NOSSAS REDES

AMAZÔNIA

BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTA RECORDE DE RESULTADOS NO PLANO SAFRA 2018/2019

Assessoria, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A instituição aplicou no agronegócio regional R$ 3,66 bilhões. Volume de crédito aportado no setor cresceu acima da média do mercado.

Principal agente de fomento do Governo Federal no Norte do país, o Banco da Amazônia bateu recorde de investimentos no Plano Safra 2018/2019. No período de 1º de julho do ano passado até o último dia 30 de junho de 2019, a instituição aportou no agronegócio regional o equivalente a R$ 3,66 bilhões.

O resultado está sendo comemorado pela instituição por dois bons motivos. Primeiro, porque o volume dos investimentos nos estados nortistas cresceu acima da média do mercado e, segundo, resultado semelhante a esse o banco não apresentava desde o Plano Safra 2014/2015, quando foram aplicados nos negócios que envolvem a cadeia produtiva agrícola e pecuária valores na ordem de R$ 3,4 bilhões.

“Estamos comemorando muito esses números positivos, pois estão acima do desempenho de outras instituições financeiras que atuam no setor. Enquanto os financiamentos bancários voltados ao agronegócio cresceram cerca de 13% em volume global de contratação com todas as instituições financeiras na região norte, no Banco da Amazônia, isoladamente, o crescimento foi de 40%”, informou Misael Moreno, gerente de Pessoa Física do Banco da Amazônia.

O gestor afirma que há espaço para crescer ainda mais porque se trata de um mercado que fechou o ano Safra 2018/2019 com investimentos na ordem de R$ 9,94 bilhões na região Norte, e que, desse total, 33% foram efetivados pelo Banco da Amazônia. Para ampliar sua participação junto ao setor, a Instituição tem disponível para o Plano Safra 2019/2020 o equivalente a R$ 4 bilhões para movimentar a economia regional de toda a Amazônia Legal, com a expectativa de que, pelo menos R$ 500 milhões, seja por meio do Programa Nacional de Agricultura Familiar – PRONAF.

Resultados do Plano Safra 2018/2019 no Norte

A melhor performance apresentada pelo Banco da Amazônia no ano Safra 2018/2019 nos estados nortistas ocorreu em Roraima, onde foram aplicados R$ 63,60 milhões, uma variação de 312,11% superior ao ano Safra 2017/2018, quando aportou no Estado R$ 15,43 milhões. Segundo dados do Banco Central, o destaque no desempenho se deu, ainda, em relação às outras Instituições financeiras. Sozinho, o Banco da Amazônia respondeu por 37% de todas as contratações feitas naquele Estado, onde foram aportados R$ 171,21 milhões por todos os financiadores do agronegócio.

Outro exemplo que demonstra a importância dos recursos de fomento para a economia regional se deu no Amazonas para onde, a cada R$ 100 aplicados na agricultura e na pecuária, R$ 72 foram injetados pelo Banco da Amazônia. Ou seja, de um total de R$ 94,10 milhões aportados por todos os bancos nesse Estado, R$ 67,94 milhões (72%) foram carreados pela instituição. E, se comparados os números em relação ao próprio desempenho, o volumeaplicado foi superior em 40,09% em relação ao ano anterior, quando o Banco da Amazônia investiu localmente recursos na ordem de R$ 48,50 milhões.

“O Banco da Amazônia é o principal alavancador da economia regional. Nos relacionamos com a instituição há duas décadas. Não temos dúvidas de que, no caminho trilhado por nosso negócio, o papel do banco foi fundamental, com os aportes de custeio e os financiamentos concedidos”, relatou o empresário Francisco Helder Peixoto, dono da Granja São Pedro, localizada no Amazonas, e líder na região Norte na produção de ovos.

