NOSSAS REDES

ACRE

Por cirurgias plásticas mais baratas, acreanos viajam até Bolívia

PUBLICADO

em

Por cirurgias plásticas mais baratas, brasileiros organizam no WhatsApp viagens até Bolívia e Venezuela.

Valor chega a menos da metade do pago no Brasil; sociedade brasileira da classe diz que prática é ilegal.

Foto: Cirurgias plásticas em países vizinhos chegam a custar menos da metade do preço no Brasil – Getty Images.

A microempresária Silvana Siqueira, 39, se juntou a outras quatro mulheres e, em um carro, atravessou a fronteira entre o Brasil e a Venezuela no início deste ano. O objetivo: se submeter a cirurgias plásticas.

E elas não são as únicas. Segundo médicos e outras pessoas desse ramo ouvidas pela BBC News Brasil, cresceu nos últimos anos a busca, de brasileiros, por esses procedimentos em países como a Bolívia e a Venezuela. A ponto de todo um mercado ter se organizado em torno desse filão.

Há inúmeras páginas e grupos no Facebook dedicados ao assunto. Os interessados criam grupos no WhatsApp, em sua maioria compostos por mulheres, nos quais trocam experiências e organizam as viagens, atraídos principalmente pela oferta de menor preço. Além disso, brasileiros têm atuado como intermediadores entre pacientes, médicos e cuidadores, pessoas que recebem para ajudar no pós-operatório.

Não há uma estatística sobre essa procura, mas a Sociedade Boliviana de Cirurgia Plástica cita o câmbio, favorável a quem vive no Brasil, como um dos principais atrativos. Na Venezuela, um só médico diz operar até 12 brasileiros por mês. Lá, a crise econômica tem feito os profissionais atuarem cada vez mais para atrair clientes do exterior, de acordo com os relatos.

Siqueira conta que decidiu fazer as plásticas no país vizinho após ouvir relatos bem-sucedidos de amigas. Ela pagou R$ 13,5 mil pelos procedimentos. “A qualidade do serviço deles é excelente. Eu consegui o resultado que almejava”, conta. A viagem de carro fazia parte de um pacote no valor de R$ 2.000 pago a uma brasileira para receber os cuidados após a cirurgia.

Alguns procedimentos chegam a custar menos da metade do valor cobrado no Brasil —os mais procurados são lipoaspiração, lipoescultura, rinoplastia, abdominoplastia e implante de silicone nos seios.

Mas existem riscos. Além da possibilidade de ser operado por um profissional que não é cirurgião plástico, há também o perigo de o procedimento ser feito em uma clínica clandestina ou não haver cuidados adequados no pós-operatório, problemas também registrados no Brasil.

No ano passado, ao menos duas brasileiras morreram nos países vizinhos por causa de complicações. O mesmo ocorreu no caso da bancária Lilian Calixto, 46, que morreu no Rio após uma intervenção nos glúteos realizada por Denis Furtado, médico conhecido como “Doutor Bumbum”, que, segundo o Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj), não tinha autorização para exercer medicina no Estado.

Como ocorre a negociação

Médicos na Bolívia e na Venezuela mantêm uma equipe dedicada a conquistar clientes no Brasil. Por meio de divulgações nas redes sociais e até pessoalmente, nas áreas de fronteira, intermediários brasileiros anunciam o trabalho do profissional, propagando fotos de supostos resultados de procedimentos.

Esses intermediários geralmente ganham um percentual por cliente conquistado, e costumam fechar um pacote incluindo transporte, alimentação, estadia, cirurgia e cuidados durante o pós-operatório. Há outras opções para quem deseja viajar por conta própria.

Além deles, ajudam na divulgação os cuidadores, na maioria também brasileiros, que via de regra não trabalham para um médico específico. Ele auxiliam na busca pelo profissional e cobram até R$ 3.000 para oferecer suporte no período pós-operatório, que pode levar 15 dias. O valor inclui alimentação, acompanhamento, estadia e ajuda durante a recuperação.

“É preciso tomar cuidado, porque existe o risco de [os pacientes] serem captados por gente que trabalha por comissões e porcentagens para arrumar pacientes para cirurgiões falsos”, alertou em conversa com a BBC News Brasil o presidente da Sociedade Boliviana de Cirurgia Plástica, Javier Ruiz Barea.

Os pagamentos das cirurgias plásticas são feitos em uma única prestação, em dólar ou real. No caso da Bolívia, podem ser realizados antes de o paciente ir ao país ou na chegada. Na Venezuela, precisam ser pagos antes, por meio de depósito bancário ou entregues a um representante do médico.

As conversas sobre as plásticas, os valores e a forma de pagamento acontecem no WhatsApp. Também são criados nos aplicativos grupos que reúnem as pessoas que irão nas mesmas datas, nos quais também são publicadas informações sobre as viagens e as cirurgias.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a prática de levar grupos de brasileiros para fazer cirurgias plásticas em outros países é ilegal. “Eles aliciam as pessoas. Trata-se quase de um tráfico de pacientes. É um interesse exclusivamente mercantil. Fazem do paciente objeto de mercancia”, afirmou Denis Calazans, secretário-geral da entidade.

Uma pessoa que recebe pacientes na Venezuela, que pediu para não ser identificada, nega que a prática seja criminosa.

“Os médicos brasileiros tentam nos denegrir. Eles costumam dizer que somos aliciadores, mas eu não obrigo ninguém a vir. As pessoas chegam aqui por vontade própria. São elas que me procuram”, diz.

Indústria do bisturi

Os grupos, que costumam ter entre cinco e dez pessoas, geralmente viajam por meio de vans, ônibus ou carros particulares.

Em boa parte das vezes, vivem nos estados próximos à fronteira —os pacientes que chegam à Bolívia vêm, em sua maioria, de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Acre e Rondônia, enquanto no caso da Colômbia, de Roraima ou do Amazonas.

Durante o pós-operatório, há a opção de ficar em espaços pertencentes aos cuidadores. A atividade se tornou tão rentável que, para alguns, se tornou a única fonte de renda —há quem tenha contratado enfermeiros, cozinheiros e motoristas para atender aos pacientes.

Rosto de paciente iluminado enquanto médico se encontra nas sombras
‘Não existe crise para a cirurgia plástica aqui’, diz pessoa que recebe, na Venezuela, brasileiros que desejam fazer cirurgia plástica – Getty Images.
.

Na Venezuela, os brasileiros costumam fazer as intervenções em Puerto Ordaz, a cidade grande mais próxima à fronteira. No país, o grande número de estrangeiros que procuram os serviços locais fez os médicos criarem promoções para os locais, relata uma cuidadora ouvida pela BBC News Brasil.

“Os médicos passaram a cobrar metade do preço, em comparação àquilo que é cobrado dos estrangeiros, para que eles [venezuelanos] façam as cirurgias”, relata.

Em meio à profunda crise vivida na Venezuela, os cirurgiões plásticos intensificaram a divulgação de seus trabalhos no exterior.

Segundo o cirurgião Enzo Troisi, a vinda de estrangeiros cresceu nos últimos anos. “Hoje, além dos brasileiros, também recebemos pacientes colombianos, dominicanos, americanos e europeus”, diz.

Formado há 20 anos, Troisi afirma costumar operar de 8 a 12 brasileiros todos os meses. Não há levantamentos sobre a quantidade de brasileiros que vão à Venezuela com esse fim.

Uma cabeleireira brasileira, que pediu para não ser identificada, diz que economizou R$ 6,5 mil ao fazer plásticas no país vizinho em fevereiro passado. “Eu fiz lipoaspiração e coloquei prótese nos seios. No Brasil, os procedimentos não sairiam por menos de R$ 17 mil. Paguei R$ 10,5 mil na Venezuela.”

Ela elogia os médicos. “Eles foram muito cuidadosos e exigiram uma bateria de exames. Deu tudo certo comigo e com as outras meninas do meu grupo”, conta. “Não me arrependo. Meus parentes diziam que eu estava maluca, por causa das notícias ruins do país, mas a minha experiência foi muito tranquila”, diz a mulher.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia plástica alerta que os riscos estão presentes não só nos procedimentos em si, mas também no período pós-cirúrgico. Isso porque, afirma, há casos de brasileiros que sofrem complicações por não aguardar o tempo necessário de repouso.

“Uma das características que percebemos, principalmente nas cirurgias feitas na Venezuela, é que os brasileiros que têm complicações fazem a recuperação em hospitais públicos no Brasil. Então, eles pagam particular em outro país e se recuperam aqui, às custas do Estado brasileiro. Apesar disso, é importante destacar que a saúde brasileira é universal e não se pode negar assistência”, afirma Calazans.

Ajuda do câmbio

Na Bolívia, o mercado de cirurgias plásticas teve uma grande expansão nos últimos anos. Lá, a cidade mais procurada por brasileiros é Santa Cruz de La Sierra, também próxima com a fronteira.

“A taxa de câmbio faz com que os procedimentos fiquem mais baratos para os brasileiros”, conta o presidente da Sociedade Boliviana de Cirurgia Plástica.

Há dois anos, a vendedora Josiane Roque, 31, foi à Bolívia para fazer uma lipoescultura e colocar próteses de silicone nos seios.

Ela relata que pesquisou sobre os médicos locais antes de fazer as intervenções, que custaram R$ 7,5 mil. “Vi os resultados das cirurgias que eram feitas lá e gostei. Depois olhei os valores e vi que pagaria metade do que gastaria aqui no Brasil.”

A vendedora também contratou uma cuidadora para auxiliá-la no pós-operatório. “Eu fiquei sete dias na Bolívia, após a cirurgia, e só retornei quando estava bem. Gostei muito dos resultados, e indiquei para todas as minhas amigas.”

O empresário e jornalista Peterson Prestes, 36, afirma ter feito 22 procedimentos na Bolívia desde 2011, entre plásticas e intervenções estéticas. “Fiz rinoplastia, apliquei botox várias vezes, coloquei próteses nos glúteos, entre outras intervenções estéticas. Foi tudo muito tranquilo e nunca tive nenhuma complicação”, diz.

Homem sentado
Prestes já fez 22 procedimentos estéticos na Bolívia desde 2011 – BBC.
.

Ele acredita que os mesmos procedimentos, caso feitos no Brasil, não custariam menos de R$ 100 mil —na Bolívia, conta, saíram por pouco menos de R$ 80 mil.

“No total, paguei pouco menos de R$ 50 mil ao longo desses anos. Eu consigo muitos descontos porque também trabalho como drag queen e gravo vídeos divulgando algumas clínicas.”

Javier Barea alerta que os brasileiros devem tomar cuidado para não contratar falsos profissionais.

“Há pessoas que não são médicas e se passam por cirurgiões plásticos. Existem também médicos que não possuem tal especialidade e se oferecem para esse tipo de intervenções. Por isso, orientamos que somente entrem em contato com cirurgiões que pertençam à Sociedade Boliviana de Cirurgia Plástica.”

Casos trágicos

Embora as mulheres que conversaram com a reportagem relatem experiências positivas, nem sempre o sonho da cirurgia plástica termina bem.

O caso de morte mais recente foi o da manauara Orquídea Catão Ponds, 45, que morreu horas depois de passar por uma lipoaspiração na Venezuela, em dezembro.

Segundo o laudo pericial, ela teve tromboembolia pulmonar —um coágulo se forma nas veias, entupindo a artéria do pulmão.

A família contesta o resultado da perícia. “Tenho certeza de que não foi uma tromboembolia pulmonar. Eu a acompanhei, estive lá no momento da cirurgia e vi tudo de errado que aconteceu no dia”, relata uma parente dela, que pediu para não ser identificada.

Um ano antes, outra brasileira havia morrido após ser operada pelo mesmo médico, o oncologista Oscar Hurtado. Dioneide Leite, 36, se submeteu a uma abdominoplastia com ele. O nome de Hurtado não consta na lista de profissionais inscritos na Sociedade Venezuelana de Cirurgia Plástica (SVCP).

A reportagem procurou a entidade para comentar o caso, mas ela afirmou que não poderia responder nesta semana.

Em setembro do ano passado, a mato-grossense Janeane Rodrigues da Silva Fidélis, 42, morreu em decorrência de cirurgias plásticas feitas na Bolívia. Ela sofreu uma parada cardíaca dois dias depois de se submeter a lipoaspiração e abdominoplastia.

O médico responsável pela cirurgia, o cirurgião plástico Hernán Justiniano Grillo, não respondeu aos pedidos de entrevista. Na época, argumentou que a paciente não relatou, no pré-operatório, que tomava diferentes tipos de medicamentos, dentre eles um para problemas cardíacos.

De acordo com a Sociedade Boliviana de Cirurgia Plástica, o médico está inscrito na entidade. A entidade afirma que todos os casos de morte são investigados pelo Ministério Público da Bolívia, mas são conduzidos em sigilo.

Falta de dados

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica fez uma representação na Procuradoria-Geral da República sobre o turismo médico, na qual relatou as mortes das brasileiras. Segundo a PGR, não foram encontrados indícios de ilegalidades, e procedimento de investigação acabou arquivado.

Nos últimos cinco anos, foram registradas ao menos oito mortes de brasileiras na Venezuela em decorrência de cirurgias plásticas. Na Bolívia foram ao menos sete em 20 anos, segundo a Sociedade Boliviana de Cirurgia Plástica.

Não há dados sobre as mortes e complicações ocorridas após cirurgias feitas no Brasil, como a da bancária operada pelo “Doutor Bumbum”. Apesar dos vários casos relatados na imprensa ao longo dos anos, o Ministério da Saúde, o Conselho Federal de Medicina e a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica afirmam que não possuem estatísticas sobre óbitos ou sequelas graves.

No Sistema de Informação de Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, não há apontamentos de mortes em razão de cirurgias plásticas. Os casos normalmente são notificados de formas distintas, como infecção ou parada cardiorrespiratória, pois não há uma especificidade para as intervenções estéticas.

O dermatologista Érico Pampado Di Santis defendeu uma tese de doutorado que tinha como tema as mortes em procedimentos de lipoaspiração no Brasil. Ele relata que teve dificuldades para encontrar dados sobre os óbitos relacionados às intervenções.

“Obtive pela imprensa [os dados] em uma busca hercúlea de dez anos. É mais difícil ainda conseguir as certidões de óbito”, comenta.

Com base nas pesquisas para a tese, Santis apurou que foram registradas, no Brasil, 102 mortes, de 1987 a 2015, em decorrência de lipoaspiração, em alguns casos associadas a outros procedimentos.

Segundo o dermatologista, não há como afirmar que as intervenções nos países vizinhos são mais arriscadas que as feitas no Brasil. “Não se pode dizer que os riscos são distintos, pelo motivo de não termos no Brasil, e também no mundo, dados consistentes sobre esses casos.” Vinicius Lemos – Folha. 

ACRE.COM.BR / BBC News Brasil

ACRE

Piloto nega transporte de passageiro em avião que caiu em rio no Acre; destino da aeronave era o Pará

PUBLICADO

em

Pedro Neto afirmou que foi contratado por Wesley Lopes, copiloto, para levar a aeronave até o Pará e resolveu passar pelo Acre porque conhece a rota e os pontos de abastecimento. Avião caiu no Rio Tarauacá na última segunda-feira (20).

Pedro Rodrigues Parente Neto, piloto do avião que caiu no Rio Tarauacá, na cidade de mesmo nome, interior do Acre, na última segunda-feira (20), negou durante depoimento à Polícia Civil que a aeronave levava três pessoas no momento da queda. Segundo o depoimento prestado à Polícia Civil nesta quarta-feira (22), apenas ele e Wesley Evangelista Lopes estavam no avião.

“Lá pro dia 2 de maio o Wesley, eu não conhecia ele, ele mandou mensagem num grupo de spotted de avião, de entusiastas de aviação. Eu só tô nesse grupo pra tentar vender meu curso pro pessoal que gosta de avião. Aí ele me contratou pra fazer um planejamento pra ele”, disse em entrevista ao g1.

Neto disse então a princípio deveria voltar do Pará, mas como, segundo ele, não há locais de abastecimento na Amazônia, orientou Lopes a utilizar o Acre como rota. “Como meu planejamento ficou bom ele me chamou [para pilotar a aeronave]”, contou o piloto.

Ele contesta a versão de que a aeronave levava três pessoas, o que seria acima da capacidade. “Não tinha passageiro, esse cara que se machucou estava em um barco e se machucou afobado para tentar ajudar”, afirmou.

Contudo, conforme informações do Corpo de Bombeiros de Tarauacá, além do piloto e de Lopes, Genésio Rodrigues de Olinda, que mora no Jordão, estava na aeronave. Ele quebrou o nariz, foi atendido no hospital da cidade e transferido para Cruzeiro do Sul na terça-feira (21).

O g1 confirmou com um parente de Genésio que ele está bem e segue em Cruzeiro do Sul. O familiar reafirmou que o homem estava na aeronave que caiu no rio.

