NOSSAS REDES

CULTURA

Suécia ou Suíça? Teste os seus conhecimentos sobre os adversários nas oitavas

PUBLICADO

em

Além de nome parecido, suecos e suíços compartilham altos índices de qualidade de vida.

Na foto de capa, Blerim Dzemaili, da Suíca, comemora o primeiro gol, com companheiros da equipe, no jogo contra a Costa Rica.

Suécia e Suíça se enfrentam nesta terça-feira (3), em São Petersburgo, às 11h (horário de Brasília), por uma vaga nas quartas de final da Copa do Mundo da Rússia.



Barco navega na baía de Nybroviken, na capital sueca, Estocolmo, durante o inverno
Barco navega na baía de Nybroviken, na capital sueca, Estocolmo, durante o inverno – Jonathan Nackstrand – 6.mar.18/AFP

 

Antes da partida que definirá o rival de Colômbia ou Inglaterra, teste seus conhecimentos sobre esses dois países de nome parecido e, principalmente, estatísticas (boas) similares.

1. Quem tem o segundo IDH mais alto do mundo?

A Suíça, que tem um Índice de Desenvolvimento Humano de 0,939. A Suécia aparece em um respeitável 14º lugar, com 0,913. Ambos os países têm IDH na faixa muito alto. O Brasil está em 79º lugar, com IDH de 0,754. Quanto mais perto de 1, mais alta a qualidade de vida de um país.

2. Quem tem uma taxa de mortalidade infantil de 2,6 a cada mil nascidos vivos?

A Suécia. Mas a taxa da Suíça está longe de ser ruim, com 3,6 mortes a cada mil nascidos vivos. A taxa do Brasil é de 17,5 mortes.

3. Quem tem expectativa de vida de 82,6 anos?

A Suíça. A da Suécia é próxima (82,1 anos), ambas bem acima da do Brasil: 74 anos.

4. Quem tem uma taxa de menos de um homicídio por 100 mil habitantes?

A Suíça, com 0,7 homicídio por 100 mil habitantes em 2015. A da Suécia no mesmo ano foi de 1,1, enquanto o Brasil registrou 26,7.

5. Quem gasta mais, em média, com o estudante na educação básica?

A Suíça. Segundo dados de 2014 da Unesco (os mais recentes disponíveis), o governo suíço gastou US$ 15,6 mil (R$ 60 mil) por estudante da educação básica. A Suécia gastou US$ 10,4 mil (R$ 40 mil). Já o Brasil, apenas US$ 3.171 (R$ 12 mil).

6. Onde há mais igualdade de gênero?

Na Suécia, que pontua 0,816 no índice do Relatório “Global Gender Gap” do Fórum Econômico Mundial. Quanto mais próximo de 1, mais igualitário é o país. A Suíça registra 0,755. Já o Brasil aparece com 0,684.

7. Quem tem a menor taxa de desemprego?

A Suíça, com 4,8% no ano passado. A Suécia registrou 6,7% de desemprego. O Brasil teve 13,3% no mesmo período.

8. Quem é menos urbanizado que o Brasil?

A Suíça, onde 74% da população vive em áreas urbanas. Esse número no Brasil é de 85%, levemente abaixo do sueco, 86%.

9. Quem tem proporcionalmente mais florestas que o Brasil?

A Suécia, que possui 69% da sua área total coberta por florestas. Vale lembrar, porém, que o país é pouco menor que o estado da Bahia. O Brasil tem 62% da sua área coberta por florestas, enquanto a Suíça tem 32%.

10. Onde há quatro idiomas oficiais?

A Suíça, onde são oficiais o alemão (falado por 63% da população), o francês (22,7%), o italiano (8,1%) e o reto-romano (0,5%). Na Suécia apenas o sueco é idioma oficial.

11. Quem tem o custo de vida mais caro?

A Suíça, que ocupa a segunda posição no ranking de países mais caros do mundo de acordo com o site Numbeo. O índice toma como base preços praticados em Nova York na compra de comidas, bebidas, transporte, restaurantes, contas de celular e internet, entre outros itens, mas não leva em conta os aluguéis. O índice da Suíça é 131,39, ou seja, o país é 31,39% mais caro que Nova York. A Suécia, na 14ª posição, tem índice de 83,7, ou seja, é 16,3% mais barata que Nova York. O Brasil aparece em 55º lugar, com índice de 51,33%, o que significa que viver no país custa, em média, metade do que seria em Nova York.

12. Quem tem menos mortes por acidentes em estradas?

A Suécia, que registrou apenas 3 mortes por 100 mil habitantes. Não que a Suíça fique muito atrás, com uma taxa de 3,4 mortes. Já o Brasil tem 22,5 mortes por 100 mil habitantes.

13. Quem tem a internet mais rápida?

A Suécia, com velocidade média de 15,8 MB/s. Na Suíça ela é de 14,9 MB/s, enquanto no Brasil é de apenas 3,4. Os dados são da empresa americana de internet Akamai. Por Guilherme Magalhães/Folha SP.

ACRE

Lei Paulo Gustavo: editais que somam mais de R$ 22 milhões devem ser lançados no Acre

PUBLICADO

em

Governo informou que vão ser lançados editais que incluem audiovisual; outras linguagens culturais; e premiações para mestres da cultura popular e indígenas.

Capa: Lei Paulo Gustavo: editais que somam mais de R$ 22 milhões devem ser lançados no AC — Foto: Divulgação.

O governo do Acre deve lançar, nesta segunda-feira (9), editais da Lei Paulo Gustavo (LPG) que somam mais de R$ 22 milhões para execução de projetos de fazedores de cultura. O lançamento deve ser feito no Museu dos Povos Acreanos, em Rio Branco.

Os editais incluem o audiovisual (R$ 15,6 milhões), outras linguagens culturais – arte e patrimônio (R$ 4,5 milhões), e premiações para mestres da cultura popular e indígenas (R$ 1,1 milhão). Os recursos são do governo federal, via Fundo Nacional de Cultura (FNC) e Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

Segundo o governo, em maio deste ano, a Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM), responsável pelo processo da LPG no Acre, fez oitivas em todas as regionais do estado para garantir a participação dos segmentos culturais e com o acompanhamento do Conselho de Cultura e do Comitê Paulo Gustavo.

O presidente da FEM, Minoru Kinpara, explica que, com a publicação dos editais, a partir de terça-feira (10), os interessados já vão poder apresentar seus projetos para apreciação.

“Toda a nossa equipe está mobilizada para garantir apoio aos fazedores de cultura de todo o estado. Temos mais de cem pareceristas credenciados em todo o Brasil, que serão responsáveis pelas análises dos projetos. E é bom destacar que todos os aprovados receberão os recursos até o dia 30 de dezembro, como determina a lei”, afirmou em site oficial do governo.

Denúncia contra FGB

Um contrato da Fundação Garibaldi Brasil (FGB) no valor de R$ 200 mil com o restaurante Spetus Bar, de Sena Madureira, no interior do Acre, para operacionalização da Lei Paulo Gustavo no município de Rio Branco, foi alvo de uma denúncia encaminhada ao Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Após denúncias de artistas e produtores culturais de Rio Branco, a vereadora Elzinha Mendonça (PSB) questionou ao TCE que a atividade principal da empresa não corresponde ao que o contrato requer. O TCE confirmou o recebimento da denúncia.

Revoltados com a contratação, artistas do Movimento Cultural em Rio Branco ocuparam a Câmara de Vereadores de Rio Branco na semana passada, buscando respostas e transparência em relação à polêmica em torno da Lei Paulo Gustavo na capital acreana.

Durante tribuna popular na terça-feira (3), quando os artistas usaram a plenária para explicar a denúncia, houve uma confusão e músico acreano, vocalista do Los Porongas, Diogo Soares levou um mata-leão de um segurança da Casa.

Na quarta (4), o presidente da FGB, Anderson Gomes do Nascimento, apresentou documentação e explicações técnicas sobre o contrato com o restaurante para operacionalizar a referida lei. Ele disse que, diferente da denúncia, houve a participação de outras empresas no processo licitatório e que a contratada foi a que apresentou o menor preço. O gestor afirmou que a empresa, além de atuar no ramo alimentício, também desenvolve atividades no setor cultural e esportivo.

Após a repercussão negativa com relação ao processo de licitação, segundo Nascimento, o contrato foi cancelado a pedido da própria empresa.

Continue lendo

ACRE

Filme acreano Noites Alienígenas é exibido em cinema de Cruzeiro do Sul com entrada gratuita

PUBLICADO

em

Sessão especial, seguida de bate-papo com o diretor Sérgio de Carvalho, acontecerá no Cine Romeu na próxima sexta-feira (21).

Foto: Gabriel Knoxx ao lado de Gleici em ‘Noites Alienígenas’ — Foto: Reprodução/Saci Filmes.

