NOSSAS REDES

BRASIL

‘O Lula foi preso por uma besteira’, diz Japonês da Federal

PUBLICADO

em

Newton Ishii vê sua vida virar livro e conta que gostaria de visitar o Marcelo Odebrecht em sua casa

Newton Ishii, o Japonês da Federal, estava na UTI do Hospital Santa Cruz de Curitiba no dia 25 de outubro de 2014 quando viu, na TV, a notícia de que o doleiro Alberto Youssef tinha morrido vítima de envenenamento. Era a véspera da eleição presidencial.

Ele se virou para o doente de quem cuidava naquele momento: “Youssef, quando vai ser o seu velório?”. O doleiro, preso, sob a vigilância de Ishii e mais vivo do que nunca, detestou a brincadeira. “Pô, cara, isso não é legal”, reagiu.

“Depois, o chefe [o delegado Rosalvo Franco, que comandava na época a Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba] me ligou: ‘Brasília tá me ligando. Tão dizendo que ele morreu’. Eu expliquei que estava tudo bem. Até o advogado dele [Youssef] foi até o hospital” lembra Ishii.

Youssef havia sido internado devido a uma queda de pressão arterial causada pelo uso da medicação que tomava após um infarto que sofreu antes de ser preso.

“Eram muitas as mentiras como essa”, diz o japonês, que ficou famoso ao ser fotografado inúmeras vezes conduzindo presos célebres da Operação Lava Jato. Por causa das fake news, não gostava de ler nem ver notícias. “Demorei um ano para entender que tinha ficado famoso”, explica.

Tão famoso que sua vida virou livro: “O Carcereiro — o Japonês da Federal e os Presos da Lava Jato”, biografia escrita pelo jornalista Luís Humberto Carrijo, estará disponível nas livrarias a partir do dia 7 de julho. Ishii fará sessões de autógrafos em cinco capitais: SP, RJ, Brasília, Belo Horizonte e Curitiba.

Boa parte da obra está dedicada à convivência dele com réus ilustres como Marcelo Odebrecht e Antonio Palocci.

Responsável pela custódia da PF, onde ficam as celas de réus da Lava Jato, Ishii implantou o que gosta de chamar de “tratamento humanitário”.

Na sua gestão, as salas ficavam destrancadas e ele conversava com os outros agentes para que evitassem tratar os presos famosos de forma que revelassem algum “recalque”. “Pedia pro meu pessoal não dizer: ‘Aí, ó, era cheio da grana e agora tá ferrado’. Muitos teriam feito”, admite.

“Se algum dos presos tivesse um problema de saúde ou psicológico, seria preciso interná-lo. Eu precisaria de oito homens só para fazer escala no hospital”, afirma.

Esposas, pais e filhos dos presos também recebiam um tratamento especial do japonês. “Queria que a família chegasse lá sorrindo e não chorando, desesperada. Porque isso também atrapalharia lá dentro. Cometeram crime? Cometeram. Mas são pessoas cultas, inteligentes, que sempre me trataram com respeito.”

“Um dia o [lobista Fernando] Baiano começou a chorar comigo porque o filho caçula tinha completado um ano e tinha dito ‘papai’. Ele não queria receber visita dos meninos. Um dia eu disse: ‘Bota lá na minha sala e fala pros seus filhos que você trabalha aqui na Polícia Federal’. Mas ele não quis.”

Ele afirma que tratava os presos comuns da mesma forma. “A diferença entre eles é a falta de educação. Só que o homem é como qualquer animal. Se você tratar bem, ele vai te tratar bem. Pode ser traficante, contrabandista, falsificador ou pedófilo: eu sempre tratei com o maior respeito. E esse respeito voltava.”

“Um dia o pessoal [réus da Lava Jato] começou a me perguntar se eu não me lançaria candidato. Eles falaram: ‘O Pedro Corrêa [ex-deputado federal] tá aqui, ele te ensina’. [Corrêa] se vira para mim e diz: ‘Se eu ensinar, daqui a um tempo o senhor está aqui com a gente, viu?”, conta o ex-agente, rindo.

“Também fiz uma brincadeira com a mulher do Palocci, que ele me apresentou no dia de visitas. Eu falei: ‘Não era essa que tava ontem na visita íntima’. O Palocci arregalou o olho. E ela olhou sério para ele. Eu falei: ‘Desculpa, Palocci, acho que dei uma bola fora’. Ele me disse que demorou um mês para convencer ela de que era uma brincadeira.”

Os presos não têm direito a visita íntima. “O pessoal também brinca com esse negócio de derrubar sabonete. O [doleiro] Adir Assad, que é muito divertido, dizia:‘A gente não derruba sabonete em barra, derruba logo do líquido. Porque demora mais para pegar’.”

“Fiquei quatro anos lá e nunca deu uma discussão”, diz. “Foi eu sair e deu problema com o [ex-governador do Rio Sérgio] Cabral. No episódio das algemas [em janeiro, o ex-governador do Rio foi levado com algemas nas mãos e nos pés para exames de corpo de delito].”

“Na minha época ninguém andava algemado. A mão para trás é segurança. A pessoa pode bater na arma do policial, que pode achar que ela está tentando pegar. Nós caminhamos devagar não para a imprensa fotografar —mas para evitar cair ou tropeçar”.

Ishii lembra que um dia o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró tropeçou e caiu no prédio Justiça Federal. “Outra vez, ele caiu da escada na cela. O agente penitenciário foi perguntar se ele tinha se machucado. Cerveró respondeu: ‘Porra, caralho, claro que eu me machuquei!’.” Ishii diz que o agente o chamou pra contar o que aconteceu. “Determinei que aquela ala ficasse três dias na tranca direto e sem banho de sol. Todos os outros presos xingaram o Cerveró depois”.

“Para mim não tinha Zé Dirceu, Zé Antônio ou Zé do Caixão. Era todo mundo igual. Brincava com eles [da Lava Jato], mas brincava com os outros também. Tirei várias fotos com família de preso, mandei vídeo para mãe de preso, inclusive os da Lava Jato”, diz.

A convivência acabou criando afeto entre carcereiros e presos. “Se eu pudesse, visitaria o Marcelo [Odebrecht]. Mas, se eu chego lá [na casa do empreiteiro, que cumpre prisão domiciliar], a imprensa me fotografa. Vão dizer que fui cobrar a propina.”

“O Marcelo, no início, era uma pessoa muito difícil de lidar”, relembra. “Mas, quando caiu a ficha, ele começou a ser a pessoa que já era [fora da prisão]. Quando vinha preso, sem condições, ele dava até a roupa dele. Quando um trabalhador do Nordeste que tinha quebrado o guichê de uma companhia aérea foi solto, os advogados do Marcelo compraram a passagem e ainda deram R$ 500 para ele voltar para casa.”

“Nunca, jamais, me ofereceram dinheiro. Usar o telefone só era permitido duas vezes por semana. Não tinha celular lá dentro. Eles liberaram a panela elétrica [para os presos cozinharem] porque alguns seguiam dieta especial. Como você vai negar? Havia geladeira também porque três diabéticos precisavam deixar as insulinas refrigeradas.”

“Eles não tinham intenção de fugir. Uma vez fiz um teste: saí e deixei o portão aberto. Foi virar as costas que começaram a gritar: ‘Seu Newton, seu Newton! O senhor esqueceu aberto. Podemos fechar?”.

“Aprendi com eles que você, com dinheiro ou sem dinheiro, é uma pessoa só. Tem que aproveitar o máximo dos momentos que tem de liberdade, sua família. A privação de liberdade é pesadíssima.”

Ele não nega, no entanto, que a custódia mudou depois da Lava Jato. “Antes, tinha cheiro de cadeia. Hoje não tem mais. São eles mesmos que limpam.”

Ishii rechaça a ideia de que a Lava Jato seria partidária. “[Os tucanos] não foram presos porque ainda não foram julgados. Quanto tempo o Lula demorou para ser preso? Quatro anos. E foi por uma besteira.”

“Fui contra ele ter vindo pra cá [Curitiba]. Pra que gastar tanta grana pra fazer o deslocamento e trazer colegas de fora para nos ajudar? Ele podia ter ficado em SP, num quartel ou na PF. Até falei isso pro superintendente da PF, que não gosta muito de mim, não sei por quê. Mas ele disse que o [juiz Sergio] Moro não entende.”

Ishii se aposentou em fevereiro deste ano e atualmente é o presidente do partido Patriota no Paraná. “Não vou ser candidato. Mas tenho dado palestras para pré-candidatos. Falo sobre a importância do voto. Vamos analisar: Newton, famoso, Japonês da Federal. E o meu voto vale tanto quanto o do pedinte.”

A obra sobre a vida dele mostra, entre outras aventuras, como em determinado momento ele passou da condição de carcereiro para a de encarcerado: em junho de 2016, Ishii foi preso por quatro dias após ser condenado por facilitação de contrabando, crime que teria cometido há 13 anos. Por quatro meses, usou tornozeleira eletrônica.

Ele acredita que sua condenação só aconteceu devido à fama. E que sua punição tenha sido uma tentativa de “manchar a Lava Jato”.

Ficou triste. Mas diz que já havia passado por coisa muito pior. “Perdi meu filho [em 2005] e, quatro anos depois, a minha mulher [que sofreu um infarto]. Namorei com ela dos 15 aos 53 anos. Era minha companheira, meu tudo. Nada mais pode me atingir”.

O filho mais velho do agente cometeu suicídio aos 27 anos. “Ele perdeu todo o dinheiro que tinha investido num negócio que não deu certo. Teria que voltar para o Japão [onde já tinha morado]”.

“Nunca questionei o que o meu filho fez. Nem Deus por ter perdido eles. Como a morte ocorreu daquela maneira, acho que ele estava precisando muito da ajuda da mãe, sabe? Eu fiquei aqui para ajudar a minha filha. E ela se foi para ajudar o nosso filho.”

Entrevista com Newton Ishii, o Japonês da Federal

https://f.i.uol.com.br/fotografia/2018/06/15/15291096995b245cc3301ef_1529109699_3x2_md.jpghttps://f.i.uol.com.br/fotografia/2018/06/15/15291097045b245cc8e98e1_1529109704_3x2_md.jpg

 

BRASIL

Ente federado pode cobrar do plano de saúde despesa realizada com segurado por ordem judicial

PUBLICADO

em

A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) entendeu que a Lei 9.656/1998 permite que os entes federados, ao cumprirem diretamente ordem judicial para prestar atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS), possam requerer na Justiça o ressarcimento das despesas pela operadora do plano de saúde privado do qual o paciente seja segurado.

Com esse entendimento, o colegiado determinou que uma operadora ressarcisse o Estado do Rio Grande do Sul pela cirurgia bariátrica de uma segurada, realizada em cumprimento de decisão judicial. Segundo o processo, após verificar que a paciente possuía plano de saúde, o ente público procurou a operadora para reaver o valor do procedimento. Sem êxito nessa tentativa, ajuizou ação de cobrança.



O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), contudo, ao examinar o artigo 32 da Lei 9.656/1998, compreendeu que somente poderiam ser objeto de reembolso os serviços prestados voluntariamente no âmbito do SUS, e não aqueles realizados por força de ordem judicial. A corte também decidiu que o ente federado não poderia ser considerado credor, mas apenas o Fundo Nacional de Saúde (FNS).

Lei não faz ressalva quanto ao cumprimento de ordem judicial

O relator do caso no STJ, ministro Gurgel de Faria, lembrou que o Supremo Tribunal Federal (STF) já declarou a constitucionalidade do artigo 32 da Lei 9.656/1998, no julgamento do Tema 345. “Verifica-se que não há na fonte normativa nenhuma ressalva quanto ao ressarcimento nas hipóteses em que os serviços do SUS sejam realizados em cumprimento a ordem judicial”, disse.

Na sua avaliação, o artigo admitiu, de maneira ampla, a possibilidade de ressarcimento do serviço prestado em instituição integrante do SUS, independentemente de execução voluntária ou de determinação judicial.

Ente pode cobrar valor diretamente de operadora de saúde

O relator considerou possível o Estado do Rio Grande do Sul ajuizar a ação para cobrar diretamente o valor da cirurgia, não dependendo de procedimento administrativo na Agência Nacional de Saúde (ANS) – rito previsto na lei para os casos em que o paciente, segurado de plano privado, por razões de urgência ou emergência, usufrui de serviço do SUS.

Nesses casos, explicou, cabe à Agência Nacional de Saúde (ANS) – na via administrativa, seguindo as normas infralegais que disciplinam a matéria – definir o acertamento do serviço prestado, calcular o valor devido, cobrar o ressarcimento da operadora de saúde, recolher os valores ao FNS e, posteriormente, compensar o ente público que arcou com os custos.

Segundo Gurgel de Faria, quando o procedimento decorre de determinação da Justiça, não faz sentido seguir o rito administrativo por via da ANS, pois a própria ordem judicial para prestação do serviço do SUS já traz implicitamente os elementos necessários ao ressarcimento em favor do ente público que a cumpriu.

“O procedimento administrativo (protagonizado pela ANS e com destinação final ao FNS) é uma das vias de ressarcimento – a prioritária, que atende os casos ordinários –, mas não é o único meio de cobrança. Ele não exclui a possibilidade de que o ente federado, demandado diretamente pela via judicial, depois se valha da mesma via para cobrar os valores que foi obrigado diretamente a custear”, concluiu.

Leia o acórdão no REsp 1.945.959.

Esta notícia refere-se ao(s) processo(s): REsp 1945959

Continue lendo

BRASIL

Como os proprietários de negócios podem se proteger contra fraudes corporativas?

PUBLICADO

em

Em todo o mundo, juntamente com a difusão da cultura corporativa, o número de crimes internos está a aumentar. Cada vez mais funcionários se atrevem a roubar dos seus chefes. Tais violações são difíceis de detectar sem violar a mesma ética corporativa. E tornaram-se agora uma ameaça fundamental para os negócios – tanto financeira como de reputação. Geralmente, o serviço de segurança detecta crimes corporativos nas últimas etapas, quando o funcionário culpado já pode estar em outro país. Tais maquinações de vigaristas ocorrem tanto em pequenas empresas quanto em empresas gigantes.

Neste artigo, consideraremos quais tipos de crimes corporativos internos existem usando o exemplo de cinco casos e daremos conselhos sobre como identificar esses vigaristas e como resistir a eles.



Tipos de fraude

Fraude corporativa é as maquinações de funcionários que causam perdas financeiras à empresa. De acordo com uma pesquisa da Deloitte Forensic, 55% das empresas já enfrentaram fraude corporativa. Ao mesmo tempo, os autores da pesquisa têm certeza de que há ainda mais casos desse tipo, mas apenas fatos comprovados foram incluídos nessas estatísticas.

Os tipos mais comuns de fraude corporativa são:

  • Falsificação de documentos

Os funcionários podem fornecer informações falsas sobre os indicadores de desempenho da empresa. Ou trata-se de documentos financeiros ou de emprego fictício de funcionários. Dessa forma, os vigaristas ganham dinheiro e é bastante difícil para os diretores da empresa detectar tais violações.

  • Divulgação de informações confidenciais

O funcionário pode deixar divulgar-se a base de clientes, documentos comerciais ou tecnologias da empresa. Isso levará as informações críticas a serem conhecidas por terceiros ou concorrentes por culpa do funcionário.

  • Abertura de empresas afiliadas

Os funcionários podem registrar-se ou registrar os seus familiares como pessoa jurídica e celebrar acordos não com a empresa principal, mas com a sua própria.

  • Chantagem

O vigarista pode exigir dinheiro da empresa para não divulgar informações importantes. Os subordinados costumam recorrer a esses métodos durante a demissão.

  • Roubo de valores materiais

Esse tipo de fraude corporativa é comum entre o pessoal que trabalha com o produto. Os funcionários podem roubar o produto ou retirá-lo sob o pretexto de defeito.

Exemplos de fraude corporativa

Consideremos 5 casos em que funcionários roubaram fundos da sua própria empresa.

  • Especialista TI de Wildberries estava engajado na “promoção cinza”

A empresa Wildberries descobriu perdas de aproximadamente US$ 6 milhões. A maioria das perdas são promoções fraudulentas no mercado. Acontece que o administrador do site criou um bot especial do Telegram, por meio do qual os vendedores compravam publicidade não oficialmente de graça, mas na verdade pagavam a ele.

  • O chefe do departamento de vendas manipulou tarifas e recebeu luvas

Algum Dmytró Rukin trabalhou como chefe do departamento de vendas do sistema de pagamentos internacionais 4Bill. De acordo com o resultado da auditoria interna da empresa, está estabelecido que os funcionários Dmytró Rukin, Nazar Yanko, Serhii Hanin e Kateryna Horobets desviaram capital de giro, em alguns casos em conluio com gestores mercantis, manipularam a superestimação e subestimação de tarifas e receberam luvas. Na verdade, os atacantes invadiram a filial regional enganando os funcionários locais do escritório espanhol. Quando foi aberto um processo criminal na Ucrânia, onde a empresa está registrada, Rukin e os seus cúmplices abriram diversas empresas em seus nomes e ainda trabalham em países latino-americanos por meio do sistema de pagamento online BetterBro e a marca LaFinteca.

  • Um funcionário da Apple aceitou subornos e inflou o preço das mercadorias

Dhirendra Prasad trabalhou na empresa em 2008-2018, foi responsável pela compra de peças e alguns serviços da Apple. A sua participação em fraude começou em 2011: recebeu subornos para celebrar acordos e inflou faturas. O homem desenvolveu o esquema criminoso junto com dois cúmplices. Todos os três reconheceram a sua culpa.

  • Um funcionário do armazém da Amazon roubou componentes

De acordo com os dados dos investigadores, Douglas Wright Jr., gerente de operações de um armazém da Amazon em Charlotte, Carolina do Norte, lhe robou ao seu empregador entre junho de 2020 e setembro de 2021. Para obter componentes como discos rígidos e processadores, o homem usaba autorização interna, enviaba os produtos roubados para sua casa e depois os revendia para grossistas na Califórnia. As perdas da empresa são cerca de US$ 250 000. Ele corre o risco de ser preso para até 20 anos.

  • Testador da Microsoft roubou moeda digital

Volodymyr Kvashchuk, de 25 anos, estava testando uma plataforma online para vendas no varejo. A plataforma oferece a oportunidade de receber cartões-presente com moeda digital, que podem ser trocados por produtos Microsoft. Kvashchuk revendeu parcialmente na Internet os produtos adquiridos desta forma. Mas a maior parte da moeda digital – no valor de US$ 10 milhões – vendeu a terceiros com desconto. Em junho de 2018, o esquema foi descoberto e Kvashchuk foi demitido.

Prevenção de fraude

Especialistas identificam diversos meios de combate às maquinações dentro da empresa.

  • Fortalecer o controle

Os documentos e transações mais importantes devem passar por diversos especialistas. Assim, se for detectada fraude, o círculo de suspeitos será reduzido.

  • Restringir o acesso às informações

É lógico que cada funcionário da empresa tenha as informações de que necessita para o seu trabalho. Restrinja o acesso a documentos confidenciais, base de clientes e informações tecnológicas.

  • Automatizar processos

A utilização de um sistema CRM permite registrar todas as operações e torná-las transparentes. Você precisa definir claramente quem pode editar ou excluir dados.

  • Estabelecer proibições

Você pode proibir o envio de documentos pela Internet, o uso de dispositivos USB, o envio de documentos, e bloquear capturas de tela.

 

 

 

Imagem de capa: DINO / DINO 

Continue lendo

BOA SORTE

Zenstox – Uma Abordagem Diferenciada no Trading Online

PUBLICADO

em

Notícias de empresas

No ambiente em constante mudança do trading online, a adaptabilidade às inovações tecnológicas e às demandas do mercado global é crucial. Em meio a essa transformação, a Zenstox emerge como uma corretora pioneira, equipada com uma plataforma sólida e funcionalidades avançadas. Este artigo se propõe a explorar as principais qualidades da Zenstox, enfatizando como a corretora molda seus serviços para satisfazer as exigências dos investidores contemporâneos.



Principais Atributos da Zenstox

Interface Intuitiva e Flexível: Priorizando a experiência do usuário, a Zenstox oferece uma plataforma com uma interface intuitiva e ajustável. Esta característica permite que os investidores, independentemente de seu nível de experiência, desde novatos a profissionais, personalizem seu ambiente de negociação conforme suas preferências e necessidades.

Diversidade de Ativos Financeiros: Com a Zenstox, os investidores têm acesso a um vasto leque de opções financeiras. Isso abrange desde ações de empresas líderes de mercado até alternativas inovadoras em setores emergentes, como as criptomoedas, facilitando a diversificação eficaz dos portfólios.

Instrumentos Avançados para Análise e Negociação: A plataforma está equipada com recursos de ponta para análise técnica e gráficos atualizados em tempo real, o que proporciona aos usuários a capacidade de tomar decisões baseadas em informações precisas e tendências atuais do mercado.

Suporte ao Cliente Dedicado: A Zenstox dedica-se a prestar um serviço excepcional de atendimento ao cliente. Com uma equipe de suporte acessível por diversos canais, eles estão sempre disponíveis para ajudar os usuários com quaisquer dúvidas ou necessidades operacionais.

Zenstox – Sinônimo de Confiança e Regulamentação

Gerenciada pela VIE FINANCE SEY LTD, uma firma de investimento devidamente autorizada e regulamentada sob o número de licença SD123, a Zenstox estabelece-se como uma marca de confiabilidade no mercado de investimentos. Esta regulamentação não só fortalece a posição da Zenstox como uma corretora de confiança, mas também garante aos seus clientes um ambiente de trading seguro e transparente. A adesão às normas regulatórias e a operação sob a supervisão de uma entidade licenciada sublinham o compromisso da Zenstox com a adoção das melhores práticas do setor, assegurando a integridade e a segurança dos investimentos de seus clientes.

Proteção Zero Risco em Suas Primeiras Operações na Zenstox

A Zenstox oferece uma política exclusiva de proteção para as primeiras 5-15 operações, dependendo do tipo de conta do usuário. Essa política assegura que qualquer perda financeira nas operações iniciais seja totalmente reembolsada, enquanto os lucros obtidos permanecem com o investidor. Esta é uma vantagem significativa, especialmente para os novos participantes no mercado de trading online. Com esta segurança adicional, os investidores iniciantes têm a oportunidade de experimentar e aprimorar suas estratégias de trading sem o peso das perdas iniciais. Essa abordagem de risco controlado não só oferece uma curva de aprendizado valiosa, mas também encoraja um começo mais seguro no trading, permitindo aos novos traders explorar diversas táticas e técnicas com um nível adicional de segurança financeira.

Descubra a Plataforma Zenstox: Eficiência e Inovação no Mercado Financeiro Online

A Zenstox se destaca no universo do trading online com sua plataforma inovadora, fruto de mais de uma década de desenvolvimento. O resultado é uma plataforma robusta, intuitiva e de fácil utilização, criada para satisfazer as demandas do investidor moderno.

Inovação na Raiz: Ao contrário de muitos corretores que adotam plataformas padronizadas, a Zentos Corretora  inovou ao desenvolver sua própria plataforma desde o zero. Esse esforço resultou em uma ferramenta única para o trading online, com uma interface intuitiva que incorpora funções inovadoras e conceitos originais.

Visão Completa do Mercado: A plataforma da Zenstox se apresenta como um centro abrangente de informações de mercado. Incorpora ferramentas como um calendário econômico detalhado, gráficos completos e notícias atualizadas, complementados com alertas customizáveis. Essa estrutura proporciona uma visão holística do mercado, possibilitando aos investidores fazerem escolhas baseadas em um entendimento completo das tendências econômicas globais.

Simplificação na Gestão de Risco: A plataforma oferece recursos como stop loss e take profit, permitindo que os usuários definam limites automáticos para fechar posições, minimizando a necessidade de monitoramento constante. Esta funcionalidade reforça o compromisso da Zenstox com uma experiência de investimento online simples e eficaz.

Autochartist: Um dos aspectos mais distintivos da Zenstox é sua funcionalidade Autochartist, uma ferramenta de análise técnica de última geração. Essa ferramenta analisa uma ampla gama de dados do mercado, cruzando-os com tendências históricas e outros indicadores para fornecer uma visão detalhada e precisa. O Autochartist se torna uma ferramenta essencial para os traders, permitindo-lhes refinar suas estratégias de investimento com base em análises profundas e insights precisos.

A Zenstox se consolida como uma escolha moderna e abrangente para o trading online. Com um forte compromisso com a inovação e a satisfação do cliente, destaca-se como uma plataforma que não apenas simplifica o processo de investimento e negociação, mas também incentiva o desenvolvimento e a educação financeira de seus usuários. As ferramentas e serviços oferecidos pela Zenstox, como o Autochartist, são de alta qualidade, mas é essencial que cada investidor analise como essas funcionalidades se alinham com seus objetivos e estratégias de investimento pessoais. A corretora Zenstox, com seu portfólio de recursos, estabelece-se como uma opção valiosa para traders que buscam uma experiência de trading completa e enriquecedora.

Isenção de responsabilidade:

Este artigo tem natureza promocional e destina-se a fornecer informações gerais sobre os serviços de um corretor online. Investir online pode acarretar riscos significativos, especialmente se não tiver experiência prévia neste tipo de operações.

Antes de tomar qualquer decisão de investimento, recomenda-se vivamente que procure aconselhamento profissional e realize uma investigação aprofundada. Lembre-se de que o seu capital está em risco e pode perder mais do que originalmente investiu. Não invista dinheiro que não pode se dar ao luxo de perder. Os investimentos online não são adequados para todos os investidores. Por favor, compreenda completamente os riscos antes de investir.

Continue lendo

MAIS LIDAS