Copiloto Wesley Lopes já foi preso anteriormente por tráfico internacional de drogas — Foto: Arquivo pessoal

Copiloto Wesley Lopes já foi preso anteriormente por tráfico internacional de drogas — Foto: Arquivo pessoal

Na declaração, Pedro Rodrigues Neto, que se apresenta como dono da empresa Céu Livre Aerodesporto, especializada em ‘voos panorâmicos e cursos de pilotagem’, nas redes sociais disse que mora no Rio de Janeiro e foi contratado por Wesley Evangelista Lopes para levar a aeronave do Espírito Santo (ES) para uma cidade no interior do Pará (PA).

Avião de pequeno porte levava três pessoas, sendo um passageiro, o piloto e copiloto — Foto: Reprodução

Avião de pequeno porte levava três pessoas, sendo um passageiro, o piloto e copiloto — Foto: Reprodução

Investigação

 

O delegado Ronério Silva confirmou ao g1 que investiga se há algum crime envolvido no acidente aéreo. Ele deve ouvir ainda o copiloto Wesley Evangelista Lopes e Genésio Rodrigues de Olinda para levantar mais informações sobre o caso.

“Vou dar continuidade à investigação, não tem flagrante nenhum. Nossa investigação é criminal, o Cenipa investiga as causas. Vamos ficar só na parte criminal, não houve vítimas, qual seria a destinação da aeronave. Não foi encontrado nada, mas são atitudes suspeitas de um avião que teria o destino final o Pará, ter passado por aqui”, resumiu.

Queda

 

Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave tem capacidade para transportar duas pessoas, mas levava três. A situação do avião é considerada regular.

No entanto, ainda de acordo com a Anac, a aeronave não tem autorização para fazer táxi aéreo. Não há informação se era esse tipo de voo que era feito no momento da queda, que ocorreu próximo à Fazenda Santa Luzia. Ninguém morreu e o governo do estado publicou uma nota afirmando que está prestando o apoio necessário aos feridos.

O local onde a aeronave caiu fica a duas horas de distância da área urbana. Na tarde de segunda, bombeiros e populares retiraram a aeronave da água.

Avião foi retirado da água com ajuda de populares — Foto: Arquivo pessoal

Avião foi retirado da água com ajuda de populares — Foto: Arquivo pessoal

Um vídeo que viralizou nas redes sociais mostra mergulhadores dos bombeiros e alguns moradores ajudando na remoção.

Uma equipe do Sétimo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa VII) deve investigar o que ocasionou a queda do avião em Tarauacá. Em nota enviada ao g1, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), localizado em Manaus (AM), afirmou que os investigadores foram acionados para realizar a ação inicial da ocorrência envolvendo a aeronave.

“Na Ação Inicial são utilizadas técnicas específicas, conduzidas por pessoal qualificado e credenciado que realiza a coleta e a confirmação de dados, a preservação dos elementos, a verificação inicial de danos causados à aeronave, ou pela aeronave, e o levantamento de outras informações necessárias à investigação”, complementou.

O Cenipa frisou ainda que o posicionamento do órgão se dá somente a partir do fim das investigações, já que o objetivo, segundo eles, é de prevenir que novos acidentes com características semelhantes ocorram.

“A conclusão dessa investigação terá o menor prazo possível, dependendo sempre da complexidade da ocorrência e, ainda, da necessidade de descobrir os possíveis fatores contribuintes”, garantiu.

Continue lendo

ACRE

Inovação e Sustentabilidade: Aliados no Desenvolvimento Agrícola do Acre

PUBLICADO

em

Inovação e Sustentabilidade: Aliados no Desenvolvimento Agrícola do Acre

Localizado na região amazônica, o Acre ocupa um lugar de destaque no cenário agrícola nacional, não apenas por sua biodiversidade incomparável, mas também por sua busca incessante por soluções inovadoras e sustentáveis na agricultura. Em meio à vastidão da Amazônia, o estado se destaca como um laboratório vivo onde técnicas agrícolas adaptadas à realidade local são desenvolvidas e implementadas, muitas vezes servindo como modelo para outras regiões do país.

A combinação única de condições climáticas, recursos naturais e diversidade cultural torna o Acre um campo fértil para a experimentação e o avanço da agricultura sustentável. Neste artigo, vamos explorar como o Acre está liderando o caminho no uso de tecnologia agrícola de ponta, práticas sustentáveis e conservação ambiental para impulsionar seu desenvolvimento agrícola e contribuir para a construção de um setor agrícola mais resiliente e responsável em nível nacional.



Tecnologia Agrícola: Eficiência e Produtividade

Na vanguarda da agricultura moderna, o Acre adota tecnologias avançadas para aprimorar sua eficiência e produtividade. Assim como as plataformas de jogos online, como a Brasil 777, fazem uso de algoritmos sofisticados para oferecer uma experiência de usuário otimizada, os agricultores acreanos empregam sistemas de monitoramento via satélite, drones e sensores inteligentes para analisar o solo, acompanhar o crescimento das culturas e identificar áreas propícias para o cultivo.

Essas ferramentas tecnológicas não apenas permitem uma tomada de decisão mais precisa, mas também auxiliam na otimização do uso de recursos, contribuindo para uma agricultura mais sustentável e eficiente. Além disso, a automação e a robótica estão revolucionando as práticas agrícolas, tornando os processos de plantio, colheita e manejo mais ágeis e precisos.

Um exemplo marcante dessa integração entre tecnologia e agricultura é o Programa de Desenvolvimento da Agroindústria do Acre (Proacre), que busca modernizar a produção agrícola no estado por meio da implementação de sistemas automatizados e práticas inovadoras. Essas iniciativas refletem o compromisso do Acre em se manter na vanguarda da agricultura sustentável, incorporando os avanços tecnológicos para impulsionar o desenvolvimento econômico e social da região.

Práticas Agrícolas Sustentáveis: Preservação e Resiliência

Práticas agrícolas sustentáveis são fundamentais para a preservação do meio ambiente e a garantia de uma agricultura resiliente. A agroecologia, o plantio direto e a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) são algumas das abordagens adotadas pelos agricultores acreanos.

Essas práticas visam conservar o solo, promover a biodiversidade e reduzir as emissões de gases de efeito estufa. A Embrapa Acre, em parceria com instituições locais, tem desenvolvido projetos de pesquisa e extensão voltados para a disseminação dessas técnicas entre os produtores rurais, contribuindo para uma agricultura mais sustentável e adaptada às condições locais.

Conservação Ambiental e Gestão de Terras: Protegendo a Amazônia

Como parte da Amazônia brasileira, o Acre desempenha um papel crucial na conservação ambiental e na gestão responsável das terras. Iniciativas como o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e os pagamentos por serviços ambientais são ferramentas importantes para a regularização fundiária e a preservação das florestas.

Além disso, o Acre tem buscado promover o uso sustentável dos recursos naturais, incentivando práticas como o manejo florestal comunitário e a criação de reservas extrativistas. Essas medidas visam conciliar o desenvolvimento econômico com a conservação da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos fornecidos pela Amazônia.

Continue lendo

ACRE

Eleições 2024: Janaina Furtado é pré-candidata a vereadora – “elogiar sem bajular e criticar sem agredir”, é o segredo do bom mandato, diz

PUBLICADO

em

A Professora Janaina Furtado, atual Coordenadora Geral da SEE em Tarauacá, deve disputar uma das vagas na câmara municipal nas eleições de outubro. Ela apresentou recentemente seu nome ao partido do qual é filiada (Progressistas) como pré-candidata. O partido apresenta como precandidato a prefeito o médico Rodrigo Damasceno.

Janaína Furtado é uma jovem mãe de Tarauacá, foi vereadora por dois mandatos (Eleita em 2012 e reeleita em 2016), tem a fala firme de uma pessoa acostumada ao embate nas lutas da população. É com esse espírito que se colocou à disposição do ‘progressistas’ disputar o cargo de vereadora.



Os olhos ficam rasos quando se lembra de onde veio. Quando foi vereadora por dois mandatos consecutivos, empunhou bandeiras em todas as frentes de lutas do povo de Tarauacá. “Eu havia dito que não teria mais interesse em disputar a eleição e cuidar apenas da minha missão atual que é coordenar a educação estadual. Na última eleição em que fui candidata a vice prefeita, eu não perdi a eleição. Nós perdemos o Giovanni Acioly. Com o dilema que eu e minha família vivemos nos últimos 3 anos decorrente dos problemas de saúde do meu pai, que culminou com partida dele muito precoce, eu decidi voltar para o cenário da política do qual ele sempre foi meu grande incentivador. Fui vereadora por dois mandatos e nunca traí meus eleitores tendo relação incestuosa com a prefeitura e nem com outros poderes. Procurei honrar os que confiaram em mim, especialmente meus pais que foram meus primeiros professores”, declarou Janaina.

JANAINA FURTADO:

Janaina Araújo Furtado Accioly, casada, mães de 3 filhos, nasceu em 14 de julho de 1987, no Seringal Conceição, Rio Murú, em Tarauacá. Janaina foi alfabetiza pelos próprios pais, numa sala de aula que funcionava em sua residência. Lá, estudou até a quarta série. Depois, teve que vir morar na cidade para concluir os estudos. Estudou ensino fundamental nas Escolas José Augusto e Plácido de Castro (onde foi presidente do Grêmio Estudantil) e ensino médio na Escola Djalma Batista. Em 2010, concluiu o curso de graduação em pedagogia. Em 2015 ingressou no serviço público como professora concursada da rede municipal de ensino. Antes, porém, trabalhou como professora provisória no ensino de jovens e adultos. “Meus pais largaram a vida na Zona Rural vieram morar na cidade para que eu e minhas irmãs pudéssemos continuar nossos estudos. Eu vim para a cidade ainda muito jovem carregando dois sonhos, ou dois compromissos. Um era entregar aos meus pais o meu diploma da faculdade e o outro era o meu contrato de professora. Graças a Deus e a dedicação deles eu consegui”, disse Janaina.

Na Educação Janaina é atualmente a Coordenadora Geral do Nucleo Estadual de Educação. Já atuou professora do Ensino Infantil nas escolas José Augusto de Araújo e Aucilene Calixto, professora da EJA (Garis), professora do Programa Pro-jovem Urbano e Coordenadora Municipal da Educação de Jovens e Adultos. Exerceu ainda a função de Coordenadora Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres. No movimento comunitário foi vice-presidente dos Bairros Avelino Leal e Cohab. No movimento sindical é filiada ao Sinteac e sempre participou das lutas dos trabalhadores em educação. “Quando foi vereadora desde o primeiro dia do meu mandato procurei honrar o povo do meu município. Fui para as suas lutas. As lutas pela água, energia, ruas, esgoto, concurso público e por dignidade. Representei os servidores públicos. Pedi respeito ao povo no atendimento bancário. Me juntei à luta das mulheres, dos desportistas, dos fazedores de cultura, dos presidentes dos bairros e do povo de forma geral. Nunca me calei. Fiz proposições. Apresentei leis, projetos e não usei o mandato para meu benefício e da minha família. Não tive relação incestuosa com prefeito ou grupos políticos. Não subi escadas da prefeitura para pedir empregos para parentes e nem outro benefício para mim. Exerci o mandato com liberdade e coragem. Não sujei meu nome, nem dos meus eleitores e muito menos da minha família”, destacou Janaina.
À frente da educação estadual em Tarauacá há quase 3 anos, Janaina vem trabalhando muito junto com o governo do estado, para organizar e estruturar a rede estadual de educação em Tarauacá. Educação na zona urbana, educação no campo e educação escolar indígena formam o tripé dos esforços do governo para que todos tenham acesso a escolas com estruturas adequadas, profissionais capacitados, transporte escolar terrestre e fluvial, alimentação escolar, fardamento, material didático, formação e zelo. “Minha função como gestora da educação tem me trazido muitas experiências novas e desafiadoras, o que vai enriquecer mais ainda um possível mandato de vereadora”, pontuou.

Janaina conta ainda que foram oito anos de mandato sem precisar agredir, xingar, esculhambar ou coisa parecida para poder me expressar e ser ouvida. “O que faz um mandato digno é a sua conduta. Não há segredo nisso. Devemos sempre fazer o correto. Sermos justos. Elogiar sem ajoelhar e criticar sem agredir. Assim conquistamos o respeito das pessoas. 8 anos em que fui propositiva, atuante, dedicada, cuidadosa, critica. Apresentei projetos, votei leis, votei a favor de criação de cpis, abri mão de vantagens, denunciei, cobrei, fiscalizei enfim, trabalhei muito”, concluiu.

(Assessoria)

Continue lendo

MAIS LIDAS