NOSSAS REDES

ACRE

Mãe é ouvida pela polícia e diz que permitiu que filha de 10 anos fosse morar com suspeito de estupro no AC

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A Polícia Civil do Acre já ouviu a mãe e a criança, de 10 anos, abusada sexualmente por um homem, de 23 anos, em Porto Walter, no interior do Acre. Em um depoimento inicial a um policial civil do município, a mãe da menina disse que o suspeito passou na casa dela, no último dia 1º, e pediu para levar a garota para morar com ele.

No depoimento, a mãe contou à polícia que o suspeito, ela e a criança conversaram por alguns minutos. A criança teria afirmado para a mãe que queria morar com o suspeito e, então, a mulher permitiu que a filha fosse com ele. A mulher confessou ainda que “não tinha mais o que fazer” e deixou a filha ir.

A família vive em extrema pobreza em uma casa muito humilde na zona rural da cidade. A mulher mora com outra filha e o atual marido. O pai da menina de 10 anos morreu, segundo a polícia.

“São pessoas absolutamente desinformadas, se sentem pressionadas pelas circunstâncias. Na realidade, essas pessoas são vítimas também. Tem que observar direitinho, se a gente identificar eventuais responsabilidades vamos tomar providências”, explicou ao G1 o delegado responsável pelo caso, Obetâneo dos Santos.

O caso veio a público no último dia 11, quando o homem foi preso em flagrante suspeito de estuprar e viver com a menina na Comunidade Porongaba, zona rural do município de Porto Walter, interior do Acre.

Menina voltou para a casa da mãe

Após o flagrante, a criança de 10 anos voltou a morar com a mãe. A polícia informou que a família não possui telefone. O G1 não conseguiu contato com a mãe da criança e nem com o suspeito, que está preso.

O delegado informou que ainda vai ouvir todos os envolvidos e que o homem vai ser indiciado por estupro de vulnerável e cárcere privado. Sobre a possibilidade de a mãe responder por algum tipo de crime, ele disse que só vai poder dar essa informação após todos os depoimentos.

“Nosso policial está ouvindo as pessoas que tomaram ou que tinham conhecimento do caso para a gente dar continuidade e concluir o mais breve possível”, afirmou.

Adolescente de 16 anos está grávida do suspeito

Além da criança de 10 anos, o suspeito morava também com uma adolescente de 16, que está grávida de dois meses e seria a mulher dele, segundo o policial que ouviu os envolvidos. A polícia também investiga o estupro de outra adolescente de 13 anos.

Ainda segundo a polícia, a criança de 10 anos contou, no depoimento, que o suspeito demonstrou interesse por ela no início do ano. Ele teria pedido para enviar cartas para ela, que permitiu a correspondência.

Em uma dessas cartas, o suspeito afirmou que queria “ficar” com a criança. Ainda de acordo com o relato da menina, ela acabou se envolvendo com ele.

Antes de morar com o homem, a criança teria ido à casa dele, cerca de uma semana antes, levada pela adolescente de 16 anos, que morava com o suspeito.

Ao perceber que a filha não estava em casa, a mãe foi buscá-la na casa do suspeito. Após alguns dias, o homem passou na casa da mulher e levou a criança para morar com ele definitivamente.

Ainda conforme o depoimento, a menina disse que só passou a dormir com o suspeito quando foi morar com ele. Ela dormia na cama com ele e a adolescente de 16 anos na sala da casa.

Investigações

O delegado Obetâneo dos Santos falou que pretende ir até Porto Walter para ouvir os todos os envolvidos no caso. O suspeito foi levado para o Presídio Manoel Neri, em Cruzeiro do Sul, município vizinho. O delegado afirmou que ainda não está confirmado se a criança deve ir para um abrigo.

“Tudo é pensando no bem estar dela [criança]. A família mora toda lá [Porto Walter], não tem parente em Cruzeiro do Sul, que poderia oferecer um acompanhamento melhor. Tudo isso tem que ser avaliado”, explicou.

Ele ressaltou ainda que precisa encontrar uma alternativa que seja melhor para a vítima. “Imagina o choque que é ser tirada da sua realidade, é meio complicado. O indivíduo está preso, então, não vai ter contato com ela”, complementou.

O delegado acrescentou que as investigações tentam também descobrir se há mais vítimas do suspeito. “Nossa busca é para saber se têm mais [vítimas]. Se fez com três, pode ter feito com seis”, finalizou.

ACRE

No AC, visitas são suspensas em presídio após descoberta de plano de fuga em massa; veja

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Foram apreendias teresas, que são cordas feitas de lençóis, e estoques dentro das celas do Chapão, no FOC em Rio Branco.

Foram apreendias teresas, que são cordas feitas de lençóis, e estoques dentro das celas do Chapão — Foto: Ascom/Iapen-AC

Foram apreendias teresas, que são cordas feitas de lençóis, e estoques dentro das celas do Chapão — Foto: Ascom/Iapen-AC.

As visitas familiares foram suspensas novamente na Unidade de Regime Fechado nº 01, conhecido como Chapão, do Complexo Prisional Francisco d’Oliveira Conde (FOC), em Rio Branco, após as equipes de segurança descobrirem um plano de fuga em massa.

A descoberta ocorreu nesta sexta-feira (14) durante revista nos pavilhões. Foram apreendidas teresas, que são cordas feitas de lençóis, estoques – armas artesanais – e celas danificadas nos pavilhões.

O Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC) disse que os presos planejavam fugir no domingo (16), quando ocorre o retorno das visitas após quatro meses suspensas.

Na terça (11), o Iapen-AC publicou uma portaria que determina o retorno gradual das visitas a cada 15 dias nas unidades prisionais do estado. As visitas íntimas que eram feitas na semana, ainda não estão permitidas. A suspensão começou no mês de março devido à pandemia do novo coronavírus.

Porém, com a fuga frustrada nesta sexta, todos os presos do Chapão (pavilhões G, H, I, J, K e L) não vão receber visitas. A programação segue normalmente para os demais detentos.

O Iapen-AC destacou que a medida é para garantir a segurança dos parentes dentro da unidade.

Equipes acharam salas danificadas e um buraco no Chapão — Foto: Ascom/Iapen-AC

Equipes acharam salas danificadas e um buraco no Chapão — Foto: Ascom/Iapen-AC

Continue lendo

ACRE

Servidor público do AC é investigado após postagens de ‘ódio’ contra pessoas transgêneras

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Servidor é lotado em secretaria que defende os direitos humanos e é acusado de ‘disseminar intolerância e discurso de ódio contra pessoas transgêneras’.

Servidor da Secretaria de Assistência Social dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres é investigado por postagens ofensivas  — Foto: Reprodução

Servidor da Secretaria de Assistência Social dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres é investigado por postagens ofensivas — Foto: Reprodução.

O pastor e servidor da Secretaria de Assistência Social dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM) Nelson de Freitas Correia está sendo investigado por homofobia e transfobia.

O Ministério Público Federal enviou para a Promotoria Especializada em Direitos Humanos e à Promotoria Especializada na Proteção do Patrimônio Público do Ministério Público do Acre (MP-AC) denúncia contra o servidor público por ‘disseminar intolerância e discurso de ódio contra pessoas transgêneras’.

O governo do Acre afirmou, por meio de nota, que não compactua com nenhuma prática discriminatória. Além disso, destacou que o caso é investigado também internamente pela secretaria.

Publicação apagada

Ao G1, Nelson da Vitória, como é conhecido, disse que não foi notificado e nem sabia da decisão. Ao ouvir sobre o tipo de crime que teria praticado, ele disse que apagou uma postagem e que não ia mais falar sobre o caso.

“Você está me trazendo uma novidade, não sabia. Não tenho nada para falar, essa publicação da Natura [do Dia dos Pais com o ator Tammy Miranda] já foi comentado e apaguei. Vou aguardar a notificação e quando for vamos nos posicionar”, disse.

Representações

O MPF-AC destaca na documentação que, como representante de uma pasta que deve defender os direitos humanos, o servidor não pode adotar um discurso de ódio e de intolerância contra as pessoas transgêneras.

“O procurador ressalta também que racismo e discurso de ódio não são protegidos pela liberdade de expressão, conforme decidiu o Supremo Tribunal Federal, pois a liberdade de expressão não é absoluta e deve ser exercida de acordo com os limites da Constituição Federal”, destaca.

O órgão federal também pediu que o servidor público seja responsabilizado por danos morais coletivos e que seja instaurado um procedimento administrativo no setor.

Continue lendo

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias