NOSSAS REDES

ACRE

Após 3 dias de júri, homem que matou esposa após ela descobrir traição pega 31 anos por feminicídio no Acre

PUBLICADO

em

Hitalo Gouveia foi condenado por homicídio com três qualificadoras: motivo torpe, feminicídio e recurso que dificultou a defesa da vítima. Adriana Paulichen foi morta em julho de 2021 a facadas após descobrir traições do marido.

capa: Uma das irmãs de Adriana Paulichen se emocionou na leitura da sentença — Foto: Iryá Rodrigues/g1 AC. 

Após três dias de julgamento, os jurados decidiram na tarde desta quinta-feira (16), mais precisamente às 15h22, pela condenação de Hitalo Marinho Gouveia, que matou a esposa Adriana Paulichen, de 23 anos, em 9 de julho de 2021. O júri popular ocorreu na 2ª Vara do Tribunal do Júri e Auditoria Militar, em Rio Branco.



O júri condenou Hitalo a 31 anos de reclusão em regime inicial fechado por homicídio com três qualificadoras: motivo torpe, feminicídio e recurso que impediu a defesa da vítima. Um agravante na pena foi acrescentado, em razão do crime ter sido praticado na frente do filho.

Ao ler a sentença, o juiz Alesson Braz falou sobre a importância da sociedade colaborar no combate à violência contra mulher. Indicou ainda os números 180 e 190 para denúncias. Citou o Centro de Atendimento à Vítima (CAV), Defensoria Publica e varas de proteção à mulher como canais de denúncias.

“Briga de marido e mulher tem que meter a colher para evitar que esses casos cheguem aqui nas portas do tribunal do júri”, pontua.

 

Hitalo não pode recorrer da sentença em liberdade.

Hitalo Marinho foi condenado pela morte da esposa Adriana Paulichen — Foto: g1

Hitalo Marinho foi condenado pela morte da esposa Adriana Paulichen — Foto: g1

Após o término da leitura da sentença, a irmã da vítima, Juliana Paulichen, se limitou a dizer à imprensa que estava emocionada. Questionada se sente que a justiça foi feita, respondeu: “Não literalmente porque nada vem trazer nossa irmã de volta”.

Réu confesso

No primeiro dia, informantes e testemunhas de acusação e defesa foram ouvidas. No segundo, o réu foi interrogado, bem como ocorreu os debates orais entre defesa e promotoria do Ministério Público do Acre (MP-AC). Já nesta quinta (16), houve réplica, tréplica e leitura da sentença, que foi dada após mais de três horas depois do fim da tréplica.

O segundo dia de júri foi marcado pelo depoimento de Hitalo Gouveia. Dentre as declarações dadas, o réu confessou que matou a esposa e alegou que o filho estaria correndo perigo. Disse também que agressões eram constantes por parte dela. Chegou a declarar, inclusive, que ela deu um soco no nariz que acabou quebrando.

Juiz Alesson Braz explica os trâmites do 2º dia do júri de Hitalo Gouveia — Foto: Iryá Rodrigues/g1 Acre

Juiz Alesson Braz explica os trâmites do 2º dia do júri de Hitalo Gouveia — Foto: Iryá Rodrigues/g1 Acre

O juiz Alesson Braz perguntou o que fez ele continuar com uma pessoa que deu um murro dele. “Ela me pediu desculpa, [disse] que foi um momento de transtorno, que se arrependeu e eu acreditei. As agressões físicas demoraram para voltar, mas tinham as agressões verbais”, falou.

Hitalo disse ainda que, para que se sentisse mais segura, propôs o casamento para oficializar a relação entre ambos. “Foi um casamento simples, chegamos a programar uma viagem, mas veio a pandemia e tivemos que adiar. Estávamos com passagem comprada, hotel pago, mas não deu certo”.

O réu relembrou que mesmo o matrimônio não foi suficiente para Adriana parar com os “transtornos”: “Ela ficava alterada, gritando. Voltaram as agressões após sair a denúncia do meu trabalho, de assédio. Ela estava com oito meses de gestação. Ela achou que eu tinha traído ela”, disse, relembrando uma suposta acusação de assédio no trabalho.

Os episódios de agressão, contou ainda, que se intensificaram durante e após o período gestacional da esposa. “Eu apanhava praticamente todos os dias nesse período próximo ao parto dela. Era às vezes com a mão, cabo de vassoura, copo, desodorante, ela batia na minha cabeça. Eu não fazia nada, só pedia pra ela parar”, disse.

Questionamentos

Após o depoimento, a promotora Manuela Canuto iniciou as perguntas ao réu, na tarde de quarta-feira (15), relembrando de uma declaração dele na delegacia: “Na delegacia, o senhor disse ‘pegou uma faca e deu duas facadas na vítima’. Você deu uma ou duas facadas?”. Ele disse que deu duas facadas.

A promotora seguiu lembrando que ele disse na delegacia que após as duas facadas, a vítima foi para cima dele e começou a bater nele e que ele então começou a estrangular ela, depois deu um mata-leão.

“O senhor é muito preciso ao dizer na época que ficou apertando o pescoço da vítima por cinco minutos. E continua dizendo que quando viu que Adriana estava sem vida, ligou para o Jean e depois para o advogado. Então, em primeiro lugar, queria saber: como o senhor sabia que a vítima não estava mais com vida?”, indagou a promotora.

Advogado Sanderson Moura é membro do corpo de defesa de Hitalo Marinho — Foto: Iryá Rodrigues/g1 Acre

Advogado Sanderson Moura é membro do corpo de defesa de Hitalo Marinho — Foto: Iryá Rodrigues/g1 Acre

A promotora também disse que o laudo do exame de corpo de delito não consta que o nariz dele estava quebrado. “Naquele momento eu posso ter me expressado mal. Falei aquilo devido ao sangramento que tive no meu nariz”, justificou ele sobre o motivo de ter declarado na delegacia que ela tinha quebrado o nariz dele.

O promotor Thalles seguiu às perguntas e questionou sobre o porquê de Hitalo ter se limpado e limpado o local após o crime. Hitalo negou que tenha feito essa limpeza e acreditou ter sido a limpeza feita pela irmã de Adriana após o primeiro momento, quando ele ficou ferido e foi para o hospital.

Após a conclusão das perguntas, a defesa realizou os questionamentos. O advogado Sanderson mostrou uma foto de Hitalo na delegacia para dizer que ele estava sim com lesão no nariz.

Debates

Durante a argumentação da promotoria do MP-AC, a promotora Manuela Canuto mostrou dados de feminicídio no Brasil e no Acre e disse sentir que a vítima estava sendo culpabilizada.

“Há uma clara tentativa de se julgar a vítima. Em certos momentos, me pergunto quem está sendo questionado. Vejo que a Adriana, vítima tão nova, tem sido culpabilizada pela sua morte. Infelizmente, quando as mulheres morrem, vemos o réu, que estrangula até a morte, culpando a vítima. Resta à família chorar”, falou.

Promotora do MP-AC, Manuela Canuto, diz que há uma tentativa de culpabilizar Adriana Paulichen — Foto: Aline Nascimento/g1 Acre

Promotora do MP-AC, Manuela Canuto, diz que há uma tentativa de culpabilizar Adriana Paulichen — Foto: Aline Nascimento/g1 Acre

O promotor Thalles Ferreira Costa também começou dizendo que Hitalo segue matando Adriana. “Não conseguiu conter uma mulher de 54 quilos, precisou dar duas facadas e estrangular ela. Ele é tão mentiroso e dissimulado porque perguntei se tinha mexido no corpo dela e disse que não. Ele conhece tudo desse processo”, destacou.

Na fala, ele também mostrou que Hitalo mexeu no corpo e colocou panos nas feridas. A todo tempo, chamava o réu de narcisista. “Colocou pano e gazes na ferida. Mexeu no corpo. Fez tudo isso porque uma personalidade narcisista não aceita um não”, complementou.

Thalles destacou também que Adriana criou um comportamento agressivo para se defender. “Comportamento criado na Adriana foi de bater no Hitalo, de se defender. Se fosse a Adriana aqui, estava todo mundo chamando de infiel, a traidora. Como é o contrário, é a louca”, disse.

Promotor Thalles Ferreira diz que família ficou dilacerada após morte de Adriana Paulichen — Foto: Aline Nascimento/g1 Acre

Promotor Thalles Ferreira diz que família ficou dilacerada após morte de Adriana Paulichen — Foto: Aline Nascimento/g1 Acre

‘Coviteira’

Sanderson iniciou defendendo a mãe de Hitalo das falas dos promotores com relação ao diário. Segundo ele, ela foi chamada de “coviteira”, termo utilizado para descrever uma mulher que acoberta e protege romances proibidos.

“Não estou aqui dizendo que ele é santo, longe de mim, eu não sou e como vou dizer que ele é? Quem aqui não tiver nenhum pecado conjugal, que atire uma pedra nele [Hitalo]. Não quero ser superior a ele e nem quero que seja santo”, falou, complementando que Hitalo não tem antecedentes criminais porque a mãe o ensinou assim.

Também durante sua fala, pediu uma oportunidade para que o Hitalo pudesse se defender. “Não vim aqui para bater em mesa, gritar. Vim para defender. Peço espaço para que eu exponha a defesa. Será que tudo que ouviram aqui é sobre uma defesa sem fundamento?”, falou.

Advogado Sanderson Moura inicia a fala defendendo a mãe de Hitalo — Foto: Aline Nascimento/g1 AC

Advogado Sanderson Moura inicia a fala defendendo a mãe de Hitalo — Foto: Aline Nascimento/g1 AC

Sanderson também criticou os apontamentos do MP sobre o comportamento de Hitalo. “Ele confessou o crime. Qual o interesse dele de virar ou desvirar [o corpo]? Teve todo tempo do mundo para fugir, mas não fugiu. Se entregou. Interpretações cruéis, baixas. Quando a gente quer ver erro nas pessoas, a gente vê tudo”.

Durante a defesa, o advogado apontou que Adriana tinha inveja do relacionamento de Hitalo com a mãe dele, que não gostava. Disse ainda que ela não teve carinho de pai na infância e tinha uma relação conturbada com a mãe. “Ela invejava de alguma maneira aquele abraço, carinho, da mãe colocar no braço. Causa uma certa inveja, nostalgia. Ele teve esse amor, acompanhou o tratamento da mãe, pagou psicólogo. Não abandonou”, falou.

‘Picos e vales’

A defesa questionou o comportamento de Adriana durante o relacionamento, que em momentos de raiva agredia Hitalo e xingava a mãe do réu. “Tinha momentos de picos e vales. De pico quando era uma boa vendedora, boa mãe, boa filha. Quando estava no vale, dizia que para dona Mara que era uma velha ‘sem vergonha’, que apoiava as traições do filho, que agredia o marido. Com esse histórico de agressão, que até justificaria um histórico de reação, cadê as reações dele? Ela tinha os picos ee vales mais doentios e graves que os nossos”.

E continuou: “Não estamos diante de um caso de feminicidio, [ele] amava a mulher. Não entra nas estatísticas de feminicídio, de caras que chegam embriagados em casa e batem na mulher. Não estamos diante de um feminicídio. Matou para defender ele e o filho”, pontuou.

Sanderson, advogado de Hitalo, argumenta que o réu é um homem de bem — Foto: Aline Nascimento/g1 Acre

Sanderson, advogado de Hitalo, argumenta que o réu é um homem de bem — Foto: Aline Nascimento/g1 Acre

Réplica e tréplica

 

Dentre os momentos que mais marcaram os embates, destaca-se a fala do advogado de defesa, Sanderson Moura, que pediu aos jurados, na tréplica, que desconsiderassem a qualificadora de feminicídio.

“Esse homem estava todo tempo sob impulso de violenta emoção. Muitos homens já teriam matado essa mulher antes, quando ela corria atrás dele para bater, quando corria atrás dele com faca, com cabo de vassoura”, disse.

 

Além disto, Moura também falou que Hitalo era o ‘maltratado nessa relação’. “Essas facadas não expressam o ódio dele. Ele não chegou esfaqueando, 10 ou 20 facadas por maldade, foi no desespero de ‘sai daí, sai daí'”.

Na réplica, a promotora Manuela Canuto fez o uso da palavra dizendo que o réu mente para se livrar da culpa e que o laudo tem que ser analisado de forma mais criteriosa, em razão de ser feito por humanos.

“O que mais importa, nesse aspecto, não é o laudo, é o que o réu disse, inclusive, várias vezes. O réu sabia muito bem o que estava fazendo. Estrangulou até a morte. Falou com a maior tranquilidade que asfixiou e como ele fez. Vamos aqui desconsiderar? Porque o laudo não faz menção a isso”, continuou.

Promotora Manuela Canuto realiza a réplica no júri de Hitalo Marinho Gouveia — Foto: Iryá Nascimento/g1 AC

Promotora Manuela Canuto realiza a réplica no júri de Hitalo Marinho Gouveia — Foto: Iryá Nascimento/g1 AC

O promotor Thalles seguiu com a fala da promotoria e disse que Hitalo treinou as falas para convencer o júri de que ele é inocente.

“O Hitalo ontem contou para a gente em quatro horas uma versão ensaiada, treinada […] em algum momento, nas quatro horas que ele esteve aqui, ele disse que se arrependeu do que fez? Ele não demonstrou nenhum remorso.”

Momentos emocionantes

Visivelmente emocionada, Andreia Paulichen, que é irmã da vítima, chorou em diversos momentos das falas dos promotores.

No primeiro dia, disse em entrevista antes do início do júri, na terça-feira (14), que esperava a justiça ser feita, principalmente em razão do filho da vítima, que cresce sem a mãe.

“Foi uma batalha muito grande, tanto emocional como física, para a guarda dele, e assim, tudo que eu queria era ele. Para mim foi a maior vitória: a guarda dele. Mas não consigo dizer que sou uma pessoa feliz porque falta ela. E como eu vou dizer que sou uma pessoa feliz vivendo o sonho dela, que era o filho dela, né?!”, comentou.

Andréia Paulichen, irmã de Adriana, chora ao ouvir fala do promotor Thalles Ferreira — Foto: Aline Nascimento/g1 Acre

Andréia Paulichen, irmã de Adriana, chora ao ouvir fala do promotor Thalles Ferreira — Foto: Aline Nascimento/g1 Acre

Ela foi a primeira a depor, tendo sido ouvida como informante. Ao juiz, a irmã da vítima disse que soube por um site de notícias e que ela caiu no chão no momento em que soube da morte de Adriana. Um dos momentos mais emocionantes foi quando Andreia chorou ao lembrar de quando viu a imagem de sua irmã dentro de um saco preto. “Eu que dei a notícia para a família toda. Liguei pra mãe dele, falei que o filho dela era um assassino e porque ele tinha feito isso com ela”, frisou.

O juiz disse que algumas testemunhas relatam que Adriana era violenta com Hitalo e perguntou à irmã se ela sabia algo sobre essas situações.

Andréia afirmou que uma vez viu ele machucado, mas ele disse para ela foi um acidente. Sobre a irmã bater no marido, ela disse que soube de uma vez que ela jogou o celular nele e machucou o nariz. Segundo ela, isso aconteceu quando a irmã descobriu “falta de respeito” por parte dele ao ter chamado uma ex para trabalhar com ele.

O magistrado disse que no processo, Hitalo alega que Adriana estava com travesseiro e que teve a impressão que ela queria matar o filho. Após isso, Braz questionou sobre como era o tratamento da sua irmã, que sonhava em ser mãe, com a criança.

“Ela era uma ótima mãe, era o sonho dela ser mãe. O bebê tinha tudo do bom e do melhor, gostava de vestir ele com roupa de homenzinho, ela queria ver ele crescer, parecia que tinha pressa de ver ele crescer. Teve uma vez que o Hitalo me disse que ela tinha tentado chutar a criança. Eu peguei minha moto, fui lá e perguntei o que tinha acontecido e ela disse que ele estava mentindo. Naquela época, ela estava planejando o aniversário dele e ele só tinha seis meses de vida. Ele só mamava ainda”, disse Andréia.

ACRE

Equipe do TJAC apresenta projeto “Justiça Restaurativa nas Escolas” para colégios de Cruzeiro do Sul

PUBLICADO

em

Planos de trabalho estão sendo desenvolvidos com as seis unidades escolares públicas selecionadas para participar da iniciativa  

A equipe do Núcleo Permanente de Justiça Restaurativa (NUPJR) do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC) realizou na última quinta-feira, 11, no auditório do Núcleo da Secretaria de Educação do Acre, uma palestra de apresentação do projeto “Justiça Restaurativa nas Escolas” para as diretoras e diretores dos colégios de Cruzeiro do Sul que farão parte desta iniciativa.



Segundo a servidora do NUPJR, Mirlene Taumaturgo, a ação além de atender ao Termo de Cooperação estabelecido entre o Ministério da Educação e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), oportuniza o cultivo de habilidades resolutiva dentro da comunidade escolar, relevante para solução de pequenos conflitos.

Nesta primeira edição do projeto na cidade de Cruzeiro do Sul, foram selecionadas para participar as escolas públicas: Dom Henrique Ruth, Professor Flodoardo Cabral, João Kubitschek, Absolon Moreira, Craveiro Costa e Professora Quita. 

Diálogo entre servidores 

Durante a estadia em Cruzeiro do Sul, a equipe do NUPJR dialogou sobre o impacto positivo da implementação de competências da justiça restaurativa no ambiente de trabalho, com as servidoras da comarca de Cruzeiro do Sul, Rozélia Moura e Rasmilda Melo, ambas integrantes do curso de formação em justiça restaurativa voltado para o Judiciário.   

 

Continue lendo

ACRE

MPAC e Polícia Militar cumprem mandados judiciais contra investigados por ameaça a desembargador

PUBLICADO

em

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e Promotoria Criminal de Feijó, em conjunto com a Polícia Militar do Acre (PMAC), deflagrou nesta quarta-feira, 17, a “Operação Algar”, com o cumprimento de mandados de busca e apreensão contra dois investigados no município de Feijó.

A operação faz parte do procedimento de investigação criminal instaurado pelo MPAC para apurar a prática do crime de ameaça perpetrado contra um desembargador do Tribunal de Justiça do Acre (TJAC). Durante as buscas, foram apreendidas duas armas de fogo além de celulares e mídias.



Conforme informações contidas nos autos, a ameaça ocorreu em decorrência da atividade jurisdicional do desembargador no julgamento que gerou a inelegibilidade de um ex-prefeito do município.

Considerando a necessidade de aprofundar as investigações, especialmente na identificação de possíveis coautores da ameaça, o MPAC solicitou o afastamento da garantia à inviolabilidade da intimidade e do domicílio, conseguindo a expedição do mandado de busca e apreensão, com autorização para acessar dispositivos eletrônicos móveis, bem como a suspensão da posse e porte de arma dos investigados, apontados como o autor direto e mandante da ameaça, e seu irmão, apontado como possível executor.

O nome da Operação Algar faz referência ao sinônimo da palavra “cova”, pois no contexto da ameaça, foi mencionado que o desembargador seria levado “para o buraco”.

Continue lendo

ACRE

Embrapa do Acre alerta para o surto da mandarová, lagarta que é a maior ameaça à cultura da macaxeira no estado

PUBLICADO

em

O maior inimigo da cultura da macaxeira no Acre, uma atividade estratégica para a economia do Estado, tem nome, é bem pequena, mas tem um poder devastador.

A mandarová, uma lagarta que é capaz de destruir plantações inteiras em poucos dias. O combate aquela que é considerada hoje o maior inseto-praga das plantações de macaxeira é um desafio para diminuir o surto que, conforme registros da Embrapa, chegou ao Acre pela primeira vez em 1980.



Em um artigo, o biólogo Rodrigo Souza Santos, doutor em Entomologia Agrícola e pesquisador da Embrapa Acre, alerta sobre os cuidados necessários para evitar a destruição dos plantios pela lagarta. As orientações vão desde o uso de luz incandescente comum, fixada a um poste, e de um tambor cortado ao meio contendo água com sabão, como coletor, que podem ser utilizadas para o monitoramento do início das revoadas das mariposas, bem como para reduzir o número de adultos na área, até a catação manual e até a produção de um inseticida biológico, produzido a partir das próprias lagartas mortas, que pode ser “fabricado” pelos próprios produtores rurais.

Leia o artigo abaixo na íntegra:

Surto populacional de insetos: o caso do mandarová-da-mandioca no Vale do Juruá

A mesorregião do Vale do Juruá corresponde a oito municípios do estado do Acre (Cruzeiro do Sul, Tarauacá, Feijó, Mâncio Lima, Rodrigues Alves, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter e Jordão), com área de 85.448 km² e população aproximada de 250 mil habitantes. A farinha de mandioca desempenha importante papel socioeconômico para as populações rurais acreanas, especialmente do Vale do Juruá. Além de gerar trabalho e renda no campo, é componente básico da dieta alimentar de grande parte das famílias. Em 2018, a tradicional farinha produzida em Cruzeiro do Sul entrou para a lista de produtos com selo de indicação geográfica, que atesta sua procedência e qualidade.

A produção de mandioca é uma atividade estratégica para a economia acreana, mas, como toda cultura agrícola, enfrenta entraves que podem representar ameaça ao fortalecimento desse arranjo produtivo local, destacando-se a incidência de pragas. Atualmente os insetos-praga associados ao cultivo da mandioca no estado do Acre são: a mosca-das-galhas [Jatrophobia brasiliensis (Rüebsaamen)], mosca-branca [Bemisia tabaci (Genn.)], percevejos-de-renda [Vatiga manihotae (Drake), Vatiga illudens (Drake) e Gargaphia opima (Drake)], formigas-cortadeiras [Atta spp. e Acromyrmex sp.], broca-da-haste [Sternocoelus sp.] e o mandarová-da-mandioca [Erinnyis ello (L.)]. Esse último é considerado o inseto-praga mais importante da cultura, devido aos danos que provoca em altas infestações.

O mandarová-da-mandioca, conhecido como “gervão”, “mandarová”, “mandruvá” ou “lagarta-da-mandioca”, é uma mariposa (ordem Lepidoptera) com 90 mm de envergadura, coloração acinzentada e faixas pretas no abdome. As asas anteriores são de coloração cinza e as posteriores são vermelhas com bordos pretos. Na fase jovem, os insetos causam danos às suas plantas hospedeiras, visto que as lagartas são herbívoras vorazes, podendo consumir até 12 folhas bem desenvolvidas em 15 dias. Por outro lado, quando adultos, se alimentam de néctar e não causam danos à cultura.

Todo inseto herbívoro é classificado como praga a partir de seu nível populacional e nível de dano que provoca na planta hospedeira. No estado do Acre, frequentemente são registrados surtos do mandarová em plantios de mandioca, especialmente na região do Vale do Juruá, mas também já houve registro de surto populacional desse inseto-praga em cultivos de seringueira. Entretanto, o mandarová é um inseto polífago, podendo se alimentar de mais de 35 espécies de plantas.

Um surto populacional de insetos é um evento de alta complexidade, determinado por diversos fatores (bióticos e/ou abióticos) interligados, extremamente difícil de se prever. No entanto, algumas situações certamente contribuem para ocorrência desse evento, tais como: 1) monocultivo – sistema de produção que simplifica o ecossistema e permite aos insetos acessarem grande quantidade de recurso alimentar, geralmente em plantas com baixa diversidade genética; 2) temperatura, luminosidade, umidade e precipitação – os insetos necessitam de condições abióticas ótimas para se desenvolverem e reproduzirem; 3) controle biológico natural – os inimigos naturais (predadores, parasitoides e entomopatógenos) são responsáveis pela regulação de populações de insetos herbívoros em condições naturais. Assim, a ausência de inimigos naturais permite que os herbívoros se proliferem mais rapidamente; e 4) potencial biótico do inseto-praga – cada espécie de inseto possui uma capacidade máxima de reprodução, que é determinada, dentre outros fatores, pela duração de seu ciclo de vida e tamanho da sua prole, em condições ideais.

A literatura aponta que o primeiro surto do mandarová em cultivo de mandioca no Acre ocorreu em 1980, seguido de outros dois em 1993 e 1998, com perdas de até 60% na produção. Posteriormente, datam surtos de menor magnitude em 2002 e 2007, e surtos mais recentes na região do Vale do Juruá, registrados em 2019, na Terra Indígena Carapanã, localizada à margem do Rio Tarauacá, e em 2023, em propriedades rurais de Cruzeiro do Sul. Em 2014 foram registrados surtos do mandarová em seringais comerciais de sete municípios acreanos.

A catação manual, com eliminação das lagartas por esmagamento ou corte com tesoura, é recomendada para cultivos de mandioca de até 2 ha. A eliminação de plantas invasoras hospedeiras à praga, presentes na plantação ou em suas imediações é outra alternativa para minimizar os riscos de surtos. No que tange ao controle químico, atualmente 22 produtos estão registrados no Ministério da Agricultura e Pecuária para o controle do mandarová na cultura da mandioca. É importante ressaltar que a aquisição e utilização de qualquer inseticida devem ser recomendadas por um engenheiro-agrônomo, seguindo-se o receituário agronômico apropriado, além da observância quanto ao uso de equipamento de proteção individual (EPI).

Existem insetos predadores e parasitoides associados ao mandarová atuando no controle biológico do inseto em campo. No entanto, o principal agente de controle biológico natural é o Baculovirus erinnyis, um vírus específico do inseto, que não causa danos em humanos. Aproximadamente 4 dias após a ingestão do vírus pelas lagartas surgem os primeiros sintomas de infecção no organismo do inseto (descoloração da lagarta, perda dos movimentos e da capacidade de se alimentar). No estágio final da infecção, as lagartas morrem e ficam dependuradas nos pecíolos das folhas.

Para produção desse inseticida biológico, lagartas recém-mortas são coletadas e maceradas com uso de aproximadamente 5 mL de água pura. Essa mistura deve ser coada em um pano fino e limpo, resultando em um líquido viscoso que pode ser acondicionado em embalagem plástica tipo “sacolé” e congelado por prazo indefinido. Para ser utilizado, o produto deve ser descongelado e diluído em água limpa, na proporção de 100 mL do extrato por hectare, para pulverização no campo. O uso do baculovírus pode controlar até 98% das lagartas nos primeiros 3 dias após a aplicação, quando realizada em lagartas jovens, entre o primeiro e terceiro instar (até aproximadamente 3 cm de comprimento).

Rodrigo Souza Santos é Biólogo, doutor em Entomologia Agrícola, pesquisador da Embrapa Acre, Rio Branco, AC

Fotos: Embrapa/AC.

O monitoramento do cultivo é essencial para a tomada de decisão sobre a época e formas de controle do mandarová. Armadilhas atrativas, com uso de luz incandescente comum, fixada a um poste, e de um tambor cortado ao meio contendo água com sabão, como coletor, podem ser utilizadas para o monitoramento do início das revoadas das mariposas, bem como para reduzir o número de adultos na área.

Continue lendo

MAIS LIDAS