NOSSAS REDES

MUNDO

Coreia do Norte e do Sul prometem acordo de paz e fim de armas nucleares

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Na foto, o ditador da Coreia do Norte  Kim Jong-un e o Presidente sul-coreano Moon Jae-in se abraçam, fazendo as pazes.

Após reunião, Kim Jong-un e Moon Jae-in dizem que tratado será assinado até fim do ano

O presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e o ditador da Coreia do Norte,  Kim Jong-un, anunciaram nesta sexta-feira (27) que concordaram em retirar todas as armas nucleares da península coreana. Eles também pretendem assinar um acordo de paz até o fim deste ano.

As Coreias do Sul e do Norte confirmam seu objetivo comum de alcançar através de uma completa desnuclearização, uma península coreana sem armas nucleares”, diz o comunicado assinado pelos dois líderes. 

A declaração não especifica como funcionará este processo para a retirada das armas. No passado, os norte-coreanos já disseram que só poderiam abrir mão de suas armas nucleares quando os EUA tirassem seus 28 mil soldados da Coreia do Sul.

Os países afirmaram que pretendem envolver os Estados Unidos e a China para converter o atual armistício em um acordo de paz. Por terem participado da guerra, os EUA precisam participar e concordar com os termos do novo tratado.

Embora o conflito entre os dois lados tenha durado de 1950 a 1953, os dois países nunca assinaram um acordo de paz e estão tecnicamente em guerra. Os países também anunciaram que em agosto irão organizar uma nova reunião entre famílias separadas desde a guerra.

​As declarações dos dois líderes foram recebidas com apoio na comunidade internacional. “A guerra da Coreia vai acabar!”, escreveu o presidente americano Donald Trump nas redes sociais.

Donald J. Trump @realDonaldTrump

KOREAN WAR TO END! The United States, and all of its GREAT people, should be very proud of what is now taking place in Korea!

“Depois de um ano furioso de lançamento de mísseis e testes nucleares, um encontro histórico entre o Norte e o Sul está ocorrendo. Coisas boas estão acontecendo, mas só o tempo dirá”, afirmou ele. 

O primeiro-ministro japonês Shinzo Abe disse ter conversado com Trump sobre o processo de desnuclearização e disse que seu país também quer ser incluído nas conversas. Ele disse esperar que Pyongyang tome medidas concretas para que retirar as armas da região. 

Principais aliados do governo norte-coreano, Pequim e Moscou também elogiaram a medida e se colocaram a disposição para ajudar.  “A China está disposta a continuar a ter um papel pró-ativo neste assunto”, disse em nota o Ministério de Relações Exteriores do país. 

O líder da ditadura chinesa, Xi Jinping, recebeu até mesmo um elogio de Trump, em um momento no qual os dois países travam uma guerra comercial. “Não se esqueçam da importante ajuda que o meu grande amigo, o presidente Xi da China, deus aos Estados Unidos, principalmente na fronteira com a Coreia do Norte. Sem ele teria sido um processo muito mais logo e doloroso”, disse o americano. 

Os russos prometeram ajudar na cooperação entre os dois países, em especial em questões de infraestrutura como energia e transporte ferroviário. 

Os quatros países —Japão, EUA, China e Rússia— participaram da última rodada de conversas para por fim ao programa nuclear norte-coreana, que foi interrompida em 2008 sem chegar a um acordo.  

ENCONTRO HISTÓRICO

De mãos dadas, Kim e Moon cruzaram nesta sexta-feira (27, noite de quinta no Brasil) a linha demarcatória na zona desmilitarizada na península Coreana para a primeira cúpula entre os países em 11 anos. Foi a primeira vez que o líder da ditadura norte-coreana entrou na Coreia do Sul desde o fim do conflito, em 1953. 

Em encontro cheio de símbolos em Panmunjom, a vila de casas azuis que serve de sede às negociações intercoreanas, os dois se cumprimentaram às 9h20 (21h20 de quinta em Brasília), até que Kim puxou Moon de improviso para o lado norte-coreano para cruzar a linha de volta com ele.

“Fico feliz em conhecê-lo”, disse o presidente sul-coreano ao ditador. Ambos sorriram.

O encontro continuou em tom amistoso, com Kim até mesmo reconhecendo a precariedade da infraestrutura de seu país.

Depois que Moon afirmou que gostaria de visitar Pyongyang, o ditador norte-coreano respondeu dizendo que “isso seria bastante vergonhoso”, em uma referência a falta de condição das rodovias norte-coreanas. 

Kim também disse que a delegação de seu país que visitou a Coreia do Sul durante a Olimpíada de Inverno voltou impressionada, em especial com o trem-bala do vizinho. 

Após o encontro na fronteira, os líderes foram acompanhados por uma banda militar até a Casa de Paz, onde foi assinado o armistício de 1953. No livro de visitas, Kim escreveu: “Uma nova história começa agora, o ponto de partida de uma era de paz.”

“Estamos na linha de largada, onde uma nova história de paz, prosperidade e relações intercoreanas é escrita”, disse Kim, pedindo a Moon que não se repitam os erros de negociações passadas: “Em vez de criar resultados que não seremos capazes de manter, devemos ter resultados vindos de uma conversa franca sobre diferentes temas de interesse”.

“Espero que sejamos capazes de falar francamente e chegar a um acordo que dê um grande presente aos coreanos e às pessoas em todo o mundo que desejam a paz”, respondeu Moon.

Os dois então pousaram para fotografias e entraram em uma sala, onde iniciarem a etapa das negociações de portas fechadas. Imagens mostram que os dois, acompanhados das mulheres, chegaram a brindar com taças de champanhe.  

O encontro deste 27 de abril é o ápice da distensão iniciada com um discurso de 1º de janeiro por Kim e continuada com a participação de atletas do Norte e de uma equipe mista na Olimpíada de Inverno no Sul, na qual Kim Yo-yong, irmã do ditador, assistiu à cerimônia de abertura. Ela também esteve presente ao encontro desta sexta. 

O movimento segue-se a um 2017 em que o regime fez o mais potente de seus testes nucleares e lançou um míssil de alcance intercontinental, causando temor em Seul e levando os EUA a reforçarem suas tropas na região. Por Panmunjom/ AFP , Associated Press e Reuters

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Retrospectiva: Guerra de narrativas domina noticiário em 2019

Folha de São Paulo, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Das queimadas na Amazônia às ruas de Hong Kong, fatos foram interpretados a partir de versões antagônicas.

Para ver fotos e ler a reportagem completa, CLIQUE AQUI.

O que aconteceu na Bolívia foi reação a uma fraude eleitoral ou golpe de Estado?

Os manifestantes de Hong Kong são paladinos da democracia ou agentes do imperialismo?

Os incêndios na floresta amazônica são uma emergência ambiental ou ataques à soberania nacional?

Em vez dos fatos, foram as discussões em torno das diferentes narrativas sobre o que está acontecendo no mundo que dominaram as páginas do noticiário internacional.

É como a síndrome do vestido de duas cores: assim como naquele meme em que uns veem um vestido branco e dourado e outros só enxergam as cores preta e azul, os eventos do mundo contemporâneo são contados a partir de versões distintas e, muitas vezes, inconciliáveis.

“As narrativas são cruciais para entender a política internacional: elas nos oferecem sentido, orientação e uma noção de pertencimento”, diz Markus Fraundorfer, professor de governança global na Universidade de Leeds, no Reino Unido.

Não se trata de um fenômeno novo, mas os embates de narrativas são amplificados nos dias de hoje graças às redes sociais, em que as audiências buscam, mais do que informação, validação para as suas visões de mundo.

“Histórias contadas a partir de falsidades costumam alcançar maior sucesso em tempos de crise econômica, política e social”, afirma Fraundorfer.

“Atualmente, vemos movimentos com tendências autoritárias usarem plataformas digitais para promover narrativas baseadas no medo, no isolamento e no ódio.”

A Folha explica as narrativas por trás de acontecimentos importantes no mundo em 2019.

O presidente dos EUA, Donald Trump, durante evento na Casa BrancaO presidente dos EUA, Donald Trump, durante evento na Casa Branca – Brendan Smialowski – 19.dez.19/AFP.

IMPEACHMENT DE TRUMP

Donald Trump se tornou alvo de um processo de impeachment no Congresso depois de um delator anônimo revelar que o presidente americano havia pressionado a Ucrânia a investigar seu rival Joe 
Biden e o filho dele, Hunter

O impeachment foi aprovado na Câmara, controlada pelos democratas, mas Trump deverá ser absolvido no Senado, de maioria republicana.

A história contada pelos opositores de Trump é a de um presidente que abusou das prerrogativas do cargo ao solicitar a interferência de autoridades estrangeiras na eleição do ano que vem e ao tentar obstruir os trabalhos de investigação do Congresso

O jornal New York Times, de orientação liberal, defendeu em editorial que aprovar o impeachment é a “única decisão responsável” a tomar, e que um presidente democrata em posição parecida deveria passar pelo mesmo julgamento.

Já a versão apresentada por Trump e seus apoiadores sobre o impeachment é a de uma perseguição injusta contra um homem inocente.

O jornal conservador The Wall Street Journal afirmou em editorial que, embora não concordasse com as atitudes de Trump em relação à Ucrânia, não haveria provas de crime de responsabilidade, e que a oposição democrata estaria transformando o impeachment em “instrumento de batalha partidária”.

Estudante com luzes de telefones celulares durante protestos pró-democracia em Hong Kong
Estudante com luzes de telefones celulares durante protestos pró-democracia em Hong Kong – Philip Fong – 13.dez.19/AFP.

PROTESTOS EM HONG KONG

Manifestantes ocupam as ruas de Hong Kong desde junho para protestar contra a intervenção crescente de Pequim no território semi-autônomo.

Há registros de abusos policiais e episódios de vandalismo por parte de manifestantes nesta que é a pior crise desde que a cidade deixou de ser uma colônia britânica.

Para as forças pró-democracia, os protestos são uma batalha épica para preservar as liberdades individuais que ainda existem em Hong Kong. 

O jornal honconguês South China Morning Post defende que as demandas dos manifestantes são legítimas, desde que eles não recorram à violência. A publicação também critica a chefe-executiva local, Carrie Lam, por fracassar em encontrar uma saída política para o impasse e pela leniência com abusos da polícia.

Já as forças pró-governo enxergam na revolta popular uma ameaça à autoridade da China, provocada por grupos radicalizados que estariam a serviço dos interesses dos EUA. 

O jornal China Daily, porta-voz do regime de Pequim, enfoca episódios de violência provocados pelos manifestantes e sugere que os jovens nas ruas são ingênuos, deixando-se manipular pela cobertura “enviesada” da imprensa estrangeira.

Ademais, o jornal reitera o apoio às medidas da administração local e busca justificar o uso da força pela polícia.

Ativistas fazem procissão em Guwahati contra lei de cidadania do governo indiano
Ativistas fazem procissão em Guwahati contra lei de cidadania do governo indiano – Biju Boro – 9.dez.19/AFP.

MUÇULMANOS NA ÍNDIA

Meses após conquistar a maioria das cadeiras no Parlamento nas eleições gerais da Índia, o premiê Narendra Modi revogou a autonomia constitucional da Caxemira, a única região de maioria muçulmana no país e alvo de disputas territoriais com o vizinho Paquistão. 

A decisão, anunciada em agosto, foi acompanhada do envio de tropas e da interrupção das comunicações na área.

As forças seculares da Índia viram a decisão como afronta aos direitos dos muçulmanos e outras minorias na democracia mais populosa do mundo. 

No Paquistão, a publicação Dawn chamou a ofensiva do governo indiano sobre a Caxemira de “anexação” e tachou as restrições impostas à população local de “desumanas”.

O jornal também saudou os esforços do premiê do país, Imran Khan, de denunciar as violações cometidas pelo governo de Nova Déli perante a ONU. 

Já os partidários de Modi viram na mudança do status da Caxemira um passo importante para a consolidação de seu projeto nacionalista hindu.

O jornal Times of India justificou a decisão sob o pretexto de combater grupos terroristas apoiados pelo Paquistão. 

A publicação rechaçou as tentativas de pressão internacional dizendo que a Caxemira é um “assunto doméstico” da Índia, mas depois passou a considerar desnecessárias as medidas restritivas na região. 

AMAZÔNIA EM CHAMAS

O aumento dos focos de incêndio na Amazônia se transformou na maior crise externa do primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro.

O episódio gerou críticas por parte do presidente francês, Emmanuel Macron, e outras autoridades estrangeiras, que afirmam temer que a destruição da floresta tenha impactos negativos sobre o equilíbrio ambiental no mundo todo.

Em vários países, o fogo na mata foi narrado como uma consequência desastrosa das políticas ambientais do governo brasileiro.

A revista britânica The Economist, uma das mais prestigiadas do mundo, publicou em agosto uma extensa reportagem de capa intitulada “Velório para a Amazônia”, pondo em evidência o avanço do desmatamento na região. 

A publicação criticou Bolsonaro por dar sinal verde a grileiros e descreveu o líder brasileiro como “um dos chefes de Estado mais ambientalmente perigosos no mundo”.

Os apoiadores do presidente saíram em sua defesa e consideraram as críticas estrangeiras um ataque à soberania nacional.

Nas redes sociais, canal prioritário de comunicação do governo, havia uma enxurrada de teorias da conspiração em que a a culpa pelo fogo na Amazônia era de ONGs ambientalistas.

Sobrou até para o ator americano Leonardo DiCaprio, que não tinha nada a ver com a história.

Por Daniel Avelar. Folha SP. 

Para ver fotos e ler a reportagem completa, CLIQUE AQUI.

Continue lendo

ACRE

La Paz fica sem frango, ovo e gasolina após partidários de Evo bloquearem estradas

Folha de São Paulo, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Partidários do ex-presidente bloquearam trechos de estradas para protestar contra Jeanine Añez, senadora de oposição que assumiu o cargo.

Flávia Mantovani e Bruno Santos.

Está acabando a carne em La Paz. Tanto o frango quanto o boi, ingredientes muito usados na culinária boliviana, já são difíceis de serem encontrados em mercados e restaurantes. Os ovos também escasseiam, assim como algumas verduras, leite e pão. Além disso, acabou a gasolina e o diesel nos postos de combustível, que estão fechados.

Trata-se do último efeito na sede do governo da crise política que se instalou no país desde as últimas eleições, seguidas da renúncia de Evo Morales após denúncias de fraude. Partidários do ex-presidente, que defendem que o país sofreu um golpe de estado, bloquearam trechos de estradas para protestar contra Jeanine Añez, senadora de oposição que assumiu o cargo. Caminhões-tanque e veículos que trazem alimentos, especialmente da região leste do país, estão bloqueados.

Em um grande supermercado do centro, cenoura, cebola e tomate acabaram; leite e pão estão no fim. A geladeira de carnes está totalmente vazia.

Na foto, geladeira de carnes vazia em supermercado na zona central de La paz, onde há desabastecimento.
Devido aos bloqueios nas estradas bolivianas que acontecem desde o início do mês, La Paz sofre com o desabastecimento de alimentos e combustível – Bruno Santos / Folhapress

Um supervisor conta que até sexta-feira (15) havia ainda algumas opções e os clientes faziam filas para comprá-las, mesmo com preços mais altos que o normal — o kg de frango subiu de 13,50 (cerca de R$ 8) bolivianos para 16,50 (R$ 10) e o preço do ovo, que era 80 centavos (R$ 0,50), quase dobrou e foi para 1,50 (R$ 0,90). Neste sábado (16) não havia sobrado nada.

“Estocamos uma quantidade de carne em casa. Mas agora está no fim”, diz a dona de casa Nataly Flores, 32. “As pessoas estão recorrendo a comida enlatada, tipo sardinha e atum.”

“Ironicamente lá em Santa Cruz, de onde vem a maioria dos alimentos, os preços baixaram, porque não conseguem escoar os produtos”, diz o marido dela, Ubaldo Jimenez, 42.

Sem matéria-prima, alguns restaurantes fecharam as portas e outros reduziram o horário de funcionamento. Em um centro comercial, o proprietário de um deles, German Sandoval, 30, não está servindo nenhum prato com frango. O local, que antes abria das 10h às 22h, agora funciona das 11h às 16h apenas.

No momento da visita da Folha, não havia quase ninguém na praça de alimentação, que geralmente lota no sábado à tarde. “Não há clientes. Além de tudo os bancos estão fechando por medo de saques nas manifestações e as pessoas não têm dinheiro vivo.”

O bloqueio do combustível acontece em El Alto, área nos arredores de La Paz que concentra muitos evistas. Na quinta-feira (14), havia filas nos postos. Agora, eles estão fechados, a não ser os que vendem gás natural, ainda disponível. Mas também houve problemas com esse produto: após a ruptura de um gasoduto perto de Cochabamba e sem poder fazer o reparo devido aos bloqueios, o governo suspendeu o abastecimento de indústrias para garantir o gás domiciliar.

Com tudo isso, taxistas aumentaram o preço das corridas e tornou-se quase impossível conseguir um carro pelo Uber.

O novo ministro de Hidrocarbonetos, Victor Hugo Zamora, empossado por Añez, disse que solucionaria a crise e dialogaria com o grupo que promove os bloqueios. Uma solução cogitada por empresários é enviar a carne por ponte aérea, em voos fretados de Santa Cruz para La Paz. Os frangos de um caminhão que a Folha encontrou abastecendo uma lanchonete já tinham vindo de avião, contou um funcionário.

Morador de La Paz, o motorista Johnny Ortega, 55, teve a família afetada duas vezes pelo desabastecimento. A esposa é dona de um restaurante que está fechado há dois dias por falta de ingredientes. Ele dirige um táxi e só tinha gasolina para terminar mais uma jornada de trabalho.

Pai de três filhas, pensava em comprar no mercado negro para continuar tendo renda. “Mas nem lá estamos encontrando”, afirmou. Segundo ele, o litro no mercado paralelo custa 15 bolivianos (cerca de R$ 9,10), quatro vezes mais que o valor original nos postos, que era de 3,70 (R$ 2,25).

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Advogados Online