NOSSAS REDES

POLÍTICA

Presidenciáveis pregam reforma da Previdência e revisão da lei trabalhista

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Cinco de seis candidatos que foram a evento da CNI defenderam mudança previdenciária; três deles querem revisar reforma trabalhista aprovada por Temer.

Os candidatos à presidência da República: Geraldo Alckmin (PSDB), Jair Bolsonaro (PSL), Álvaro Dias (Podemos), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (REDE) e Henrique Meirelles (MDB), durante debate promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília (DF) – 04/07/2018 (Adriano Machado/Reuters – Evaristo Sá/AFP).

Em evento promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília, nesta quarta-feira, seis dos pré-candidatos à Presidência da República na eleição deste ano apresentaram suas propostas para o país. A questão econômica esteve no centro do debate – o assunto mais comentado foi a urgência em se fazer a reforma da Previdência, tentada, mas não implementada pelo presidente Michel Temer (MDB). Além disso, parte dos presidenciáveis citou a importância de rever a reforma trabalhista, vigente desde novembro passado.

Estiverem presentes à sabatina os ex-governadores Geraldo Alckmin (PSDB) e Alvaro Dias (Podemos), os ex-ministros da Fazenda Henrique Meirelles (MDB)Ciro Gomes (PDT), o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) e a ex-senadora Marina Silva (Rede).

O tucano criticou a existência de dois regimes previdenciários no país. “Para o trabalhador da indústria e do comércio, a média de (valor da) aposentadoria é de 1.391 reais. E ninguém passa de 5.000 reais. O setor público federal pode escolher: 8 (mil reais), 17 (mil reais) e 27 mil reais de média”, afirmou. Por isso, prometeu, se eleito, avançar na agenda das reformas nos primeiros seis meses de mandato. ”A força do voto da democracia é fundamental e eu diria que os primeiros seis meses são essenciais para fazer as reformas que precisam ser feitas”, disse. “A reforma é para ontem, fazê-la rapidamente, tudo no primeiro semestre do ano que vem. Quanto mais rápido fizermos, recuperamos a confiança”, acrescentou. 

Bolsonaro também sinalizou a necessidade da reforma, mas não deu detalhes sobre sua proposta. Para o deputado federal, o Brasil está “praticamente insolvente” e, por isso, é necessário rever o comprometimento do orçamento com despesas obrigatórias. O pré-candidato do PSL criticou, ainda, a proposta que Temer tentou, sem sucesso, aprovar no seu governo. Para ele, o modelo era ”um remendo novo em calça velha”.

Para Alvaro Dias, alguns pontos merecem atenção especial quando o assunto é a reforma da Previdência. ”Não há como evitar a idade mínima e não há como não convergir os sistemas público e privado. Não se fará reforma da Previdência sem eliminar privilégios de autoridades”, defendeu. Sobre a reforma trabalhista, criticou o mecanismo de trabalho intermitente e a possibilidade de mulheres lactantes trabalharem em locais insalubres.

Ciro Gomes defendeu a realização de uma consulta popular durante a discussão do regime previdenciário. ”Não vamos sair do atoleiro sem um amplo diálogo. Não estamos virando o jogo. Estamos afundando estrategicamente como nação”, apontou. Por outro lado, o presidenciável do PDT classificou como ”selvageria” a reforma trabalhista em vigência. “Cinquenta milhões de compatriotas nossos estão vivendo o pão que o diabo amassou na informalidade. Vamos colocar a mão na consciência, cavalheiros”, criticou.

Quem também enfatizou a importância da discussão sobre a reforma trabalhista foi Marina Silva. Para a pré-candidata da Rede, ”a reforma trabalhista carece de mudanças e de revisão para de fato significar modernização”. Quando perguntada sobre o que alteraria, ela divergiu de Alvaro Dias, ao defender a autorização para que mulheres grávidas possam trabalhar em locais insalubres, se os médicos liberarem. Marina disse, ainda, que estes pontos vulneráveis no texto atual são frutos da forma ”atabalhoada” com a qual ele tramitou no Congresso. “A reforma tinha como sinalizador aumentar empregos, o que ainda não se efetivou”, ponderou.

Sem entrar em detalhes, o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles defendeu a reforma da Previdência, para ”criar igualdade”. Além disso, apontou como fator positivo da reforma trabalhista a diminuição dos processos contra empresas.

O que defenderam os candidatos no evento da CNI

Geraldo Alckmin (PSDB)

  • Reforma da PrevidênciaNotícias sobre Alvaro Dias Ciro Gomes CNI Geraldo Alckmin Henrique Meirelles Jair Bolsonaro Marina Silva PDT PMDB Podemos PSDB PSL Rede Sustentabilidade Reforma da Previdência Reforma Trabalhista reforma tributária Supremo Tr
  • Reforma tributária
  • Redução do imposto de renda para pessoa jurídica
  • Redução do estado

Jair Bolsonaro (PSL)

  • Reforma da Previdência
  • Redução do número de ministérios de 29 para 15
  • Maior participação da iniciativa privada na economia
  • Redução do estado

Ciro Gomes (PDT)

  • Reforma da Previdência
  • Revisão da reforma trabalhista
  • Atuação na política de câmbio e juros

Alvaro Dias (Podemos)

  • Reforma da Previdência
  • Revisão da reforma trabalhista
  • Lista tríplice para indicação de ministros do Supremo Tribunal Federal
  • Revisão da PEC dos gastos públicos
  • Redução dos privilégios para evitar supersalários de servidores
  • Refino do petróleo no Brasil para baratear seu custo

Marina Silva (Rede)

  • Revisão da reforma trabalhista
  • Maior autonomia às instituições financeiras
  • Reforma tributária e redução dos juros
  • Reforma política (mandato único de 5 anos no Executivo)

Henrique Meirelles (MDB)

  • Reforma da Previdência
  • Reforma trabalhista
  • Simplificação do sistema tributário
  • Aumentar a competitividade no mercado brasileiro

(Com Estadão Conteúdo/Veja)

BRASIL

Com o Brasil vivendo surtos de doenças, governo Bolsonaro quer reduzir compra de vacinas em R$ 393,7 milhões

Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Com o Brasil vivenciando um surto de sarampo, além do aumento dos casos de febre amarela, o Ministério da Saúde quer reduzir as despesas com a aquisição e distribuição de vacinas em R$ 393,7 milhões no próximo ano. A proposta de corte está contida no projeto de lei orçamentária que foi encaminhada pelo governo Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional no final de agosto. 

O valor é 7% inferior aos R$ 5,3 bilhões previstos para este exercício e ainda poderá ser encolhido, já que R$ 1,4 bilhão, do total de R$ 4,9 previsto para 2020 terá sua liberação condicionada a uma aprovação legislativa extraordinária. 

Por meio de nota, o Ministério da Saúde que apesar do corte orçamentário “não faltarão recursos para a aquisição de vacinas”. Ainda segundo a pasta, o governo está “ampliando as aquisições e recompondo os estoques com preços mais baixos dos que inicialmente estavam previstos”, o que justificaria a redução orçamentária para   das vacinas no próximo ano. 

ESTADÃO

Continue lendo

ACRE

Base do governo fica acuada após “recado” do Palácio e adia votação de vetos na Aleac

Ac24horas, via Acrenoticias.com - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

Os deputados da Assembleia Legislativa resolveram adiar a votação que ocorreria nesta terça-feira, 17, para esta quarta, 18, para análise dos vetos aos projetos de leis feitos pelo governador Gladson Cameli.

A decisão de adiar a votação ocorreu após uma tensa reunião da base na sala da presidência. Um recado de emissários do Palácio Rio Branco teria dado aos parlamentares governistas que derrubassem os vetos.

Chateados, alguns parlamentares ficaram revoltados com a “pressão”.

Entre os vetos que os deputados tinham interesse em derrubar, está a alteração do Artigo 21 da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) construída em parceria entre o deputado Chico Viga (PHS), técnicos e assessores do governo. Além disso, mais 8 vetos de projetos também serão analisados.

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp WhatsApp Notícias