NOSSAS REDES

Acreanidades

Festival Atsá Puyanawa tem protagonismo de jovens indígenas

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Jovens indígenas promovem ações de comunicação no Festival Atsá Puyanawa

Durante os dias 18 e 22 de julho, o povo indígena Puyanawa realizou a terceira edição do Festival Atsá Puyanawa, no município de Mâncio Lima (AC), em comemoração a um dos alimentos mais consumidos na região: a mandioca. Os jovens da Terra Indígena tiveram papel fundamental em diversas atividades do evento com destaque para a produção de vídeos.  A ação faz parte dos resultados da oficina de Comunicação Comunitária, realizada pela Embrapa Acre, no início de junho.

No Festival, os indígenas colocaram em prática aspectos abordados na capacitação, tais como filmar, atuar como repórteres ao entrevistar lideranças e participantes do evento e gravar passagens, momentos em que são apresentadas informações adicionais sobre o tema da notícia. O estudante Jorge Luiz de Lima Bernardo, 22 anos, ficou surpreso ao ver as imagens que ele filmou. “Eu gostei de ver o resultado depois, é bem diferente do olhar que temos normalmente”, comentou.

Além disso, os jovens realizaram outras atividades, como a pintura corporal, cantos, danças, rituais, culinária e o preparo da bebida tradicional à base de mandioca, a caiçuma. “No nosso projeto de valorização da cultura, a comunicação e os jovens têm um papel muito importante, porque podem levar nossos costumes para o futuro”, afirmou a liderança Puwe Puyanawa. 

A estudante Miria Ferreira Iraqui, atuou como repórter , filmou, ajudou no preparo da caiçuma e dançou. “Eu gostei mais de entrevistar do que de filmar porque a gente pode se expressar melhor. Fiquei muito nervosa, nunca tinha entrevistado ninguém antes, mas gostei bastante e isso vai me ajudar em outras oportunidades da vida. Quanto à dança e o feitio da caiçuma, é importante colaborarmos porque estamos buscando cada vez mais valorizar a nossa cultura”, conta.

Culinária

Além da tradicional farinha e do tubérculo cozido, as barracas que comercializavam alimentos durante o Festival Atsá também serviram novos pratos à base de mandioca. Suco, pudim, baião de dois, mousse e purê foram algumas das receitas preparadas na oficina de incentivo à alimentação saudável, realizada no início de junho, e que foram replicadas durante a comemoração. “O que mais chamou a atenção dos visitantes foi o suco de mandioca. Eles pediam um copo para provar, gostavam tanto que acabavam comprando para todos da mesa”, conta a indígena Ednilza de Araújo Alves, que montou um restaurante para o festival.

Para a professora do curso de Nutrição da Universidade Federal do Acre, Eline Messias, que ministrou a oficina em junho, foi gratificante eles terem reproduzido as receitas no Festival. “O hábito de consumo da mandioca é cozido e com o suco da macaxeira foi possível inovar e aproveitar o tubérculo de uma maneira líquida, que agrega valor proteico com o cálcio, devido ao leite e à mandioca terem um quantitativo considerável desse nutriente e ainda ser uma fonte de carboidrato e fibra que conferem saciedade e energia. Diversificar a utilização da mandioca é importante por oportunizar a agregação de mais nutrientes, com verduras e legumes. Além de evitar o desperdício, é possível ter um aporte nutricional, sem sobrepor a cultura alimentar da população indígena”, afirma Eline.

Os Puyanawa cultivam cerca de 200 hectares de mandioca e a maior parte da colheita, estimada em seis toneladas anuais, é processada em 12 casas de farinha tradicionais. Por ano, a comunidade produz cerca de 25 toneladas desse derivado da mandioca. “A palavra ‘atsá’ significa mandioca e nós batizamos o festival em memória dos nossos ancestrais, que já consumiam e cultivavam esse alimento. Quando nós pensamos em fazer o festival, nós queríamos valorizar esse produto e homenagear nosso passado, nosso presente, já que hoje é o principal alimento que cultivamos, e o nosso futuro, com os jovens que estão aqui e vão valorizar ainda mais nossos costumes”, conta o cacique Joel Puyanawa.

Povo Puyanawa

A Terra Indígena Puyanawa é formada pelas aldeias Ipiranga e Barão, abriga 670 moradores e está localizada no município de Mâncio Lima, região do Juruá (AC), há cerca de 60 quilômetros de Cruzeiro do Sul.

Desde 2017, a Embrapa executa, por meio do projeto “Etnoconhecimento, agrobiodiversidade e serviços ecossistêmicos entre os Puyanawa” ações de pesquisa, transferência de tecnologias e comunicação na Terra Indígena, com o apoio da Fundação Nacional do Índio (Funai) e em parceria com a Universidade Federal do Acre e outras instituições, para o fortalecimento da agricultura, fruticultura e da cultura desse povo. O projeto também investe em atividades para melhoria do acesso à informação e da comunicação indígena, como a realização de palestras e oficinas sobre temas escolhidos pela comunidade.

A oficina de comunicação comunitária contou ainda com o apoio do projeto Amazocom, componente do Projeto Integrado Amazônia, executado no âmbito do Fundo Amazônia, iniciativa gerida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em cooperação com o Ministério do Meio Ambiente. Por Assessoria da Embrapa/Ac.

Advertisement
Comentários

Comente aqui

ACRE

Em Rio Branco-AC, procura por imóveis é maior que a oferta

Redação do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A cidade de Rio Branco, que é a capital do Acre, localiza-se na Região Norte do Brasil e corresponde ao principal centro econômico, industrial e mercantil do estado. Abrigando uma população de 407.319 habitantes, o município é o sexto com o maior volume populacional da Região Norte e tem a denominação de “Capital da Natureza”, tamanha a presença de recursos naturais e áreas verdes que contemplam a cidade.

 Em relação à sua economia, a cidade de Rio Branco possui o PIB (Produto Interno Bruto) de R$ 8.192.366 mil e o PIB per capita (Renda por pessoa) alcançando os R$ 22.510,95, cenário financeiro este que influencia efetivamente na perspectiva estadual, designado especialmente a movimentar positivamente a economia do estado do Acre. Fundamentada essencialmente pela exploração da borracha, atualmente os meios de viabilização de renda em Rio Branco estão mais associados à exportação da madeira, além da castanha-do-pará, fruto do açaí e óleo da copaíba.

 Toda esta situação discorrida evidencia que, embora seja uma cidade com boa qualidade de vida, Rio Branco ainda passa por um processo de verticalização que, gradualmente, vai se intensificando e expandindo-se à todas as extensões da cidade. O viés industrial no município não é deixado de lado. Pelo contrário. Os segmentos alimentícios, madeireiros, têxteis, mobiliário e de cerâmica exercem expressivo papel no panorama financeiro do município.

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da cidade, por sua vez, contempla o indicador de 0,727, considerado alto para os padrões nacionais e, sobretudo, ratificando o quão benéfico é, para aqueles que prezam por um estilo de vida mais retraído, reservado e em contato com recursos naturais, residir em Rio Branco. No que se refere à infraestrutura, o município vem implementando mecanismos que, em longo prazo, elevarão a cidade à credencial de uma grande metrópole.

Entretanto, levando-se em conta os dias atuais, a cidade de Rio Branco ainda carece de maior injeção de verba na busca por estruturação. Mesmo assim, o panorama social que compreende a capital acreana detém potencialidades que, para os adeptos à passeios repletos de riqueza natural e cultural, sem dúvidas cativarão este perfil de cidadão.

O fomento do turismo no município

 Os pontos turísticos que disseminam-se pelo município são inúmeros e mobilizam fluxos de pessoas de todo o país, especialmente em períodos sazonais, que envolvem as férias. A Gameleira, árvore histórica que serviu de acampamento para o desbravador Neutel Maia, costuma compor as rotas turísticas das pessoas. Assim como O Casarão, uma ampla residência que pertenceu ao ex-governador Abdon Massari, e hoje é utilizada para fins culturais e artísticos. Também podemos mencionar o Obelisco do Acre, um monumento edificado pelo governo estadual com a finalidade de rememorar as figuras que protagonizaram a Revolução Acreana. Agora, de maior notoriedade e extremamente convidativo, o Parque da Maternidade é, talvez, a atração turística de maior destaque, constituindo-se por quadras de esportes, pistas de skates, restaurantes, quiosques e ciclovias, recebendo anualmente uma grande demanda de turistas amantes de esportes.

As festas típicas de Rio Branco, caracterizadas pela exposição da cultura local, também são válvulas propulsoras do turismo na capital acreana. Seja a Festa Boca de Mulher, o Expo Acre ou o Festival do Açaí de Feijó, todos estes eventos recepcionam visitantes de todo o país que, estimulados a conhecerem novas culturas, frequentam as festividades e desfrutam do entretenimento que elas oferecem.

Rio Branco e sua infraestrutura

No tocante à infraestrutura da cidade em sua plenitude e suas vertentes, dissertamos acerca do transporte de Rio Branco, que tem se desenvolvido após a intensificação de investimentos no setor por parte da iniciativa pública. Interligando a maioria dos bairros da cidade, os ônibus efetuam, diariamente, os deslocamentos mais expressivos pela extensão de Rio Branco, comportando a demanda do cidadão acreano e oferecendo-lhe condições minimamente aceitáveis de conforto e acomodação. As casas em Rio Branco foram impactadas por esta virtude, valorizando-as.

O tráfego aéreo é facilmente viabilizado através da presença do Aeroporto Internacional de Rio Branco, que abrange o fluxo de pessoas de todas as localidades e é considerado como um dos mais modernos e tecnológicos do Brasil.

Em referência à educação, a cidade compreende 211 escolas de ensino fundamental, além de 51 escolas de ensino e 70 de pré-escola, certificando a pluralidade de alternativas para a criança e o adolescente rio branquense que residirem, inclusive, nas áreas mais afastadas da capital acreana.

A geração de empregos na capital acreana

O desemprego no estado, que por anos afetou o cidadão e inviabilizou sua ascensão profissional e financeira, finalmente recuou em 2019 e, norteados por este índice, a retomada de confiança mediante o mercado foi identificado no morador do Acre.

Registrando uma queda de 64 mil para 48 mil desempregados, o cenário econômico foi impactado por este nova postura do empreendedor acreano que, credenciado a efetuar novos investimentos a fim de expandir seu negócios, observaram a necessidade por uma nova oferta de mão de obra no estado, estimulando a empregabilidade e trabalhando em prol do impulsionamento da economia.

Diante desta perspectiva, a cidade Rio Branco, que detém a maior influência sobre a economia acreana, foi de encontro à direção abordada e, desta maneira, passou a intensificar seu consumo, promovendo outros segmentos que também privilegiaram-se com a aceleração econômica. O mercado de imóveis, no entanto, esteve aquém desta contingência, sinalizando uma oferta inferior a demanda.

A intensificação da procura por imóveis na cidade

Com o aquecimento financeiro e o iminente aumento do poderio aquisitivo do cidadão rio branquense, as novas possibilidades econômicas das pessoas promoveram o interesse em investimentos destinados nos imóveis à venda em Rio Branco.

Todavia, embora o segmento tenha apontado uma alta de 32% nas aquisições, em relação ao ano de 2018, as construtoras não tem comportado a atual exigência da demanda que, extremamente propensa a procurar moradia na cidade, superou as projeções do mercado e reforçou a necessidade de, fundamentalmente, alavancar os investimentos em imóveis, oferecendo uma variedade de empreendimentos para aqueles que inclinam-se às vendas e, principalmente, atendendo este nicho que compreende uma expansão e fortifica o cenário econômico da cidade.

Portanto, a criação de mecanismos para suprir a necessidade do cliente é inadiável se, ainda sim, a cidade de Rio Branco ambiciona, em curto prazo, desenvolver-se através dessa tendência de mercado reconhecida nos dias de hoje.

Gostou deste artigo sobre  Rio Branco- AC, procura por imóveis é maior que a oferta? Não perca tempo e compartilhe-o em suas redes sociais!

Continue lendo

ACRE

Artesão faz decoração incrível de jardim com ‘bichos’ de lendas amazônicas

G1AC, via Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Jardim reúne 10 esculturas de lendas amazônicas em Casa Mapinguari em Rio Branco. Enock Tavares diz que é importante preservar lendas nortistas.

Foto de capa: Artesão decora jardim com lendas amazônicas: ‘Eram os super-heróis da minha infância’ — Foto: Tácita Muniz/G1.

A Amazônia é uma área que reúne um vasto mundo de águas e florestas, mas também esconde uma coleção de lendas que povoam o imaginário. A lenda mais conhecida é do boto cor-de-rosa, que se transforma em um belo homem e atrai as mulheres.

Seringueiros e indígenas propagaram, durante longos anos, por meio da narrativa, outros personagens comuns dentro da floresta amazônica. Quem é do Norte, provavelmente já ouviu falar em curupira, cobra grande, matinta perera, Iara e, claro, o mapinguari.

São personagens tidos como defensores da floresta, que puniam e guardavam o território para preservá-lo, segundo os mais antigos. Natural do estado do Pará, o artesão Enock Tavares, hoje com 69 anos, sempre foi embalado na infância com essas histórias das lendas amazônicas, ao ponto de se tornar um apaixonado pela “mitologia amazônica”, como ele gosta de chamar.

Morando no Acre há 12 anos, ele fez questão de transformar o quintal de casa em um verdadeiro museu desses personagens das histórias que ouvia na infância.

Personagens ficam espalhados pelo quintal de Enock  — Foto: Tácita Muniz/G1

Personagens ficam espalhados pelo quintal de Enock — Foto: Tácita Muniz/G1.

Ao todo, atualmente ele coleciona 10 esculturas lendárias no espaço que ele batizou de “Casa Mapinguari”. O espaço fica na Vila Custódio Freire, em Rio Branco, e chama a atenção de quem por ali passa.

Logo na entrada, o Mapinguari gigante, com 5 metros de concreto, ícone do estado acreano, dá as boas-vindas para quem quer conhecer mais sobre esse mundo e histórias que sobreviveram ao passar dos anos.

Enock Pessoa quis fazer museu no quintal de casa para preservar lendas amazônicas  — Foto: Tácita Muniz/G1

Enock Pessoa quis fazer museu no quintal de casa para preservar lendas amazônicas — Foto: Tácita Muniz/G1.

“Com 12 e 15 anos, eu convivi com caçador, seringueiros, índios e caboclos que contavam essas histórias como se fossem verdades mesmo. Isso fazia parte da vida deles. Então, cresci com esse sonho e deu certo”, conta.

Nos caminhos do jardim, você consegue passar pela vitória-régia, saci pererê. Ao lado do muro, uma fonte jorra água para amparar a sereia Iara e o boto cor de rosa. Quintal adentro, você também encontra um mapinguari menor, de mais ou menos 2,5 metros. Ao lado da sereia Iara, curupira também aparece para compor o elenco.

Matinta Perera, com o apito de osso, está logo mais a frente. Alguns galhos a deixam quase imperceptível no primeiro olhar. Chegando mais perto, é possível ver a senhora de cabelos brancos que, pela lenda, é dona de um assobio estridente e que traria notícias sobrenaturais.

Visitas

Aposentado, o artesão mantém as esculturas abertas ao público sem nenhuma ajuda do poder público e não cobra pelas visitas ao espaço ao céu aberto. As esculturas são feitas pra aguentar as mudanças do tempo, como sol e chuva.

“Vem muita gente. Uma média de cinco pessoas passam por aqui diariamente, mas no domingo sempre vem mais. Muitas creches vêm e visitam. Às vezes as professoras contam as histórias de cada personagem, às vezes eu mesmo conto”, explica empolgado.

Claro que o que chama mais atenção entre os pequenos é o gigante Mapinguari, oponente na entrada da casa, ele deriva de uma lenda dos índios da região amazônica.

Os caboclos contam que dentro da floresta vive o Mapinguari, um gigante peludo com um olho na testa e a boca no umbigo. Para uns, ele é realmente coberto de pelos, porém, usa uma armadura feita do casco da tartaruga, para outros, a sua pele é igual ao couro de jacaré.

Ao longo do tempo, ele foi tomando a forma em que aparece hoje. Um gigante peludo e olho no umbigo.

Vitória-régia

Outra história do folclore brasileiro é a da vitória-régia, também nascida na região Norte, ela explica que a planta, encontrada nos rios da Amazônia, na verdade, era uma índia que se afogou ao tentar beijar a lua, se transformando assim na planta aquática que é símbolo da Amazônia.

Artesão explica a lenda amazônica do curupira

Curupira

Anão, ágil e de pés para trás. Assim seria a figura do curupira, conhecido como defensor da floresta. A história conta que os pés virados para trás é uma forma de enganar alguém que pretenda segui-lo olhando para suas pegadas. Muitos o apontam como “demônio da floresta” e o tem como persona non grata devido às travessuras.

Enock ao lado da escultura que representa matinta perera — Foto: Tácita Muniz/G1

Enock ao lado da escultura que representa matinta perera — Foto: Tácita Muniz/G1.

‘Mitologia amazônica’

Filho de pais adventistas, Enock conta que quando começou a fazer os primeiros projetos dos personagens folclóricos chegou a ser advertido pelo pai. “Mas, assim que comecei a fazer, procurei o significado de lenda e vi que lendas eram coisas que não ofendiam. Mostrei pra meu pai e depois disso ele não achou mais ruim”, relembra.

Além das esculturas que decoram seu jardim, o artesão também recicla e transforma lixo em personagens da mitologia amazônica, como gosta de chamar. Ele também faz biojóias e transforma papelão e papel machê em miniesculturas que são levadas para escolas também.

Das encomendas, ele consegue tirar cerca de R$ 500 por semana. Porém, nem sempre há demanda. “Tenho pouca encomenda porque essa questão do artesanato ainda está engatinhando no estado. Minha satisfação é virem aqui, tirarem foto e divulgarem meu nome. Até porque o artista só valorizam depois que morre”, acredita.

Mapinguari de 5 metros dá boas vindas ao quintal do artesão em Rio Branco  — Foto: Tácita Muniz/G1

Mapinguari de 5 metros dá boas vindas ao quintal do artesão em Rio Branco — Foto: Tácita Muniz/G1.

‘Eram nossos heróis’

Enock diz que, independente de religião, as lendas amazônicas precisam ser preservadas, não só pelos povos tradicionais, mas também porque ouviu as histórias e hoje pode contar as narrativas daquela época.

Ele destaca que quando criança ouvia com encanto e curiosidade as histórias do povo da mata. “Essas histórias sempre existiram e vão existir pra sempre. Na nossa época, não tinha esses heróis de hoje. Esses das lendas eram os nossos super-heróis daquela época. É como se fosse a nossa mitologia, assim como tem a mitologia grega. Isso eram os nossos semideuses. O caboclo, longe da civilização, o índio, tinham a certeza de que alguém protegia aquilo [floresta]”, finaliza.

Está entre os planos de Enock reabrir a pequena oficina que montou entre as lendas para ensinar a arte de esculpir às crianças da comunidade. Ele chegou a dar aulas em alguns anos, mas por falta de incentivo acabou dando uma pausa no projeto. “Mas, pretendo continuar ensinando assim que puder voltar”, se compromete.

Passeio em jardim retrata a história de lendas amazônicas  — Foto: Tácita Muniz/G1

Passeio em jardim retrata a história de lendas amazônicas — Foto: Tácita Muniz/G1.

Conheça a história da Iara, sereia dos rios amazônicos

Conheça a história da Iara, sereia dos rios amazônicos.

Continue lendo

+30 mil seguidores

TOP MAIS LIDAS

Grupos de notícias