NOSSAS REDES

Sena Madureira

Mais de 600 casos de Dengue já foram notificados em Sena; Vereadores se reúnem com secretários municipais e cobram medidas com urgência

Senaonline.net, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O número é considerado alarmante e vem preocupando sobremaneira a população.

Um novo levantamento divulgado nesta semana pela Secretaria Municipal de Saúde revelou que já foram notificados mais de 600 casos de Dengue em Sena Madureira. O número é considerado alarmante e vem preocupando sobremaneira a população.

Na tentativa de traçar uma nova meta de combate ao Aedes Aegypty, os vereadores de Sena estiveram reunidos na tarde desta quinta-feira, 22, com secretários municipais e representantes de outros setores. O encontro ocorreu no auditório da própria câmara. Estiveram presentes: Tião Lucena (secretário de Obras), Milton Pinheiro (Semsur), Jeocundo Assis (Vigilância Sanitária), Tairine Sampaio (Vigilância Epidemiológica), Tarsis Queiróz (Administração) e o representante do setor de endemias, Roberto Leandro.

Ao final ficou definido que na terça-feira, 27, o Mutirão da saúde contra a Dengue estará entrando no Bairro da Vitória. Os profissionais irão de casa em casa, orientando os moradores sobre os cuidados que devem ser tomados. Além disso, a Semsur promoverá a limpeza das Ruas, recolhimento dos entulhos e outras ações serão desenvolvidas pela secretaria de obras.

De acordo com o vereador Silvano Farias, idealizador do encontro, a situação em Sena Madureira é gravíssima e as providências devidas precisam ser tomadas em caráter emergencial. “A preocupação da Câmara de vereadores é muito grande nesse sentido. Os agentes de endemias encontram dificuldades porque alguns moradores não os deixam entrar em seus quintais. Vamos acionar o Ministério Público para que isso seja sanado. Também estamos cobrando do prefeito medidas emergenciais no combate à Dengue que tem acometido centenas de pessoas em nosso município”, comentou.

Para o vereador Tom Cabeleireiro (PV), não basta somente o poder público desempenhar seu papel. É preciso também que os moradores colaborem nessa campanha. “Se não houver um entendimento entre a população e a Prefeitura o negócio tende a piorar. Para vencermos essa guerra é preciso estarmos unidos. Lembrando que a Dengue pode matar as pessoas, por isso, os cuidados precisam ser redobrados”, complementou.

O vereador Boa Ideia (PCdoB) sugeriu que a Semsur faça uma parceria com a direção do presídio local para que os detentos ajudem nessa questão da limpeza nas Ruas. “Sabemos que existe a remissão de pena para os reeducandos que trabalham, então vamos propor isso a eles para que possam também ajudar na limpeza. Será um reforço a mais”, sintetizou.

Com relação aos terrenos baldios existentes em Sena Madureira, a Prefeitura não vai aliviar seus respectivos donos que não fazem a limpeza. “Já começamos a notificar os proprietários desses terrenos para que providenciem a limpeza. Quem não se enquadrar nas normas será acionado na justiça”, destacou Jeocundo Assis, coordenador da Vigilância Sanitária, em Sena Madureira.

Outro assunto pautado na reunião de hoje foi com relação às valas e bueiros que estão entumpidos. Nesse sentido, foi dada a sugestão de que a Prefeitura possa contratar uma equipe exclusiva para desobstruir esses locais na base da enxada.

Além do avanço da doença em Sena Madureira, surgiu recentemente mais uma preocupação. O Governo do Estado informou, por meio de nota, à Secretaria Municipal de Saúde que não fará mais a sorologia que é uma espécie de exame que detecta se o paciente está ou não com Dengue. Segundo consta, o Estado encontra-se sem reagente para realizar tal procedimento.

Também participaram do debate os vereadores: Charmes Diniz (PP), Canário (PV), Dos Anjos (MDB), Ney Areal (PSL) e Jacamin (PP).

Sena Online

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Foto revela grande incêndio em Sena Madureira que destrói sete hectares de pastagem

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Corpo de Bombeiros foi acionado e combate durou mais de seis horas. Incêndio ocorreu na noite desse sábado (25) em Sena Madureira.

