NOSSAS REDES

ACRE

Após cumprir agendas no Acre, Prem Baba reconhece ter abusado da confiança de fiéis, mas nega comparação com João de Deus

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Com cabelos curtos e sem a longa barba que lhe era peculiar, o guru Sri Prem Baba falou pela primeira vez após a revelação feita pela revista Época de que teve relações sexuais com três discípulas, duas delas casadas , que afirmaram ter sofrido abusos. Em entrevista à revista Veja, Baba disse que se arrepende dos relacionamentos, e reitera que tudo foi consensual. “Não tenho nada a ver com o João de Deus”, diz, referindo-se ao curandeiro acusado de estuprar seguidoras.

— Houve um erro moral — reconheceu na entrevista —. Mas o que vou fazer, me matar? Vou dizer com muita clareza: não sou um abusador. Eu me conheço bem o suficiente para afirmar que jamais serei. Realizo meu trabalho com seriedade e compromisso, o qual foi construído ao longo de muito tempo e dedicação. Cerca de 70% da minha comunidade é formada por seguidoras mulheres. E eu respeito todas elas.

Após as denúncias feitas pela Época em setembro do ano passado, Prem Baba (“pai de amor”, em sânscrito) passou algum tempo recluso na Índia e nos Estados Unidos, antes de retornar ao Brasil.

Na entrevista, o guru revela que sua clientela sumiu e que “deixou de ser pop”, e anuncia que vai começar um ciclo “com mais simplicidade”. A exemplo do médium João de Deus, Baba se tornou amigo e conselheiro de celebridades como Reynaldo Gianecchini, Bruna Lombardi e Marcio Garcia e virou figura frequente em colunas sociais de jornais.

— Algumas pessoas me chutaram e fizeram bullying, outras ficaram neutras, com receio de o escândalo respingar na imagem delas. Mas houve quem ofereceu a mão para me levantar. Eu fiquei menor — afirmou à Veja. — Volto com uma comunidade sem o mesmo tamanho, houve uma fuga de gente.

Os maridos das duas seguidoras com quem o guru se relacionou disseram à epoca das denúncias que Braba afirmava ser celibatário. Na entrevista, o guru afirma fazer parte da linhagem Brahma Chakra, “que nos leva a nos libertar da dependência do sexo”, mas diz que anular a prática sexual não é uma obrigação.

— Posso transar se quiser, mas já passei muitos anos sem sexo. Não há contradição. Não pratico o caminho da proibição, mas o da transcendência. Canalizo energia para o meu trabalho espiritual.

Por O GLOBO

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat