NOSSAS REDES

Mâncio Lima

No Acre, grupo é preso após pedir sanduíches e assaltar entregador da lanchonete

Contilnet, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Três pessoas foram presas, e um menor apreendido, acusadas de realizar um assalto a um entregador de lanches na última sexta-feira (12), no município de Márcio Lima, no Vale do Juruá.

De acordo com o proprietário da lanchonete, que preferiu não se identificar,  o grupo fez o pedido de quatro sanduíches, no entanto, quando o entregador do estabelecimento foi fazer a entrega, acabou surpreendido pelos jovens que levaram além do lanche de graça, um celular e uma quantia em dinheiro.
Em seguida, o caso foi denunciado à polícia que trabalhou rapidamente e conseguiu capturar os suspeitos de terem cometido o crime. Na ocasião, foram presos três adultos e apreendido um menor de idade. Junto com eles, foi recuperado o celular da vítima.
Ambos foram encaminhados à delegacia de Cruzeiro do Sul, onde foram ouvidos.

BEM-ESTAR

FMT desenvolve projeto-piloto de combate a malária em Mâncio Lima

Ac24horas, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Uma equipe da Fundação de Medicina Tropical – FMT, sediada em Manaus, vai iniciar nesta terça, 6, a capacitação dos Agentes de Endemias e Agentes Comunitários de Saúde de Mâncio Lima, para a realização de um teste rápido, que vai salvar vidas. O treinamento será realizado no Teatro Márcia Alencar a partir das 8 horas.

A primaquina é um dos medicamentos utilizados no tratamento da malária Vivax, a mais comum no Brasil. Quem está com malária, mas tem no organismo, a deficiência de um enzima chamado G6PD, ao tomar a primaquina, tem os glóbulos vermelhos destruídos, o que pode causar anemia e até a morte.

Os técnicos da FMT vão ensinar os Agentes de Mâncio Lima, a aplicar o teste rápido de detecção da deficiência na enzima, o que poderá ser feito nas localidades rurais, ribeirinha ou em unidades de saúde, sem a necessidade de estrutura de laboratório.

A secretária de Saúde de Mâncio Lima, Joice Gonçalves, cita que se o teste rápido confirmar a deficiência da G6PD, o doente de malária será tratado com a cloroquina e a primaquina de forma fracionário, sendo uma dose a cada sete dias. “Nossa equipe estará capacitada para todo esse processo”, explica ela, ressaltando que a cidade é uma das duas da Amazônia a contar com o projeto-piloto da Fundação de Medicina Tropical.

Na região do Juruá, onde já foram registados em 2006, 93 mil casos em Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves, a situação da malária é considerada controlada atualmente. Em julho deste ano , em Mâncio Lima, foram registrados 371 casos de malária, sendo que no mesmo período de 2018, foram 579 casos.

Novo medicamento para malária será em dose única

Com os medicamentos atuais o tratamento contra a malária pode levar até duas semanas. Muitos pacientes deixam de tomar os remédios , ao sentirem melhora no quadro de saúde.

Para evitar o abandono do tratamento, e em consequência, as recaídas, é desenvolvido no Brasil, um novo medicamento, a Tafenoquina, que será ministrado em dose única, sob a supervisão dos Agentes de Saúde.

A diferença entre a Primaquina, o remédio atual e Tafenoquina é o tempo de permanência no organismo. A Primaquina é eliminada mais rapidamente pelo organismo, por isso, precisa ser ingerida por um período longo. Já a Tafenoquina permanece agindo por vários dias, mesmo o indivíduo tomando apenas uma dose.

A ideia é que o paciente seja medicado logo após a confirmação da doença, em unidade de saúde, ou em sua própria residência, pelo Agente de Endemias ou Agente Comunitário de Saúde.

Continue lendo

Acreanidades

Festival Atsá Puyanawa tem protagonismo de jovens indígenas

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Jovens indígenas promovem ações de comunicação no Festival Atsá Puyanawa

Durante os dias 18 e 22 de julho, o povo indígena Puyanawa realizou a terceira edição do Festival Atsá Puyanawa, no município de Mâncio Lima (AC), em comemoração a um dos alimentos mais consumidos na região: a mandioca. Os jovens da Terra Indígena tiveram papel fundamental em diversas atividades do evento com destaque para a produção de vídeos.  A ação faz parte dos resultados da oficina de Comunicação Comunitária, realizada pela Embrapa Acre, no início de junho.

No Festival, os indígenas colocaram em prática aspectos abordados na capacitação, tais como filmar, atuar como repórteres ao entrevistar lideranças e participantes do evento e gravar passagens, momentos em que são apresentadas informações adicionais sobre o tema da notícia. O estudante Jorge Luiz de Lima Bernardo, 22 anos, ficou surpreso ao ver as imagens que ele filmou. “Eu gostei de ver o resultado depois, é bem diferente do olhar que temos normalmente”, comentou.

Além disso, os jovens realizaram outras atividades, como a pintura corporal, cantos, danças, rituais, culinária e o preparo da bebida tradicional à base de mandioca, a caiçuma. “No nosso projeto de valorização da cultura, a comunicação e os jovens têm um papel muito importante, porque podem levar nossos costumes para o futuro”, afirmou a liderança Puwe Puyanawa. 

A estudante Miria Ferreira Iraqui, atuou como repórter , filmou, ajudou no preparo da caiçuma e dançou. “Eu gostei mais de entrevistar do que de filmar porque a gente pode se expressar melhor. Fiquei muito nervosa, nunca tinha entrevistado ninguém antes, mas gostei bastante e isso vai me ajudar em outras oportunidades da vida. Quanto à dança e o feitio da caiçuma, é importante colaborarmos porque estamos buscando cada vez mais valorizar a nossa cultura”, conta.

Culinária

Além da tradicional farinha e do tubérculo cozido, as barracas que comercializavam alimentos durante o Festival Atsá também serviram novos pratos à base de mandioca. Suco, pudim, baião de dois, mousse e purê foram algumas das receitas preparadas na oficina de incentivo à alimentação saudável, realizada no início de junho, e que foram replicadas durante a comemoração. “O que mais chamou a atenção dos visitantes foi o suco de mandioca. Eles pediam um copo para provar, gostavam tanto que acabavam comprando para todos da mesa”, conta a indígena Ednilza de Araújo Alves, que montou um restaurante para o festival.

Para a professora do curso de Nutrição da Universidade Federal do Acre, Eline Messias, que ministrou a oficina em junho, foi gratificante eles terem reproduzido as receitas no Festival. “O hábito de consumo da mandioca é cozido e com o suco da macaxeira foi possível inovar e aproveitar o tubérculo de uma maneira líquida, que agrega valor proteico com o cálcio, devido ao leite e à mandioca terem um quantitativo considerável desse nutriente e ainda ser uma fonte de carboidrato e fibra que conferem saciedade e energia. Diversificar a utilização da mandioca é importante por oportunizar a agregação de mais nutrientes, com verduras e legumes. Além de evitar o desperdício, é possível ter um aporte nutricional, sem sobrepor a cultura alimentar da população indígena”, afirma Eline.

Os Puyanawa cultivam cerca de 200 hectares de mandioca e a maior parte da colheita, estimada em seis toneladas anuais, é processada em 12 casas de farinha tradicionais. Por ano, a comunidade produz cerca de 25 toneladas desse derivado da mandioca. “A palavra ‘atsá’ significa mandioca e nós batizamos o festival em memória dos nossos ancestrais, que já consumiam e cultivavam esse alimento. Quando nós pensamos em fazer o festival, nós queríamos valorizar esse produto e homenagear nosso passado, nosso presente, já que hoje é o principal alimento que cultivamos, e o nosso futuro, com os jovens que estão aqui e vão valorizar ainda mais nossos costumes”, conta o cacique Joel Puyanawa.

Povo Puyanawa

A Terra Indígena Puyanawa é formada pelas aldeias Ipiranga e Barão, abriga 670 moradores e está localizada no município de Mâncio Lima, região do Juruá (AC), há cerca de 60 quilômetros de Cruzeiro do Sul.

Desde 2017, a Embrapa executa, por meio do projeto “Etnoconhecimento, agrobiodiversidade e serviços ecossistêmicos entre os Puyanawa” ações de pesquisa, transferência de tecnologias e comunicação na Terra Indígena, com o apoio da Fundação Nacional do Índio (Funai) e em parceria com a Universidade Federal do Acre e outras instituições, para o fortalecimento da agricultura, fruticultura e da cultura desse povo. O projeto também investe em atividades para melhoria do acesso à informação e da comunicação indígena, como a realização de palestras e oficinas sobre temas escolhidos pela comunidade.

A oficina de comunicação comunitária contou ainda com o apoio do projeto Amazocom, componente do Projeto Integrado Amazônia, executado no âmbito do Fundo Amazônia, iniciativa gerida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em cooperação com o Ministério do Meio Ambiente. Por Assessoria da Embrapa/Ac.

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp Precisa de ajuda?