NOSSAS REDES

ECONOMIA

Quilo da batata na Ceasa vai de R$ 1a R$ 17 na semana, e Governo mobiliza Forças Armadas

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Greve dos caminhoneiros

Comerciantes na Ceagesp relatam que quilo da batata 10 vezes mais caro.

Na foto de capa, Pavilhão das hortaliças esvaziado na Ceagesp, em SP – Dhiego Maia/Folhapress.

Em uma semana, o preço do quilo da batata na Ceagesp passou de R$ 1,61 para R$ 17,50. Os legumes e as frutas são os alimentos cujos preços mais foram afetados pela greve dos caminhoneiros.

O maior entreposto atacadista de alimentos da América Latina teve uma sexta-feira (25) de poucas vendas abertas, escassez de produtos e muitas incertezas sobre o reabastecimento das mercadorias.

A Ceagesp parou de divulgar a cotação oficial dos produtos na quinta-feira (24), esperando a normalização do comércio.

A Redação da Folha apurou os preços diretamente com os comerciantes presentes no local.

O normalmente popular corredor das batatas estava com quase nenhum movimento por volta das 14h.

“Eu costumava vender 200 sacos por dia, hoje vendi apenas 30”, afirmou o vendedor Ademar Moraes.

Entre os vendedores, a cotação da batata ficou por volta de R$ 17,50 por quilo, mas um deles, que preferiu não se identificar, disse à Folha que estava pedindo R$ 500 pela caixa, equivalente a R$ 25 por quilo.

Comerciante de batatas e cebolas, Marcos Reis disse que a falta de mercadorias está afastando os clientes da Ceagesp. “Nem o pessoal da feira vem mais”, lamentou.

Além de enfrentarem dificuldades para venderem seus estoques por preços maiores, os comerciantes também temem a iminente falta de mercadorias na próxima semana.

“Se continuar assim, na segunda-feira eu não tenho mais nada para oferecer para os meus clientes”, contou Reis.

A chegada e partida de feirantes e outros compradores com mãos vazias foi cena recorrente no entreposto.

Sidinei Tavares dos Santos, um dos principais vendedores de legumes da Ceagesp, diz que seu estoque deve durar até a segunda-feira (28).

“Os clientes me ligam e eufalo que nem adianta vir para cá, porque é uma viagem perdida. Falo o que eu tenho e o que não tenho, paciência”, comentou o comerciante.

Em seu espaço no Ceagesp, a caixa com 20kg de tomates custava entre R$70 e R$80.

Quando um comprador ouviu o preço e se afastou, Santos tentou convencê-lo. “Faço por R$ 65”, ele disse, sem sucesso.

A cenoura também está em falta, e o seu preço saltou de R$ 1,74 para R$ 4,50. Outro alimento que subiu significativamente de custo foi a vagem, de R$ 2,30 para R$ 6.

“O que não está faltando, como beterraba e pimentão, estamos vendendo no preço normal. Mas quando não tem mais, não tem jeito de segurar o valor”, afirmou Santos.

O preço das frutas tiveram alta significativa, principalmente as vindas de outros estados e países, que estão paradas em caminhões que não conseguem chegar à Ceagesp ou foram descartadas pelos caminhoneiros nas estradas.

O quilo da laranja saltou de R$ 1,69 para R$ 4 em uma semana. A uva nacional quase triplicou de preço, de R$ 4,51 para R$12.

Comerciantes também relataram a falta de mamões papaia e formosa, de abacaxi, de maracujá, de manga, de melancia, de melão e de limão.

Mesmo encarando prejuízos por conta de mercadorias descartadas, os comerciantes não criticaram o movimento dos caminhoneiros.

“Entendemos que algo assim prejudica todo mundo, mas os caminhoneiros estão certos. Não tem como a gente produzir combustível, cobrar caro aqui e vender barato para o exterior. O governo precisa ter bom senso”, disse Santos.

NOS MERCADOS

Nos supermercados, os preços seguem estáveis, mas as prateleiras começam a ficar sem alimentos essenciais, como carne e ovos.

No mercado O Dia, no bairro da Santa Cecília, no centro de São Paulo, os clientes não encontravam mais ovos, e a oferta de batatas e outros legumes era pequena.

Mesmo assim, não havia correria para garantir mantimentos.

“Não vim fazer compras por causa da greve, mas confesso que nunca vi uma coisa dessas no país, nem nos anos 80”, disse a professora aposentada Milthes Mendes.

No Extra Anhanguera, localizado no bairro da Vila Leopoldina, na zona oeste da capital, funcionários relataram que o mercado recebeu sua última carga de carnes na quarta-feira (23), e não há previsão de reposição.

Os preços estão sendo mantidos, mas eles admitiram que devem aumentar assim que os estoques ficarem menores.

A Abras (Associação Brasileira de Supermercados) divulgou nota à imprensa nesta sexta afirmando que a maioria das lojas trabalha com estoque médio de produtos não perecíveis e a falta se concentra nos perecíveis.

A entidade também comentou que, em caso de término da greve, a normalização do abastecimento dos mercados deve ocorrer entre cinco e 10 dias. Por Sheila Vieira.

ACRE

Emprego cresce no Acre e saldo é de 201 novos contratados

Ac24horas, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O emprego cresceu 0,26% em julho no Acre, levando em conta que ocorreram 2.452 contratações e 2.251 demissões com estoque positivo de 201 novas vagas. No ano o saldo também é positivo, com 1,16% de aumento.

Os dados foram divulgados pelo Ministério da Economia na manhã desta sexta-feira (23). Pelo quarto mês consecutivo, o emprego formal cresceu no Brasil. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram a abertura de 43.820 vagas de trabalho com carteira assinada em julho, um crescimento de 0,11% em relação ao estoque de junho.

O governo diz que a modernização trabalhista foi em boa medida responsável pelo saldo positivo em todo o País. Do saldo total de julho, 6.286 vagas foram resultado da modernização trabalhista, número equivalente a 14,34% do total. A maior parte destes empregos veio na modalidade intermitente, que teve saldo de 5.546 postos, principalmente em ocupações como alimentador de linha de produção, servente de obras e faxineiro. Na categoria de trabalho em regime de tempo parcial, foram 740 vagas, em ocupações como faxineiro, auxiliar de escritório e operador de caixa.

Em julho de 2019, houve 18.984 desligamentos mediante acordo entre empregador e empregado, envolvendo 13.918 estabelecimentos, em um universo de 12.592 empresas. Um total de 45 empregados realizou mais de um desligamento mediante acordo com o empregador.

No Acre, Tarauacá foi o município que mais empregou em julho, registrando aumento de 18,90% na oferta de novos postos de trabalho.

Continue lendo

BRASIL

Valor médio do Bolsa Família no Acre segue o maior do Brasil

Ac24horas, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Governo Federal já começou a pagar o Bolsa Família referente ao mês de agosto a 90.027 famílias com previsão de injetar R$ 24.189.761,00 na economia do Acre -pelo menos R$ 1 milhão a mais que quando o presidente Jair Bolsonaro assumiu o cargo, em janeiro. Cerca de 48% das famílias acreanas dependem do subsídio para sobreviver e o valor médio do seguro segue, com Jair Bolsonaro, com valor recorde na história do programa no Brasil, com média de R$ 268,69.
Desde que Bolsonaro assumiu o mandato, cerca de duas mil novas famílias acreanas entraram no Bolsa Família.

No país, mais de 13,8 milhões de famílias começam a receber o benefício do Bolsa Família referente ao mês de agosto nesta segunda-feira (19). No total, mais de R$ 2,6 bilhões estão sendo transferidos para famílias pobres e extremamente pobres em todo o país – e segue até o próximo dia 30. O valor médio pago é de R$ 188,63, quase R$80 a menos que a média acreana

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp Precisa de ajuda?