NOSSAS REDES

ACRE

Delegado diz que vai indiciar várias pessoas criminalmente pela explosão do barco no Rio Juruá

Ac24horas, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

O delegado Lindomar Ventura, responsável pelo inquérito policial que apura a explosão do barco no dia 7 de junho, em Cruzeiro do Sul, disse que vai indiciar criminalmente vários envolvidos no incêndio que matou 6 pessoas e deixou 12 feridas. Ele não adianta ainda, quantas pessoas serão indiciadas por crime culposo ( quando não há intenção de matar) e quantas pelo doloso ( com intenção de causar o dolo).
É no Relatório Final do inquérito que ele vai apontar a responsabilidade criminal de cada envolvido. Mesmo em caso de conclusão de crime culposo , há possibilidade de prisões.
A tipificação vai depender do grau de risco que cada envolvido assumiu ao fornecer, transportar e abastecer com 5 mil litros de gasolina, ao barco com 18 pessoas a bordo, incluindo crianças e um bebê. O batelão era abastecido por um caminhão pipa por meio de uma mangueira que foi descida vários metros no barranco até alcançar os tambores plásticos na embarcação, o que era feito há anos no Rio Juruá.
O inquérito já foi enviado à justiça e de acordo com o delegado, deverá retornar para ele, que pediu mais prazo para a conclusão . O Ministério Público também deverá se manifestar sobre o que foi apurado até agora.
O inquérito já tem mais de 300 páginas e segundo Lindomar deverá ultrapassar as 400. Ele já ouviu 32 pessoas, incluindo os sobreviventes da explosão, que retornaram à Cruzeiro do Sul depois do tratamento em Goiânia e Belo Horizonte e poderá ouvir mais gente e fazer novas diligências.
Ventura afirma que todos os fatos já resultaram em mudanças no modo de abastecimento das embarcações, que ficou suspenso por mais de um mês. Agora as embarcações que seguem para Porto Walter, Marechal Thaumaturgo e outras cidades, só podem ser abastecidas no Porto do governo, sob supervisão do Corpo de Bombeiros e Imac.
” Em outras tragédias assim na Amazônia, os resultados foram negativos do ponto de vista das punições e das mudanças para evitar novos casos. Aqui, já houve mudança quanto ao abastecimento e nós e o Ministério Público vamos até o final para que a justiça possa fazer a parte dela”, conclui o delegado Lindomar Ventura.

Tragédia

A explosão matou seis pessoas, deixou órfãos e separou famílias. Dois casos envolvem crianças: A pequena Iohana, de oito meses, e a mãe dela, Marluce Silva, morreram nos hospitais onde ficaram internadas. José Ortenisio, o pai da menina e marido de Marluce, segue internado. Outros dois filhos do casal, que sobreviveram, estão com familiares.
Outra família que estava no barco era a de Vardir Torquato, Jocicleia Ferreira da Silva e o filho, Paulo Vitor Ferreira da Silva, de 4 anos. O casal morreu com diferença de dias e o menino está internado no Hospital João XIII em Belo Horizonte, onde apresenta melhora, mas ainda não sabe da morte dos pais. Quem também segue em tratamento é o dono do barco, Francisco Luna, de 65 anos.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat