NOSSAS REDES

ACRE

Sargento nega separação de trisal no AC e revela que uma das esposas trata crise de ansiedade em outra cidade

PUBLICADO

em

Após rumores de que os sargentos da Polícia Militar Alda Nery e Erisson Nery, que vivem um trisal com a administradora Darlene Oliveira, estariam separados, Nery usou as redes sociais para negar qualquer boato e afirmou que seguem juntos. Os três moram na cidade de Brasileia, no interior do Acre, e ele explicou que Alda e Darlene estão na capital acreana há alguns dias e já estão se preparando para voltar.

“Não estamos separados, não estamos nos separando, não planejamos nos separar. O trisal não foi, nem está sendo desfeito. Continua tudo normal. A Alda está passando por excesso de estresse, com síndrome de burnout, algumas situações identificadas pela psicóloga dela com quem está fazendo tratamento. Então, ela está passando uns dias em um hotel por prescrição médica, apenas isso. Mas, já está chegando de volta e vocês vão ver as postagens da gente juntos novamente como sempre foi”, disse ao g1, nesta quinta-feira (14).

Nery falou que os rumores partiram dos próprios seguidores deles, nas redes sociais, depois de deixarem de ver as publicações juntos. “Os rumores de separação nunca saíram de nenhum de nós.”

O sargento disse que Alda e Darlene estão em um hotel na capital acreana e que as duas fizeram a pequena viagem juntas devido à crise de ansiedade que Alda teve e, por sugestão médica, ela não deveria viajar sozinha.

“Dias antes de ir, teve crise de ansiedade e a psicóloga sugeriu que ela não ficasse sozinha e como estou tirando muito serviço, extra inclusive, a Darlene a acompanhou. Por ela estar lá com a Darlene e eu aqui, foi dai que surgiram estes rumores. Mas, segue tudo bem. Inclusive, ela deve estar voltando hoje [quarta,14], se conseguir um táxi porque não foi de carro”, pontuou.

Trisal diz que tem recebido apoio dos seguidores  — Foto: Arquivo pessoal

Trisal diz que tem recebido apoio dos seguidores — Foto: Arquivo pessoal

Alda e Erisson Nery são sargentos da PM e já eram casados quando conheceram a administradora Darlene. Os três se relacionam há mais de um ano, mas só recentemente assumiram o trisal nas redes sociais e até criaram um perfil para divulgar a vida a três.

Mas a repercussão, além de trazer mensagens de apoio e até relatos de pessoas que levam o mesmo estilo de vida, acabou com a demissão de Darlene, segundo a sargento Alda, em junho deste ano. Ela diz que a companheira foi demitida com a justificativa de que a exposição dela afetaria a imagem da empresa.

Outra situação envolvendo os três ocorreu em agosto deste ano, quando os sargentos foram denunciados no Conselho Tutelar da cidade de Brasileia por suposta negligência na criação dos dois filhos, de 13 e 17 anos. Na época, Alda se manifestou também nas redes sociais e afirmou que os filhos são nerds.

“Denunciaram que meus filhos são negligenciados, que eles ficam em casa, não saem de jeito nenhum e que eles têm comportamento depressivo. Meus filhos são nerds gostam de ler livros e a pessoa fazer uma denúncia dessas sobre duas crianças que são inteligentíssimas, que gostam de ler livros, de assistir coisas informativas. Eles não gostam de ficar andando de skate, fumando maconha nem soltando pepeta”, desabafou.

Alda Nery, Erisson Melo e Darlene Oliveira, estão há quase um ano em um relacionamento e comemoram — Foto: Daniel Cruz/Arquivo pessoal

Alda Nery, Erisson Melo e Darlene Oliveira, estão há quase um ano em um relacionamento e comemoram — Foto: Daniel Cruz/Arquivo pessoal

História juntos

Alda e Erisson Nery são sargentos da Polícia Militar e já eram casados quando conheceram a administradora Darlene Oliveira. “A princípio, temos mais apoio. Claro que existe o preconceito, o ódio. Mas a gente abstrai”, disse Erisson.

Juntos, os três assumiram a relação há um ano. Mais, eles acabaram criando um perfil em uma rede social para divulgar como é a vida que escolheram.

“Inclusive, a gente não apaga da página os comentários contrários, pejorativos, maldições e condenações ao inferno. Alguns respondemos, outros não. Aumentou muito a questão dos seguidores e audiência da página. Estamos com mais de 15 milhões de impressões, apesar de ter só 33 mil seguidores”, completou ele.

A história do trisal começou em 2000, com o casamento dos militares Alda e Erisson. Eles são pais de dois filhos, um de 17 e outro de 13 anos. Darlene se juntou a eles mais recentemente, em 2020. Segundo o trisal, a administradora é um elo importante da relação, que é mantida na base do respeito, do amor e da lealdade.

O trisal decidiu morar juntos há cerca de seis meses. A iniciativa, contam, serviu de inspiração para que mais pessoas compartilhassem depoimentos parecidos.

“Muita gente, inclusive, veio se abrir com a gente falando que vive a mesma situação, só que tem medo desse preconceito que a gente está passando, tem medo do abandono da família, do repúdio. A gente ouve diariamente muitos depoimentos, principalmente de mulheres, que são a maioria dos nossos seguidores”, conta Alda.

Segundo eles, ser inspiração para outros trisais é o que os fortalecem contra o preconceito que enfrentam.

Antes de criarem o perfil no Instagram, o trisal já tinham uma página no YouTube. “A gente já tinha aprendido a lidar com isso, quando criamos um canal no YouTube e tem muita gente que não gosta da polícia. Os [comentários] positivos são sempre bem-vindos, os contrários a gente abstrai. Alguns são muito pesados e a gente responde de uma forma aceitável para rede social. Aqui [no Instagram] se torna mais fácil para nós, porque quando um fica pilhado, os outros dois vão lá e apoiam”, afirmou o sargento Erisson.

Com informações de G1Acre

Área do Leitor

Receba as publicações diárias por e-mail

REDES SOCIAIS

MAIS LIDAS