem completa, CLIQUE AQUI.

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias