NOSSAS REDES

BRASIL

Com colete, Bolsonaro promete unir o Brasil, valorizar a família e libertar país do socialismo; veja foto do termo de posse

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Em discursos, ele defende país sem amarras ideológicas e disse ter como prioridade revigorar a democracia.

Nos dois discursos já como presidente empossado –no Congresso Nacional e no parlatório do Palácio do Planalto–, Jair Bolsonaro reforçou nesta terça-feira (1º) o antagonismo com a esquerda, afirmando que seu governo irá trabalhar contra o que classificou como “ideologias nefastas”. 

“Essa é a nossa bandeira, que jamais será vermelha. Só será vermelha se for preciso o nosso sangue para mantê-la verde e amarela”, discursou a um entusiasmado e participativo público na praça dos Três Poderes.

Bolsonaro tomou posse às 15h10 no plenário da Câmara dos Deputados, em uma sessão solene boicotada pelos partidos de esquerda, que lhe prometem oposição ferrenha.

Em seu discurso aos parlamentares aliados, que o aplaudiram várias vezes, Bolsonaro usou por quatro vezes a palavra ideologia e suas variações. 

“Convoco cada um dos congressistas para me ajudarem na missão de restaurar e de reerguer nossa pátria, libertando-a, definitivamente, do jugo da corrupção, da criminalidade, da irresponsabilidade econômica e da submissão ideológica. Vamos unir o povo, valorizar a família, respeitar as religiões e nossa tradição judaico-cristã, combater a ideologia de gênero, conservando nossos valores. O Brasil voltará a ser um país livre das amarras ideológicas”, afirmou no plenário.

Uma de suas bandeiras de campanha é a chamada Escola Sem Partido, projeto que prevê mudanças no ensino no país contra o que seria uma doutrinação partidária de esquerda por professores e discussões sobre gênero em sala de aula.

Bolsonaro também indicou, em sua fala aos parlamentares, uma gestão contrária a regulamentos do poder público e a favor de tirar encargos do setor produtivo.

Imagem mostra termo da posse do presidente Jair Bolsonaro com assinatura
Imagem mostra termo da posse do presidente Jair Bolsonaro com assinatura – Reprodução

O presidente também reforçou seu compromisso de campanha de facilitar ao cidadão o acesso a armas e de trabalhar para dar maior respaldo aos policiais, em consonância com a tese de que hoje eles não têm segurança jurídica para o combate à criminalidade.

Católico e casado com uma evangélica, o presidente também fez várias referências a Deus, em agradecimento ao fato de ter sobrevivido à tentativa de assassinato a faca que sofreu em Juiz de Fora (MG), no mês de setembro.

“Quando os inimigos da pátria, da ordem e da liberdade tentaram pôr fim à minha vida, milhões de brasileiros foram às ruas. Uma campanha eleitoral transformou-se em um movimento cívico, cobriu-se de verde e amarelo, tornou-se espontâneo, forte e indestrutível, e nos trouxe até aqui”, disse.

Embora dependa do Congresso para aprovar aquela que é apontada como medida crucial na área econômica, a reforma da Previdência, Bolsonaro não a citou nominalmente. Mas prometeu resgatar a legitimidade e credibilidade do Congresso e pediu apoio para reformas estruturantes.

“Na economia traremos a marca da confiança, do interesse nacional, do livre mercado e da eficiência”, afirmou, prometendo menos regulamentação e burocracia ao setor produtivo. 

Ele também reafirmou a intenção de repassar mais recursos para estados e municípios e o o compromisso com a democracia.

No momento em que assinava os termos de posse, Bolsonaro ouviu e fez piada com os parlamentares. 


Em um dos momentos, disse que estava casando com eles. Em outro, brincou com o fato de seu vice-Hamilton Mourão, ser general. “Agora o capitão [patente de Bolsonaro] vai mandar no general”, afirmou.

Além da mulher, Michelle, estavam presentes seus três filhos políticos —Flávio (eleito senador), Eduardo (reeleito deputado federal), Carlos (vereador do Rio de Janeiro) e o jovem Jair Renan. Sua mãe, Olinda, esteve na solenidade do Palácio do Planalto.

Após deixar o Congresso, Bolsonaro recebeu a faixa presidencial de Michel Temer, no Palácio do Planalto, discursou no parlatório e deu posse aos seus 22 ministros.

Ele repetiu o tom de antagonismo com a esquerda. “É com humildade e honra que me dirijo a todos vocês como presidente do Brasil. E me coloco diante de toda a nação, neste dia, como o dia em que o povo começou a se libertar do socialismo, se libertar da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto”, discursou o novo presidente.

À população que foi assistir a sua posse, Bolsonaro falou mais sobre corrupção.”A corrupção, os privilégios e as vantagens precisam acabar. Os favores politizados, partidarizados devem ficar no passado, para que o governo e a economia sirvam de verdade a toda a nação. Temos o grande desafio de enfrentar os efeitos da crise econômica, do desemprego recorde, da ideologização de nossas crianças, do desvirtuamento dos direitos humanos e da desconstrução da família.”

De acordo com o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), um público de 115 mil participou da posse de Jair Bolsonaro. 

O número é abaixo da estimativa do Palácio do Planalto, que contava com 200 mil pessoas, mas superior ao da última posse presidencial, de Dilma Rousseff (2015), estimado em 40 mil.

Em 2003, na primeira posse do ex-presidente Lula, 71 mil pessoas estiveram presentes nos arredores do Palácio do Planalto.

Vários apoiadores se vestiram de verde e amarelo e entoavam gritos como “mito” e “o capitão chegou”.

Principal chefe de governo a prestigiar a posse em Brasília, o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, declarou ter percebido uma “recepção entusiasmada” das pessoas no país. 

Outros representantes da direita presentes foram Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria, e Mike Pompeo, secretário de Estado norte-americano. 

O presidente Donald Trump publicou nas redes sociais congratulações pela posse de Bolsonaro, afirmando que o brasileiro fez um ótimo discurso e que os Estados Unidos está com ele. 

Também nas redes, Bolsonaro respondeu afirmando esperar que juntos e com a proteção de Deus, tragam prosperidade e progresso aos dois países. 

A nota destoante entre os líderes estrangeiros na solenidade foi a presença do esquerdista Evo Morales, presidente da Bolívia.

A cerimônia teve a presença de 2 dos 5 ex-presidentes da República vivos: Fernando Collor (atual senador pelo PTC) e José Sarney (MDB) chegaram ao Palácio do Planalto para a cerimônia.

De acordo com Itamaraty, responsável pelos convites, Dilma Rousseff (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB) também foram convidados.

Apenas Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não foi chamado, por estar preso em Curitiba, cumprindo pena por corrupção na Superintendência da Polícia Federal.

COM COLETE, PRESIDENTE DESFILA EM CARRO ABERTO

Apesar do conselho da equipe de segurança, Bolsonaro decidiu desfilar pelas Esplanada dos Ministérios em carro aberto –o tradicional Rolls Royce que transporta presidentes em eventos desde 1953, no governo Getúlio Vargas. 

Como uma medida de precaução, o presidente usou um colete à prova de balas por baixo do terno usado na cerimônia de posse.

Segundo relatos feitos à Folha, o uso do artefato foi uma sugestão de sua própria equipe. Nos últimos dias, o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) vinha recomendando ao novo presidente que fizesse o desfile em carro fechado, para evitar um eventual ataque, mas ele não seguiu a orientação.

O Palácio do Planalto recebeu, inclusive, cartas de eleitores do novo presidente pedindo para que não permitissem que ele se expusesse durante o trajeto. Por questão de segurança, atiradores de elite foram posicionados no trajeto do carro oficial.

Apesar de policiais escoltarem o veículo, correndo ao seu lado, um dos filhos de Bolsonaro, Carlos, também foi no carro, sentado na parte de trás. Ele é o filho mais próximo de Bolsonaro e costuma esperar que o pai embarque em carros após compromissos públicos, atuando como uma espécie de guarda-costas informal.

Ranier Bragon , Talita Fernandes , Gustavo Uribe , Daniel Carvalho , Thais Bilenky , Igor Gielow , Angela Boldrini , Reynaldo Turollo Jr. , Fábio Fabrini , Bernardo Caram e Camila Mattoso. Folha SP. 

