NOSSAS REDES

ACRE

EXCLUSIVO: Em Tarauacá, Penitenciária Moacir Prado está com surto de tuberculose entre detentos

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Um agente penitenciário informou ao Portal Acre.com.br, que muitos prisioneiros da Unidade Prisional Moacir Prado estão infectados pela tuberculose, havendo um caso de surto dentro do presídio, expondo à perigo concreto, presos e agentes penitenciários. 

A tuberculose é uma doença  infecto-contagiosa, endêmica e transmissível, que afeta prioritariamente os pulmões. A doença é causada pelo Mycobacterium tuberculosis ou bacilo de Koch.

No Brasil, a doença é um sério problema da saúde pública, com profundas raízes sociais. A epidemia do HIV e a presença de bacilos resistentes tornam o cenário ainda mais complexo. A cada ano, são notificados aproximadamente 70 mil casos novos e ocorrem cerca de 4,5 mil mortes em decorrência da tuberculose.

A Redação do Acre.com.br manterá o nome do denunciante sob os auspícios do sigilo profissional, mantendo o sigilo da fonte, prezando pela liberdade de imprensa e a ampla garantia conferida ao jornalismo. Nesse sentido, não iremos revelar o nome do agente penitenciário que fez a denúncia. 

Os fatos narrado pelo agente é preocupante, tendo em vista que o número de detentos expostos à tuberculose na referida unidade prisional ultrapassa 600 reeducandos. Segundo o denunciante, entre os detentos e agentes, prevalece um clima de medo ante à vulnerabilidade de exposição ao bacilo da tuberculose. 

Nossa fonte informou que dois agentes penitenciários já adquiriram a doença, mas foram tratados e passam bem. Nossa Reportagem tentou telefonar para o Diretor local do presídio, através do telefone *******820, hoje às 22:00 horas, mas não conseguimos contato.   

Fica aqui a denúncia para as autoridades adotarem providências urgentes, tendo em vista que o preso, provisório ou sentenciado, permanece para todos os efeitos legais, com seu direito à saúde e dignidade humana, nos termos da Constituição Federal e Lei de Execuções Penais. 

A Redação informa ao IAPEN/AC, Instituto de Administração Penitenciária do Acre, que o espaço permanece aberto para divulgar sua versão dos fatos, através do e-mail acrenoticia.com@gmail.com ou WhatsApp 99988-7585

Por Acre.com.br

ACRE

Artesão faz decoração incrível de jardim com ‘bichos’ de lendas amazônicas

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Jardim reúne 10 esculturas de lendas amazônicas em Casa Mapinguari em Rio Branco. Enock Tavares diz que é importante preservar lendas nortistas.

Foto de capa: Artesão decora jardim com lendas amazônicas: ‘Eram os super-heróis da minha infância’ — Foto: Tácita Muniz/G1.

A Amazônia é uma área que reúne um vasto mundo de águas e florestas, mas também esconde uma coleção de lendas que povoam o imaginário. A lenda mais conhecida é do boto cor-de-rosa, que se transforma em um belo homem e atrai as mulheres.

Seringueiros e indígenas propagaram, durante longos anos, por meio da narrativa, outros personagens comuns dentro da floresta amazônica. Quem é do Norte, provavelmente já ouviu falar em curupira, cobra grande, matinta perera, Iara e, claro, o mapinguari.

São personagens tidos como defensores da floresta, que puniam e guardavam o território para preservá-lo, segundo os mais antigos. Natural do estado do Pará, o artesão Enock Tavares, hoje com 69 anos, sempre foi embalado na infância com essas histórias das lendas amazônicas, ao ponto de se tornar um apaixonado pela “mitologia amazônica”, como ele gosta de chamar.

Morando no Acre há 12 anos, ele fez questão de transformar o quintal de casa em um verdadeiro museu desses personagens das histórias que ouvia na infância.

Personagens ficam espalhados pelo quintal de Enock  — Foto: Tácita Muniz/G1

Personagens ficam espalhados pelo quintal de Enock — Foto: Tácita Muniz/G1.

Ao todo, atualmente ele coleciona 10 esculturas lendárias no espaço que ele batizou de “Casa Mapinguari”. O espaço fica na Vila Custódio Freire, em Rio Branco, e chama a atenção de quem por ali passa.

Logo na entrada, o Mapinguari gigante, com 5 metros de concreto, ícone do estado acreano, dá as boas-vindas para quem quer conhecer mais sobre esse mundo e histórias que sobreviveram ao passar dos anos.

Enock Pessoa quis fazer museu no quintal de casa para preservar lendas amazônicas  — Foto: Tácita Muniz/G1

Enock Pessoa quis fazer museu no quintal de casa para preservar lendas amazônicas — Foto: Tácita Muniz/G1.

“Com 12 e 15 anos, eu convivi com caçador, seringueiros, índios e caboclos que contavam essas histórias como se fossem verdades mesmo. Isso fazia parte da vida deles. Então, cresci com esse sonho e deu certo”, conta.

Nos caminhos do jardim, você consegue passar pela vitória-régia, saci pererê. Ao lado do muro, uma fonte jorra água para amparar a sereia Iara e o boto cor de rosa. Quintal adentro, você também encontra um mapinguari menor, de mais ou menos 2,5 metros. Ao lado da sereia Iara, curupira também aparece para compor o elenco.

Matinta Perera, com o apito de osso, está logo mais a frente. Alguns galhos a deixam quase imperceptível no primeiro olhar. Chegando mais perto, é possível ver a senhora de cabelos brancos que, pela lenda, é dona de um assobio estridente e que traria notícias sobrenaturais.

Visitas

Aposentado, o artesão mantém as esculturas abertas ao público sem nenhuma ajuda do poder público e não cobra pelas visitas ao espaço ao céu aberto. As esculturas são feitas pra aguentar as mudanças do tempo, como sol e chuva.

“Vem muita gente. Uma média de cinco pessoas passam por aqui diariamente, mas no domingo sempre vem mais. Muitas creches vêm e visitam. Às vezes as professoras contam as histórias de cada personagem, às vezes eu mesmo conto”, explica empolgado.

Claro que o que chama mais atenção entre os pequenos é o gigante Mapinguari, oponente na entrada da casa, ele deriva de uma lenda dos índios da região amazônica.

Os caboclos contam que dentro da floresta vive o Mapinguari, um gigante peludo com um olho na testa e a boca no umbigo. Para uns, ele é realmente coberto de pelos, porém, usa uma armadura feita do casco da tartaruga, para outros, a sua pele é igual ao couro de jacaré.

Ao longo do tempo, ele foi tomando a forma em que aparece hoje. Um gigante peludo e olho no umbigo.

Vitória-régia

Outra história do folclore brasileiro é a da vitória-régia, também nascida na região Norte, ela explica que a planta, encontrada nos rios da Amazônia, na verdade, era uma índia que se afogou ao tentar beijar a lua, se transformando assim na planta aquática que é símbolo da Amazônia.

Artesão explica a lenda amazônica do curupira

Curupira

Anão, ágil e de pés para trás. Assim seria a figura do curupira, conhecido como defensor da floresta. A história conta que os pés virados para trás é uma forma de enganar alguém que pretenda segui-lo olhando para suas pegadas. Muitos o apontam como “demônio da floresta” e o tem como persona non grata devido às travessuras.

Enock ao lado da escultura que representa matinta perera — Foto: Tácita Muniz/G1

Enock ao lado da escultura que representa matinta perera — Foto: Tácita Muniz/G1.

‘Mitologia amazônica’

Filho de pais adventistas, Enock conta que quando começou a fazer os primeiros projetos dos personagens folclóricos chegou a ser advertido pelo pai. “Mas, assim que comecei a fazer, procurei o significado de lenda e vi que lendas eram coisas que não ofendiam. Mostrei pra meu pai e depois disso ele não achou mais ruim”, relembra.

Além das esculturas que decoram seu jardim, o artesão também recicla e transforma lixo em personagens da mitologia amazônica, como gosta de chamar. Ele também faz biojóias e transforma papelão e papel machê em miniesculturas que são levadas para escolas também.

Das encomendas, ele consegue tirar cerca de R$ 500 por semana. Porém, nem sempre há demanda. “Tenho pouca encomenda porque essa questão do artesanato ainda está engatinhando no estado. Minha satisfação é virem aqui, tirarem foto e divulgarem meu nome. Até porque o artista só valorizam depois que morre”, acredita.

Mapinguari de 5 metros dá boas vindas ao quintal do artesão em Rio Branco  — Foto: Tácita Muniz/G1

Mapinguari de 5 metros dá boas vindas ao quintal do artesão em Rio Branco — Foto: Tácita Muniz/G1.

‘Eram nossos heróis’

Enock diz que, independente de religião, as lendas amazônicas precisam ser preservadas, não só pelos povos tradicionais, mas também porque ouviu as histórias e hoje pode contar as narrativas daquela época.

Ele destaca que quando criança ouvia com encanto e curiosidade as histórias do povo da mata. “Essas histórias sempre existiram e vão existir pra sempre. Na nossa época, não tinha esses heróis de hoje. Esses das lendas eram os nossos super-heróis daquela época. É como se fosse a nossa mitologia, assim como tem a mitologia grega. Isso eram os nossos semideuses. O caboclo, longe da civilização, o índio, tinham a certeza de que alguém protegia aquilo [floresta]”, finaliza.

Está entre os planos de Enock reabrir a pequena oficina que montou entre as lendas para ensinar a arte de esculpir às crianças da comunidade. Ele chegou a dar aulas em alguns anos, mas por falta de incentivo acabou dando uma pausa no projeto. “Mas, pretendo continuar ensinando assim que puder voltar”, se compromete.

Passeio em jardim retrata a história de lendas amazônicas  — Foto: Tácita Muniz/G1

Passeio em jardim retrata a história de lendas amazônicas — Foto: Tácita Muniz/G1.

Conheça a história da Iara, sereia dos rios amazônicos

Conheça a história da Iara, sereia dos rios amazônicos.

Continue lendo

ACRE

Vidente que previu terremoto no Acre prevê grande alagação em Tarauacá, entoação de hino, vitória e ventos Vitorino

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A visão de Valter Arauto se harmoniza com o contexto natural, social e político de Tarauacá. 

O vidente paulista da cidade de Birigui (SP), Valter Silva Ferreira (54 anos), famoso em todo o país por fazer previsões sobre o futuro, revelou com exclusividade que o município de Tarauacá sofrerá uma grande alagação. O vidente revelou, por outro lado, que o município terá dias de glória e de vitória, e entoará um hino.

O vidente é administrador do grupo de Facebook “Orakulo do Arauto & Central de Profecias” (veja aqui). Nele publica algumas de suas vidências mais recentes. Valter Arauto, como é conhecido, conversou com o Acre.com.br, e fez revelações surpreendentes. 

Tarauacá

Sobre Tarauacá, o enigma profético de Valter Arauto intitulado “Tarauacá”, foi assim revelado: “Um hino será tocado; após a grande alagação; uma nova vitória; após ventos Vitorino”, publicado na última quinta-feira, dia 20/02/2020.

Previsões acertadas

Entre suas principais previsões que já aconteceram, estão rompimento da barragem de Mariana, em Minas Gerais, e o fato do craque da seleção brasileira, Neymar, ficar fora da Copa do Mundo de 2014, após o jogo contra a Colômbia, em partida válida pelas quartas de finais do mundial do Brasil.

Em 31/01/2018, Valter anunciou uma vidência chamada “Ciro pela Culatra”, assim revelada: “Se ouvirá um tiro; que sairá pela culatra; não provoque o povo; queime a carta”.  E recentemente ocorreram fatos envolvendo Ciro Gomes e seu irmão Cid Gomes, vítima de dois tiros no peito.

Já no final de 2018, em 02 de dezembro, o vidente publicou uma visão intitulada o “Caixão do Zé”, e (pasmem!) na última quarta-feira, 19/02/2020, José Mojica Marins, popular “Zé do Caixão”, morreu aos 83 anos.

Neste domingo, sobre o Coronavírus, Valter afirmou que “Em janeiro de 2019 meu alerta como visionário foi dado. O surto está fora de controle e estão escondendo. O Brasil BR não vai escapar pois vi nas notícias futuras”, se referindo à profecia intitulada “A Gripe Aviária de 2019”, onde diz “Um bilhão de Chinês; A gripe aviária; Mal oculto no pulmão; A via aérea“, publicada em 13/01/19. Segundo Valter, “Assim como vi o surto, vi que o mastigar pétalas de Rosas previnem contra ele. O aroma das rosas evitam“, afirmou. 

Prefeita Marilete não será candidata à reeleição

Valter ainda revelou um enigma profético em que supostamente a Prefeita Marilete Vitorino terá novas vitórias após sua saída do comando da Prefeitura de Tarauacá.

Ao jornalismo do Acre.com.br, o vidente esclareceu que “Minhas previsões são Enigmas e precisam ser interpretadas”. A profecia é abrangente e precisa ser interpretada, como esclarece o próprio Valter.

O vidente quer dizer que a profecia não tem data exata para ocorrer. “Tudo acontecerá no espaço tempo”, disse Valter.

Fato que chamou atenção da reportagem, é a profundidade do enigma e a sofisticação poética por trás da vidência ao dizer “Após ventos Vitorino”. Essa previsão está em equilíbrio com o que a própria Prefeita Marilete tem afirmado diariamente, sua negativa e recusa a candidatar-se à reeleição. Que não é candidata a prefeita.

Marilete nós próximos dias anunciará formalmente que não é candidata à reeleição, possivelmente através de suas redes sociais. Fato que faz crer na assertiva da previsão “Após ventos Vitorino”.

Grande alagação 

Sobre o transbordamento do Rio Tarauacá, de acordo com informações repassadas pelo Corpo de Bombeiros na tarde de sábado (22), o Rio Tarauacá apresentava a marca de 9,4 metros na medição das 12h. A cota de alerta é 8,5 metro e se aproxima da cota de transbordamento que é de 9,5 metros.

Por Acre.com.br

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias