NOSSAS REDES

POLÍTICA

Conheça Mailza Gomes, a mulher que irá substituir Gladson Cameli

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Mailza Gomes será a quarta mulher a representar o Acre no Senado Federal. Antes dela, apenas Marina Silva (à época filiada ao PT) se elegeu senadora acreana. As outras duas foram Iris Célia e Laélia Alcântara (suplente de Adalberto Sena, que morreu durante o mandato). Mailza diz que trabalhará para ser porta-voz do governo de Gladson Cameli em Brasília.

A Eleição passou, mas o jogo das cadeiras ainda nem começou. Com a vitória de Gladson Cameli para governador do Acre, a primeira suplente dele, Mailza Gomes, vai assumir o posto de senadora. Será a quarta vez em que uma mulher assume uma das cadeiras do Senado Federal para representar o Acre. Antes dela, Íris Célia Cabanellas e Laélia Alcântara (esta suplente) assumiram o posto, e Marina Silva, que foi eleita em 1994.

Estudante de Direito, a futura senadora do Acre já tem carreira política. Além de ter sido secretária e primeira-dama de Senador Guiomard, no interior do Acre, a suplente de Gladson Cameli tem uma história de militante das causas sociais e acredita estar preparada para ajudar o Acre no Congresso Nacional.

“Eu tenho a visão de que o Acre precisa muito de ajuda, e vou ajudar o nosso governador Gladson Cameli como devo: trabalhando pelo Acre, junto aos ministérios e às instituições, defendendo e trazendo ajuda para o nosso povo, para o nosso estado. Essa é uma missão importante e legítima, e vou honrar essa oportunidade”, pontua Mailza Gomes.

Mailza, que tem dois filhos, diz saber da importância de um senador, e se comprometeu em não abandonar as causas pelas quais tem lutado nosúltimos anos. “Criamos projetos importantes para aproximar as pessoas da política. Temos que mostrar a importância da política à sociedade e saber ouvir a todos, todos os dias, sem exceção”, acredita.

A suplente, que a partir de janeiro assumirá a vaga deixada por Cameli em Brasília, também quer criar e defender projetos que valorizem a mulher em todos os setores, sejam eles públicos ou privados. Ela acredita que terá nas mãos ferramentas importantes junto ao governo federal para ajudar as mulheres do Acre.

“Temos de ter um olhar especial, importante e ininterrupto para com as famílias carentes, as mulheres que são pilar importante em nossa sociedade. Projetos de valorização, incentivo e qualificação das mulheres também será nossa bandeira de luta. Vamos defender as famílias mais carentes e trabalhar ao lado delas”, completa Mailza.

Quem é Mailza Gomes?

Mailza Gomes é acadêmica de Direito, mãe de dois filhos e é casada com o ex-prefeito de Senador Guiomard, James Gomes. Ex-primeira dama do município de Senador Guiomard, também foi gestora de pastas como Administração, Assistência Social e Cidadania.

Desenvolveu projetos relevantes como o “Prefeitura no Bairro”, em que montava estrutura de atendimento social, médico, odontológico, farmácia, cinema, teatro e parque para crianças. Com atendimento prioritário para mulheres, onde dispunha de serviços de beleza, palestras e orientação, ajudou na promoção da cidadania, cultura e lazer aos munícipes da cidade.

Mailza também criou o projeto “Natal Feliz”, uma grande festa tradicional para a distribuição de brinquedos às crianças do município, além de cestas básicas e às famílias carentes e comemoração em grande estilo na praça central da cidade acreana.

A ex-primeira-dama de Senador Guiomard pretende atuar principalmente nas questões sociais, em defesa das mulheres, de projetos de desenvolvimento e amparo as famílias carentes do Estado. Atuar como parceira do Governo de Gladson Cameli, dando suporte as necessidades do Estado sendo sua porta-voz em Brasília. Por João Renato Jácome. Ac24horas.

CRISE

Em cenário desolador, Bolívia amanhece com restos de barricadas e comércio fechado

Folha de São Paulo, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Ruas de El Alto, na região metropolitana de La Paz, parecem cenário de pós-batalha.

EL ALTO

As ruas de El Alto, parte da região metropolitana de La Paz que abriga quase 1 milhão de habitantes, pareciam um cenário de pós-batalha na manhã desta segunda-feira (11), um dia após Evo Morales renunciar à Presidência da Bolívia

Havia dezenas de restos de fogueiras usadas para bloquear as vias que fazem a ligação da cidade com o aeroporto internacional e aquecer aqueles que fizeram vigílias. 

Com o mesmo objetivo, também foram armadas barricadas com objetos variados, de materiais de construção a lixeiras públicas que seguiam no meio da rua. No chão, vidro para furar os pneus de quem tentasse furar o bloqueio.

“Que bom que está chovendo, isso fez com que as pessoas desistissem de passar a noite inteira na rua e se acalmassem um pouco”, comentou Carlos Oquendo, motorista que conduziu a reportagem da Folha. 

Restos de fogueiras e barricadas montadas próximo à praça Murillo, em La Paz, após anúncio de renúncia de Evo MoralesRestos de fogueiras e barricadas montadas próximo à praça Murillo, em La Paz, após anúncio de renúncia de Evo Morales – Luisa Gonzalez/Reuters.

Andando devagar para desviar dos cacos de vidro e pedras, o motorista comenta que “perder um pneu hoje, num dia em que não tem onde trocá-lo, seria perder o dinheiro da jornada”.

Comerciantes locais parecem ter pensado da mesma maneira, uma vez que quase ninguém abriu as portas de seus estabelecimentos. 

Além de fechar as portas metálicas, alguns deles também amontoaram tijolos diante delas. “É para evitar saques. Estão entrando para roubar tudo. Não é política, é vandalismo”, disse Aldo Iñata, dono de uma loja de ferragens. 

Na época da eleição, muitos dos muros da cidade estavam pichados com mensagens como “Evo ditador” e “Mesa covarde”, em referência ao opositor que disputou a última eleição e que renunciou à Presidência em 2005. Agora, há insultos mais pesados: “Evo assassino” e “Mesa lixo”. 

Não foi só o comércio que parou. Não há aulas nem transporte público. Quando se olha para o alto, se vê todos os vagões das várias linhas de teleférico que conectam distintos pontos da cidade parados, vazios, balançando pelo vento e o mau tempo. Um cenário desolador.

Houve queima de carros e ônibus durante a noite. Numa garagem em Chasquipampa, por exemplo, 33 ônibus foram queimados e depredados.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nas ruas, havia táxis e carros abandonados após serem atacados por pedras, alguns parcialmente queimados.

Por volta das 9h (10h no horário de Brasília), moradores começaram a sair para acender novamente as fogueiras, apesar da dificuldade de mantê-las acesas por conta da chuva. 

Ao redor delas, pessoas se reuniam e conversavam, trocando informações que receberam de parentes ou amigos em outras partes da cidade e do país.

A desinformação reina. Nas TVs, os noticiários quase não falam do terror que os habitantes da cidade contam.

O Pagina Siete, principal jornal da oposição, não circulou nesta segunda e deixou um aviso dizendo que daria dia livre para que seus jornalistas se protegessem em casa de possíveis ameaças. 

Trata-se de uma publicação crítica ao governo e que teme ataques de apoiadores de Evo.

Nos aeroportos de Santa Cruz e de El Alto, muitos tiveram que esperar por horas o remanejamento de voos ou a liberação de vias para seguirem aos seus destinos.

A maioria das pessoas estava agarrada aos celulares, trocando informações, mostrando vídeos enviados por WhatsApp sobre os distúrbios em várias partes do país.

Turistas estrangeiros pareciam amedrontados nos cafés, olhando com impaciência os telões do aeroporto à espera de seus voos. 

“Viemos fazer caminhadas pelos Andes, era a viagem que tínhamos planejado para este ano, mas temos de voltar”, disse à Folha um casal de holandeses com cara de decepção.

Além da forte neblina que cobre a cidade, La Paz amanheceu coberta também de incertezas, esperando que até o fim do dia, talvez, exista um líder legítimo escolhido pelo Congresso que dê uma saída democrática para a situação.

Qualquer coisa diferente disso pode reacender os protestos ao longo do dia.

Continue lendo

BRASIL

Veja vídeo: Dirceu reencontra Lula e diz que luta agora é retomar o governo

Folha de São Paulo, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Ex-ministro afirma que, para voltar ao poder, PT precisa deixar claro que é de esquerda e socialista.

O ex-ministro José Dirceu se reencontrou com Lula na noite de sexta (8), em Curitiba, pouco depois de os dois saírem da prisão. 

Os petistas foram a uma festa organizada para o ex-presidente na capital do Paraná, no apartamento de um amigo no bairro Batel.  Foi o primeiro encontro deles desde o escândalo do mensalão, em 2012.

Além de posarem para fotos, Dirceu gravou um vídeo ao lado do vice-presidente do PT, o deputado estadual Emídio de Souza (PT-SP), que o apresentou como “grande companheiro, nosso comandante José Dirceu, que também saiu da prisão graças à decisão tomada ontem [quinta, 7] pelo STF”.

Dirceu agradece aos militante do PT pela solidariedade e afirma que é preciso trocar a bandeira “Lula livre” pela da retomada do poder, deixando claro que eles defendem o socialismo. 

“Eu estava na trincheira da prisão. Agora estou aqui de novo na trincheira da luta. Agora não é [a] do Lula livre. Agora é para nós voltarmos e retomarmos o governo do Brasil”, afirma o ex-ministro. “E para isso nós precisamos deixar claro que nós somos petistas, de esquerda e socialistas. Nós somos tudo o contrário do que esse governo está fazendo. Uma boa noite para vocês, viu.”

Veja o vídeo:

A soltura do ex-presidente ocorreu um dia após o Supremo Tribunal Federal ter decidido, por 6 votos a 5, que um condenado só pode ser preso após o trânsito em julgado (o fim dos recursos). Isso alterou a jurisprudência que, desde 2016, tem permitido a prisão logo após a condenação em segunda instância.

A decisão do Supremo, uma das mais esperadas dos últimos anos, tem potencial de beneficiar cerca de 5.000 presos, segundo o CNJ (Conselho Nacional de Justiça). O Brasil tem, no total, aproximadamente 800 mil presos.

Em discurso duro de 16 minutos ao sair, o petista falou em “safadeza” e “canalhice” do que chamou de “lado podre” do Ministério Público Federal, da Polícia Federal, da Justiça e da Receita Federal. Setores que, segundo ele, trabalharam para criminalizar a esquerda, o PT e o próprio Lula.

Mônica Bergamo, Jornalista e colunista. Folha SP. 

Continue lendo

Super Promoções

WhatsApp chat