Nos demais Estados nortistas, a performance do banco também foi significativa. No Pará, os investimentos alcançaram R$ 1,10 bilhão, um crescimento de 76,91% em relação ao ano Safra anterior, quando financiou R$ 622,96 milhões ao agronegócio. O resultado expressivo representou 41% do total aplicado no agronegócio no Estado, para onde foi destinado, por todos os bancos, um volume de R$ 2,71 bilhões.

No Acre, os valores investidos no Plano Safra 2018/2019 foram de R$ 117,93 milhões, resultado 59,51% maior do que no ano anterior, quando o Banco da Amazônia investiu R$ 73,93 milhões. A instituição foi responsável por 38% do total de R$ 251,84 milhões aportados no Estado pelas instituições financeiras. No Amapá, os investimentos alcançaram R$ 16,52 milhões, 56,07% a mais em relação ao Plano Safra anterior, quando os aportes foram de R$ 10,58 milhões. O volume aplicado foi 38% do total de R$ 43,31 milhões financiados ao agronegócio local por todos os bancos nesse Estado.

O desempenho do banco foi positivo, também, nos estados de Rondônia e no Tocantins. Em Rondônia, o agronegócio recebeu investimentos na ordem de R$ 984,82 milhões, valor 48,44% a mais do que ano anterior, quando o Banco da Amazônia aplicou R$ 663,44 milhões nesse Estado. Esse volume representou 34% dos R$ 2,87 bilhões injetados no agronegócio local. Já no Tocantins foram aplicados R$ 955,01 milhões, representando um crescimento de 23,56% em relação ao ano anterior, quando o banco aportou no lugar o equivalente a R$ 772,90 milhões. Esse valor representou 26% do total de R$ 3,72 bilhões carreados para a agricultura e pecuária local.

Banco oferece taxas competitivas ao mercado

Para quem quer fazer investimentos via Plano Safra 2019/2020, o Banco da Amazônia possui uma das taxas de financiamento mais competitivas do mercado. Os valores disponíveis são do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), principal recurso de fomento do Governo Federal para os municípios brasileiros localizados na região.

Para as operações de investimento de até R$ 16 milhões, com ou sem custeio associado, a taxa anual para os mini, pequeno e pequeno-médio empreendedores é de 5,62%, reduzindo a 5,43% para os que ganham bônus de adimplência por manterem suas operações em dia. Para os de médio porte com operações entre R$ 16 milhões e até R$ 90 milhões, a taxa anual é de 6,07% e de 5,81% com bônus de adimplência. Os empreendedores de grande porte, com operações acima de R$ 90 milhões, também têm taxas anuais atrativas: 6,51% e de 6,19% para quem pagar em dia o financiamento.Os percentuais cobrados pelo banco nas taxas anuais para operações de custeio e de comercialização também são diferenciadas. Aos empreendedores de porte mini, pequeno e pequeno-médio, a taxa é de 5,75% e de 5,55% com bônus de adimplência. Para os de médio porte com operações entre R$ 16 milhões e até R$ 90 milhões, a taxa é de 6,25% e de 5,97% com bônus de adimplência. Já para os empreendedores de grande porte, com operações acima de R$ 90 milhões, as taxas são de 6,74% e de 6,38% com bônus de adimplência.

Para quem quer dinamizar seus negócios e possua atividades voltadas à ampliação, modernização, reforma e construção de armazéns, operações florestais, proteção ao meio ambiente, recuperação de pastagens e áreas degradadas, atividades sustentáveis, inovação tecnológica, a taxa anual é de 5,01% e, com bônus de adimplência, essa chega a 4,92%. E, para os agricultores familiares, as taxas são ainda mais atrativas. Para quem utilizar recursos do PRONAF, as taxas variam entre 3% e 4,6%. E, se os recursos vierem via Microcrédito PRONAF B), a taxa é de 0,5%. Todas essas taxas são pré-fixadas, mas os empreendedores podem optar, ainda, por taxas pós-fixadas. A escolha pode ser feita no momento da contratação junto ao Banco da Amazônia.

ACRE

Pesquisas com amendoim forrageiro recebem reforço no Acre

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Foto de capa: Protótipo de máquina colhedora de sementes de amendoim forrageiro em teste no campo experimental da Embrapa Acre.

Por: Diva Gonçalves / Embrapa Acre

Os estudos com amendoim forrageiro, realizadas pela Embrapa Acre, por meio do projeto em rede “Desenvolvimento de cultivares de amendoim forrageiro para uso em sistemas sustentáveis de produção pecuária”, ganharam novo reforço. A prorrogação do projeto no âmbito do Sistema Embrapa de Gestão (SEG) garantiu a continuidade das ações até setembro do próximo ano. Além disso, o Plano Anual de Trabalho (PAT) para o biênio 2019/2020, aprovado junto à Associação para o Fomento à Pesquisa de Melhoramento de Forrageiras (Unipasto), possibilitou um aporte financeiro no valor de 140 mil reais, para fortalecimento dos estudos para melhoramento genético da planta, em andamento.

Executado desde 2015, o projeto prevê, entre outros resultados, o lançamento de uma cultivar de amendoim forrageiro propagada por semente, a BRS Mandobi. “Os recursos aprovados permitirão finalizar as pesquisas com a primeira cultivar propagada por semente e avançar nos estudos para viabilizar a colheita mecanizada. A parceria com a Unipasto tem sido essencial para o cumprimento do cronograma de atividades e para o alcance de resultados. A previsão é que o lançamento regional da nova cultivar aconteça até o mês de outubro”, afirma a pesquisadora Giselle Lessa, líder do projeto.

Foto 1: pastagem consorciada com amendoim forrageiro em propriedade rural de Rio Branco.

O amendoim forrageiro é uma planta com alta capacidade de fixar nitrogênio no solo e elevado teor de proteína. Estudos comprovam que o uso dessa leguminosa associado com gramíneas aumenta a produção de forragem e a longevidade das pastagens e melhora a qualidade da dieta animal, com reflexos positivos na produtividade do rebanho. Atualmente, todas as cultivares da leguminosa disponíveis no País são propagadas por mudas. A propagação por sementes visa contribuir para ampliar o uso dessa tecnologia no consórcio de pastagens como alternativa para intensificar a produção de carne e leite a pasto nos diferentes biomas, sem a abertura de novas áreas.

 

Colheita mecanizada de sementes                                                                    

Para que a BRS Mandobi chegue ao mercado é necessário disponibilizar também um sistema de produção de sementes mecanizado. Paralelamente às pesquisas para viabilizar a nova cultivar de amendoim forrageiro, um projeto fruto de parceria entre a Embrapa Acre, Embrapa Instrumentação (São Carlos/SP) e Unipasto atua no desenvolvimento de uma máquina colhedora, a partir de protótipos já existentes. O objetivo do equipamento é reduzir custos na produção, viabilizar a oferta de sementes em larga escala para o mercado e ampliar o acesso a cultivares recomendadas pela pesquisa.

O engenheiro mecânico Daniel Portioli, analista da Embrapa Instrumentação, esteve na Embrapa Acre, no período de 5 a 8 de agosto, para acompanhar a colheita de sementes da cultivar Mandobi no campo experimental da Embrapa, realizada com uso de dois modelos de protótipos de máquina colhedora, em fase de teste, em continuidade aos ensaios sobre o funcionamento desses equipamentos, realizados com o objetivo de colher subsídios para a definição dos mecanismos que vão compor o novo protótipo de colhedora em desenvolvimento.

“A observação de procedimentos operacionais contempla etapas como peneiramento das sementes e rendimento da colheita, entre outros aspectos essenciais para garantir eficiência ao processo, e permite obter informações importantes para o dimensionamento de partes do equipamento como lâmina, esteira e peneiras rotativas. A maior parte do custo de produção de sementes está na fase de colheita, correspondendo a cerca de 80%. Buscamos desenvolver um equipamento que proporcione sementes de qualidade, com preços mais acessíveis para o produtor rural ”, explica o analista.

