NOSSAS REDES

ACRE

Cooperacre aposta em reação no mercado da castanha até o Natal

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Mesmo com a queda 52,4% nas exportações de castanha pelo Acre no período de janeiro a agosto deste ano, divulgada pelo Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, a Usina de Beneficiamento de Castanha Chico Mendes, localizada em Xapuri, continua a beneficiar o produto. A Cooperativa Central de Comercialização Extrativista – Cooperacre – acredita que a noz amazônica terá uma reação no mercado até do fim de ano.

Tendo como os principais mercados consumidores o Peru e a Bolívia, a castanha acumula em 2019 mais de 4,3 milhões de dólares em queda de exportações. De janeiro a agosto do ano passado, o produto extrativista representava 38% do valor total das exportações do Acre, com 8,38 milhões de dólares. Neste ano, com um total de US$ 3,99 milhões exportados, responde por somente 19% do volume de exportações do estado entre os meses de janeiro e agosto.

O presidente da Cooperativa Agroextrativista de Xapuri (Cooperxapuri), Sebastião Nascimento de Aquino, que também é membro do Conselho Gestor da Cooperacre, explica que a supersafra do ano passado é a maior razão da queda do preço e das exportações da castanha em 2019. Segundo ele, a produção que atingiu a casa de 1 milhão de latas abarrotou o mercado do produto, o que fez com que houvesse uma grande queda no valor da lata de 10 quilogramas, que chegou a ser comercializada em 2018 ao preço de médio de R$ 110, ocorrendo alguns casos em que atingiu R$ 160.

“A safra do ano passado foi tão grande que neste ocorreu uma ressaca à essa superprodução. As empresas compradoras foram alagadas com tanta castanha que não teve mais para onde o produto sair. Então, esse volume fica parado a espera de uma reação do mercado, que deve ocorrer a partir dos meses de novembro e dezembro. Isso acontece todos os anos, uma melhora na procura por castanha nova e na valorização do produto”, explicou.

No fim da safra deste ano, a castanha estava sendo comprada do extrativista ao preço médio de R$ 55. Ainda com a situação desfavorável, a amêndoa responde pela segunda maior fonte de receita para a economia do município de Xapuri, depois do gado. Atualmente, a Usina de Beneficiamento Chico Mendes está operando com 43 funcionários, número que pode crescer caso ocorra a esperada reação do mercado.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat