NOSSAS REDES

ACRE

No Acre: Benki Piyãko, líder indígena Ashaninka, é absolvido

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Benki Piyãko havia sido acusado pela PF de falsidade em depoimento após ameaças em discussão por posse de terra.

Na foto, o índio Benki Piyãko, líder Ashaninka, em celebração de chefes indígenas, no Rio de Janeiro – Daniel Marenco – 20.jun.2012/Folhapress.

O índio Benki Piyãko, mais conhecido líder Ashaninka, etnia do Acre, foi absolvido em um processo por denunciação caluniosa que corria na Primeira Vara Criminal de Cruzeiro do Sul (AC).

A juíza Adamárcia do Nascimento proferiu a sentença nesta segunda-feira (21), considerando improcedente a acusação de falso testemunho feita pela Polícia Federal, e depois aceita pelo Ministério Público, em novembro de 2015.

caso foi noticiado pela Folha no domingo (20), no caderno especial sobre a expedição do fotógrafo Sebastião Salgado aos índios Ashaninka. A pena máxima para o crime de denúncia caluniosa é de oito anos.

O caso teve origem em 2014, numa época em que três índios da mesma etnia foram mortos. Em seguida, numa discussão sobre a posse de um lote de reforma agrária do Incra, reflorestado por Benki Piyãko, o líder indígena se sentiu ameaçado e fez um boletim de ocorrência na polícia da cidade de Marechal Thaumaturgo (AC).

Por ser índio, o caso foi investigado pela Polícia Federal, que arquivou a denúncia original, mas considerou que houve falsidade no depoimento de Benki. Por Leão Serva.

Este slideshow necessita de JavaScript.

REDES SOCIAIS

Área do assinante

Receba publicações exclusivas.

MAIS VISUALIZADAS

WhatsApp chat