NOSSAS REDES

ACRE

MP investiga entrada de adolescentes e indígenas do AC, em casas de prostituição localizada no Peru.

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

https://www.google.com/search?q=mp+acre&rlz=1C1CHBD_pt-PTBR915BR915&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=2ahUKEwj77ei0q67tAhW1GLkGHeb0D_8Q_AUoA3oECAQQBQ&biw=1366&bih=657#imgrc=14wNXPl8L1UN-M

MP-AC instaurou investigação para apurar ingresso de adolescentes e indígenas brasileiras em casas de prostituição na cidade peruana de Iñapari.

O Ministério Público do Acre (MP-AC) instaurou um procedimento para investigar a entrada de adolescentes e indígenas do Acre em casas de prostituição em Iñapari, no Peru. A investigação iniciou após o órgão receber denúncias em 2019 alertando que as casas de prostituição no país vizinho aceitam o ingresso de menores brasileiras nos locais.

As meninas seriam moradoras da cidade de Assis Brasil, no interior do Acre, que faz fronteira com o Peru, e seriam da faixa etária de 14 anos. O MP-AC destacou que não há nada confirmado sobre as denúncias.

Porém, as notícias afirmam que as meninas teriam acesso a bebidas alcoólicas e teriam sido vistas nessas casas de prostituição peruanas.

Ao G1, o promotor substituto de Assis Brasil, Thiago Marques Salomão, explicou que a denúncia que chegou ao MP afirmava que as adolescentes estariam sendo vítimas de tráfico e exploração sexual no Peru.

Contudo, as investigações descartaram essa possibilidade e revelaram que, na verdade, essas meninas estariam indo sozinhas para o Peru.

“Eventualmente, está sendo apurado pela polícia e essa parte criminal não estou lidando, minha parte é mais cível. O procedimento vem desde 2019, diversas diligências foram realizadas e tentou identificar essas supostas adolescentes, mas não tem nenhuma, concretamente, identificada. O que apuramos até o momento é que essas adolescentes saíam por conta própria da casa dos pais, ou nem moravam mais com eles, moravam sozinhas ou tinham alguma relacionamento e iam do Acre para Iñapari”, relatou.

Com o recebimento da denúncia, o promotor disse que as autoridades peruanas e brasileiras, como conselheiros tutelares, policiais, Secretaria de Assistência Social e outras, foram acionadas para debater o assunto e buscar possíveis soluções. Foi marcada uma reunião para 2020, mas, devido à pandemia, o encontro ainda não aconteceu.

“Foi determinada uma reunião com todas as autoridades, no entanto, a questão da pandemia acabou paralisando tudo isso. Em Assis Brasil tem um agravante, porque o sinal de telefonia é muito ruim, então, seria ruim fazer uma reunião virtual.

Fronteira fechada

Com a fronteira do Acre e o Peru fechada devida à pandemia, o promotor disse que essas possíveis entradas irregulares das adolescentes cessaram. Com isso, ele falou que as equipes vão concluir logos as últimas diligências e terminar as investigações para descobrir o que de fato aconteceu.

“Por enquanto não tem esse fluxo, mas é importante a gente terminar para evitar que quando normalize a situação, se abrir a fronteira, volte acontecer. Ninguém foi identificado, mas há notícias de que a partir do ano que vem essa situação já esteja normaliza, a fronteira abrindo vamos sentar com as autoridades, porque é um problema conjunto”, concluiu. Por Aline Nascimento, G1 AC

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS LIDAS

error: Conteúdo protegido!
WhatsApp chat