NOSSAS REDES

ACRE

SAÚDE: Assembleia Legislativa do Acre derrota Tião Viana

Editorial do Acre.com.br - Da Amazônia para o Mundo!

PUBLICADO

em

A diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre (Sintesac) comemorou efusivamente a derrota do o Projeto de Lei (PL) n° 08 que precarizarava os serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) e terceirizariam os serviços. Agora, neste ano de 2018 não poderá ser apresentado outro projeto sobre o mesmo tema.

“Tão logo soubemos da chegada deste PL na Assembleia Legislativa do Estado Acre (Aleac), ainda na semana passada, nós corremos para a Assembleia Legislativa do Estado Acre [Aleac] para nos inteirarmos dos fatos e vimos o tamanho do crime que estavam comentendo”, destacou Adailton Cruz, presidente do Sintesac.

Apoios importantes

Adailton destacou ter sido mobilizada toda a diretoria, assessoria e apoiadores do Sintesac para buscar uma saída. “Foi uma luta árdua, mas temos de destacar que desde o primeiro momento os deputados Raimundinho da Saúde e Jenilson Leite se posicionaram do lado dos trabalhadores e nos apoiaram”, ressaltou.

Com a derrubada do veto governamental à Lei do Pró-Saúde ainda na terça-feira (13), muito comemorada pelos servidores presentes, todas as atenções do Sintesac se voltaram para o famigerado PL 08, responsável por possibilitar a terceirização generalizada de todos os serviços do Estado.

Oposição e os deputados da Saúde

“Nossa luta foi árdua e contamos com o apoio dos nove deputados da oposição além dos dois deputados da base e identificados com o setor de Saúde, os quais muito nos ajudaram. Por conta disso, o PL foi retirado de pauta na terça feira, quando contávamos com 11 votos favoráveis, 10 para o governo e duas abstenções”, comentou Adailton.

Na manhã desta quarta-feira os membros do Sintesac, juntamente com representantes de outras entidades estaduais, fizeram os últimos atos em defesa do SUS, quando a estratégia dos deputados de oposição se mostrou mais inteligente que o “rolo compressor” do governo, resultando na derrubada do PL por 11 votos a 10. Os deputados Jesus Sérgio e Éber Machado, cujo votos contra o governo já haviam sido anunciados não compareceram.

Votaram com os trabalhadores e com o SUS

Jenílson Leite (PCdoB), Raimundinho da Saúde (Podemos), Antônio Pedro (DEM), Eliane Sinhasique (MDB), Whendy Lima (PP), Nicolau Júnior (PP), Chagas Romão (MDB), Gherlen Diniz (PP), Jairo Carvalho (PSD), Nelson Sales (PV) e Luiz Gonzaga (PSDB).

Votaram contra os trabalhadores e o SUS

Daniel Zen, Lourival Marques, Leila Galvão e Ney Amorim (todos do PT), Dra. Juliana (PRB), André da Droga Vale (PRP), Josa da Farmácia (PTN), Maria Antônia (PROS), Heitor Júnior (PDT) e Manoel Moraes (PSB).

Ausentes da votação do PL da terceirização
Jonas Lima (PT, em viagem), Jesus Sérgio e Éber Machado (PDT).

Governo perde votação na Aleac e terceirização de serviços é varrida do Estado do Acre

Quem disse que o governo petista de Tião Viana era imbatível na Assembleia Legislativa do Estado Acre (Aleac) não falou isso para os membros do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre (Sintesac): primeiro foi o veto contra a lei do Pró-Saúde foi derrubado na terça-feira (13) e nesta quarta-feira foi derrubado o Projeto de Lei da terceirização dos serviços no Estado e programada para atingir primeiro as unidades de saúde em Rio Branco.

Com a participação efetiva do Sintesac no combate à terceirização, a diretoria pode e os servidores puderam comemorar o enterro definitivo do PL 08, que abria os serviços de todas as áreas do Estado para serem entregues aos empresários.

A vitória do movimento sindical somente foi possível graças o apoio dos deputados Raimundinho da Saúde (Podemos) e Jenilson Leite (PCdoB), ambos pertencentes a base de sustentação do governo e que votaram com os servidores e em conjunto com os deputados de oposição.

Uma semana de lutas

Durante os últimos dois dias, o Sintesac e os demais sindicatos (Sindfarm, Sindiconam, Spate e Sinteac) manteviram uma vigília constante na Aleac sempre em busca de derrubar as medidas que precarizariam os serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) e terceirizariam os serviços. Contudo, a luta no parlamento se iniciou ainda na semana passada, quando o governo enviou para a Assembleia Legislativa o Projeto de Lei (PL) n° 08.

Na manhã desta quarta-feira a diretoria e membros do Sintesac fizeram uma ação corpo-a-corpo com os deputados, notadamente os da base de sustentação do governo petista. Havia, desde a véspera, a expectativa de que quarto deputados da base votariam contra o PL.

Deputados de honra

Apoiados principalmente pela bancada de oposição e os deputados Raimundinho da Saúde e Jenilson Leite, a luta foi ferrenha. Já no começo da tarde desta quarta-feira e sem a presença dos outros dois votos favoráveis da base governista, deputados Jesus Sérgio e Éber Machado, ambos do PDT, a luta era dada como perdida, pois da oposição também estavam ausentes os deputados Wendy Lima e Nicoloau Júnior, ambos do PP.

Feitas as contas, o governo tinha naquele momento 10 votos favoráveis à terceirização e nove contra. A votação nominal foi iniciada e os deputados da base votaram de forma favorável ao PL 08, com exceção dos dois rebeldes. Raimundinho e Jenilson, deixando a votação em 10 a dois.

Um estratagema da oposição

Ocorre que quando a mesa diretora passou a colher os votos dos deputados de oposição, os dois faltosos – Wendy e Nicolau, surgiram no plenário e revelaram a estratégia da oposição.

O líder do governo, Daniel Zen ainda tentou uma última manobra, mas foi contido pelo deputado Ney Amorim, presidente, que manteve a votação e o resultado foram 10 votos em favor do governo e da terceirização e 11 votos contra, derrubando em definitivo o PL 08.

Agora, outra lei no mesmo sentido – regulamentar a terceirização – somente poderá ser apresentada em 2018, com uma nova legislatura eleita. Após o resultado, os 11 deputados que votaram com os trabalhadores saíram do plenário e foram recebidos com palmas e abraços por parte dos trabalhadores presentes.

Com informações de SINTESAC

ACRE

Detran participa de Programa de Educação de Trânsito nas escolas públicas de Tarauacá

Com objetivo de formar futuros condutores conscientes, a prefeitura de Tarauacá, em parceria com o Departamento Estadual de Trânsito do Acre (Detran/AC), iniciou nesta segunda-feira, 14, o Programa de Educação de Trânsito nas escolas públicas do município.

A cerimônia de abertura foi realizada na Escola Instituto São José e contou com a presença de autoridades do município e gestores do ensino público. As atividades encerram no dia 25 de outubro.

Após a cerimônia de abertura, os alunos participaram da palestra inaugural (Foto: Izaias Queiroz/Detran)

Todas as escolas públicas de Tarauacá serão contempladas. A programação conta com palestras, teatro infantil e uma oficina para multiplicadores de conhecimento, voltada especialmente para professores.

“Os professores já são multiplicadores do conhecimento. Por meio da oficina, pretende-se auxiliá-los para que eles consigam trabalhar a temática de trânsito dentro da sala de aula, contribuindo, assim, para uma cultura de paz nas vias”, afirma a gerente da 1ª Circunscrição Regional de Trânsito (1ª Ciretran) de Cruzeiro do Sul, Taynara Martins.

Os educadores da 1ª Ciretran  serão responsáveis por executarem as atividades educativas, contando com o apoio do Núcleo de Educação de Tarauacá, Secretaria Municipal de Administração, Secretaria Municipal de Educação, 2ª Ciretran de Tarauacá, Gabinete do Vereador Lauro Benigno e gestores das escolas públicas do município.

Por Ana Flavia Soares

(https://www.agencia.ac.gov.br/detran-participa-de-programa-de-educacao-de-transito-nas-escolas-publicas-de-tarauaca/

Continue lendo

Acompanhe em tempo real

Sindmed-AC se reúne com Gladson Cameli para tratar sobre plantões extras e contratos emergenciais

Avatar

PUBLICADO

em

O presidente do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC), Murilo Batista, a diretora de Assistência do Pronto Socorro de Rio Branco, Michele Melo, e a médica Katia Fernanda, estiveram na manhã desta segunda-feira (14) em uma reunião com o governador Gladson Cameli e equipe para tratar sobre o risco de desassistência nos hospitais, garantia de pagamento de plantões extras e chamada de médicos em caráter emergencial caso os concursados que assinarem contratos não sejam suficientes para garantir o atendimento.

Murilo afirmou que atualmente já está existindo desassistência, haja vista que alguns médicos que terão contratos findados com a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) temem realizar os plantões extras e não receberem.

“Houve uma nota, mas os profissionais estão relutantes, pois estarão fora do Estado já em outubro e não acreditam que possam receber por folha suplementar porque nunca viram isso acontecer em governo algum”, diz o sindicalista.

A respeito dos plantões extras, Michele protocolou um documento relatando a falta de médicos que não teriam seus contratos renovados e pediram para sair dos extras.

Para Murilo, a necessidade é imediata e não cabe planos futuros a longo prazo. Ainda sobre os plantões extras, o presidente do Sindicato afirmou que os profissionais, mesmo com a garantia do governo, estão relutantes em cumprir plantões extras.

“Saúde é serviço emergencial, é algo que se trata hoje, não no futuro. Temos coisas emergenciais para resolver e os médicos querem essa garantia de que irão mesmo receber”, diz.

Michele Melo, afirmou que há, atualmente, 40 profissionais com contratos emergenciais e que é preciso a garantia de que, após o fim destes contratos, não haverá falta de médicos.

“Só lá temos 40 médicos com contratos emergenciais, cujos contratos irão acabar. Preciso de garantia de que haverá médicos após o fim do contrato dos emergenciais, que se os concursados não forem em número suficiente que ao menos renovem esses emergenciais”, diz.

O procurador-geral do Estado, João Paulo Setti, afirmou que o governo irá antecipar a chamada dos aprovados até o dia 24, justamente para que não ocorra desassistência.

A grande preocupação da direção do Sindmed-AC é que há uma disparidade entre os 212 médicos que terão seus contratos findados e os que serão chamados, que chegariam a 144.

O governador Gladson Cameli exigiu que sua equipe jurídica e da saúde apresentem solução imediata para o caso.

A secretária de Saúde, Mônica Feres, reiterou o compromisso de pagar os plantões extras e salientou que não haverá descontinuidade na oferta de serviços médicos.

Continue lendo

Super Promoções

ACRE.COM.BR ©2017-2019 - Todos os direitos reservados. Diretora Geral: Fernanda da Silva Alfaia

WhatsApp Fale conosco