Para Portioli, contar com um sistema eficiente de colheita mecanizada vai minimizar esforços, especialmente no peneiramento das sementes, considerado uma das etapas mais críticas da colheita. O aprimoramento desse processo requer a combinação de operações distintas para refinar o trabalho de separação, reduzindo o volume de solo e raízes e garantindo maior quantidade de sementes nas peneiras rotativas. “Além disso, facilitará a realização de etapas posteriores como seleção e lavagem das sementes, que também influenciam o tempo das operações extracampo”, destaca.

Produto escasso

Segundo o pesquisador da Embrapa Acre, Judson Valentim, responsável pelos estudos com a nova colhedora, o atual sistema de produção de sementes de amendoim forrageiro, semimecanizado, demanda uso excessivo de mão de obra, onerando a produção e impondo para a pesquisa científica o desafio de desenvolver uma máquina que permita colher o produto de forma totalmente mecanizada. As dificuldades com mão de obra no processo de colheita contribuem para tornar as sementes de amendoim forrageiro um produto escasso e de custo elevado no mercado nacional.

“Toda a semente comercial encontrada no País é importada da Bolívia e vendida a preços superiores a 200 reais o quilo. O alto custo inviabiliza o uso da tecnologia em consórcio com a pastagem. Para se ter ideia, para cultivo da forrageira seguindo recomendações da pesquisa, ou seja, com semeadura em faixa em 50% da área do pasto, seriam necessários 11 quilos de sementes para cada hectare. Nos testes de campo com os dois protótipos de colhedora conseguimos reduzir bastante o custo de produção e acreditamos que com o equipamento que estamos desenvolvendo será possível baixar ainda mais o preço do produto”, enfatiza o pesquisador.

Fotos que ilustram a matéria (crédito: Arquivo Embrapa).
Foto 1: pastagem consorciada com amendoim forrageiro em propriedade rural de Rio Branco.
Foto de capa: Protótipo de máquina colhedora de sementes de amendoim forrageiro em teste no campo experimental da Embrapa Acre.
Diva Gonçalves | Jornalista (Mtb 0148/AC)
Núcleo de Comunicação Organizacional
Embrapa Acre
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)
Rio Branco/AC

[email protected]
Telefone: +55 (68) 3212 3225+55 (68) 3212 3250 | Fax: +55 (68) 3212 3284
www.embrapa.br/acre / twitter.com/Embrapa Acre
Confira também:www.facebook.com/agrosustentavel

Continue lendo

AMAZÔNIA

Casal morre abraçado ao tentar fugir de queimada em Rondônia

Acrenoticias.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Dois corpos carbonizados foram encontrados em uma área de queimada na Linha TB-14 no Assentamento Galo Velho na Zona Rural de Machadinho do Oeste (RO) distante aproximadamente 354 quilômetros de Porto Velho. Vizinhos realizavam buscas por um casal que havia desaparecido, após abandonar a residência temendo que ela fosse atingida pelo fogo. o Casal era conhecido apenas pelos nomes de Romildo e Eidi Rodrigues.

O incêndio foi registrado na terça-feira (13) em propriedades rurais na Linha TB-14 e forçou famílias a abandonarem suas casas com medo que o fogo as atingisse. Fotos divulgadas nas redes sociais, mostram locais onde haviam casas, motos e eletrodomésticos queimados.

Ao retornarem às propriedades na quarta-feira (14) agricultores perceberam que um casal estava desaparecido. Então iniciaram as buscas pela região e encontraram dois corpos carbonizados em um local onde o fogo havia destruído a vegetação.

A Polícia Militar (PM) e a Polícia Civil estiveram no local e acompanharam a perícia. Os corpos foram removidos e encaminhados ao Instituto Médico Legal (IML) de Ariquemes (RO) no Vale do Jamari.

As causas das mortes e do incêndio são investigadas pela polícia.

DIÁRIO DA AMAZÔNIA

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp Precisa de ajuda?