NOSSAS REDES

ACRE

Família autoriza desligamento de aparelhos que mantinha viva mulher baleada

Contilnet, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os aparelhos que mantinham as funções vitais, ainda que com apenas dez por cento de batidas de seu coração, de Jacilene Farias de Lima, de 40 anos, acabaram de ser desligado após uma dura reunião dos médicos com a família, incluindo seu pai, oito irmãos e o filho de 16 anos. Ela teve morte cerebral neste domingo (05) no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) e foi declarada morte nesta segunda-feira (06) às 12h40min. A família não autorizou a doação de seus órgãos.

Jacilene Farias foi oficialmente declarada sem vida às 12h40min desta segunda-feira (06) após constatação de morte cerebral ainda no domingo

A dificuldade da reunião dos familiares se deu porque uma parte era contra o desligamento das máquinas que a mantinham parcialmente viva, e outra parte, inconformada, era contra. “Foi terrível essa tomada de decisão’, disse, chorando, um dos irmãos da vítima, Jean Farias, de 38 anos, ao ContilNet.
Jacilene Farias, divorciada e atendente de enfermagem numa clínica médica particular de Rio Branco, foi baleada na cabeça durante uma festa na noite do último sábado (4) numa chácara localizada no antigo Top-15, na Vila Acre, nos arredores da Capital. Ela estava na festa em companhia de um namorado recente, de nome Sérgio, e havia saído para a porta de entrada do local em busca de comprar algo para comer. Foi quando os bandidos – dois homens, em uma moto – pararam na frente do local e começaram a atirar. A vendedora ambulante, que estava próxima a Jacilene, foi alveja da com um tiro sem maior gravidade.
“Minha irmã perdeu massa encefálica e dificilmente sobreviveria”, disse Jean Farias, que junto com a família agora está providenciando o velório e o enterro da irmã, que era atendeente num consultório médico de Rio Branco.
A família e os amigos já têm informações de que os homens que chegaram atirando pertencem à facção do Comando Vermelho e cometeram o crime como forma de avisar a facção rival, o Comando dos 13, de que ali quem manda são eles. O caso está sob investigação da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e já há informações capazes de levar à identidade dos assassinos. Marcela Morais, que era sobrinha do namorado de Jacilene, continua internada no Huerb, e não corre risco de morrer. O depoimento dela já foi colhido, e deve ajudar os investigadores a solucionar este assassinato.
“Até quando esse drama vai acontecer ás famílias acreanas?”, indagou Jean, visivelmente desesperado. “Apelamos ao nosso governador, ao vice-governador que se diz tão preocupado com a segurança e ao secretário da área para que nos devolvam a alegria de viver no Acre, porque do jeito que está não vale à pena nem se dizer que somos acreanos, quando mais viver aqui”, disse.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat