NOSSAS REDES

ACRE

CASO DE POLÍCIA: Acreanos denunciam possível pirâmide financeira da R12

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Convocados pelo empresário Roberto, do restaurante A Princesinha, localizado no Centro de Rio Branco, diversos cidadãos de Rio Branco se uniram para prestar queixa de uma situação envolvendo um possível esquema de pirâmide financeira, com implicações que podem extrapolar o território brasileiro e chegar a prejuízos internacionais.

MAIS UM BLOCO NA PIRÂMIDE

De acordo com os presentes, a situação é culpa da empresa R12 Investimentos, sob responsabilidade de Gerson Costa Lima. Após pesquisa, o site ContilNet averiguou uma publicação de julho de 2017 no YouTube, onde todo o passo-a-passo dos supostos investimentos eram realizados.

O investimento funcionava da seguinte forma: os investimentos eram a partir de mil reais, sendo que, deste valor, era prometida uma rentabilidade de R$ 30% desse valor ao longo de seis meses. No último mês, junto com os 30%, eram prometidos outros 30% do capital investido.

“GOLPE DE QUASE R$ 37 MILHÕES”

Gerson, de acordo com os investidores, desativou o site que disponibilizada informações sobre as contas e, desde então, não possui mais um número de telefone que seja do conhecimento dos investidores. Os relatos implicam cerca de 1.700 pessoas (dentro e fora do Brasil) que investiram e não receberam os valores que a empresa prometia. Destas, cerca de 950 são do Acre.

“Já está sem operar há quatro meses. O escritório que tinha aqui na Capital foi fechado, o site ficou inoperante e ninguém mais conseguiu acessar as respectivas contas. O Gerson alegou ter sido roubado por um grupo dentro da própria empresa, mas a verdade é que ele parou de operar na bolsa e transformou tudo em um esquema de pirâmide”. O prejuízo do golpe pode chegar a quase R$ 37 milhões”, disse Alencar.

Outro investidor, que pediu para ficar anônimo, mencionou uma suposta “promoção” dentro do círculo de investidores: se uma pessoa trouxesse outra para a empresa, ganhava um bônus de 4% dentro do seu respectivo valor.

Constatou-se, após averiguação, que o nome de Gerson é citado em seis processos que já estão correndo no Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), onde são solicitadas as devoluções dos valores investidos na empresa dele.

Um boletim de ocorrência mostrado durante o encontro no restaurante também mostra a caracterização da situação como “estelionato simples”, previsto no Artigo 171 do Código Penal Brasileiro.

O grupo de investidores tentou encontrar em contato com Gerson para uma resposta sobre as acusações, mas, até o fechamento desta matéria, o empresário não foi encontrado para possíveis esclarecimentos.

Leia também: http://www.tarauaca.net.br/empresa-de-piramide-r12-investimentos-da-o-golpe-do-seculo-diz-um-dos-investidores/

Comentários

Comente aqui

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat