NOSSAS REDES

ACRE

Após cumprir agendas no Acre, Prem Baba reconhece ter abusado da confiança de fiéis, mas nega comparação com João de Deus

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Com cabelos curtos e sem a longa barba que lhe era peculiar, o guru Sri Prem Baba falou pela primeira vez após a revelação feita pela revista Época de que teve relações sexuais com três discípulas, duas delas casadas , que afirmaram ter sofrido abusos. Em entrevista à revista Veja, Baba disse que se arrepende dos relacionamentos, e reitera que tudo foi consensual. “Não tenho nada a ver com o João de Deus”, diz, referindo-se ao curandeiro acusado de estuprar seguidoras.

— Houve um erro moral — reconheceu na entrevista —. Mas o que vou fazer, me matar? Vou dizer com muita clareza: não sou um abusador. Eu me conheço bem o suficiente para afirmar que jamais serei. Realizo meu trabalho com seriedade e compromisso, o qual foi construído ao longo de muito tempo e dedicação. Cerca de 70% da minha comunidade é formada por seguidoras mulheres. E eu respeito todas elas.

Após as denúncias feitas pela Época em setembro do ano passado, Prem Baba (“pai de amor”, em sânscrito) passou algum tempo recluso na Índia e nos Estados Unidos, antes de retornar ao Brasil.

Na entrevista, o guru revela que sua clientela sumiu e que “deixou de ser pop”, e anuncia que vai começar um ciclo “com mais simplicidade”. A exemplo do médium João de Deus, Baba se tornou amigo e conselheiro de celebridades como Reynaldo Gianecchini, Bruna Lombardi e Marcio Garcia e virou figura frequente em colunas sociais de jornais.

— Algumas pessoas me chutaram e fizeram bullying, outras ficaram neutras, com receio de o escândalo respingar na imagem delas. Mas houve quem ofereceu a mão para me levantar. Eu fiquei menor — afirmou à Veja. — Volto com uma comunidade sem o mesmo tamanho, houve uma fuga de gente.

Os maridos das duas seguidoras com quem o guru se relacionou disseram à epoca das denúncias que Braba afirmava ser celibatário. Na entrevista, o guru afirma fazer parte da linhagem Brahma Chakra, “que nos leva a nos libertar da dependência do sexo”, mas diz que anular a prática sexual não é uma obrigação.

— Posso transar se quiser, mas já passei muitos anos sem sexo. Não há contradição. Não pratico o caminho da proibição, mas o da transcendência. Canalizo energia para o meu trabalho espiritual.

Por O GLOBO

ACRE

Em Feijó, unidade de saúde da família não dispõe de médicos, e população aguarda ação do MP

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Segundo consta no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde – CNES, a Unidade de Saúde da Família Dulce A. A. Sena, em Feijó, interior do Acre, não dispõe de médicos.

Em Feijó, a unidade de saúde U.S.F. Dulce A. A. Sena informou no último dia 03/08/2020 que dispõe de 15 profissionais de saúde, mas nenhum é médico, dentre eles existem agentes comunitários de saúde, auxiliares em saúde bucal, técnicos de enfermagem, auxiliar de escritório e cirurgião dentista. 

No portal do Governo Federal http://cnes.datasus.gov.br/pages/estabelecimentos/consulta.jsp responsável pelo gerenciamento das unidades de saúde dos municípios e estados, não consta informação quanto à existência de médico na U.S.F. Dulce A. A. Sena.

No portal do Governo Federal http://cnes.datasus.gov.br/pages/estabelecimentos/consulta.jsp responsável pelo gerenciamento das unidades de saúde dos municípios e estados, não consta informação quanto à existência de médicos na U.S.F. Dulce A. A. Sena.

Conforme o CNES, não há médicos devidamente cadastrados ou registrados na U.S.F. Dulce A. A. Sena. Consulte clicando aqui ou veja a relação de servidores aqui

A Promotoria de Justiça de Feijó ainda não determinou instauração de diligências sobre o caso. Na internet, internautas afirmaram que o problema da falta de médicos em Feijó é do conhecimento da prefeitura municipal, e há tempos isso acontece no município.

A redação do Acre.com.br telefonou para a gerência da unidade, através do telefone (68)3463-3372, informado ao CNES, para obter informações quanto a existência de médico na unidade. No sistema do CNES, consta a Sra JORGINA DORA SILVA DA SILVEIRA como gestora responsável pela referida unidade de saúde. Porém, após inúmeras chamadas entre 08:30hs e 09:00hs, desta terça-feira, ninguém atendeu.

O contato com a redação poderá ser realizado através do e-mail: contato@acre.com.br ou WhatsApp (68) 99910-8808. 

Continue lendo

ACRE

Conselheira de 65 anos não deve assumir vaga de colega que morreu de Covid-19 no AC, recomenda MP

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Documento destaca que Maria de Jesus já atingiu idade máxima exigida para assumir cargo.

CAPA: TCE-AC encaminhou apenas um nome para indicação do governador — Foto: Reprodução/Google Street View.

O Ministério Público do Acre (MP-AC) encaminhou duas recomendações para a Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) e para o Tribunal de Contas Estadual (TCE-AC) para que seja rejeitada a nomeação da conselheira Maria de Jesus Carvalho de Souza.

Segundo o MP-AC, a conselheira não pode assumir a vaga do colega José Augusto Araújo de Faria, de 71 anos, que morreu de Covid-19 no dia 12 de julho, por já ter atingido a idade máxima exigida para assumir o cargo, que é 65 anos.

A Constituição do Estado do Acre prevê que o conselheiro precisa tem mais de 35 anos e menos de 65 para assumir o cargo. Com 65 anos completos, segundo o MP-AC, Maria de Jesus não pode ocupar a vaga.

O órgão estadual deu prazo de dez dias para que a Aleac e o Governo do Acre se posicionem sobre a situação. Em caso de descumprimento, o MP-AC garante que vai tomar medidas judiciais para apurar a responsabilidade tanto nas esferas cível, administrativa e penal.

Ao G1, a assessoria de comunicação da Aleac informou que ainda não tem comissão formada para analisar. A discussão e formação da comissão deve ser feita na terça-feira (11).

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias