NOSSAS REDES

ACRE

Novo líder assume enfrentando exonerações e a suspensão de nomes para agências

PUBLICADO

em

A primeira ação do deputado estadual Luiz Tchê (PDT) como líder do Governo na Assembleia Legislativa, cargo que ele deve assumir já na sessão desta terça-feira (7), será a retirada de pauta dos nomes da agente administrativa da Polícia Federal Leilane Ribeiro e do historiador João Pereira, para as presidências, respectivamente, do Acreprevidência e da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Acre. A revelação foi feita na manhã desta segunda-feira (6) pelo futuro líder do governo, ao admitir que o pedido lhe foi feito pelo próprio governador Gladson Cameli.

“Em relação aos nomes que estão na Assembleia, ele não me disse se enviará outros ou se manterá os mesmos. Só me recomendou que retirasse da pauta”, disse Luiz Tchê.

Sobre as demissões dos secretários da área de segurança, o deputado disse que numa outra reunião, a ocorrer ainda nesta segunda-feira (6), serão detalhadas as decisões do governador. Ambos os secretários sofrem desgastes internos. Não há, ainda, informações sobre os novos nomes que devem substituir os secretários a serem exonerados.

Sobre assumir um cargo importante como a liderança de um governo, o deputado Luiz Tchê disse que será um dos maiores desafios de sua vida, “até porque é algo que eu nunca fiz”. Tchê é deputado no quarto mandato – com um intatíssimo de quatro anos, já que em 2014 concorreu para uma vaga de deputado federal, não se elegeu e amargou quatro anos de ostracismo, só voltando à Assembleia em 2018.

Segundo ele, o fato de ter sido eleito por um partido da Frente Popular do Acre (FPA), de oposição ao atual Governo, não será problema. “Isso não quer dizer nada, até porque o próprio governador Gladson Cameli e o senador Sérgio Petecão já foram da Frente Popular e ambos estão aí fazendo política em oposição ao PT e à própria Frente Popular”, disse.

O novo líder diz que, no entanto, vai procurar manter diálogo com os deputados da Frente Popular, que lideram a oposição na Assembleia Legislativa – Edvaldo Magalhães e Jenilson Leite, do PC do B, e Daniel Zen e Jonas Lima, do PT. “Em alguns momentos, a bancada do governo vai precisar dos votos das oposições e eu vou buscar isso com a certeza de que aquilo que for do interesse do nosso povo, eles não poderão negar. Mas vou tentar trabalhar com diálogo”, disse.

O deputado Gehlen Diniz, o ex-líder a quem caberá substituir, merecerá toda a consideração possível, diz Luiz Tchê, “Não terei problemas com ele. Até porque, se houvesse problemas, eu não assumiria a função que era dele. Estou certo de que o Gehlen Diniz vai nos ajudar”, acrescentou.

Embora tenha exercido o cargo, Tchê diz que coragem não lhe falta. “Vi aqui, ao longo dos 20 anjos da Frente Popular, a ação de grandes líderes como o Edvaldo Magalhães, o Moisés Diniz e o próprio Astério Moreira. Eu aprendi muito com eles e vou por em prática um pouco de tudo aquilo que a vida me ensinou”, afirmou.

Comentários

Comente aqui

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS

WhatsApp chat