NOSSAS REDES

Capixaba

Em prova vazada, presidente do MDB admite armação para afastar prefeito de Capixaba

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Foto: Prefeito afastado José Augusto, pode ter sido vítima de armação. 

O afastamento do prefeito de Capixaba, José Augusto, fora do cargo por determinação judicial desde o dia 28 de agosto, foi parte de um plano bem executado em um conluio por um grupo formado por aliados que ajudou a elegê-lo, mas que não se sentiu contente ao pedir que o prefeito se afastasse para que o vice assumisse.

Os inimigos políticos de dentro da própria coligação pela qual o prefeito progressista foi eleito em 2016 posteriormente comemoraram o afastamento de José Augusto e admitiram, em conversas no aplicativo WhatsApp, a armação, como foi o caso de Sara Frank, presidente municipal do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) naquela cidade.

Veja aqui onde Sara nega que tenha a ver com a tramitação da Comissão Especial de Inquérito (CEI), mas diz que “armou” a denúncia do afastamento.

Sara e outras lideranças do MDB, incluindo testemunhas no caso contra José Augusto, comemoraram a posse do vice, Joãozinho, que sem perda de tempo foi filiado ao MDB de Sara Frank. Joãozinho, o vice que virou prefeito após o afastatamento de José Augusto, não apenas se filiou ao MDB como passou a ter companhias constantes dos novos companheiros de sigla.

Sérgio Costa, liderança do MDB, não se conteve na posse do novo prefeito e comemorou, via Facebook. “Vencemos! Por uma Capixaba melhor”. Ao lado de Sérgio Santos estava, também comemorando uma testemunha no caso contra José Augusto, Sr. Jeferson.

Esta afirmação de armação política, eivada de provas, é feita pelos responsáveis pela defesa do prefeito progressista, Silva e Frota Advogados.

“Observa-se que não existe qualquer indício de que o requerente, enquanto prefeito, tentou de qualquer maneira dificultar o andamento do inquérito que deu origem ao seu afastamento indevido. Ocorre que no dia de ontem 12/09/2018, chegou ao conhecimento do mesmo uma das provas que confirmam que as investigações em curso foram devidamente forjadas pelo grupo político e oposição ao prefeito requerente, eis que a denunciante Sara Franklin afirma de forma veemente que “armou a denúncia”, diz trecho de documentos encaminhados à Justiça pela banca de advogados.

Os envolvidos no caso não se preocuparam em disfarçar ou economizar nas comemorações. Dois dias depois do afastamento de José Augusto do cargo de prefeito, o emedebista Sérgio Costa, uma denunciante do caso denominada Creusa e o novo prefeito se reuniram em um jantar de comemoração. O momento foi registrado no Facebook e lá deixado para a posteridade.

Veja aqui:

Coincidentemente, Sérgio Costa, o emedebista comemorativo, é uma das lideranças do secretário de Saúde do município, pasta na qual foram encontradas as supostas irregularidades, mas que foi reconduzido ao cargo após a operação da Polícia Federal.

Indícios e mais indícios da armação

Enquanto o prefeito permanece afastado, vão surgindo mais indícios da suposta armação. De iniciativa de vereadores do MDB, a comissão visa investigar supostas irregularidades na Secretaria de Saúde, pasta ironicamente gerida por emedebistas desde o começo da gestão de José Augusto. A reviravolta no caso está relacionada ao depoimento de um munícipe que afirma ter assinado o pedido para a instauração da CEI sem saber do que se tratava.

Outro ponto a depor contra a iniciativa do parlamentar responsável pela criação da CEI é ter permitido o vazamento de informações que compõem o inquérito, consideradas invioláveis quanto ao sigilo. A Justiça já suspendeu os trabalhos da comissão e a defesa de José Augusto luta agora para provar que ele não ameaça as investigações e que não tem mais motivos para que esteja ausente do cargo para o qual foi eleito.

Medo de novas armações

A defesa de José Augusto diz temer que na ausência do prefeito sejam praticados crimes que possam prejudicá-lo já que todos os “inimigos” políticos dele estão dentro da municipalidade, incluindo testemunhas e delatores.

Segundo a defesa de José Augusto, todo os delatores foram contemplados, ou sendo novamente nomeados ou não sendo exonerados, exemplos:

a) Ari Marques – Antigo chefe de gabinete, foi exonerado e após delação na PF foi novamente nomeado como secretário do atual prefeito;

b) Edna, pivô do processo, secretária de Saúde exonerada, agora reempossada pela atual gestão após prestar dois depoimentos;

c) Irene, ex-secretária de Saúde antes da Edna, fez delação premiada. Também está na gestão, porém ainda não está publicado no Diário Oficial;

d) Ruberlei, ex-secretário de Educação, agora coordenador da comissão de transição da atual gestão.

E o principal, o secretário de Finanças de José Augusto, após afirmar ter cometido diversos ilícitos com o prefeito, foi mantido no cargo, e não sofreu sanções.

“Não temos como provar, mas há suspeitas que o secretário de Finanças possui laços estreitos com Sara Frank, presidente do MDB”, diz.

Com um novo prefeito emedebista, que assumiu dianteira do afastamento de José Augusto, Sara Frank viu sua influência aumentar e teve o irmão nomeado como novo chefe da Comissão Permanente de Licitações de Capixaba.

O pedido de retorno do prefeito José Augusto

A defesa de José Augusto solicitou junto à Justiça o retorno do prefeito ao cargo, afirmando que ele não ameaça o processo, que os depoimentos dos acusadores dele induziram a polícia ao erro e dizem que 180 dias de afastamento prejudicaria toda a gestão.

“Ele foi eleito legalmente e 180 dias de afastamento faltando apenas dois anos para o fim do mandato prejudicaria a execução do mandato que o povo lhe conferiu legitimidade nas urnas”, diz a defesa.

A defesa de José Augusto argumenta que apenas ele, não os demais citados no caso, está suportando a medida de afastamento. Argumenta ainda que José Augusto jamais ameaçou testemunhas e que a principal testemunha do caso retirou a denúncia. Por Gina Menezes. Folha do Acre.

Capixaba

EM CAPIXABA, MEMBROS DE FACÇÃO CRIMINOSA SÃO PRESOS PELA POLÍCIA CIVIL COM APOIO DA POLÍCIA MILITAR

Acrenoticias.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Por volta das 7h da manhã desta quarta-feira, denúncias anônimas chegaram ao Inspetor da Polícia Civil Franciberto Lima e indicavam que dois indivíduos da cidade de Rio Branco estavam comercializando drogas em uma casa no bairro Paraíso.

Ao chegar no local indicado, um dos indivíduos, I.C.M., vulgo Babu, menor de idade, tentou empreender fuga, mas foi contido pela Polícia. Outro indivíduo, Cleilton Amorim da Silva, vulgo Meteoro, se escondeu na cobertura da casa, mas também foi localizado pelos agentes.

Ao serem questionados, sobre onde estavam bolsas e roupas dos mesmos, já que não residiam aqui, um dos indivíduos indicou a casa onde estavam seus pertences. A Polícia se deslocou ao local e encontrou na casa de Agildo Mendes da Silva, uma bolsa com considerável quantia de entorpecentes e encaminhou o mesmo à Delegacia, já que a droga estava em sua propriedade. Ele porém, alega não saber de nada.

Além disso, na ocasião, a Polícia prendeu Juscelino Souza de Macedo, que chegou no local da diligência dirigindo embriagado e em posse de entorpecentes.

“Vamos continuar empreendendo nossos esforços para coibir a comercialização de drogas em Capixaba. Esse é o nosso compromisso com os cidadãos de bem do nosso município. Aproveito e agradeço a parceria do Comandante Dário, da Polícia Militar, que também tem se desdobrado para garantirmos a ordem em Capixaba”, finalizou o inspetor Franciberto Lima

EQUIPEI9CAPIXABA

Continue lendo

Capixaba

Ex-prefeito Joais da Silva dos Santos que contratou servidores sem concurso público tem direitos políticos suspensos

Gecom TJAC, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Sentença determina ainda a proibição do ex-gestor receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, pelo prazo de quatro anos.

O Juízo da Vara Única da Comarca de Capixaba condenou ex-prefeito denunciado em Ação Civil Pública, Sr. Joais da Silva dos Santos, pelo cometimento de ato de improbidade administrativa, previsto art.11, inciso I, II e V da Lei n° 8.429-92, quando contratou servidores sem realizar concurso público.

Por conta disso, a juíza de Direito Louise Kristina, titular da unidade judiciária, decretou a seguintes sanções para o ex-gestor municipal: “suspensão dos direitos políticos por quatro anos” e “proibição de receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de quatro anos”.

Além disso, como está expresso na sentença, publicada na edição n° 6.388 do Diário da Justiça Eletrônico, da terça-feira, 9, são nulas as “contratações sem concurso efetivadas na gestão (…), a partir da realização do concurso de 2007”. A magistrada ainda confirmou a decisão liminar emitida anteriormente, que determinou a exoneração dos servidores contratados irregularmente e essa ordem já foi cumprida.

Caso e sentença

Segundo os autos, quando o requerido ocupava o cargo de prefeito, ele realizou contratação de servidores sem observar princípios constitucionais. Conforme, é relatado nos autos, ainda existia certame em vigor, realizado em 2007, entretanto, foram contratadas pessoas que tinham passado no certame, mas outras que estavam em melhor posição na classificação não foram chamadas.

Depois analisar que houve ilicitude no ato contratar sem concurso público, a juíza de Direito afirmou que “restou comprovado que o requerido (…), após a finalização do concurso em dezembro de 2007, manteve várias contratações sem concurso feitas anteriormente e ainda contratou outras pessoas em detrimento dos candidatos regularmente aprovados e que estavam aguardando a nomeação, e isso também caracteriza ato de improbidade administrativa”.

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp Precisa de ajuda?