BRASIL

Petrobras aumenta em 2% o preço da gasolina nas refinarias

Juruá em Tempo, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A Petrobras anunciou nesta última terça-feira (23) um aumento médio de R$ 0,0396 no preço da gasolina nas suas refinarias, após 18 dias sem reajustes. Com a alta, o preço médio por litro passa a R$ 1,975 – um reajuste de 2,046% em relação ao preço médio anterior de R$ 1,9354.
Pelo preço médio, a gasolina da Petrobras tem seu maior valor desde 30 de outubro de 2018, segundo dados publicados anteriormente pela estatal. Naquela ocasião, o litro do combustível era vendido, em média, por R$ 1,9855.
O reajuste desta terça vai na mesma linha do avanço dos preços da gasolina no mercado internacional. De acordo com a Reuters, a gasolina nos EUA subiu 8,5% de 5 de abril até a segunda-feira, na esteira dos valores do petróleo, que também atingiram seus maiores níveis em quase seis meses.
Na segunda-feira, a estatal anunciou uma mudança na divulgação dos seus preços de combustíveis. A Petrobras decidiu passar a publicar em seu site os valores dos combustíveis em todos os seus pontos de venda, e não mais a média como fazia anteriormente.

Preços médios da gasolina nas refinarias em 2019

Segundo a Petrobras, a mudança na publicação dos preços atende a pedidos do mercado e da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), que se queixavam de que a média nacional não dava a transparência necessária sobre como a petroleira estava atuando em seus pontos de venda.
Agora, a petroleira informa ainda o preço médio do diesel por tipo (S10 e S500). Antes, a informação era somente sobre o preço médio do combustível. “A Petrobras está fortemente comprometida com a transparência e repudia práticas monopolistas”, disse a empresa em nota.
A mudança foi feita após a polêmica envolvendo o presidente Jair Bolsonaro, cuja ação resultou em cancelamento de um reajuste do diesel anunciado no início do mês

Continue lendo

BRASIL

Projeto sobre pagamento de despesas por detento é enviado ao Senado

Agência Brasil, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O plenário do Senado enviará à Comissão de Direitos Humanos da Casa projeto de lei (PL) que obriga o preso a ressarcir o Estado das despesas com sua permanência no sistema carcerário. O PL foi apresentado em 2015, pelo então senador Waldemir Moka, e passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de chegar ao plenário. O projeto deverá ficar por 15 dias na comissão para debates antes de voltar ao plenário, para votação.

A votação do texto estava previsto para esta terça-feira (23), mas o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), acolheu o requerimento do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para que o tema seja discutido com mais profundidade. Alcolumbre colocou o requerimento de Randolfe em votação e este foi aprovado simbolicamente (sem votação nominal, registrada em painel). Outros senadores apoiaram Randolfe e pediram um debate mais profundo sobre o tema.

“Temos que voltar esse assunto para a Comissão de Direitos Humanos, debater com profundidade. É fácil imputar responsabilidade com quem, muitas vezes, o Estado não teve nenhuma para [responsabilidade] com ele”, disse Rose de Freitas (Pode-ES). “Sabemos que há, além da sanção jurídica, a sanção social. Dificilmente, a pessoa arranja emprego [após deixar a prisão]. Quem vai ser condenado com isso vai ser toda a família. Vamos encaminhar para a Comissão de Direitos Humanos”, acrescentou Fabiano Contarato (Rede-ES).

Até mesmo os senadores favoráveis ao projeto, como Major Olímpio (SP) e Soraia Thronicke (MS), ambos do PSL, concordaram com o encaminhamento da matéria à CDH. “A matéria é importantíssima, fundamental para a aplicação da justiça”, disse Olímpio. O senador chegou a pedir a apreciação também da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), mas a demanda não foi à frente.

Soraia lembrou que o projeto é direcionado aos condenados por corrupção e lavagem de dinheiro, dentre outros crimes financeiros. “O projeto diz que os que têm condições financeiras devem ressarcir o Estado pelos gastos com sua manutenção. Os que não têm é outra história”, disse a senadora. Ela chegou a pedir a relatoria do projeto na CDH.

O texto original afirma que, no caso de condenados sem condições econômicas, o ressarcimento ao Estado não deve prejudicar a indenização dos danos provocados pelo crime, desde que determinados judicialmente; a assistência à família e pequenas despesas pessoais. “Entretanto, aquele que reúne condições econômicas, como, por exemplo, os condenados por corrupção, lavagem de dinheiro ou crimes financeiros, deve promover o ressarcimento ao Estado […]”, diz o texto do PL.

Continue lendo

VOTE NA ENQUETE

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

Fale Conosco