O Cine Romeu, em Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, será palco de uma noite cultural especial com a exibição gratuita do premiado filme acreano “Noites Alienígenas”, dirigido por Sérgio de Carvalho. A sessão especial vai ser às 18 horas da próxima sexta-feira (21).

O filme “Noites Alienígenas” ganhou notoriedade ao conquistar o título de vencedor do 50º Festival de Cinema de Gramado no ano passado. Além disso, mais recentemente, a obra recebeu o Prêmio Pessoa de melhor longa-metragem no Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa (FESTin), em Lisboa, Portugal, consolidando-se como uma produção de destaque no cenário cinematográfico.

A iniciativa de levar a produção para o público de Cruzeiro do Sul é do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS Náuas) com apoio da Secretaria Estadual de Educação (SEE), Universidade Federal do Acre, campus Cruzeiro do Sul e Cine Romeu.

“É uma alegria imensa poder exibir Noites Alienígenas aqui em Cruzeiro do Sul, eu acho que é um filme que diz muito também do que a juventude de Cruzeiro do Sul e do interior do Acre está passando. Então, é uma honra muito grande chegar com o filme no Juruá, numa iniciativa do CAPs Náuas, exibir para alunos da rede pública de ensino, com debate depois. Tenho certeza que vai ser uma noite de muitos encontros, conversas e muita emoção também”, disse o diretor.

Serviço:

  • Exibição especial de Noites Alienígenas
  • Data: sexta-feira (21)
  • Horário: 18 horas
  • Local: Cine Romeu
  • Entrada: Gratuita

 

Premiações e exibições

O longa fez história ao ganhar cinco kikitos de ouro na 50ª edição do Festival de Cinema de Gramado nas categorias de:

  • melhor filme;
  • troféu júri da crítica;
  • melhor ator: Gabriel Knoxx (“Rivelino”);
  • melhor atriz coadjuvante: Joana Gatis (“Beatriz”);
  • melhor ator coadjuvante: Chico Diaz (“Alê”).

Prêmio Pessoa de melhor longa-metragem no Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa (FESTin), em Lisboa.

Noites Alienígenas também foi selecionado para ser exibido no 76º Festival de Cinema de Cannes, na França, e no Festival de Cinema de Gotemburgo, na Suécia, em 2022.

Continue lendo

ACRE

Aprovado na OAB-AC, indígena se emociona ao falar da conquista: ‘defender o direito do meu povo’

PUBLICADO

em

Aprovação saiu no último dia 24. Ele passou na ordem antes de finalizar o curso: ‘espero inspirar mais indígenas’.

Oitavo filho de uma família de 11 irmãos, nascido em um dos municípios mais isolados do Acre e um sobrevivente e persistente diante de preconceitos ultrapassados, mas ainda fortes na sociedade, Heliton Kaxinawá ainda está em êxtase com a aprovação na Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Acre (OAB-AC) divulgada no último dia 24.

Aos 23 anos e ainda cursando o 9º período de direito, ele diz que a aprovação é a realização de um sonho e que agora pretende ser inspiração para que outros jovens indígenas ocupem seus espaços.



Mas, até chegar a essa conquista, foi um longo caminho percorrido, começando por ter nascido em um dos municípios mais isolados do Acre, que tem pouco mais de 8,6 mil habitantes.

A Terra Indígena Kaxinawá do Rio Jordão tem 87 mil hectares e uma cerca de 1.470 indígenas, também conhecidos como Huni Kuin que ocupam Jordão e Marechal Thaumaturgo.

“Nasci no município de Jordão, no baixo Rio Tarauacá, em um local conhecido, ainda hoje, como igarapé dos índios, porque, por residirmos lá, os moradores próximos acabaram denominando assim aquele lugar. Morei lá por um tempo e lembro que houve uma reunião de alguns moradores para tentar nos expulsar de lá porque éramos indígenas e não poderíamos morar naquele local. Após isso, fomos morar próximos à cidade Jordão, uma comunidade indígena, e de lá me deslocava para estudar na escola pública e foi lá que cresci e me criei até os 18 anos”, conta.

Movido pelo sonho

Porém, ao se formar no ensino médio, Heliton, pensando em focar mais em seus estudos e com o sonho do curso superior, decidiu morar em Rio Branco – capital acreana.

“O que me moveu para Rio Brano foi o sonho do nível superior e o gosto pelo direito nasceu em mim por uma série de questões. Uma delas foi a injustiça social que sofri, principalmente no ensino fundamental, porque era um período que eu não conseguia me encaixar em nenhum grupo. Nos trabalhos escolares eu era a única criança a não me integrar em um grupo, fazia os trabalhos sozinhos”, relembra.

Isso fez com que o estudante se tornasse, segundo ele, uma pessoa retraída e que tinha vergonha de fazer coisas que parecem simples, como, por exemplo, fazer compras.

“Eu era uma pessoa que tinha vergonha de falar, de ir ao supermercado, era uma pessoa presa em mim mesma. Só fui mudar, quando cheguei em Rio Branco e comecei a ter acesso à internet, livros e comecei a ter conhecimento. Isso tudo tem me libertado a cada dia, porque tenho aprendido a me desenvolver, falar, conversar e tive a oportunidade de cursar direito.”

Heliton faz o curso em uma faculdade particular de Rio Branco através da bolsa do Fies. Além do preconceito que teve que enfrentar, as dificuldades financeiras também pesaram nessa caminhada.

“Lembro que ao sair de casa e comunicar isso aos meus familiares, dizendo que eu iria lutar pelos meus sonhos, meus pais, quase que em lágrimas, falavam que não teriam condições de me ajudar. Me lembro que durante muito tempo, antes de eu conseguir meu primeiro estágio, ia para a faculdade com fome. Às vezes eu conseguia a passagem para ir de ônibus, mas, muitas vezes, voltava andando porque o dinheiro não dava para a volta”, conta emocionado.

Mesmo com tanta dificuldade, ele tinha o foco e determinação de conseguir chegar ao objetivo que o fez sair de casa: se formar. “Fui me dedicando, dando o meu melhor, o máximo de mim para mostrar que indígena também pode, aprende e consegue. E hoje, ao conseguir essa pequena conquista, que pra mim é grande, gigante, enorme, que era quase inimaginável há alguns anos, eu me sinto eufórico, alegre. Assim que saiu o resultado eu desabei, comecei a chorar, é indescritível o sentimento de felicidade e alegria, mas me sinto triste por saber que sou um dos poucos a conseguir”, pontua.

Heliton quando ainda morava em Jordão, no interior do Acre  — Foto: Arquivo pessoal

Heliton quando ainda morava em Jordão, no interior do Acre — Foto: Arquivo pessoal

Inspiração para jovens

Como ainda não terminou o curso, Heliton só deve pegar a carteira da OAB no ano que vem, mas, enquanto isso, ele segue se dedicando e correndo atrás do que sempre sonhou. Para ele, o que vale é o clichê de que a educação salva vidas e muda rumos.

E, ao se tornar advogado, ele não pretende esquecer suas raízes e nem seu povo. Pelo contrário, ele promete trabalhar pela manutenção dos direitos dos povos tradicionais e honrar a memória de seus ancestrais.

“Assim que formar, vou pegar minha carteira e buscar o que vim fazer: ser advogado, exercer a defesa do meu povo, ser um representante do meu povo. O que espero com isso é que cada vez mais os indígenas se sintam inspirados e mais jovens consigam o que eu consegui. Quero que me olhem e vejam que um parente que chegou na capital semianalfabeto, que falava mal, escrevia mal, alcançou o objetivo”, finaliza.

 

Amazônia Que Eu Quero

O projeto Amazônia Que Eu Quero está na sua segunda temporada, que tem como tema “Educar para desenvolver e proteger”. Após a primeira temporada, ‘Caminhos para a democracia”,- o tema escolhido para 2023 remete aos impactos do déficit de educação no Norte do Brasil e tem como objetivo chamar a atenção do poder público através de propostas para incentivar a implementação de projetos e lei que acessibilizem não só a educação, mas a conectividade e o turismo na região.

O projeto tem como premissa a discussão de assuntos fundamentais para a realidade amazônica e que têm sido deixados em segundo plano por décadas, ao mesmo tempo que propõe ampliar a capacidade de análise da população da região norte ao levantar informações da gestão pública e apontar caminhos a partir da discussão entre especialistas e a sociedade civil, despertando o senso crítico e o voto consciente dos Amazônidas.

A partir dos fóruns, câmaras de debates entre especialistas foram criadas com objetivo de criar propostas para a resolução dos problemas apresentados para cada estado da região norte. Ao fim da temporada, 50 propostas foram criadas e compuseram um caderno que será entregue a deputados, senadores e governadores dos estados da região além do presidente da república em Brasília.

Continue lendo

MAIS LIDAS