NOSSAS REDES

AMAZÔNIA

Os cuidados contra a dengue em plena pandemia

PUBLICADO

em

Confira os principais cuidados que você precisa ter para evitar os perigos causados pela dengue em meio a pandemia da Covid-19.

A pandemia do novo coronavírus está em foco dos noticiários há mais de um ano, por se tratar do problema de saúde pública mais urgente no momento. 



Mas outras doenças continuam impactando a vida dos brasileiros, como é o caso da dengue, que tem maior incidência no verão, devido às chuvas e às altas temperaturas.

Trata-se de uma das doenças mais mortais que se propagam no corpo humano e é causada e transmitida por uma espécie particular de mosquito, a já conhecida fêmea do Aedes Aegypti. 

De natureza altamente infecciosa, esta doença dá febre alta, dores de cabeça, fortes dores musculares e nas articulações, dores nos olhos ou até mesmo no corpo inteiro. 

Além disso, se a dengue não for tratada a tempo, pode levar à febre hemorrágica, o que pode ser fatal.

A seguir, veja alguns dos principais cuidados necessários mesmo durante o período da pandemia.

O que causa a dengue?

Também conhecida como “febre quebra-ossos”, a dengue é uma infecção viral causada e transmitida pela picada de um mosquito Aedes infectado. 

Com a picada do mosquito infectado, a pessoa recebe uma injeção de um veneno específico que suga seu sangue. Dengue é o nome do vírus responsável pelos sintomas citados e também é conhecido por DENV. 

E é importante dizer que a transmissão é possível de mosquito para humano ou de humano (já infectado) para mosquito.

Dicas contra a dengue durante a pandemia

Embora ainda não haja remédio ou vacina cientificamente comprovada contra a dengue, existem 7 cuidados eficazes que o ajudarão a prevenir e se proteger contra a infecção mesmo durante os bloqueios gerados pela pandemia.

1 – Esteja atento e conheça seu inimigo

É recomendável permanecer alerta e ciente dos possíveis tipos de infecção do Dengue. Só então, será capaz de se proteger de verdade.

Como já mencionado, a dengue é geralmente transmitida através da picada de uma fêmea infectada do mosquito Aedes. Que circula com maior frequência na estação das monções, quando o clima é úmido, sendo extremamente comum em áreas tropicais e subtropicais. 

A dengue pode infectar qualquer pessoa em qualquer faixa etária, sejam crianças ou adultos. É uma infecção viral debilitante que o deixa com febre alta, dor de cabeça, dor nos olhos e no corpo inteiro, fadiga, etc.

Por isso, ter o conhecimento adequado dos sintomas, das causas, da complexidade da doença e de todos os tipos e formas de infecção possíveis, bem como estar atento ao clima, às características regionais e estação do ano, proporciona maior atenção sobre o problema e diminui a exposição ao vírus.

2 – Destrua os habitats biológicos do mosquito

O passo mais importante para prevenir a propagação dos mosquitos é destruir seus potenciais criadouros. 

Os mosquitos da dengue geralmente se reproduzem em águas estagnadas ou paradas, como em baldes, piscinas não utilizadas, vasos de flores, ralos entupidos, etc.

Sendo assim, deve-se sempre manter um controle sobre as áreas úmidas em sua casa e limpar regularmente todas as fontes de água parada. Além disso, nunca deve permitir que resíduos úmidos se acumulem perto de sua casa. 

Se conhece pessoas de idade que estão reclusas em casa devido a pandemia, busque se informar se estão cuidando dos espaços em que há acúmulo de água ou, se preciso, visite a casa em questão para desfazer possíveis focos do mosquito.

Isso, claro, mantendo as devidas recomendações vigentes para com a Covid-19.

A adoção dessas medidas reduzirá ou destruirá os habitats biológicos dos mosquitos da dengue.

3 – Ilumine sua casa

É muito comum que os mosquitos geralmente prefiram locais úmidos e escuros. Portanto, para evitar que esses vírus se reproduzam com os mosquitos, é ideal manter sua casa cheia de raios solares.

Até mesmo ter telas anti-mosquito aplicadas, se necessário. Além disso, à noite, deve garantir que todas as portas e janelas estejam fechadas quando ao dormir para evitar uma possível invasão do mosquito.

Outra coisa que pode ajudar nesse sentido, é acender cânfora em dias alternados por cerca de 20-25 minutos em sua casa, pois a fumaça da cânfora consegue matar vários tipos de pragas que espalham doenças.

4 – Planeje suas atividades ao ar livre com atenção

Como o vírus da dengue geralmente se espalha no verão, quando o clima é úmido, passar um dia fora ou fazer qualquer viagem durante a estação das chuvas certamente aumenta o risco de acumular água em casa. 

O ideal é que, estando em pandemia, haja pouca oportunidade de sair a longo prazo devido a exposição, no entanto, com as campanhas de vacinação em curso é natural que certo otimismo faça as pessoas voltarem a sair de modo gradativo.

A atenção que se deve ter é com os lugares da casa que, ao chover, podem acumular água. Deixe os baldes de ponta cabeça (com a boca para baixo) assim como caixas e preencha os vasos com areia.

Para quem utiliza lonas, posicione elas de modo que a água escoe para ralos ou até mesmo as dobre e guarde antes de sair.

E independente da cidade ou local para onde viajar, realize também as devidas prevenções.

5 – Use repelente de insetos

Outra maneira eficiente de prevenir a dengue é usando cremes repelentes de mosquitos, mais precisamente repelentes com ingredientes ativos como DEET até 30 por cento, picaridina ou IR3535. 

Esses repelentes são feitos com uma fórmula delicada e são suaves para a pele humana além dos cuidados esperados contra mosquitos.

6 – Use roupas de proteção

Esta é a medida preventiva mais fácil de se tomar, mas também importante para que você possa se proteger da dengue em áreas potencialmente perigosas. 

Roupas totalmente cobertas, como camisas e camisetas com mangas compridas, calças e blusas para cobrir cada centímetro do corpo minimizam a área de pele exposta. 

7 – Mantenha o ambiente limpo

Apenas destruir o habitat do mosquito não basta, o ideal é também tentar manter o ambiente limpo para eliminar a reprodução dos hospedeiros. Então, mantenha seus vasos sanitários e lixeira cobertos.

Há ainda algumas plantas que ajudam a repelir os mosquitos pois elas expelem gases naturais. Entre as opções estão o nim, tulsi, eucalipto e o capim-limão. Plantas que ajudam a repelir mosquitos e também proporcionam mais frescor para os ambientes da casa.

Portanto, há várias formas de evitar a propagação da dengue, mas o mais importante neste caso é sempre verificar itens que possam acumular água parada, como pneus, vasos e caixas d’água. 

É importante não esquecer problemas que já foram graves para a saúde pública e que ainda representam perigo e aproveitar a mobilização que há em meio a pandemia pode ajudar em mais uma prevenção.

ACRE

Deslizamentos de terra, filas para conseguir alimento e moradores sem casa: como está a situação no AC após cheia histórica

PUBLICADO

em

Capital estima prejuízo de R$ 200 milhões e recuperação pode levar até um ano. Em Brasiléia e Rio Branco, mais de 200 pessoas não têm mais casa para voltar.

Deslizamentos de terra, casas arrastadas pelo Rio Acre, famílias desabrigadas e filas quilométricas para conseguir uma cesta básica. Estas são algumas das dificuldades vivenciadas pelos atingidos pela cheia do Rio Acre que buscam recomeçar após a baixa das águas.

Há mais de 10 dias, o manancial atingia uma marca histórica que impactou a vida de mais de 70 mil rio-branquenses. Os efeitos dessa enchente, no entanto, continuam a afetar a população.

👉 Contexto: o Rio Acre ficou mais de uma semana acima dos 17 metros e alcançou o maior nível do ano, de 17,89 metros, no dia 6 de março, há mais uma semana. Essa foi a segunda maior cheia da história, desde que a medição começou a ser feita, em 1971. A maior cota histórica já registrada é de 18,40 metros, em 2015.

Continue lendo

ACRE

Acre tem mais de 120 vagas de emprego nesta segunda-feira; confira as oportunidades

PUBLICADO

em

O Sistema Nacional de Emprego do Acre (Sine) divulga 123 vagas de emprego para diversas áreas nesta segunda-feira (18) em Rio Branco.

Para se candidatar às vagas, que podem ser rotativas, os candidatos devem ter um cadastro no Sine. Para fazer, é preciso levar Carteira de Trabalho, comprovante de endereço e escolaridade, RG/CPF e título de eleitor para realizar o cadastro.



O atendimento ocorre por telefone, onde o Sine fornece mais informações sobre as oportunidades divulgadas. Para conferir se as vagas ainda estão disponíveis, basta entrar em contato através dos telefones 0800 647 8182 ou (68) 3224-5094.

Continue lendo

ACRE

Cerca de 100 famílias que perderam suas casas após cheia do Rio Acre já podem buscar aluguel social

PUBLICADO

em

Pelo menos 100 famílias que estão abrigadas no Parque de Exposições Wildy Viana, em Rio Branco, por não ter para onde ir após a cheia do Rio Acre, já estão autorizadas a procurar casas para alugar e serem contempladas com o aluguel social. O subsídio será liberado pela Defesa Civil Municipal para pessoas que tiveram suas casas destruídas ou condenadas pela enchente.

👉 Contexto: O Rio Acre ultrapassou a cota de transbordo, que é 14 metros, dia 23 de fevereiro. Já no dia 29 do mesmo mês, seis dias depois, o manancial atingiu a marca de 17 metros e permaneceu acima da marcação até o dia 8 de março, quando baixou para 16,59 metros.



No dia 6 de março, o manancial alcançou a maior cota do ano – 17,89 metros. A cheia deste ano foi a segunda maior da história desde que a medição começou a ser feita em 1971. A maior cota já registrada é de 18,40 metros em 2015. À época, mais de 100 mil pessoas foram atingidas pela cheia.

Continue lendo

MAIS LIDAS