NOSSAS REDES

ACRE

Em carta aberta, dirigentes e atletas pedem retorno do futebol profissional no Acre

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Assim como em outros estados do país, o futebol no Acre vive um dilema por conta da proibição, no momento, causada pela pandemia da Covid-19.

Em uma carta aberta, um grupo de mais de 100 jogadores, dirigentes e treinadores defendem a volta da prática do futebol. Como argumento para a que prática retorne no momento mais difícil da pandemia, com mais de mil mortes no estado é de que a prática esportiva é um ambiente seguro.

Os autores da carta alegam que no ano passado, durante o estadual, foram realizados 1.462 exames e apenas 64 deram positivo, o que representa apenas 4,4%.

Por conta da incerteza em relação a realização do Campeonato Estadual, o Galvez suspendeu o contrato de cerca de 40 pessoas, entre atletas, dirigentes e demais funcionários, e o Rio Branco anunciou a desistência da competição.

Leia a carta:

FUTEBOL ACREANO NA UTI

(Não é só Futebol, São Empregos)

Futebol Acreano envolve cerca de 600 famílias, que dependem exclusivamente dessa renda, nos mais diferentes cargos: Atletas, Treinadores, Preparadores Físicos, Auxiliares Técnicos, Treinadores de Goleiros, Dirigentes, Roupeiros, Massagistas, Árbitros e Assistentes, além de funcionários da Federação.

Nessa conta ainda não estão somados, jogadores do futebol de base, feminino e profissionais da imprensa, vinculados ao setor do Esporte. Vale aqui salientar que esses campeonatos não ocorreram em virtude da pandemia.

13 estados seguem jogando futebol: Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Amazonas, Maranhão, Piauí, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minais Gerais e Mato Grosso.

O Acre tem a vantagem de não exigir deslocamentos e viagens, visto que dos 9 times, 7 estão treinando na capital, que abrigará as partidas da competição. Dos 9 participantes, 4 clubes têm possibilidade de isolar seus elencos em moradias alugadas para a permanência dos jogadores no período de competição (Andirá, São Francisco, Plácido de Castro e Náuas).

O teste de Covid-19, RT – PCR, custa mais de 200 reais, porém o protocolo de competições, exige a obrigatoriedade do mesmo, que foi custeado pela Federação de Futebol no retorno pós pandemia, de forma que o futebol não atuou na disseminação do vírus, mas sim como controle do mesmo.

Os atletas por sua boa condição física, muitas vezes, caso contraiam a doença, são assintomáticos, sem o futebol, terão que procurar emprego em outras áreas, de forma com que haja maior risco de contágio.

Por ser um ambiente seguro, a céu aberto, onde os atletas do banco de reserva e os membros da comissão técnica ficam de máscaras, assim como todos os envolvidos dentro do vestiário nos minutos que antecedem uma partida, o risco de contágio é nulo.

No último campeonato, foram disputados 23 jogos, onde cada clube fez 32 testes por jogo (jogadores, dirigentes e comissão técnica), assim sendo, uma única partida testa 64 pessoas, totalizando aproximadamente 1.472 exames, onde apenas 3 casos deram positivo, isso equivale a MENOS de 0,5%.

Saúde, Trabalho e Segurança caminham lado a lado, mesmo com o momento delicado vivido pelo Acre em ocupações de leito, é válido salientar que nenhum atleta de futebol em atividade precisou ser hospitalizado pelo Covid-19, de forma que países europeus, mesmo com o crescimento da pandemia, também continuassem com a modalidade de forma a gerar entretenimento e estímulo na prevenção de doenças psicológicas que podem levar a depressão e suicídio.

Ainda sobre nossa região, se comparado a “segunda onda” de Covid do estado do Amazonas, estamos enfrentando um momento de estabilização de morte e de casos, de forma que a projeção será de baixa dos casos para o mês de Abril, aliada a medida do governador que adquiriu 700 mil doses da vacina Sputnik V.

O governador prometeu incentivo ao futebol local no mês de Dezembro, quando mencionou que poderia injetar 1 milhão de reais para o Estadual, reconhecendo que Futebol é vida!

Um estudo realizado no estado de São Paulo, exibido na CNN Brasil, mostra que a atividade física é um fator que colabora em até 34% na prevenção contra o Covid-19.

Além da vantagem desse mapeamento que o futebol tem, se comparado a outros serviços que estão em funcionamento, outro dado alarmante para o desporto acreano precisa ser levado em consideração: Em levantamento feito pela CBF, 85% dos atletas recebem entre R$ 1.000,00 (mil reais) a R$ 5.000,00 reais (cinco mil reais), mas o certame local, rende apenas 3 meses de emprego no meio, fazendo com que o valor ganho seja essencial para a renda desses jogadores, que não terão como se manter e esperar até o 2ºsemestre. 

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat