NOSSAS REDES

COTIDIANO

ALERTA: Mortes por coronavírus superam 10.000 em todo o mundo

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A Califórnia ordena o maior bloqueio nos EUA, enquanto o número de mortos aumenta acentuadamente no Irã e na Itália. 

Foto de capa: O ginásio do Hospital Ponte San Pietro, em Bergamo, Itália, foi transformado em necrotério. FOTO: COZZOLI / FOTOGRAMMA / ROPI / ZUMA PRESS. 

Atualização sobre o coronavírus: bloqueio na Califórnia, cheques de US $ 1.200, contratações do Walmart
Atualização sobre o coronavírus: bloqueio na Califórnia, cheques de US $ 1.200, contratações do Walmart. 
A Califórnia pede o maior bloqueio nos EUA, um pacote de estímulo exige que os contribuintes recebam até US $ 1.200, e o Walmart contratará 150.000 funcionários temporários em resposta a um aumento na demanda por mantimentos. Shelby Holliday, do WSJ, tem as últimas notícias sobre a pandemia. Foto: Patrick T. Fallon / Bloomberg Notícias.

O número de mortes pelo novo coronavírus dobrou em uma semana para mais de 10.000 na sexta-feira, liderado por grandes saltos na Itália, Irã e Espanha, e aumentando a urgência de governos de todo o mundo conterem a pandemia .

As mortes por patógenos causadores de pneumonia mais que quadruplicaram nos EUA na semana passada, para 205, enquanto as infecções confirmadas no país aumentaram para 14.250, de cerca de 1.700 em 13 de março.

Na quinta-feira à noite, o estado da Califórnia ordenou que seus 40 milhões de habitantes ficassem em casa e saíssem apenas para atividades essenciais, o maior bloqueio desse tipo nos EUA. O Departamento de Estado aconselhou os cidadãos dos EUA a não viajarem internacionalmente e instou os estrangeiros a voltar para casa imediatamente ou permanecer no exterior indefinidamente.

Globalmente, houve mais de 245.000 casos confirmados da doença conhecida como Covid-19, de acordo com dados compilados pela Universidade Johns Hopkins, com dois terços dos casos fora da China continental, onde o novo vírus respiratório foi identificado pela primeira vez no final de 2019 .

ÚLTIMAS SOBRE O CORONAVIRUS

  • Mais de 10.000 mortes e mais de 245.000 casos confirmados em todo o mundo
  • As mortes nos EUA mais que quadruplicaram na semana para 205
  • 14.250 casos confirmados nos EUA
  • Califórnia ordena que seus 40 milhões de habitantes fiquem em casa

Cientistas e governos alertaram que as taxas de infecção continuariam a subir rapidamente, a menos que medidas drásticas fossem tomadas para impedir as pessoas de viajar e se reunir. O desafio que as autoridades de saúde enfrentam é que as pessoas infectadas podem passar dias sem mostrar sintomas e transmitir o vírus a outras pessoas antes de adoecer. Em países maiores, algumas pessoas não podem fazer o teste para o coronavírus, portanto, o número real de casos pode ser muito maior do que o total relatado.

O Irã registrou 149 novas mortes, elevando o total para 1.433, enquanto o número de casos diagnosticados saltou de 1.237 para 19.644, segundo o Ministério da Saúde. O judiciário iraniano disse que prisioneiros com sentenças relacionadas à segurança de menos de cinco anos estariam sujeitos à libertação para impedir que o vírus se espalhe nas prisões. O anúncio veio depois que pelo menos 85.000 prisioneiros foram libertados antes do Ano Novo Persa.

No Iraque, milhares de peregrinos xiitas desafiaram o toque de recolher e correram para o santuário de Kadhimiya em Bagdá para comemorar o aniversário da morte de um imã enterrado lá. As autoridades do santuário pediram aos peregrinos que se afastassem e pediram às forças de segurança que aplicassem o toque de recolher imposto à capital iraquiana. O Ministério da Saúde do Iraque disse que muitas lojas estavam ignorando as instruções para fechar.

Filas longas enquanto países europeus fecham fronteiras em meio ao coronavírusFilas longas enquanto países europeus fecham fronteiras em meio ao coronavírus.

Filas longas enquanto países europeus fecham fronteiras em meio ao coronavírus

Filas longas enquanto países europeus fecham fronteiras em meio ao coronavírusFilas longas enquanto países europeus fecham fronteiras em meio ao coronavírus.
.
Alguns países europeus restabeleceram as fronteiras nacionais em uma tentativa de conter a disseminação do coronavírus na região. Atualmente, bens e suprimentos médicos são permitidos, mas as verificações levaram a filas extremamente longas se formando ao longo das fronteiras. Foto: Odd Andersen / Getty Images.
.

As negociações entre o Reino Unido e a União Européia sobre seu relacionamento pós-Brexit estavam em pausa depois que os principais negociadores de ambos os lados se colocaram em auto-isolamento. O governo britânico disse que seu principal negociador, David Frost, estava em casa depois de mostrar sintomas leves do coronavírus. O principal negociador da UE, Michel Barnier, disse na quinta-feira que havia apanhado a doença.

A rodada de negociações desta semana já havia sido cancelada, enquanto o Reino Unido e a UE tentavam encontrar uma maneira de manter as complexas negociações comerciais por videoconferência. A interrupção está levantando especulações entre analistas de que as negociações comerciais entre os dois lados terão que ser estendidas até o final do ano.

Um dia antes, a Itália superou a China como o país com o maior número de mortos, com 3.405 mortes por coronavírus, mesmo tendo cerca de metade do número de casos confirmados. O país mediterrâneo tem a segunda população mais antiga do mundo e os idosos são mais vulneráveis ​​ao vírus.

A comissão de saúde da China informou na sexta-feira um segundo dia sem infecções por coronavírus transmitidas localmente, embora o país tenha dito que houve 39 novos casos entre pessoas que estavam recentemente no exterior, elevando o total de casos para 80.967. As mortes por Covid-19 na China aumentaram ligeiramente para 3.248. A Associação Chinesa de Esgrima disse que três de seus atletas deram positivo para o vírus ao chegar a Pequim no início desta semana, após uma viagem à Hungria.

O país mudou seu foco nos últimos dias para impedir que viajantes infectados causem uma segunda onda de infecções. A companhia aérea estatal Air China Ltd. começará a desviar vôos com destino a Pequim de Moscou, Paris, Tóquio e Toronto para aeroportos em cidades próximas, como Tianjin, Hohhot e Taiyuan, para que possam ser rastreados quanto a sintomas por lá.

Reboques para abrigar temporariamente pessoas ordenadas a se isolar em Los Angeles. FOTO: ETIENNE LAURENT / SHUTTERSTOCK.

.

Na Austrália, autoridades do estado de Nova Gales do Sul tentavam entrar em contato com cerca de 2.700 passageiros que haviam desembarcado do navio Ruby Princess em Sydney na quinta-feira, depois que quatro pessoas que estavam no navio deram positivo para o coronavírus.

Uma pessoa infectada é um membro da tripulação que está entre mais de 1.000 tripulantes ainda no navio, que viajou entre Sydney e Nova Zelândia. O ministro da Saúde de Nova Gales do Sul, Brad Hazzard, disse que os passageiros forneceram detalhes de contato às autoridades quando desembarcaram, mas que alguns ainda não responderam aos esforços para contatá-los. As autoridades querem garantir que todos os passageiros estejam em quarentena, conforme exigido na Austrália.

“A grande preocupação é que essas pessoas tenham saído do cruzeiro sem o conhecimento da Covid de fato estar no navio”, disse Hazzard.

Em Hong Kong, o número de casos confirmados quase dobrou na semana passada para 256, apesar do fechamento de escolas e de outras paralisações na cidade que estão na sétima semana. A maioria dos novos casos ocorreu entre pessoas que recentemente viajaram para a Europa, EUA e outros lugares. Um dia antes, Hong Kong começou a exigir que todas as pessoas chegassem à auto-quarentena por duas semanas.

O salto nos casos importados pode levar o vírus a se espalhar localmente em Hong Kong, disse Ben Cowling, chefe da divisão de epidemiologia e bioestatística da Escola de Saúde Pública da Universidade de Hong Kong.

A principal companhia aérea da cidade, a Cathay Pacific , e sua subsidiária, Cathay Dragon, disseram na sexta-feira que reduziriam a capacidade de passageiros em 96% em abril e maio, citando uma queda acentuada na demanda e restrições de viagens em todo o mundo.

Em outros lugares da Ásia, a disseminação do Covid-19 parece estar diminuindo. O Japão adicionou 36 casos, elevando o número total para 950, enquanto na Coréia do Sul as infecções confirmadas aumentaram 87 para 8.652. O número de mortos nos dois países permanece abaixo de 100. Por WSJ. 

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Reunião discute medidas para resguardar consumidor durante a pandemia do Coronavírus

Agência de Notícias MPAC, via Acre.com.br

PUBLICADO

em

Nesta sexta-feira, 20, o Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por intermédio da Promotoria Especializada de Defesa do Consumidor, juntamente com a Defensoria Pública do Estado, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Procon/Ac, promoveu uma reunião com representantes da Associação Comercial, Industrial, de Serviço e Agrícola do Acre (Acisa), Associação de Distribuidores e Atacadistas, e Associação Acreana de Supermercados.

O objetivo foi discutir e alinhar medidas para preservar os direitos dos consumidores durante a pandemia do Coronavírus.

A estocagem de alimentos e produtos de higiene pessoal e limpeza, suspensão do corte de energia e água por 60 dias, procura por medicamentos, medidas adotadas pelo comércio, entre outros assuntos, foram discutidos.

A promotora Alessandra Garcia Marques, o presidente do Procon/Ac, André Gil, a defensora pública Juliana Caobianco e a advogada Larissa Bentes, que integra a Comissão de Defesa do Consumidor da OAB/AC, falaram sobre as deliberações da reunião.

A promotora Alessandra Garcia Marques, o presidente do Procon/Ac, André Gil, a defensora pública Juliana Caobianco e a advogada Larissa Bentes, que integra a Comissão de Defesa do Consumidor da OAB/AC, falaram sobre as deliberações da reunião.

Álcool em gel- Será expedida uma recomendação relacionada à comercialização do álcool em gel, para que cada pessoa possa comprar, apenas, uma unidade de 400 ml. Já o frasco menor, cada consumidor poderá levar até três unidades.

A intenção é evitar a escassez do produto, que passou a ser utilizado com mais frequência em razão da pandemia. As máscaras cirúrgicas não serão incluídas na recomendação porque estão em falta no mercado.

Estocagem de alimentos- Os órgãos reforçaram a importância de não estocar alimentos e produtos de higiene e limpeza, assegurando que não há risco de desabastecimento.

No que se refere aos supermercados, os órgãos orientam que seja adotado horário de funcionamento diferenciado para atender idosos e outras pessoas inseridas no grupo de risco do coronavírus. Uma rede de supermercados local já anunciou essa mudança.

Água e energia – Também estão sendo feitas tratativas para que não haja corte, por falta de pagamento, no fornecimento de energia elétrica e água, durante 60 dias.

Medicamentos- Há uma preocupação com a venda de medicamentos que contém hidroxicloroquina e cloroquina em sua fórmula, depois que foram anunciados estudos, ainda não conclusivos, sobre a utilização no tratamento da Covid-19.

Esses medicamentos são usados no tratamento de lúpus e malária, entre outras doenças, e pacientes já relataram dificuldade para encontrar nas farmácias de Rio Branco. Pessoas que estão fazendo uso, sem que haja indicação médica, além de estarem expostas a riscos, também estão prejudicando o tratamento de quem precisa. 

Transporte coletivo- O MPAC está investigando a paralisação parcial ocorrida ontem, 19, em Rio Branco. O Município de Rio Branco, RBTrans e empresa prestadora do serviço deverão informar os motivos pelos quais houve o problema que prejudicou os usuários, especialmente no momento em que, em razão dos casos de coronavírus confirmados, precisam readequar suas rotinas.

A promotora Alessandra Garcia Marques ressaltou que as medidas são temporárias, podendo modificadas e/ou adotadas novas ações, caso seja necessário.

Já o Procon informou que equipes intensificaram as fiscalizações e que, qualquer denúncia ou reclamação, pode ser feita pelo telefone 151.

Continue lendo

BRASIL

Bolsonaro é alvo de 17 pedidos de impeachment protocolados no Congresso

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Número só é menor do que de Temer no mesmo período e em sua maioria foi pedido por cidadãos comuns.

Foto: Presidente Jair Bolsonaro / Foto: Antônio Cruz – Agência Brasil.

Esta reportagem foi alterada às 19h22 de 19 de março para atualizar o número de pedidos de impeachment protocolados no Congresso. Segundo o Núcleo de Assessoramento Técnico da Câmara o dado foi de 13 pedidos para 17.

Há 15 meses no comando do país, Jair Bolsonaro (sem partido) é alvo de 17 pedidos de impeachment protocolados no Congresso Nacional. Dados do Núcleo de Assessoramento Técnico da Câmara dos Deputados apontam que, desde 1990, Bolsonaro é o segundo presidente em número de denúncias por crime de responsabilidade, atrás apenas de Michel Temer (MDB), quando analisados os primeiros 15 meses de gestão. 

O primeiro pedido contra o atual presidente foi apresentado no segundo mês de governo e, o só nesta nesta quinta-feira (19), outros quatro foram protocolados. Apenas o primeiro pedido foi arquivado pela área técnica da Câmara por ser um “documento apócrifo”. Todos os demais aguardam análise da área jurídica da Casa para posterior posicionamento do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

Temer recebeu 26 pedidos de impeachment nos primeiros 15 meses de presidência. O emedebista teve mandato mais curto, de 28 meses – entre 31 de agosto de 2016 e 31 de dezembro de 2018 – e foi o único presidente que recebeu denúncias por “crime comum” de autoria da Procuradoria Geral da República.

Dilma Rousseff (PT) recebeu apenas um pedido de impeachment nos 15 meses iniciais (janeiro de 2011 a março de 2012) de seu primeiro mandato. Reeleita, a petista viu o número de denúncias contra subir vertiginosamente. De janeiro de 2015 a 17 de março de 2016, foram contabilizados 44 registros de pedidos de impeachment contra a ex-presidente – que foi cassada pelo Senado em agosto de 2016.

Luiz Inácio Lula da Silva recebeu um pedido de impeachment nos primeiros 15 meses do  primeiro mandato. No início do segundo governo, o número mais que dobrou: quatro pedidos até março de 2008.

Fernando Henrique Cardoso recebeu apenas um pedido nos primeiros 15 meses do primeiro mandato. Já nos 15 meses inaugurais do segundo mandato (de janeiro de 1999 a março de 2000), o registro de denúncias contra FHC saltou para cinco .

Primeiro presidente da República a ser impedido no Brasil, Fernando Collor de Mello recebeu seis denúncias em 15 meses. Seu sucessor, Itamar Franco, recebeu quatro pedidos ao longo dos 37 meses gestão –  entre dezembro de 1992 a janeiro de 1995.

Impeachment

A Constituição Federal determina que compete privativamente à Câmara autorizar a instauração de processo de impeachment contra o presidente, vice presidente e ministros de Estado, mas antes é preciso que o presidente da Casa acolha a denúncia. Não há prazo formal para que o democrata se posicione sobre os pedidos. De fato, Rodrigo Maia pode simplesmente não analisar as denúncias.

Procurado pela equipe do JOTA, Maia se recusou a comentar o assunto. A recusa do presidente da Câmara em falar sobre as denúncias é natural. Em um momento de tensão entre Executivo e Legislativo, qualquer comentário tem potencial explosivo. Da mesma forma, manter os pedidos “em análise” evita o acirramento de ânimos neste momento político em que o foco central da Câmara, segundo o próprio Maia, está na aprovação de medidas em resposta à pandemia do coronavírus.

Posta de lado, a questão Impeachment, no entanto, segue presente. Até dia 18, todas as denúncias vinham de advogados, de “brasileiros comuns” e não eram realmente consideradas pelos próprios parlamentares como uma opção. A apresentação, nesta semana, de dois pedidos por deputados do PSOL – Fernanda Melchionna (RS), Sâmia Bomfim (SP) e David Miranda (RJ) – e pelo ex-aliado Alexandre Frota (SP), no entanto, revela sinais de que ao menos parte da oposição já aposta na mudança do ambiente político. 

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias