NOSSAS REDES

Acreanidades

Festival Atsá Puyanawa tem protagonismo de jovens indígenas

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Jovens indígenas promovem ações de comunicação no Festival Atsá Puyanawa

Durante os dias 18 e 22 de julho, o povo indígena Puyanawa realizou a terceira edição do Festival Atsá Puyanawa, no município de Mâncio Lima (AC), em comemoração a um dos alimentos mais consumidos na região: a mandioca. Os jovens da Terra Indígena tiveram papel fundamental em diversas atividades do evento com destaque para a produção de vídeos.  A ação faz parte dos resultados da oficina de Comunicação Comunitária, realizada pela Embrapa Acre, no início de junho.

No Festival, os indígenas colocaram em prática aspectos abordados na capacitação, tais como filmar, atuar como repórteres ao entrevistar lideranças e participantes do evento e gravar passagens, momentos em que são apresentadas informações adicionais sobre o tema da notícia. O estudante Jorge Luiz de Lima Bernardo, 22 anos, ficou surpreso ao ver as imagens que ele filmou. “Eu gostei de ver o resultado depois, é bem diferente do olhar que temos normalmente”, comentou.

Além disso, os jovens realizaram outras atividades, como a pintura corporal, cantos, danças, rituais, culinária e o preparo da bebida tradicional à base de mandioca, a caiçuma. “No nosso projeto de valorização da cultura, a comunicação e os jovens têm um papel muito importante, porque podem levar nossos costumes para o futuro”, afirmou a liderança Puwe Puyanawa. 

A estudante Miria Ferreira Iraqui, atuou como repórter , filmou, ajudou no preparo da caiçuma e dançou. “Eu gostei mais de entrevistar do que de filmar porque a gente pode se expressar melhor. Fiquei muito nervosa, nunca tinha entrevistado ninguém antes, mas gostei bastante e isso vai me ajudar em outras oportunidades da vida. Quanto à dança e o feitio da caiçuma, é importante colaborarmos porque estamos buscando cada vez mais valorizar a nossa cultura”, conta.

Culinária

Além da tradicional farinha e do tubérculo cozido, as barracas que comercializavam alimentos durante o Festival Atsá também serviram novos pratos à base de mandioca. Suco, pudim, baião de dois, mousse e purê foram algumas das receitas preparadas na oficina de incentivo à alimentação saudável, realizada no início de junho, e que foram replicadas durante a comemoração. “O que mais chamou a atenção dos visitantes foi o suco de mandioca. Eles pediam um copo para provar, gostavam tanto que acabavam comprando para todos da mesa”, conta a indígena Ednilza de Araújo Alves, que montou um restaurante para o festival.

Para a professora do curso de Nutrição da Universidade Federal do Acre, Eline Messias, que ministrou a oficina em junho, foi gratificante eles terem reproduzido as receitas no Festival. “O hábito de consumo da mandioca é cozido e com o suco da macaxeira foi possível inovar e aproveitar o tubérculo de uma maneira líquida, que agrega valor proteico com o cálcio, devido ao leite e à mandioca terem um quantitativo considerável desse nutriente e ainda ser uma fonte de carboidrato e fibra que conferem saciedade e energia. Diversificar a utilização da mandioca é importante por oportunizar a agregação de mais nutrientes, com verduras e legumes. Além de evitar o desperdício, é possível ter um aporte nutricional, sem sobrepor a cultura alimentar da população indígena”, afirma Eline.

Os Puyanawa cultivam cerca de 200 hectares de mandioca e a maior parte da colheita, estimada em seis toneladas anuais, é processada em 12 casas de farinha tradicionais. Por ano, a comunidade produz cerca de 25 toneladas desse derivado da mandioca. “A palavra ‘atsá’ significa mandioca e nós batizamos o festival em memória dos nossos ancestrais, que já consumiam e cultivavam esse alimento. Quando nós pensamos em fazer o festival, nós queríamos valorizar esse produto e homenagear nosso passado, nosso presente, já que hoje é o principal alimento que cultivamos, e o nosso futuro, com os jovens que estão aqui e vão valorizar ainda mais nossos costumes”, conta o cacique Joel Puyanawa.

Povo Puyanawa

A Terra Indígena Puyanawa é formada pelas aldeias Ipiranga e Barão, abriga 670 moradores e está localizada no município de Mâncio Lima, região do Juruá (AC), há cerca de 60 quilômetros de Cruzeiro do Sul.

Desde 2017, a Embrapa executa, por meio do projeto “Etnoconhecimento, agrobiodiversidade e serviços ecossistêmicos entre os Puyanawa” ações de pesquisa, transferência de tecnologias e comunicação na Terra Indígena, com o apoio da Fundação Nacional do Índio (Funai) e em parceria com a Universidade Federal do Acre e outras instituições, para o fortalecimento da agricultura, fruticultura e da cultura desse povo. O projeto também investe em atividades para melhoria do acesso à informação e da comunicação indígena, como a realização de palestras e oficinas sobre temas escolhidos pela comunidade.

A oficina de comunicação comunitária contou ainda com o apoio do projeto Amazocom, componente do Projeto Integrado Amazônia, executado no âmbito do Fundo Amazônia, iniciativa gerida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em cooperação com o Ministério do Meio Ambiente. Por Assessoria da Embrapa/Ac.

Comentários

Comente aqui

ACRE

Evento na UFAC: Projeto de cooperação internacional estuda biodiversidade na Amazônia Ocidental

Assessoria, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Na quarta-feira (11 de setembro), será realizado o lançamento do Projeto Prodigy “Process‐based & Resilience‐Oriented management of Diversity Generates sustainability”, às 10 horas, no Parque Zoobotânico (PZ), na Universidade Federal do Acre (Ufac). Representantes de instituições de pesquisa, ensino e organizações não governamentais do Brasil, Peru, Bolívia e Alemanha vão desenvolver pesquisas sobre os diferentes usos da terra e a sustentabilidade ambiental, econômica e social na região da Amazônia Sul-Ocidental na tríplice fronteira denominada MAP – Madre de Deus (Peru), Acre (Brasil) e Pando (Bolívia).

Com duração de três anos, as ações vão avaliar a dinâmica em constante transformação entre a natureza e a sociedade na região do MAP. No Brasil, os estudos serão realizados na Reserva Extrativista Chico Mendes; na Bolívia, na região da Reserva Nacional de Vida Silvestre Amazónica Manuripi e no Departamento Madre de Dios, no Peru na Reserva Nacional Tambopata. 

O projeto PRODIGY é financiado pelo Ministério Federal Alemão de Educação e Pesquisa (BMBF) e coordenado pela Universidade Koblenz-Landau em conjunto com mais cinco universidades alemãs. São parceiros do projeto a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Ufac, Instituto de Mudanças Climáticas do Acre, além de universidades do Peru e da Bolívia. A construção da proposta começou em 2015 e já foram realizados diversos encontros e reuniões entre os parceiros.

Segundo um dos coordenadores do projeto, professor Oliver Frör, da Universidade de Koblenz-Landau, os resultados das ações de pesquisas formarão uma base sólida de conhecimento sobre o cenário dos potenciais e limites dos recursos naturais na região MAP. “A ideia é que as informações científicas possam mostrar alternativas de desenvolvimento sustentável para a região MAP e que as populações locais tenham elementos adicionais para decidir sobre as suas estratégias econômicas e ambientais em tempos de rápidas transformações socioeconómicas e ambientais”, afirma.

Serviço:

O que: Lançamento do projeto Prodigy de cooperação científica entre Alemanha, Brasil, Peru e Bolívia

Quando: Quarta-feira, 11 de setembro

Horário: 10 horas

Onde: Parque Zoobotânico, Ufac

Site: www.uni-koblenz-landau.de

Continue lendo

Acreanidades

‘Dias no Aterro’ emociona e lota Galeria de Arte do Sesc Centro

Assessoria, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A abertura da exposição fotográfica Dias no Aterro foi um sucesso de público, cerca 100 pessoas visitaram a instalação na quinta-feira, 5, Dia da Amazônia, na Galeria de Arte do Sesc Centro. Entre os visitantes estiveram presentes, além da população em geral, catadores e artistas acreanos.

O Diretor Presidente da Fundação de Cultura, Esporte e Lazer Garibaldi Brasil (FGB) Sérgio de Carvalho; o artista visual Claudiney Alves, da Casa Masemba; a proprietária do Sucatão Rio Branco Karina de Souza e Nardia Tayna, representando o Sesc, também marcaram presença no evento.

“Sensação de dever cumprido”, foi o que disse o fotógrafo Dhárcules Pinheiro, após a abertura do evento. A curadora do projeto Talita Oliveira conta que a instalação foi um sucesso, pessoas choraram ao assistirem o documentário e se emocionaram com as fotografias.

“Foi um momento especial e emocionante para todos os presentes. Quando vi a reação e as impressões das pessoas, tive certeza que o objetivo da instalação foi alcançado”, apontou Talita.

A exposição está aberta ao público até o dia 30 de setembro na Galeria de Arte do Sesc Centro. Além das fotografias de Dhárcules, a instalação conta com peças fabricadas a partir de materiais recicláveis encontrados no aterro de inertes, produzidas por Claudiney e catadores que participaram de uma oficina de reciclagem.

Sérgio de Carvalho ressaltou o simbolismo de abrir a instalação no Dia da Amazônia: “Não haveria data melhor para abrir essa exposição do que o Dia da Amazônia, já que esse trabalho traz à tona a importância da reciclagem e do trabalho dos catadores para a preservação do meio ambiente.”

Raimundo Martins, um dos catadores presentes na abertura e personagem do documentário, ressaltou a importância da reciclagem para o seu sustento e da exposição para mudar a visão das pessoas sobre o trabalho dos catadores.

“Hoje o Aterro é o meu banco. No início, as pessoas me viam voltando todo sujo e tinham preconceito. Mas é com esse trabalho que sustento minha família e até já realizei o sonho que muitos têm de ter um carro. Espero que com essa exposição as pessoas mudem a visão e deixem de ter preconceito com a gente”, disse Martins.

Dhárcules Pinheiro, autor das fotografias, ressalta o objetivo do trabalho: “O objetivo maior dessa exposição é poder mostrar a importância do trabalho dos catadores principalmente para o meio ambiente, pois mensalmente eles retiram toneladas de resíduos e encaminham para a reciclagem. E a partir desse importante trabalho, geram renda e sustentam suas famílias. Ver essa galeria lotada me dá a sensação de dever cumprido.”

Maria Luzenira uma das catadoras prestigiadas na exposição foi vítima de feminicídio, antes do lançamento. Maria de Jesus, irmã da catadora, veio de Tarauacá apenas para visitar a exposição e  ficou muito emocionada.

As molduras

As fotografias do projeto “Dias no Aterro” estão emolduradas em peças produzidas por catadores junto com Claudiney Alves. A produção teve duração de aproximadamente 20 dias, desde o primeiro dia de oficina até a montagem da galeria. Para o artista visual a ideia é mostrar que tudo tem potencial para virar arte, ou melhor, tem chance de não poluir o planeta.

O catador Raimundo Martins participou da oficina, agora ele considera que pode pensar na possibilidade de criar obras, para que a sociedade possa ver e entender a verdadeira relação entre o homem e a natureza. “A oficina foi um aprendizado muito grande, mostrou que podemos reciclar ainda mais do que imaginávamos”, relata Martins.

O intuito

O objetivo do projeto é dar visibilidade ao trabalho dos catadores, que tanto contribuem com o bem estar da humanidade, mas que poucos reconhecem a importância deles na sociedade.

“Apesar de prestarem um trabalho de grande importância para o meio ambiente e para economia, transformando lixo em renda, há toda uma negação dessa importância que vem não só da sociedade mais também da administração pública. Eles sofrem preconceito, são estigmatizados e excluídos”, explica o fotógrafo.

Dias no Aterro

A instalação é fruto da vivência do fotógrafo Dhárcules Pinheiro no Aterro de Inertes, situado na Transacreana, em Rio Branco. Dhárcules documentou, durante um ano, o cotidiano dos trabalhadores do aterro, resultando em um amplo acervo de fotografias e vídeos que refletem sobre o conceito de lixo, meio ambiente e economia.

O projeto tem a curadoria de Talita Oliveira, é financiado pelo Fundo Municipal de Cultura, da Prefeitura de Rio Branco, por meio da Fundação de Cultura, Esporte e Lazer Garibaldi Brasil (FGB), e do Sesc, através do Calenarte. Conta também com apoio do Sucatão Rio Branco e Casa Massemba.

A ideia de realizar o projeto surgiu em junho de 2018 a partir de uma visita de Dhárcules ao local para realizar uma matéria relacionada a economia do lixo, sobre trabalhadores que tiram seus sustento do aterro de inertes. Desde então, o fotógrafo passou a visitar o aterro cerca de três vezes ou mais por semana para criar intimidade com os trabalhadores.

Documentário

Junto com a exposição, também foi lançado o documentário Dias no Aterro. O documentário tem a duração de 25 min com depoimentos de catadores que relatam conquistas e mostram um pouco da rotina de trabalho no aterro. De registro audiovisual foram dois meses de filmagem e 1 ano de registro fotográfico. A edição e montagem do trabalho foi realizado pelo jornalista Gilberto Lobo. A obra faz parte da instalação e ficará disponível na Galeria de Arte do Sesc até o dia 30 de setembro, em horário comercial.

Serviço:

Local: Galeria de Arte do Sesc Centro.

Visitação: 06 a 30 de setembro, das 8h às 12h e 14h às 18h, entrada gratuita

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp WhatsApp Notícias