NOSSAS REDES

Cruzeiro do Sul

No AC, mulher diz evitar afazeres domésticos na Sexta-feira Santa: ‘trabalhar nem pensar’

G1AC, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Em Cruzeiro do Sul, segunda maior cidade do Acre, a tradição de não se alimentar de carne vermelha e seguir os costumes de fazer jejum e evitar atividades laborais durante a Semana Santa ainda é seguida por muitos católicos.

As famílias, que seguem a tradição, passa isso de geração para geração, e tentam fazer os jovens manterem os mesmos costumes.
A costureira Rita Silva, de 60 anos, disse que aprendeu com os pais o que ela acha que deve e o que não deve fazer durante a quinta e sexta-feira da Semana Santa.
“Isso é do tempo dos meus pais e me casei com um esposo que os pais dele também eram assim e a gente vem nesse ritmo até hoje. Então, evito lavar roupa, não costuro, gosto de ir para a igreja, gosto de fazer munguzá e trabalhar nem pensar. Nunca na minha vida comi carne vermelha nesses dias”, disse Rita.
Ela conta que tem oito filhos e sempre procurou fazer com que eles também sigam as mesmas tradições.
“Na minha família todos têm que seguir do mesmo jeito. Tenho oito filhos, cada um mais maravilhoso que o outro, e muitos netos. Criei todos respeitando essa tradição”, afirmou a costureira.
Rita disse ainda que acredita que a Semana Santa é um período para união, reflexões e de adoração. “Temos que procurar ir à igreja para refletir sobre o sofrimento de Jesus e é um momento de paz, de procurarmos mais amor e de estar com a família reunida”, ressalta.

Cruzeiro do Sul

Após ultrapassar sinal vermelho, ambulância colide contra motociclista no centro de Cruzeiro do Sul

Juruá em Tempo, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Um acidente de trânsito foi registrado no início da noite desta sexta-feira, 23, no centro de Cruzeiro do Sul. De acordo com informações apuradas no local, uma ambulância acabou colidindo contra um motociclista, após ultrapassar o sinal vermelho.
Populares informaram ainda, que o sinal estava verde, para o condutor da motocicleta. Após entrar na principal, o condutor foi surpreendido pela colisão da ambulância. A vítima, Lisomar Gomes, de 33 anos, foi atendido pelo Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) no local. Segundo os paramédicos, Gomes quebrou uma das pernas.

No local, ele recebeu os devidos atendimentos e foi encaminhado ao Hospital do Juruá. A esposa dele que estava no local, disse que a ambulância estava com a sirene baixa no momento do acidente.
“Uma irresponsabilidade. A Samu vinha em alta velocidade, quando acabou batendo no meu marido”, finalizou.

Continue lendo

Cruzeiro do Sul

Presos de Cruzeiro do Sul vão fazer farinha na ExpoAcre Juruá

Ac24horas, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Detentos do Presídio Manoel Neri, de Cruzeiro do Sul, vão mostrar ao público da ExpoJuruá, o processo de torragem da farinha de mandioca. A casa de farinha será montada na Av. Mâncio Lima, onde a ExpoJuruá será realizada de 31 de agosto a 1° de setembro.
O diretor do Presídio, Missael Lima, destaca que “os presos, que são exemplo de ressocialização estarão devidamente escoltados no evento”.

A meta da direção do presídio, é a produção e comercialização de 200 quilos de farinha nas quatro noites do evento. O público poderá degustar gratuitamente, os subprodutos da farinha, como biju e a tapioca.
Os móveis e o artesanato, além das verduras e legumes produzidos pelos presos, também estarão na Feira cruzeirense.
A ideia, segundo o diretor do presídio, Missael Lima, é mostrar à sociedade a importância do trabalho dos presos para a ressocialização. De acordo com o diretor, entre os presos que trabalham, o índice de retorno para a penitenciária é de cerca de 5%
Na ExpoAcre 2019 em Rio Branco, a farinha do presídio de Cruzeiro do Sul foi distribuída gratuitamente . Foram entregues ao público, 600 amostras de 150 gramas.

Uma tonelada de farinha por mês

Os presos fazem uma tonelada de farinha. Além de fazer a farinha com a mandioca do presídio, também fazem o produto com macaxeira de produtores locais, por meio de parceria.
O trabalho garante farinha para o consumo interno e a venda no mercado local. A renda média mensal para o presídio é de R$ 2.600. Dinheiro, que segundo o diretor, Missael Melo, serve para a compra de itens como remédios (os não fornecidos pela rede pública), roupas e artigos de expediente pro presidio. Caso a família do preso necessite, também pode acessar uma parte dos recursos
Missael Melo, cita que os presos desenvolvem várias outras atividades como a lavagem de veículos, corte de cabelo, limpeza e manutenção do presídio e que todas reduzem a pena, por meio da remissão. “O clima dentro do presídio melhorou muito com a maior inclusão de presos nas atividades”, explica, citando que pretende implantar no local a piscicultura e serviços como de borracharia e serralheria

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp Precisa de ajuda?