Incêndio destrói sete hectares de pastagem no interior do Acre — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros.

Um incêndio de grandes proporções destruiu uma área de pastagem, na noite desse sábado (25), na cidade de Sena Madureira, no interior do Acre. O Corpo de Bombeiros foi acionado e o combate durou mais de seis horas.

O major Cláudio Falcão, dos bombeiros, informou que foram cerca de sete hectares de terra destruídos. A equipe usou quatro lances de mangueira e mais de oito mil litros de água no combate, além de outros métodos.

“Foi realizado o combate com canhão de água, bombas costas, abafadores no flanco direto do incêndio, a fim de proteger as residências ao redor. Já em outras partes do incêndio foi realizada uma vistoria pela guarnição de salvamento”, afirmou o major.

Após o controle das chamas, uma equipe de salvamento ficou no local fazendo o monitoramento do incêndio para evitar que as chamas atingissem as residências próximas.

Incêndio ocorreu na noite desse sábado (25) em Sena Madureira — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros

Incêndio ocorreu na noite desse sábado (25) em Sena Madureira — Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros.

“Esse local fica a aproximadamente três quilômetros do Centro da cidade. Apesar de ser uma área rural, está cercado por casas, então por isso, a necessidade da equipe permanecer no local monitorando até a extinção por completo do incêndio, para que não houvesse riscos às residências”, disse Falcão.

Os bombeiros ainda não sabem o que pode ter causado o incêndio. “Nunca começa sozinho, então, provavelmente, alguém deve ter queimado alguma coisa e se alastrou. Mas, é preciso apurar melhor. Além disso, estamos há dez dias sem chuvas significativas e com sol bastante intenso, o que já é suficiente para a vegetação ficar seca e propícia a fogo”, concluiu.

Continue lendo

CONDENAÇÃO

Justiça mantém condenação de réu por exercício ilegal da medicina

Gecom TJAC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Apelante também responde por falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais.

A Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Acre (TJAC) negou provimento ao Recurso de Apelação a um réu condenado pela Vara Criminal da Comarca de Sena Madureira, pela prática ilegal do exercício da medicina.

O réu foi condenado às penas de dez anos de reclusão e seis meses de detenção, em regime inicialmente fechado, além do pagamento de vinte dias-multa, pela prática dos crimes previstos nos artigos 273, § 1°-B, incisos I, III e V e 282, parágrafo único, do Código Penal, em concurso material.

Os membros do Colegiado, que negaram o recurso à unanimidade, entenderam por afastar o argumento de negativa de autoria, mantendo a sentença que o condenou.

No recurso, o apelante pede a sua absolvição, invocando o artigo 386, incisos I, III e VII, do Código de Processo Penal, além do pedido de afastamento da pena de multa, por não ter condições de fazer o pagamento, e requereu a restituição dos bens e valores apreendidos, alegando serem de procedência lícita.

Entenda o caso

Consta nos autos que em julho de 2015, em Sena Madureira, no Sindicato dos Trabalhadores Rurais, o apelante exerceu a profissão de médico ou farmacêutico, sem autorização legal.

Narra a denúncia que o apelante omitiu em documento particular e que ele, em companhia de terceiros, falsificaram e adulteraram produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais, sem registro no órgão de vigilância sanitária competente, sem as características de identidade e qualidade admitidas para a sua comercialização ou de procedência ignorada. Consta que eles se associaram com o fim de cometer crimes.

O pedido contido na denúncia foi julgado parcialmente procedente e o apelante foi condenado pela prática dos crimes de exercício ilegal da medicina e falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais.

Acordão

Em seu voto, o relator desembargador Samoel Evangelista enfatiza estar evidenciado que o apelante praticou o crime de adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais. “Portanto, a versão por ele apresentada negando a autoria, restou isolada nos autos, destituída de amparo probatório, sendo contrariada pela prova documental, motivo pelo qual mantenho a sua condenação”.

Da votação participaram os desembargadores Elcio Mendes (presidente), Samoel Evangelista (relator) e Pedro Ranzi. Para a sessão, o representante do Ministério Público foi o procurador de Justiça Cosmo Lima.

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias