NOSSAS REDES

ACRE

“ESCAPOU FEDENDO”: Prefeito de Rio Branco Marcus Alexandre escapou de ser atraído para a empresa R12.

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Na foto, publicada no Facebook e vários grupos de WhatsApp dos divulgadores da R12, o Prefeito de Rio Branco Marcus Alexandre, ao lado de um dos divulgadores da empresa R12 Investimentos. O Prefeito, abençoado seja, se livrou de ser atraído e investir dinheiro na empresa R12 Investimentos.  

O escândalo milionário envolvendo a empresa R12 Investimentos continua rendendo nas redes sociais e grupos de WhatsApp.

Segundo apurou a reportagem, o Prefeito de Rio Branco Marcus Alexandre NÃO fez investimento financeiro junto à empresa. Conforme informações não oficiais, o Prefeito de Rio Branco Marcus Alexandre apenas teve uma reunião com um grupo de investidores da empresa R12 Investimentos. Entretanto, não se associou ao empreendimento, para o qual foi formalmente convidado, inclusive para o evento da empresa realizado no Hotel Terra Verde, em Rio Branco. 

A mesma sorte não teve o empresário Roberto do Restaurante Princesinha. Segundo consta pelas redes sociais, Roberto fez vultuosa aplicação financeira junto à empresa R12 Investimentos, acreditando na seriedade do empreendimento, representado no Acre pelo jovem Gerson Costa Lima, que se apresenta ao público como o Presidente da Empresa R12 Investimento. 

Na primeira foto, divulgada nas redes sociais, Gerson Costa Lima, apresentado como o Presidente da Empresa R12 Investimentos, convence Roberto da Princesinha à aderir e investir dinheiro na empresa R12, acusada de fazer pirâmide financeira. Na segunda fotoGerson Costa Lima, com chaves de carro na cintura, comemora e ostenta a quantidade de divulgadores atraídos para o negócio da empresa R12 Investimentos. 

As vítimas da suposta fraude e negócio milionário, contrataram os advogados do ESCRITÓRIO ARAÚJO ADVOCACIA, que concederam entrevista para o canal Tv 5, de Rio Branco, explicando algumas situações sobre o caso. 

Na foto, os advogados reunidos com o empresário Roberto do Restaurante Princesinha. 

Os investidores, supostamente ludibriados, fizeram um grupo de whatsapp, denominado “DEVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO”, administrado pelas vítimas do suposto golpe. 

Outros investidores lesados, poderão ingressar no grupo de whatsapp pelo seguinte link: https://chat.whatsapp.com/256ntHkBQLe7C6u0ABPcKI

Para mais informações:

Leia: http://www.tarauaca.net.br/empresa-de-piramide-r12-investimentos-da-o-golpe-do-seculo-diz-um-dos-investidores/

Compartilhe: http://www.tarauaca.net.br/caso-de-policia-acreanos-denunciam-possivel-piramide-financeira-da-r12/

 

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

MP-AC pede que goleiro Bruno use tornozeleira eletrônica e siga horários do semiaberto

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Em caso de jogos à noite ou nos fins de semana, ele deve pedir autorização para o Judiciário. MP aguarda decisão da Justiça.

capa: MP-AC pede que goleiro Bruno use tornozeleira eletrônica e siga horários do semiaberto — Foto: Régis Melo.

O promotor Tales Tranin, da 4ª Promotoria Criminal de Execução Penal e Fiscalização de Presídio, informou nesta segunda-feira (3) à Rede Amazônica que pediu ao Judiciário que o goleiro Bruno Fernandes faça o uso da tornozeleira eletrônica. O goleiro foi contratado pelo Rio Branco Futebol Clube na última semana.

Ele explicou que, como Bruno ainda está no semiaberto, o Estado estabelece que ele seja monitorado e cumpra ainda outras determinações do regime.

“Cada estado da federação tem um método de cumprimento do regime semiaberto, aqui no estado do Acre todo reeducando que se encontra no regime semiaberto é colocado na tornozeleira eletrônica. Então, o Ministério Público está pedindo para o Judiciário para que o reeducando Bruno Fernandes seja colocado no monitoramento eletrônico para que seja fiscalizado e a gente saber onde ele se encontra”, explica.

Tranin destaca ainda que, por lei, todos os reeducandos que usam tornozeleira eletrônica são proibidos de jogar futebol porque pode danificar o dispositivo, mas o MP também sugeriu que o Rio Branco Futebol Clube se responsabilize pelos possíveis danos que podem ocorrer.

“No caso do reeducando Bruno, como é a profissão dele, o Ministério Público está pedindo para que o empregador dele, que é o Rio Branco Futebol Clube, arque com os gastos caso haja dano no aparelho para não onerar o Estado”, pontua.

Outro ponto, é sobre as regras que o goleiro deve seguir dentro do regime semiaberto, que estabelece horários para que ele esteja em casa.

“Ele vai ter que entregar carta de emprego e ser submetido a todas as regras do semiaberto, como se recolher após às 18h. No final de semana, domingo, feriado, não pode sair de sua residência, mas, como pode ter jogo de futebol domingo ou à noite, ele tem que pedir autorização do Judiciário para poder fazer os jogos”, destaca.

O pedido pelo MP foi encaminhado ainda no domingo (2) para o Judiciário. Agora, o órgão aguarda um posicionamento do Tribunal de Justiça do Estado (TJ-AC).

Tales Tranin fez o pedido de monitoramento eletrônico de Bruno para o Judiciário  — Foto: Quésia Melo/Rede Amazônica Acre

Tales Tranin fez o pedido de monitoramento eletrônico de Bruno para o Judiciário — Foto: Quésia Melo/Rede Amazônica Acre

Condenação

Bruno Fernandes foi condenado pelo homicídio triplamente qualificado de Eliza Samudio e pelo sequestro e cárcere privado do filho Bruninho. Ele também havia sido condenado por ocultação de cadáver, mas esta pena foi extinta porque a Justiça entendeu que o crime prescreveu. As penas somadas chegaram a 20 anos e 9 meses de prisão.

Desde o anúncio da contratação do goleiro, diversos movimentos emitiram notas de repúdio. Uma petição online já tem mais de 2,7 mil assinaturas pedindo o cancelamento da contratação. Na última sexta (31), um grupo se reuniu em frente ao clube e protestou mais uma vez contra a contratação.

Com a repercussão negativa, uma rede de supermercados da capital do Acre, que era o único patrocinador do clube na atual temporada, anunciou na tarde dessa segunda (27), a suspensão do patrocínio pela primeira vez após 14 anos de parceria.

Continue lendo

ACRE

Cruzeiro do Sul, no AC, é proibida pela Justiça Federal de contratar médico sem revalida

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Cidade entrou com pedido para contratar profissionais para atendimentos nos postos de saúde durante a pandemia.

CAPA: Justiça Federal não autoriza a contratação de médicos sem o revalida para a Saúde de Cruzeiro do Sul — Foto: Fabrício Escandiuzzi/SES/Divulgação.

A cidade de Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, teve o pedido para contratar médicos sem o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras (Revalida) negado pela Justiça Federal do Acre. Os profissionais atuariam nos postos de saúde do município durante a pandemia do novo coronavírus.

A informação foi divulgada pelo Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC), que entrou com recurso contra o pedido e foi acatado pela 2ª Vara Federal Cível e Criminal da Justiça do Acre.

A Saúde de Cruzeiro do Sul disse que deve se posicionar sobre o caso neste sábado (1º).

Com uma população de mais de 79 mil pessoas, Cruzeiro do Sul contabiliza mais de 2 mil infectados pela Covid-19. Até esta sexta-feira (31), as mortes pela doença na cidade eram de 53 pessoas. O número de curados é de 2.473 mil.

O Conselho informou que a Saúde de Cruzeiro do Sul entrou com o pedido no final do mês de abril, quando o governo do Acre também ingressou com uma ação, em caráter de urgência, para contratar profissionais sem o exame.

A 2ª Vara Federal da Seção Judiciária do Estado chegou a autorizar a contratação, no início de maio, mas 20 dias depois o Tribunal Regional Federal da 1ª Região em Brasília acatou, em caráter liminar, o recurso do CRM e da União Federal e mandou suspender a contratação.

Ao G1, o assessor jurídico do CMR-AC, Mário Rosas, explicou que o juiz que negou o pedido da Prefeitura de Cruzeiro do Sul foi o mesmo que mandou suspender a contratação do Estado. Segundo ele, o juiz não aceitou o pedido do município por já existir um recurso do CRM-AC contra o pedido.

“O juiz entendeu por não conceder a liminar ao município de Cruzeiro do Sul em razão dessa pendência do recurso. Entrou na mesma época que o Estado também ingressou com a ação, só que o processo tinha sido distribuído, inicialmente, na Justiça de Cruzeiro do Sul, e o juiz de lá mandou para o juiz de Rio Branco que já estava julgando essa matéria”, ressaltou.

Rosas destacou que o Conselho segue defendendo que não faltam médicos no Acre. O problema é que falta organização do Governo e das prefeituras, que não contratam os profissionais, nem abrem concurso e nem disponibilizam um salário que incentive o profissional.

“Existe também para combater o possível déficit de médicos o cadastro no Programa Brasil Conta Comigo, do Governo Federal, que dispõe de mais de 200 mil profissionais da saúde para que qualquer município e estado contratar durante a pandemia. Sabemos para combater a pandemia precisamos de profissionais experientes e atuantes, sobretudo com experiência em UTI”, concluiu.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Obter empréstimos