NOSSAS REDES

Saúde Pública

Acumulando dívida de R$ 5 milhões deixada por Tião, Santa Juliana suspende atendimento pelo SUS

Contilnet, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A Sesacre informou que pagará parte do valor na próxima segunda-feira

O Bispo da Diocese de Rio Branco, Dom Joaquim Pertiñez, enviou um ofício ao governo do estado, informando que os atendimentos realizados pelo Hospital Santa Juliana, em parceria com o Sistema Único de Saúde (SUS), serão suspensos a partir deste sábado (9). Os serviços que serão interrompidos são: consultas médicas, cirurgias, internações, partos e qualquer outro tipo de atendimento que faça parte do convênio.

O motivo da suspensão dos atendimento é falta de pagamento por parte do governo do estado, por meio da Secretaria de Saúde.  O hospital cobra do estado uma dívida que ultrapassa os R$ 5 milhões de reais.

A dívida do Estado com a instituição católica vem desde 2017, ainda na gestão de Tião Viana (PT). De acordo com o documento, a direção do hospital buscou solucionar a situação diversas vezes, porém, não obtiveram êxito levando, consequentemente,  à suspensão dos serviços. “Os atrasos sucessivos geram impactos e vão acumulando déficits nas contas do hospital até o ponto em que chegamos, de suspender o atendimento de novos pacientes.Lamentamos ter que tomarmos tal decisão e reforçamos o nosso compromisso com a defesa da vida e a prestação de serviço de qualidade à população acreana”, informou nota da instituição.

Resposta da Sesacre

Na manhã deste sábado, o secretário de Saúde,Alysson Bestene,  disse ao ContilNet que conhece o problema, porém, fez questão de frisar que o débito de R$ 5 milhões foi deixado pela gestão anterior, no entanto, ainda precisa ser reconhecido pelo Estado.

“De acordo com o decreto do governador, tínhamos que analisar todas as dívidas da antiga gestão. Fizemos isso e enviamos a Controladoria Geral do Estado (CGE). Eles receberam, analisaram e estávamos na expectativa de realizar os pagamentos na sexta-feira, contudo, vamos pagar na segunda-feira (11)”, declarou.

Alysson disse ainda que após o pagamento ser efetivado, a tendência é que seja retomado os atendimentos ainda na segunda. O valor que será pago ao Hospital é referente aos meses de novembro e dezembro de 2017. “O valor que a Sesacre repassará ao hospital será de R$ 1,6 milhões”, garantiu o secretário.

ACRE

Sem leitos, pacientes aguardam atendimento deitados no chão e nos corredores do Pronto Socorro

Folha do Acre, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Enquanto o governador Gladson Cameli (PP) segue com seus decretos de exonerações e substituições na área da saúde, supostamente a pedido da nova secretária da pasta, Monica Feres, a situação da saúde pública do Acre se agrava.
A Fundação Hospitalar do Acre segue com cirurgias suspensas após transferência de médicos especialistas para o Pronto Socorro de Rio Branco que mesmo com o aumento no quadro de médicos continua ostentando um atendimento ineficiente e caótico.
Um dos pacientes que se encontra no Pronto Socorro de Rio Branco enviou à redação da Folha do Acre imagens que mostram pacientes com soro deitados no chão, além de dezenas de outros que ocupam corredores.
A reportagem da Folha do Acre entrou em contato com o diretor do PS, Areski Peniche, que afirmou que a unidade ainda não recebeu os leitos de retaguarda que são as vagas abertas por outras unidades hospitalares que deverão dar apoio ao PS.
“Esperamos que até o final da tarde as vagas sejam abertas e consigamos desafogar a observação. O PS garante o primeiro atendimento apenas”, diz.
Questionado se o número de leitos diminuiu, Areski garante que não.

Continue lendo

ACRE

Dona de casa espera há três anos por cirurgia no ombro em Rio Branco: ‘choro com dor no braço’

G1AC, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A dona de casa Marciane de Oliveira Correia, de 36 anos, diz aguardar por um cirurgia no ombro direito na Fundação Hospitalar de Rio Branco há três anos. Com problemas nos tendões e constantes dores, a informação repassada para a paciente é que falta material.

Além da falta de material, Marciane passou a ouvir recentemente que a realização do procedimento não é possível devido à transferência de profissionais da unidade de saúde para o Pronto-Socorro de Rio Branco, feita no início do mês.

“Fiz exames, ultrassonografia, raio-X, ressonância. Fiz tudo pelo público, fiz ressonância duas vezes, os exames venceram e há um mês fiz de novo. Os médicos alegam que não têm material para fazer e agora falam que tiraram os médicos da Fundação e mandaram para o Pronto-Socorro”, lamentou.

Ao G1, a assessoria de comunicação da Fundação afirmou que a cirurgia ainda não foi feita pela falta do pacote das Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPME), usado no procedimento. A unidade destacou que a licitação para compra do material se arrasta há dois anos.

“Quando vão homologar vem um concorrente com recurso na Justiça e ganha. Tem que esperar o processo, mandado de segurança, liminar e mais. Nisso já são dois. Tem o caso dela e de vários pacientes. Nos reunimos com o Ministério Público tentando fazer o fechamento dessa licitação que vai contemplar tanto a Fundação quanto o PS [Pronto-Socorro de Rio Branco]”, frisou.

Sobre o remanejamento dos profissionais da Fundação para o Pronto-Socorro, a Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) disse que vai ser posicionar por meio de nota ainda nesta sexta-feira (16).

Dores constantes

Marciane contou que convive com as dores no ombro há seis anos. Para descobrir o problema levou quatro anos, passando de médico por médico. Em novembro de 2015, ela deu entrada na Central de Atendimento de Cirurgia (CAC) da Fundação.

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp Precisa de ajuda?